Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

A aldeia de Tolstoi

José Carlos Brandão
1
José Carlos Brandão · Bauru, SP
21/5/2008 · 85 · 6
 

A ALDEIA DE TOLSTOI


É mais do que conhecida a frase de Tolstoi: “Se queres ser universal começa por pintar a tua aldeia”. Verdade que frases são frases, valem mais pelo efeito que causam do que pela verdade do que dizem. Há quem não atina com essa evidência elementar e quer fazer de uma assertiva assim banal, só porque de Tolstoi, verdade universal. Todos os grandes autores cantaram primeiro sua região, apostrofam. Toda obra deve ter cor local. Como se fosse tão simples assim.

À primeira vista, é sugestiva a idéia. Drummond cantou Minas e Itabira. Murilo mostra bem sua mineirice. João Cabral é a terra seca de Pernambuco. Guimarães Rosa é Minas. Machado de Assis? Pois é, Machado pintou milimetricamente o Rio de Janeiro, mas diziam que ele não tinha cor local. O que é mesmo essa cor local? Cecília Meireles era outra filha do Rio de Janeiro – que não aparece em sua obra.

Cecília nasceu universal. Seu livro “Viagem” foi a primeira obra modernista sem cor local, sem as tintas do nacionalismo verde-amarelo. Foi a primeira obra aceita pela Academia Brasileira de Letras, a primeira a cruzar o Atlântico. Cecília nasceu enorme e universal, sem cantar a sua aldeia.

Disseram que a sua poesia tinha mais sabor português. É pouco. Tinha sabor universal. Os grandes temas da poesia de todos os tempos, num tom, numa musicalidade, que poderia ser de qualquer lugar e de todos os lugares. Por que ninguém diz que Cecília Meireles é o maior poeta brasileiro? Por que era mulher, não era poeta, mas poetisa. Por causa apenas de nosso machismo.

“O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,/ Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia/ Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia”, escreveu Fernando Pessoa, que não começou por pintar a sua aldeia. O quê? Você me diz que a sua aldeia era Portugal? Talvez, mas Fernando Pessoa ficou grande por tratar grandes temas de maneira grande, invulgar, particular e universal – e não por tratá-los à maneira portuguesa.

Concordo que é muito interessante a idéia: “começa por pintar a tua aldeia.” Foi por isso que me tornei poeta. Eu estudava no seminário, em Rio do Oeste, SC, e por acaso me caiu nas mãos um livrinho, “Os Simples”, de Guerra Junqueiro. Nesse livro, Guerra Junqueiro pinta a sua aldeia, eu decidi pintar a minha. Descobri que poeta não era uma entidade abstrata, mas um homem que tem sangue e terra nas veias, como eu. Ele falava das coisas que eu conhecia, árvores, animais, gente pobre da roça. Bastava falar das coisas que eu conhecia, para ser poeta.

Fiz meu primeiro poema: “A Figueira”. Compreendi de imediato que me faltava muita coisa: dominar a linguagem, trabalhar a linguagem, conhecer a vida com a linguagem. Como se eu já soubesse o que é literatura.

Pouco depois, conheci o mar. Encantou-me, fascinou-me, maravilhou-me. Foi o encontro com o milagre da beleza e do mistério. O sentimento do eterno e da finitude. Foi um chute no estômago da alma: instalou-se o caos primordial. Estavam definidos os meus grandes temas.

Até hoje, falo da terra a que estou ligado como uma árvore, pelas raízes, e do mar, a que estou ligado pela alma. As minhas imagens têm seiva das árvores, dos animais, dos homens que conheci, e têm água e sal e sargaços do mar maravilhoso, enigmático, efêmero e eterno. “No princípio, Deus pairava sobre as águas.” Antes de haver o mundo, havia as águas. Havia o eterno, o efêmero foi criado depois.

A minha aldeia? Faz tanto tempo que nasceu a idéia de Aldeia Global, que dá vergonha exigir que se fale de uma minúscula aldeia. Que se mostre cor local. Alguém pode me dizer qual é a cor da Aldeia Global? A maioria dos poetas cantou a sua aldeia, mas já morreram. Os poetas de hoje precisam cantar o mundo. Eu continuo a cantar a minha aldeia, mas estou deslocado, desfocado, errado. Tolstoi cantou a sua aldeia, Shakespeare também, mas morreram. Hoje não existem aldeias, mas a Aldeia, o mundo-universo.

Quem sobrevive é o homem, enquanto forma de linguagem. Shakespeare e Tolstoi sobrevivem além da morte porque criaram linguagem, não porque cantaram sua aldeia. O que ficou deles é o universal.

Todas as teorias são belíssimas enquanto teorias. Literatura é linguagem. Ou você cria linguagem ou ficará sonhando em cantar a sua aldeia. “Todos cantam a sua terra/ Também vou cantar a minha.” É bonito, mas se eu criar linguagem, farei literatura, poesia universal. Não porque cantei a minha terra, mas apesar disso.

Sobre a obra

Uma crônica sobre a cor local como parâmetro de uma obra de arte.


compartilhe



informações

Autoria
José Carlos Brandão
Downloads
1049 downloads

comentários feed

+ comentar
Rafael Hythloday
 

Se bem entendi o que você quis dizer com ''criar linguagem'' creio que fazer isto é tarefa de profissional. Hoje somos tão bombardeados com informações vindas de todas as partes do mundo que realmente fica difícil nos mantermos em nossas aldeias.

Rafael Hythloday · Canoas, RS 19/5/2008 20:43
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Leandro F. de Paula
 

Eu particularmente acredito que estamos no momento em que todos devemos ser universais.

Votei!

Leandro F. de Paula · Curitiba, PR 20/5/2008 22:53
sua opinião: subir
Cherry Blossom
 


Compartilho a idéia. Me sinto plural. Sou filha desse pequeno pedaço de terra. Embora saiba que muito dela está gravado em mim, ainda não vejo minhas pegadas marcadas nela. Talvez mais tarde, quando eu conseguir juntar todos os pedaços que clamam dentro de mim. Quando eu conseguir distinguir todas as vozes. Eu e minha aldeia nos encontraremos e juntas cantaremos um canto que será Universal...
Um primor de crônica José Carlos!
Votadíssimo.

Cherry Blossom · Dracena, SP 21/5/2008 00:31
sua opinião: subir
clara arruda
 

Já nem sei quem sou...Nem a que lugar pertenço,mas ler seu relato foi uma grande dádiva nesta manhã.
Um dedo imobilizado...catando milho,mais de 5000 e-mails para responder.Eu apenas entrei na página do overmundo para ler meus amigos.
Aqui deixo não apenas votos,deixo o meu carinho.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 21/5/2008 06:51
sua opinião: subir
Ailuj
 

Muito bom
li,amei e votei

Ailuj · Niterói, RJ 21/5/2008 12:38
sua opinião: subir
Samuel Luciano Assunção
 

oi josé carlos...
gostei muito do que você disse...
seu texto é repleto de verdades...
votando para publicar...

um abraço.

samuel.

Samuel Luciano Assunção · Angra dos Reis, RJ 21/5/2008 15:03
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados