BANQUETE PARA UM EQUINO

1
Vilorblue · Colombo, PR
13/1/2009 · 161 · 37
 

BANQUETE PARA UM EQUINO

Todos os cavalos do mundo resolveram fazer greve de fome, até os cavalos de Mardlam com suas mantas de lã vermelhas e listas azuis, (estes cavalos são considerados os mais fieis aos seus donos) aderiram ao movimento equino global. Seus representantes deixaram a ultima assembléia cabisbaixos sem dar explicação alguma e eram cercados pela imprensa, que afoita por explicações ou meia dúzia de palavras que esclarecessem as razões e os motivos que levaram todos os cavalos a aderir à greve geral. Alguém chegou a cogitar que o motivo da adesão seria a situação atual de Mardlam, em rápida recessão econômica. Neste país os cavalos estariam se alimentando de pedras. Relembramos agora algumas palavras da conturbada entrevista do presidente da (F.I.U.C.O), Federação Internacional Dos Cavalos Organizados....Assim ficou estabelecido após varias regionais e na ultima plenária, que nós cavalos, como classe imprescindível ao desenvolvimento e manutenção da classe humana e todos os bípedes, entraríamos em greve geral de fome, decorrendo deste ato, a desaceleração da produção de todo o sistema, (nesta hora ele foi ovacionado por todos os presentes), - do lado de fora do Conventional Center, uma pequena multidão de bípedes contrários a globalização da greve promovia o inicio de um quebra-quebra -, mesmo assim o presidente da F.I.U.C.O continuava calmamente...fazendo com que nossas reivindicações atinjam os objetivos, isto é, melhoria imediata da nossa alimentação, com três refeições diárias de feno tenro e verde, também reivindicamos o fim do uso da cela, devido ao aquecimento que a mesma proporciona na região lombar, estas ultimas palavras foram ditas com ele (o presidente) já se posicionando dentro da própria limusine, fechou a porta e o veiculo partiu acelerando forte.
Os jornalistas afoitos e no afã de chegarem às suas redações o mais rápido possível saíram correndo, ficando no local uma pequena população de quadrúpedes armados, também ficaram os bípedes arruaceiros. Virei e observei o sólido bloco de concreto que fazia parte do enorme conjunto arquitetônico, o Conventional Center estava com todas as luzes acesas, lembrei da velha fabrica onde eu trabalhara a vida inteira e fora demitido ha algum tempo atrás. A arquitetura da antiga fabrica era diferente do bloco de concreto e linhas modernas e arrojadas que se estendia à minha frente, a velha fabrica era construída de tijolos de barro cozidos, com sua velha chaminé de mil e quinhentos metros de altura, lembrei ainda da ultima produção saída da sua linha, neste dia o gerente sênior de relações humanas (um cavalo alazão de nome Troteiro) reuniu os cerca de 6500 funcionários no pátio da fabrica e comunicou a todos que aquela seria a ultima fornada que sairia daquela fundição e que a partir daquele dia o prédio da fabrica seria transformado no que a diretoria do grupo denominava de projeto (A.U.S.T.E.J.D), Abrigo Underground de Famílias Sem Teto e Jovens Drogados, e assim sendo, os enormes fornos da fundição teriam uma utilidade maior. Neste momento um burburinho, um pequeno frison entre os bípedes presentes ao Conventional Center, todos correram em direção ao prédio, corri também, olhei através dos janelões de vidros blindados, dentro havia uma enorme mesa com quase quinhentos lugares, sentados a mesa representantes do mundo equino, (burros, cavalos, jumentos, zebras, etc), neste momento foi autorizado por um mestre de cerimônias o inicio do banquete e os equinos passaram a saborear mais uma refeição a base de carne humana...

Orlando Rocha.

Sobre a obra

Aquele era um banquete singular, lamentavelmente ele recordava dos tempos em que trabalhava na velha fabrica...

compartilhe



informações

Autoria
Vilorblue
Orlando Rocha
Downloads
372 downloads

comentários feed

+ comentar
CintyaHelena
 

Impressionante seu texto!Parabéns!

CintyaHelena · Colombo, PR 11/1/2009 12:43
sua opinião: subir
Ivette G.M.
 

É, quem passa fome mesmo são os cavalos que puxam carroça, os jegues. Os cavalões de trote, de corrida, esses, realmente se banqueteiam depois dos discursos e de terem certeza que conseguiram levar a todos à greve.
Parabéns pela reflexão. Ivette G M

Ivette G.M. · Cotia, SP 11/1/2009 21:53
sua opinião: subir
valdezz
 

parabéns! pela clareza das ideias, equinos entendem porque não os humanos, né?

valdezz · Arraial do Cabo, RJ 11/1/2009 22:27
sua opinião: subir
JACINTA MORAIS
 

VILOR,
Brilhante texto,
convite imperdivel!
Gostei do cavalo alazão,
(Adoro os cavalos!)
Refeição a base de
Carne humana???
El banquete terrible!
Pareciendo que temías,
Pareciendo que rezabas...
Todo mal que hoy,nos rodea,
Aterrorizador!!!
ABRAZOS.

JACINTA MORAIS · Cascavel, PR 11/1/2009 22:58
sua opinião: subir
Ivan Cezar
 

Pois é, meu caro Vilor !
E os cavalos estão aí !
E nós - os "bípedes" da massa - estamos virando a comida deles ...
Eu entendí, acho !
Parabéns !

Ivan Cezar · São Sepé, RS 11/1/2009 23:20
sua opinião: subir
Raiblue
 

Grande VilorManoBlue!!!!

Adorei seu texto com ironia na dose certa!!!
E nós viramos banquete dos cavalos, é vero...é vero... muito , muito realista!!!!
Narrativa rica em metáforas...que nos prende do início ao fim...tenatndo desvendar os símbolos,muito bom trabalho, muito inteligente, Vilor!!!!

Parabéns!!
um beijinho bluecarinhoso
Blue

Raiblue · Salvador, BA 11/1/2009 23:44
sua opinião: subir
Raiblue
 


Grande VilorManoBlue!!!!

Adorei seu texto com ironia na dose certa!!!
E nós viramos banquete dos cavalos, é vero...é vero... muito , muito realista!!!!
Narrativa rica em metáforas...que nos prende do início ao fim...tentando desvendar os símbolos... Muito bom trabalho, muito inteligente, Vilor!!!!

Parabéns!!
um beijinho bluecarinhoso
Blue

Raiblue · Salvador, BA 11/1/2009 23:45
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Na dose certa meu caro! Dá para render a hiostória e fazer uma verdadeira saga! Meus parabéns!

raphaelreys · Montes Claros, MG 12/1/2009 06:03
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Vilorblue · Colombo (PR
BANQUETE PARA UM EQUINO

Um Trabalho Incrível que me passou a lembranca das Indústrias de peles, que tiram as peles dos animais vivo e os deixa agonizantes até a morte sem as suas peles.
Também pensei nas Indústrias de alimentos de animais, com seus abatedouros e rotinas de vida indiferentes a vida e a dor animal.
Tantos textos impressionantes referentes aos sentimentos dos animais e que tanto nos comovem..
A vida é muito complexa no seu sentido e na sua passagem.
Náo podemos perder nosso sentimento de humanidade em relacáo aos humanos e a tudo.
A Natureza é vida e tem de ser amada, respeitada e preservada.
Bem que Jesus no momento da sua passagem, pediu a Deus pra nos perdoar porque náo sabemos o que fazemos.
Deus que nos ilumine e que a gente sempre faca o melhor possível.
Parabéns pelo Trabalho.
Abracáo Amigo

azuirfilho · Campinas, SP 12/1/2009 09:26
sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Mesmo na equinolândia, a massa de manobra, o rebutalho social, é quem sua e paga as contas. Realíssima fábula.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 12/1/2009 13:00
sua opinião: subir
nina araújo
 

Ô Vitor este texto é muito rico! Denso, ironico, perspicaz e envolvente mesmo! Adorei!
Abraços Poéticos,

nina araújo · Rio de Janeiro, RJ 12/1/2009 21:05
sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 13/1/2009 01:50
sua opinião: subir
JACINTA MORAIS
 

VILOR,
VOTOS & ABRAÇOS!
Relendo e saboreando...

JACINTA MORAIS · Cascavel, PR 13/1/2009 03:27
sua opinião: subir
Raiblue
 

beijinhos azuis,Vilor!!
Blue

Raiblue · Salvador, BA 13/1/2009 11:13
sua opinião: subir
rosa melo
 

pocotó pocotó pocotó, minha eguinha pocotó...
Essa é a lei!

rosa melo · Pio IX, PI 13/1/2009 13:17
sua opinião: subir
Aglacy
 

Bom exercício sua leitura proporciona.Quem somos? Onde estamos nessa engrenagem animal?

Aglacy · Aracaju, SE 13/1/2009 17:28
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Meu voto e mes abraços a exelência do texto!

raphaelreys · Montes Claros, MG 14/1/2009 05:39
sua opinião: subir
Luiza Botelho
 

Maquinismo animal estampa essa história com assinatura ardendo em lucidez numa costura que se arremata nos laços de um mesmo nó; a dívida de nada. do nada
Gostei muito.

Luiza Botelho · França , WW 14/1/2009 17:06
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Cintya, grato pelo comentário e voto..
Beijo..

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 22:44
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Ivette GM, grato por sua visita, é isso mesmo, é preciso estar sempre antenado para não sermos incluídos na massa de manobra, grato pelo comentário..
Abç..

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 22:52
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Valdezz, agradecido pela visita, isso mesmo, qualquer animal entende melhor certas coisas.
Abç...

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 22:54
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Jacinta Morais, grato pelo comentário, digna poetisa e artista plástica. Um banquete terrível e macabro, onde se servem carne humana, assim tem se repetido no decorrer da historia, sendo em forma de traições, (em troca de algumas moedas), sendo em forma da violência que é algo totalmente construída. Um grande abraço...

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:01
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Ivan, grande alma pensante do Rio Grande, somos refeição a muito tempo, a muito tempo servimos nosso próprio sangue em bandejas. A troco do que?
Um grande abraço amigo.

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:03
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Rai-mana-blue, muito grato por tua visita e comentário, realmente viramos carne de cavalos, duas perguntas cabem. Vale a pena entregarmos nossa vida para alimentarmos uma casta? Faz algum sentido servirmos de alimento para qualquer objetivo?
Um grande abraço grande poetisa.

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:09
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Raphael, digno escritor das coisas D'alma, grato pela visita e coemntário.
Abç amigo..

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:11
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Azuir prezado poeta , é assim mesmo, o que podemos esperar de uma sociedade que mascara os alimentos e faz com que as vacas comam carne de vaca disfarçada, frangos comam carne de frango intestínica e subliminar.
Onde a própria natureza deixou de ser de ordem natural e passou a ser modificada, transformada no que ela tem de mais sagrado.
Um grande abraço e grato pela visita.

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:17
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Marcos Pontes, sempre preciso nos comentários, cabe a nós, um pouco mais conscientes, através das palavras sistematicamente aplicadas, mudarmos esta situação, as massas de manobra um dia se rebelarão contra tudo isto que ai esta, aí...
Grato pelo comentário e visita.
Grande abç..

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:21
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Rosa Melo, também acredito que a cultura é o mais importante elemento emancipador, por isto a classe dominante patrocina, corrompe e degenera a cultura...
Grato pela sua visita e comentário...
Abç...

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:24
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Aglacy, prezada poetisa, sempre me vejo vinculado a este tipo de pensamento, questionando e tentando ver o que vem, qual a saida...
Nossa saída desta maquina animal só será possível desmontando este mesmo aparato de engrenagens a quem damos o nome de sistema.
Comentário preciso e importante.
Grato por seus comentários e grande abraço.

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:29
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Luiza, prezada, neste maquinismo animal, resta as massas dizerem amém na sua eternidade, mais existe uma saída..
Um grande abraço e grato pela visita e comentário..
Abç...

Vilorblue · Colombo, PR 14/1/2009 23:35
sua opinião: subir
Bebel Fragoso
 

Nhaque, nhaque, nhaque sonhando preciícios num pesadelo de quimeras

Bebel Fragoso · Prado, BA 15/1/2009 20:06
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Grato pela visita e comentário poetisa Bebel. E que pesadelo, este vivido...
Abraço...

Vilorblue · Colombo, PR 16/1/2009 07:40
sua opinião: subir
valdezz
 

valdezz · Arraial do Cabo, RJ 20/1/2009 13:15
sua opinião: subir
ayruman
 

Apreciando mesmo limitado pelo Tempo e confirmando presença. Luz e Paz. Sempre. jbconrado.

ayruman · Cuiabá, MT 30/1/2009 10:51
sua opinião: subir
cochise césar
 

uhu...
A contradição de fazer da contradição um modo de dizer.
Qual classe trai a si mesma?
Apenas nós em busca de um banquete um pouco melhor.

cochise césar · Divinópolis, MG 12/2/2009 11:42
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Grato aos poetas Valdezz, Ayruman.
Abraço.

Vilorblue · Colombo, PR 12/2/2009 13:15
sua opinião: subir
Vilorblue
 

Grato pela visita e comentário Cochise, é isso mesmo, por um banquete melhor se trai, se conchava, se perde as origens e por ai vai.
Um abraço.

Vilorblue · Colombo, PR 12/2/2009 13:17
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados