Ana Costa canta Martinho da Vila no Teatro Rival

11/11 · Rio de Janeiro, RJ
Foto de Alle Vidal
Costura de repertório foi feita por Ana Costa e Martinho da Vila
1
Monica Ramalho · Rio de Janeiro, RJ
6/11/2014 · 0 · 0
 

No show “Pelos caminhos do som", Ana Costa traça um paralelo entre a obra de Martinho da Vila (compositor eclético, pesquisador incansável dos variados ritmos brasileiros) e Martinho da Vila, o embaixador da música dos países de língua portuguesa, lusófonos.

A proposta do show é chamar a atenção para a importância da obra desse grande mestre que sempre propôs o chamado “traço de união” entre as nações de língua portuguesa misturando músicas que estão no imaginário de todo nós com canções que foram menos divulgadas trazendo ao público um espetáculo com muito ritmo e de grande relevância para a identidade nacional.

No roteiro, obras-primas como “Disritmia” e “Canta canta, minha gente” (de Martinho da Vila), “Odilê, Odilá” e “Traço de união” (ambas de Martinho e João Bosco), “Beija, me beija, me beija” (dele com Zé Catimba), “Semba dos ancestrais” (em parceria com a violonista Rosinha de Valença), “Ô, morena, como é bom viajar” (com Roque Ferreira), “Lusofonia” (com Elton Medeiros) mais “Reversos da vida”, “Assim não, Zambi” e “Madalena”, as três só de Martinho, lembrando que a última é uma adaptação da cultura popular capixaba.

A cultura brasileira e, logicamente, a rica música que se faz e se consome no país, estruturam-se a partir de matrizes africanas e embora de africanidade tão expressiva, a música popular brasileira distancia-se cada vez mais dessas matrizes, salvo através das escolas de samba e de seu grande embaixador Martinho da Vila que, nos dias de hoje, é o seu maior pesquisador.

Dedicado à interação das nossas raízes com a moderna música brasileira, ele sempre esteve envolvido com a preservação da identidade nacional. Artista de renomada trajetória, trouxe a música d’além mar para o Brasil sem perder seu principal referencial de compositor brasileiro. Há alguns anos, gravou o álbum “Lusofonia”, no qual registrou músicas de todos os países de expressão portuguesa onde podemos notar as semelhanças que existem entre o semba angolano e o nosso samba, além do calango mineiro e o pagode caipira. É dessa fonte que Ana Costa bebeu e a partir dessa referência que desenvolveu o roteiro desse show a quatro mãos com Martinho da Vila.

“Pelos caminhos do som” tem direção geral de Analimar Ventapane, direção artística e concepção musical de Bianca Calcagni e Ana Costa, direção musical de Julio Florindo, que também é o baixista da banda que acompanha a cantora, formada por André Manhães na bateria, Maurício Massunaga no violão, na guitarra e no bandolim, Alessandro Cardozo no cavaquinho e Daniel Félix na percussão.

onde fica
Teatro Rival Petrobras - Rua Álvaro Alvim, 33/37, na Cinelândia
quando ir
11/11/2014, às 19:30h
quanto custa
Ingressos: R$ 50,00 (inteira), R$ 35,00 (promoção para os primeiros 200 pagantes) e R$ 25,00 (estudantes, idosos e professores da rede municipal)
website
http://anacosta.art.br/
contato
BELMIRA COMUNICAÇÃO - Monica Ramalho - moniramalho@gmail.com

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados