As ruas da cidade

1
Letícia L. Möller · Porto Alegre, RS
1/12/2008 · 128 · 7
 

Já não reconheço as ruas
quando meus passos percorrem a calçada antiga.
As pedras as mesmas, as mesmas árvores,
o sabiá e o lilás das campainhas.

Do velho armazém nada alterado
e em pé segue a casa do professor.
O céu anil do outubro na cidade
pinta de ares serenos a tarde.

Mas já não reconheço as ruas
quando piso meus passos pequenos
e respiro o concreto imponente e feio.

Quando vejo aquele homem na calçada
que dorme sobre nada e nada sonha
e aqueles que passam apressados indiferentes irados
e nada vêem.

compartilhe



informações

Autoria
Letícia Möller
Ficha técnica
www.efemerasletras.blogspot.com
Downloads
305 downloads

comentários feed

+ comentar
Marcos Pontes
 

Há alguns meses escrevi um poema sobre as ruas de Porto Alegre para a exposição de fotografias de um amigo que mora aí. O engraçado é que nunca estive na cidade e meu passeio se deu pelas lentes do artista. Teu poema me remeteu a esa lembrança. Aliás, um belíssimo poema, embora os dois últimos versos tenham quebrado um pouco o ritmo que se construiu nos anteriores.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 28/11/2008 15:03
sua opinião: subir
Benny Franklin
 

Letícia, Salve!

Poema bucólico e romântico (bem superior aos que eu costumo procriar...), tal os beijos (latentes) enamorados que não
têm/terão o mesmo gosto - jamais!

Bjs.

Benny Franklin

Benny Franklin · Belém, PA 29/11/2008 10:59
sua opinião: subir
Ivan Cezar
 

Olha Letícia - eu gostei do poema
Sou suspeito porque sempre me seduz esse "modelo" social na visão de poetas ...
parabéns.

Ivan Cezar · São Sepé, RS 30/11/2008 12:21
sua opinião: subir
Saramar
 

Letícia, é maravilhosos poder ler novamente seus poemas.
Neste, a beleza dos dias anntigos é conspurcada pela moderna cegueira dos homens modernos.
Gostei demais.

beijos

Saramar · Goiânia, GO 30/11/2008 16:42
sua opinião: subir
Letícia L. Möller
 

Obrigada a todos pelos comentários.
Caro Marcos, agradeço a observação que fazes quanto ao ritmo quebrado ao final; pensarei a respeito. Também gostaria de ler os poemas que escreveste sobre Porto Alegre!
Benny e Saramar, sempre generosos e tão carinhosos em suas avaliações: obrigada mais uma vez!
Ivan, agradeço a tua opinião e olhar sensível.

Letícia L. Möller · Porto Alegre, RS 30/11/2008 18:28
sua opinião: subir
graça grauna
 

graça grauna · Recife, PE 1/12/2008 00:16
sua opinião: subir
Pepê Mattos
 

As ruas de minha cidade-exílio em tudo se assemelham às de Porto Alegre, malgrado não terem a poesia que tu encontras quando nos expões teu interior... O que tua visão aponta o teu coração complementa... Na tua escrita sentimos a nostalgia que se esvai por entre as placas de concreto no chão fincadas... Não são esses tenazes físicos que te causam essa dor: a ausência das coisas que o Tempo não traz mais é que te incomodam... Por vezes me vi assim... Evitava de olhar os espelhos... Não há respostas onde questões inexistem... Saudades,... Abraços...

Pepê Mattos · Macapá, AP 15/12/2008 18:08
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 2 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados