A Menina e o Mar

1
Dora Nascimento · Olinda, PE
23/4/2008 · 103 · 15
 



I

Era uma princesa
Já órfã de mãe em pouca idade,
E que sempre vivera em cidade
De onde não se via o mar.
Mas ela,
- Vamos chamar-lhe de Isla –
Sonhava, em sua alma deserta.
Com o que seria o mar,
E para onde ela iria
Se pudesse o alcançar.

II

Um dia, Isla
De beleza tão singela
Quanto uma concha
Casa vazia ecoando o mar,
Inesperadamente
Teve que da sua cidade dura
Por conveniência pura
Viu-se indo embora
Para uma outra cidade
Que era banhada por mar.
Isla, noite e dia,
Sonhava, e se banhavas,
E assim em sonho banhada,
Sentia-se já ilha
Cercada de mar, mar, mar...

III

E chegou o dia
Em que com infantil euforia
Sem mais idade para tanto
Quando viu o mar
Isla banhou-se em pranto.
Pranto, para tantos,
Até de amedrontar.
Era dor?
Era medo?
O que Isla estava a prantear?
Isla calada,
Em pranto banhada,
Parada, mas não paralisada,
Abriu os braços
Num abraço fantasma,
E soluçava qual criança desesperada,
Num choro que só ela sabia,
Se o teor era de dor,
Ou de desatada alegria.

IV

O que ninguém,
Poderia adivinhar,
É que Isla, muito além,
Do que via além do mar,
Dentro daquelas ondas
Que cantavam na voz da sua mãe,
Que já não cantava mais.
Isla chorava,
E sentia que se entrasse,
Sua vida entregaria.
Porque o mar
Era a sua mãe perdida
Que a acalentava,
A abraçava,
E banhava,
Mas ela temia...
E ficou ali, abraçada
Com si mesma, a chorar,
Sentindo-se fraca,
Por temer tanto
Entrar no mar.

V
E do mar,
Em ondas desesperadas,
Uma voz materna acalentava,
Num som de doce marulhar:

“Isla, Isla...
Hei de sempre te banhar,
Te cercar do sal que cura,
Água que no ventre traz,
Crias lindas demais...
Minha menina fique em paz.
Mas ficas aí onde estás...
És Isla, ainda pequenina,
E o mar é feito de inconstâncias infindas,
Além de profundas águas abissais.”

VI

E Isla, assim acalentada,
perdeu o medo do mar.
e entrou, até onde os seus pés,
a sua limitação a lhe ancorar,
assim que resolveu entrar,
para se entregar,
ao seu primeiro banho de mar


Março de 2007.

(para uma menina que eu quis que fosse minha)

compartilhe



informações

Downloads
289 downloads

comentários feed

+ comentar
alcanu
 

É como se Isla representasse uma ilha, ironicamente em inglês a palavra é muito parecida, sozinha, isolada, cercada de água por todos os lados !
Um beijo !
Alcanu !

alcanu · São Paulo, SP 21/4/2008 02:37
sua opinião: subir
Falcão S.R
 

Uma bela história contada em versos poéticos irretocáveis. Bjs

Falcão S.R · Rio de Janeiro, RJ 21/4/2008 04:35
sua opinião: subir
Regina Luna
 

Lindo, Dora... todas as entregas são lindas...
ainda mais quando transformadas em versos...
Beijo.

Regina Luna · Fortaleza, CE 21/4/2008 11:34
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Oi Gente Linda Pendão da Esperança,
poetas são os verdadeiros símbolos da Paz.
Desculpem, acordei toda quase nacionalista, apesar de nos ouvidos trazer a voz suave de uma indiana...
Desculpem também a pressa, a imperfeição me alcança a passos largos, e eu estou com o chão da minha senzala repleta de papéis e envelopes, pétalas de rosas, contas, vitrilhos, linhas, tesoura e colas... e as idéias espalhadas pelo chão vão formando imagens e letras, e palavras, e palavras, que carecem de serem unidas, para preencherem mundos vazios de folhas opressoramente brancas...

Beijos a todos, bom feriado de descoberta indevida das terras brasílis.
Recífelis continua suja, bonita, alegre, confusa, e suja.
Olinda tem um sítio histérico históricamente culturalizado e cheio de odores impregnantes, que vão desde os pés de oitis, até os ácidos mijos ressecados.

Dora Nascimento · Olinda, PE 21/4/2008 13:21
sua opinião: subir
Branca Pires
 

Dora, que lindo esso conto-poema!
A Isla que habita cada uma de nós estará a sorrir, abraçada com a mãe e com o mar...
Lindo!
beijos

Branca Pires · Aracaju, SE 22/4/2008 02:16
sua opinião: subir
Saramar
 

Dora, a cada dia, seus poemas estão mais proundamente belos e musicais.
Linda história, em belos e musicais versos.

beijos

Saramar · Goiânia, GO 22/4/2008 17:46
sua opinião: subir
clara arruda
 

Querida Dora,um poema maravilhoso!
Me deixou fascinada sua Isla.Eu sei que ela alcançou o mar.Tb sei que daqui há duas horas estarei de volta.Um beijo em seu coração.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 22/4/2008 21:22
sua opinião: subir
Falcão S.R
 

Ratificando meu comentário com voto. Sucesso! Bjs

Falcão S.R · Rio de Janeiro, RJ 23/4/2008 05:23
sua opinião: subir
clara arruda
 

aum grandr abraço minha querida.Aqui compareço nesse feria do de S.Jorge.Votado.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 23/4/2008 05:25
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Obrigada a todos, beijos

Dora Nascimento · Olinda, PE 23/4/2008 05:59
sua opinião: subir
Branca Pires
 

Votadíssima.
bjs

Branca Pires · Aracaju, SE 23/4/2008 06:42
sua opinião: subir
Alice Poltronieri
 

Bom dia Dora,
Fascinante seu conto poético. E assim em sonho banhada,
Sentia-se já ilha
Cercada de mar, mar, mar...
Se sentir ilha de tanto mar é lindo e profundo. Lembro de algo que escrevi certa vez:(...meu coração é um mar profundo...)
O encanto e a magia do mar acalenta e acalma, maternalmente, sempre nossa 'Isla' interna. Beijos.
Votos e
Viva Olinda com todos os seus odores...rs

Alice Poltronieri · Porto Velho, RO 23/4/2008 08:52
sua opinião: subir
Paulo Esdras
 

Dora, este eu fiz questão de salvar. Beijos

Paulo Esdras · Brumado, BA 23/4/2008 19:11
sua opinião: subir
alcanu
 

Dó, me ewxplica uma coisa que eu nunca, jamais consegui entender:
"-Como é que o Tiradentes morreu ( dia 21 ) antes do Pedro
Álvares Cabral descobrir ( dia 22 ) esta Terra maravilhosa ?"
I Don't understand
Um beijo, Alcanu !
PS:
Viva a bagunça, APOIO TOTAL, AMPLO & IRRESTRITO !

alcanu · São Paulo, SP 23/4/2008 19:46
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Eu troquei as datas, sempre troco. Aco mais bonito vinte e um de abril para descobrimento, e dia vinte e dois para mártir de araque.
Desculpem, é o que eu penso de Tiradentes!
Não sei como não botaram a homenagem para perto da semana santa, pra fazer parelha com Jesus. Cabelos grandes, barba, bigode, preocupado com a, liberdade e... Quase tudo a ver, não fosse a dívida de impostos que o dito cujo tinha com os cofres de Portugal.
Liberdade ainda que à tardinha, baby

Obrigada a todos, estou correndo, beijos, Valeu!!!

Dora Nascimento · Olinda, PE 24/4/2008 10:19
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 3 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados