Abstrações

5
Max Reinert · Florianópolis, SC
16/8/2008 · 188 · 29
 

Então era certo afirmar que ele tinha essa habilidade. Se é que se podia chamar de habilidade. Nem sabia como chamar essa capacidade. Mas, mesmo sem saber como chamar, a verdade é que podia abstrair certas coisas. Fragmentos. Momentos. Partes do corpo.

Quanto estava entediado no trabalho, via o mundo com outros olhos. O discurso do seu chefe sobre as necessidades operacionais dos fragmentos institucionais acabava, invariávelmente, transformando-se em alguma música levemente melancólica. Ou não. Dependia do seu estado de espírito. Ou ainda, quando lhe interessava, podia abstrair as roupas. Podia ver todas as curvas de um corpo. Reentrancias. Cotovelos. Nucas. Polpas. Tudo.

Nas segundas-feiras, quando a humanidade lhe parecia uma grande piada, costumava abstrair-se de tudo o que se parecia com pessoas. No metrô, era gritante a quantidade de roupas que flutuavam, apressadas. Casacos coloridos dos adolescentes esfregavam-se em saias de colegiais, levemente enroladas nas cinturas invisíveis. Ternos nervosinhos folheavam jornais que depois eram largados sobre os bancos e esmagados por grossas calças de lã poídas. Um par de luvas esqueirava-se por um par de ombreiras fora de moda. Um mosaico de roupas e objetos movia-se. Com vontade própria.

Algumas terças eram de órgãos internos, intestinos e tripas. Uma visão meio incômoda. Bom... dependia-se do menú. Se bem que, perto do final da tarde, quase sempre a visão era mesma: aparelho digestivo pulsando. Sucos gástricos maltratando a parede do estômago. Músculos tesos. Irritação evidente.

Nos dias em que estava feliz, eram só sorrisos. Nos finais de semana, orgias líquidas. Às vezes, esperma. Quase sempre, cerveja. Jantares de vinho. Noitadas de uísque. Dias seguintes com muita água, sucos, outras cervejas.

Num final de ano, foi ao funeral de um amigo querido. A cerimônia foi cheia de lágrimas. Algumas abundantes, que escorriam com rapidez. Outras eram mais tímidas. Levavam certo tempo acumulando-se em um só ponto para depois lançar-se. Uma única lágrima continha toda a dor de uma perda. Uma lágrima só... que, quando prestou atenção, percebeu ser sua. Uma única lágrima que, aos poucos, foi sendo absorvida pela pele.

Seu único problema era que não conseguia controlar essas abstrações.

Atendendo à alguns clientes perdia-se pela quantidade de listras em suas camisas. Alguns objetos que lhe eram mostrados simplesmente se recusavam a ser vistos. Assim, dava opinião sobre coisas que não via. Algumas vezes não respondia às perguntas feitas... não porque não quissese, mas simplesmente porque não as tinha ouvido. Recusava-se a permanecer perto de algumas pessoas queridas, visto que elas eram músicas insuportáveis. Tristes demais. Animadas demais. Anos 50 demais.

Seu coração ansiava conhecer Bach. A chanson francesa. Uma mulher de fragrância amadeirada. Um garoto de bolas de gude. Vermelhos vivos. Azuis do céu só encontrados no sul do seu país. Um inventário de elementos dispersos e desconexos. Um caleidoscópio de pele.

Até que um dia, caminhando por uma rua qualquer, encontrou um guarda-chuva vermelho. Perfeito. Um guarda-chuva vermelho que tinha a voz de uma música perfeita. Romântica sem ser piegas. Doce, sem ser enjoativa. Um guarda-chuva com cheiro amadeirado. Com orgãos internos pulsantes e pressão sanguínea adequada. Um cérebro bem irrigado. Fígados e pulmões limpos... sem vícios.

Tudo estava na mais perfeita ordem, mas... onde estava o rosto? Quem era essa pessoa? Como poderia reconhecê-la mais tarde? Aos poucos percebeu que ela se afastava. Certamente iria para algum lugar que ele não sabia qual era. Pensou em chamá-la, mas não sabia como. Estava tão entretido sentindo-a que não conseguiu decifrar seu nome.

Enfim, ela se foi.

Ele, ficou.

Hoje anda por aí, tentando reconhecer os sinais.

*(humildemente inspirado em Posibilidades de La Abstracion de Julio Cortázar)

compartilhe



informações

Downloads
677 downloads

comentários feed

+ comentar
Cristiano Melo
 

Max,
toda situação, seja ela qual for depende da realidade de cada um. As realidades são variadas e indicam o estado de quem a possui. Em seu texto, as metáforas inspiradas nos sentidos, denotam uma rica sensibilidade de uma realidade.
Parabéns pela criatividade
abraços

Cristiano Melo · Brasília, DF 15/8/2008 09:56
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Surrealismo raro nas letras de hoje. Mesmo inspirado em Cortázar, não perde sua instigante originalidade. Muito bom!

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 15/8/2008 17:47
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
celina vasques
 

Inicio sua votação com carinho!

beijo no coração!

celina vasques · Manaus, AM 15/8/2008 18:58
sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Devidamente sacramentado.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 15/8/2008 18:59
sua opinião: subir
Ilhandarilha
 

Bom demais, Max! A inspiração óbvia não tira o gosto de sua escrita.
abraços!

Ilhandarilha · Vitória, ES 15/8/2008 19:54
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Max,
O que seria concreto para o personagem perdido em tantas abstrações?
belo conto!
bjssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 15/8/2008 22:59
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

bom trabalho.votado.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 16/8/2008 12:28
sua opinião: subir
Ailuj
 

Muito bom seu conto
de leitura e entendiemnto fãcil
Publicadoooooooo

Ailuj · Niterói, RJ 16/8/2008 16:10
sua opinião: subir
Max Reinert
 

Obrigado pelos comentários!

Doroni:
Boa pergunta... acho que nem ele/eu poderia te dizer ao certo.. de qualquer forma "apareceu" uma ausência... a necessidade de algo concreto dentro de tantas abstrações!

Max Reinert · Florianópolis, SC 19/8/2008 10:44
sua opinião: subir
Nanda Dreier
 

muito bom.

Nanda Dreier · Chapecó, SC 21/8/2008 11:32
sua opinião: subir
Neutzscha
 

Ai que texto gostoso!!!!!!! Amei!!!!!
Bjs
ND

Neutzscha · Campinas, SP 26/8/2008 10:51
sua opinião: subir
Neutzscha
 

Li de novo, e de novo! Texto bom ,surrealista,macabro, angustiante, amei!!!!!! Tem mais no gênero?

BJs

ND

Neutzscha · Campinas, SP 2/9/2008 15:04
sua opinião: subir
Neutzscha
 

BIS! BIS! BIS!

Neutzscha · Campinas, SP 2/9/2008 15:04
sua opinião: subir
Elliana Alves
 

votado!!!

Elliana Alves · Petrolina, PE 7/9/2008 05:18
sua opinião: subir
camuccelli
 

O legal de ler textos bem escritos,é que a gente aprende a escrver.

camuccelli · Rio de Janeiro, RJ 12/9/2008 14:02
sua opinião: subir
Juana Correia
 

Bom de ler, votado!

Juana Correia · Londrina, PR 24/9/2008 11:46
sua opinião: subir
Langinha
 

Parabéns pelo texto. Muito interessante... Convido vc a visitar m/ novo trabalho, em exibição no Overmundo. Chama-se "Meu Anjo da Guarda!, e, ficou bem bonito..Apareça p/ conhecer...Abraços. Langinha..

Langinha · São Paulo, SP 3/10/2008 23:31
sua opinião: subir
Circus do Suannes
 

Gostei. Também tenho algo inspirado no Cortázar. Mas, quem não tem?

Circus do Suannes · São Paulo, SP 10/11/2008 22:50
sua opinião: subir
Renata Rimet
 

Achei lindo, me reconheci várias vezes...

Venha conhecer dona Verbena, ela ainda aguarda um pouco de atenção...http://www.overmundo.com.br/banco/verbena-preocupacao-em-pessoa

R. Rimet

Renata Rimet · Salvador, BA 13/11/2008 09:06
sua opinião: subir
Cassiane Schmidt
 

Lindo texto!

Cassiane Schmidt · Gaspar, SC 19/11/2008 19:53
sua opinião: subir
Lily Braun
 

Muito, muito bom!

Lily Braun · Vila Velha, ES 26/1/2009 22:14
sua opinião: subir
Déh De Mari
 

Max,
Adorei o seu texto, a dádiva dele também e a desgraça...
Intrigate e belo...
:)

Déh De Mari · São Paulo, SP 27/1/2009 21:27
sua opinião: subir
Renan Marx
 

palmas. E só. Maravilha de texto, maravilha.

Renan Marx · Cuiabá, MT 19/2/2009 13:31
sua opinião: subir
Jaqueline Gomes
 

lindo e criativo texto... por minuto quis ter tal habilidade, mas só por um minuto.
:)

Jaqueline Gomes · São João de Meriti, RJ 6/3/2009 19:26
sua opinião: subir
Sil dos Santos
 

Muito bom! Queria ter escrito!

Sil dos Santos · Chapecó, SC 27/10/2009 20:46
sua opinião: subir
Isa Lorena
 

Muito bom texto. Parabéns.
Votado.

Isa Lorena · Salvador, BA 29/10/2009 11:03
sua opinião: subir
Nerito
 

Quero aprender certas abstrações. Abraços.

Nerito · Belo Horizonte, MG 17/7/2010 02:03
sua opinião: subir
Neutzscha
 

De novo, relendo, uma loucura isso.
abraços
Neusa

Neutzscha · Campinas, SP 7/9/2010 23:18
sua opinião: subir
Erika L.
 

Max

Seu texto é envolvente, sensível, rico no vocabulário e principalmente nos detalhes durante o desenvolvimento. Adorei seu estilo. Sucesso!

Erika L. · Florianópolis, SC 28/8/2015 06:01
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados