BARATAS E BARATOS (do chinelo a chinelada)

Zegadis
1
Antonio Brás Constante (Escritor maluco) · Canoas, RS
22/7/2011 · 1 · 0
 

BARATAS E BARATOS (do chinelo a chinelada)
(Autor: Antonio Brás Constante)

Apesar de toda discórdia entre os povos, que muitas vezes utilizam utensílios como a pólvora para fazer valer seus pontos de vista, nem que isto cegue a vista dos outros. Apesar de toda diversidade de opiniões, que em tantas ocasiões são vociferadas em cuspe, falando inclusive de paz, em suas palavras carregadas com tons de guerra. Apesar de toda gama de idéias que destroem ideais, e que geralmente retumbam na impossibilidade diálogos, elevando a zero as chances de consenso sobre qualquer assunto. Em uma coisa todos concordam, as baratas não são e nunca foram o maior barato do mundo.

Mas querem saber de uma coisa? Posso lhes afirmar que todas aquelas baratinhas asquerosas e covardemente corajosas (pois parecem tirar vantagem do asco que sentimos delas), não estão nem aí para nossos consensos ou pensamentos sobre elas. As baratas estão antenadas em outra coisa muito mais importante: a própria sobrevivência.

Com suas asinhas de anjo (que não parecem asas de anjo, mas servem para voar do mesmo modo) e seu jeitinho de demônios das profundezas gargulescas de algum inamistoso inferno, as baratas se espalharam, invadiram e dominaram muitas áreas do mundo (incluindo banheiros, quartos e cozinhas também), sem a necessidade de utilizar qualquer bomba para alcançar este intento e sem nem mesmo saber o que significa a palavra “intento”. Pois elas apenas seguem uma das premissas básicas, sugeridas ao próprio homem, ou seja: “crescei e mutiplicai-vos”.

As baratas sobrevivem até aos explosivos holocaustos nucleares que rolaram por aí, mandando muita coisa pelos ares. E ainda temos a inocente pretensão de tentar exterminá-las na base da chinelada. E continuamos produzindo cada vez mais chinelos para nos calçarmos e subconscientemente nos armarmos contra esses batalhões de baratas. E nada melhor do que uma boa feira de ofertas para comprarmos chinelos em promoção, sem gastarmos um montão.

Mas algumas pessoas acham que lugares onde os produtos são baratos estão impregnados de baratas. Outros já alegam que o barato sai caro, mas continuam adquirindo CDs piratas, peças roubadas para deixar seu carrinho maneiro, e se bobear, até peças falsificadas para usarem em seus banheiros.

De um modo geral as pessoas gostam do barato, pois economizam seus trocados. Outras gostam do barato advindo da bebida, das drogas, da aventura (bons e maus baratos). E no quesito aventura, um grande aliado é a resistência para curtir estas fortes emoções. Talvez aí resida um dos baratos da barata, conseguir suportar muito mais do que nós, seres humanos. Ela (a repugnante barata) consegue ficar uma hora ou até mais copulando (no rala-e-rola com roça-roça, no chamegão do balakubako, no esfrega-esfrega fazendo um canguru perneta com outra igualmente repugnante barata, entendeu ou quer que eu desenhe?), enquanto o ser humano de modo geral não chega nem perto da sombra disso.

A barata agüenta ficar o dobro do tempo de um ser humano sem água, e consegue ficar mais de 30 minutos submersa (o campeão de apnéia de 2008 conseguiu ficar pouco mais de 14 minutos embaixo d’água). As baratas conseguem viver até um mês sem a cabeça, mas se levarmos em conta que muitos humanos nunca usam a cabeça, isto até que não é tão incrível assim.

Por outro lado, em alguns casos o ser humano consegue se sobressair aos feitos das baratas, por exemplo, a barata consegue ficar em média até 30 dias sem comer, mas os brasileiros em sua grande maioria conseguem ficar uma vida inteira sobrevivendo apenas com um salário mínimo (às vezes nem isso), algo que nos dá um certo respeito (muita dó, e até uma boa dose de pena) por parte das baratas que conhecem a realidade brasileira.

Enfim (gosto de terminar meus textos com esta expressão), o maior barato da barata parece ser demonstrar aos humanos que elas vieram para ficar, afinal a barata é uma guerreira, sobreviveu desde tempos imemoriais, sem receber qualquer memorial por isso, passando por calamidades pelas quais poucos seres vivos resistiriam. Elas chegaram aqui muito antes de nós, e agora sofrem chineladas, jatos de spray, e armadilhas de veneno, mas provavelmente acabarão vivendo por aqui muito tempo depois que nossa raça já tiver sido extinta, ou talvez não, já que o ser humano tem uma mania chata de querer se destruir aniquilando e arrastando todo o resto do planeta junto.

NOVA NOTA DO AUTOR: Produzi um filme no Youtube (escrito, dirigido e encenado por este eterno aprendiz de escritor), se quiser assistir ao filme e quem sabe dar boas risadas, basta acessar o Youtube e procurar por: “3D – Hoje é seu aniversário” (o filme foi feito em padrão 3D). Quem quiser também pode me pedir uma cópia em PDF do meu livro: “Hoje é seu aniversário – PREPARE-SE”. O livro impresso está disponível pela editora AGE (www.editoraage.com.br). Se quiser fazer parte de minha lista de leitores, para receber semanalmente meus textos, basta enviar um e-mail para: abrasc@terra.com.br.

Site: abrasc.blogspot.com

ULTIMA DICA: Divulgue este texto aos seus amigos (vale tudo, o blog da titia, o Orkut do cunhado, o MSN do vizinho, o importante é espalhar cada texto como sementes ao vento). Mas, caso não goste, tenha o prazer de divulgá-lo aos seus inimigos (entenda-se como inimigo, todo e qualquer desafeto ou chato que por ventura faça parte de um pedaço de sua vida ou tente fazer sua vida em pedaços).

Sobre a obra

O barato do texto é ser sobre baratas

compartilhe



informações

Autoria
Antonio Brás Constante
Ficha técnica
a baratinha comeu
Downloads
283 downloads

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados