Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

'Com um toque de vermelho' exalta a feminilidade

07/3 · Florianópolis, SC
Tela Thommasa, divulgação
1
Paula Albuquerque · Florianópolis, SC
12/3/2006 · 27 · 0
 

"Com um toque de vermelho é como Noris Maria Dias chamou sua primeira exposição individual em Florianópolis, que acontece no Palácio Cruz e Sousa de 8 de março a 9 de abril. A mostra é um apanhado de seus últimos trabalhos em óleo sobre tela, expostos em janeiro deste ano na Noruega – país onde viveu por mais de 20 anos-, além de telas, desenhos e pequenas instalações inéditas. “Vermelho é uma cor recorrente no meu trabalho. É intensidade, é paixão, e se relaciona muito com o que gosto de transmitir com a minha arte”, conta.

Nas telas de Noris, pintora gaúcha que escolheu viver em Florianópolis depois de anos entre Itália, Noruega e França, transbordam a cor, o universo feminino, a dualidade humana. É uma arte que se volta para o interior, para as emoções – o que não pode ser dissociado de uma trajetória profissional ligada à medicina terapêutica. Noris pinta o que está intimamente ligado ao seu entorno, aos seus questionamentos próprios. Suas telas combinam vida e morte, dor e gozo; seus retratos são de pessoas que passaram por seu cotidiano – “só posso pintar quem eu conheço, preciso captar a vida interior” -; suas mulheres exaltam o que é intrínseco à alma feminina.

O universo feminino é marcante na poética de Noris através das figuras mitológicas, dos arquétipos, dos traços curvos, da exuberância de corpos grávidos e lactantes, dos elementos da natureza que sintetizam a criação. Sua arte foi ficando mais “feminina” com o tempo, a partir de reflexões sobre o que esse universo representa para ela.

Aluna do pintor e escultor uruguaio Nestor Marques Rodrigues (Nesmaro), na adolescência em Pelotas-RS, sua cidade-natal, por muitos anos Noris conciliou a medicina às artes plásticas. Aos 18 anos partiu para a Noruega, onde conheceu o marido e grande incentivador de seu trabalho. Foi em Oslo que Noris teve aulas com o pintor Per-Henky German-Vik, seu grande mestre, e realizou a primeira exposição, em 2000. Posteriormente, expôs em Paris (na galeria Art et Miss, onde realizará nova mostra em setembro deste ano), em Nova York (na mostra Art in The Park, no Central Park, onde expôs ao lado de artistas como Jeff Koons, Niki de Saint Phalle, Picasso e Christo), em Brasília, Porto Alegre e Florianópolis.

Nos países europeus, principalmente os escandinavos, a obra de Noris se destaca pela cor impactante. “Quando cheguei na Noruega, não se estava preparado para [receber] isso. Hoje as casas já são coloridas”. Numa região de invernos monocromáticos e silêncio absoluto, a obra de Noris leva um calor e um alento. “Numa das exposições em Oslo, uma senhora permaneceu horas na galeria com o filho, e comentou na saída: ‘por hoje tive minha dose de luz e de calor’”, conta.

Se na Europa a obra de Noris se destaca pela “tropicalidade” das cores, aqui os críticos apontam uma influência da pintura escandinava, no que diz respeito à interiorização dos temas. “Nesses países, devido ao bem-estar social, os artistas podem se dedicar a temas mais existenciais. Aqui se está voltado para o exterior. O externo te agride muito, , tanto na exuberância, na beleza, quanto na discrepância das diferenças sociais”, diz.

“Pintar é um processo de dor e prazer. Entro num campo desconhecido. Se há um lado há um lado que flui, há um outro que é um crítico severo”. Na maioria das vezes, é um trabalho solitário, uma espécie de terapia pessoal. Há elementos recorrentes em suas telas – borboletas, gatos, lagartixas, pequenos seres de uma mitologia própria -, que aparecem aos poucos, e geralmente não são captados à primeira vista. A obra de Noris pede um olhar minucioso. Exige um tempo que pouco tem a ver com o frenesi da modernidade. Na obra de Noris as entrelinhas são parte da composição.

[Paula Albuquerque/Aliança Francesa de Florianópolis] [editada

onde fica
Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa, Praça XV de Novembro, 227, Centro
quando ir
07/3/2006
quanto custa
entrada gratuita
website
www.noris.no
contato
Tel: 48 3028 8091

compartilhe

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados