Camaleônico casulo

1
Raiblue · Salvador, BA
31/5/2009 · 44 · 40
 

"Quem iria conhecer essa imensa beleza
Quem iria conhecer um transe santo
Quem iria conhecer essa respiração milagrosa
Para inalar um confronto carregado de coragem"
(Bjork - Cocoon)


Bebi a chuva que invadia repentinamente o meu deserto, a fim de que o comprimido do tédio descesse mais rápido goela adentro. Contudo, acabei levando toda tempestade junto, e, agora, a enchente desorganizava toda lógica dos meus compartimentos, aparentemente acomodados dentro do previsível.

Os desertos são assim: longos períodos de calmaria e, de repente, as tempestades de areias lançadas pelos fortes ventos.

Como um camaleão, na falta de vegetação, pois o verde há muito tempo desapareceu de minhas terras e a esperança já não voava mais por aqui, tentei me esconder sob as dunas de pensamentos.Engolir o tédio era torturante, mas para livrar-me dele seria preciso descascar camada por camada das idéias que sustentavam o meu falso equilíbrio.

Sob os olhos vermelhos e escaldantes do sol que castigava o solo de meu pensar calejado, brotava a indagação, quase como uma miragem, das areias de meus ‘eus’ : o que amargava mais, os comprimidos de tédio ou o descascar dessas camadas quase sedimentadas em meu ponto de aparente equilíbrio?

Pertinente, porém tempestuoso demais para o instante.

A essa altura o vento se impunha com mais força, desconstruindo e reconstruindo as dunas dos pensamentos onde eu estava. Parecia trazer, também, um cântico familiar entre a poeira que carregava como um fardo - não para ele, mas para mim e os demais andarilhos desse pedaço de chão.

Fui seduzido por aquele cântico, numa espécie de hipnose. Tentava resistir, temendo o que encontraria sob aquela névoa, que mais parecia uma cortina do tempo que se desfazia e me lançava num vácuo. Era como se eu fosse adentrar um palco, esperando ver um espetáculo inusitado e, de repente, desse de cara comigo mesmo, como protagonista. As paredes eram espelhos, e eu repartido em vários. Foi quando percebi que os andarilhos eram ‘eus’ que se procuravam.

Seria uma revelação?

O tempo parecia furioso, me sugava como um moinho para dentro de um espaço desconhecido. Ao pisá-lo, foi tão estranho! O chão era inconsistente como um mangue. Talvez fosse a poeira misturada às minhas águas represadas.
A sensação era exatamente esta. Sabe aquela arte de colocar a farinha no caldo para fazer o pirão?Pois era assim que estava me sentindo, remexido, pisando em algo que não era nem duro nem mole, um terreno indefinível em sua textura.

Seria movediço?

Do tédio do rígido previsível, fui ao pavor daquilo que me tirava o chão, que me deixava solto no ar, sem gravidade, ou melhor, era algo gravíssimo, e me fugia ao controle. Porém curioso, era assustador e leve, ao mesmo tempo.

Agitado, comecei a sentir um cheiro esquisito, coisa que há muito não sentia. Pensei que a aridez do deserto houvesse me roubado o olfato para os detalhes dos entornos.
Mas, milagrosamente, o apurou ainda mais. O aroma penetrava meu casco de camaleão, que começava a se transfigurar, numa espécie de metamorfose. Todavia, invés de sair do casulo, a sensação era de estar entrando nele, de volta.

Era como se o tempo – que ali cheirava a menta e canela – me tomasse pelos braços e me levasse a uma prisão. Não uma prisão qualquer, mas uma caixa mágica. Um casulo onde o aroma costurava novas asas em mim. Sentia como se tivesse nascido velho e, ali, estivesse rejuvenescendo... Não sabia ao certo o que sentir.

Dentro do casulo tudo era penumbra. Eu tateava as paredes tentando enxergar os contornos do lugar. Havia algo diferente, ali. Era como se, a cada passagem de minhas mãos sobre as paredes internas do casulo, fossem bordadas palavras mágicas que se renovavam a cada toque. Eram palavras celestes, ora cinzas, ora azuis.

E, nessa oscilação, elas se soltavam e boiavam num líquido viscoso, até grudarem no meu casco, já amolecido e não mais enrugado. Iam despindo, uma a uma, minhas couraças.
À medida que trocava de pele, sentia nascer um outro ser.
O amniótico líquido apagava digitais, que nela estavam impregnadas, e preparava virgens camadas para novas viagens. A tinta escorria levando todo entulho da minha antiga casa.

Então, eu, que chovia por dentro, começara a sentir uma delicada forma de calor...

Sentia a menta de alguns beijos deliciosamente roubados e aquele aroma de uma infância emprestada, não vivida, mas que cheirava à canela do mingau da casa vizinha, nas tardes em que eu, já camaleãozinho, me escondia entre as folhas e inventava vidas coloridas, para sobreviver à cinza selva urbana.

O que eu imaginava era mais real do que o asfalto bruto. Era a minha morfina, era a alma escapando do tédio daquele corpo rígido e insensível. A minha mente, um ciberespaço, onde eu navegava um mundo só meu. Minha tribo era eu.

Catava sonhos nos ventos, que viravam cata-ventos de palavras, que se tornavam o grande sol do meu deserto. E o amarelo ascendia entre as folhas! Eu tinha todas as paisagens por dentro, onde a poesia desabava...

Fora naquele escuro líquido que tudo ficara claro, e eu conseguira renascer...

Ou seria apenas mais uma reinvenção? Deixo, com as palavras, a palavra final...




(Raiblue & Jéfte Sinistro)

Em 28 de maio de 2009

Sobre a obra



Mais uma aventura BlueSinistra procês,queridos overmamigos!


Jéfte, meu lindo, adoro 'bluesinistrar' a vida contigo!
Acontece um verdadeiro milagre, quando as línguas se entendem a tal ponto de parecer uma única língua!
À esse encontro eu chamo de ALMA!

Obrigada, meu querido, por mais uma aventura delirantemente bluesinistra!hehe.

Beijos BlueSinistros a todos e boa viagem!!!rs

compartilhe



informações

Autoria
Raiblue & Jéfte Sinistro
Ficha técnica
Prosa poética: Camaleônico casulo.
Imagem:Flickr.

Downloads
246 downloads

comentários feed

+ comentar
azuirfilho
 


Raiblue · Salvador (BA)
Camaleônico casulo
Você parece a Clarice Lispector com seu Transe Santificado.
Tem alguma afinidade com o sideral, pois nos transporta para as reflexões e dali as viagens sem fim.
Você percorre a simplicidade das coisas, criando beleza nas expressões, e dessas qualquer coisas comuns, você as tornam em destaques, que faz exprimir, no seu renovar o mundo novo da sua Poesia.
Sempre a sua Poesia é nova e bela.
Parabéns.
Abração Amigo

azuirfilho · Campinas, SP 31/5/2009 18:59
sua opinião: subir
Gustavo Adonias
 

Blue e Jéfte,

Mais uma bela viagem em parceria delirantemente poética. Diante desse mundo ácido, melhor seria retornar ao casco, ao casulo protetor... Habitamos um grande deserto árido, onde os desejos e sonhos parecem cada vez mais ressecados. Tentamos diariamente digerir o tédio lancinante dos momentos, engolido em comprimidos sem gosto... Já não sentimos mais os aromas que marcam as nossas almas, tudo parece aromatizado artificialmente. O menta e a canela ficaram no passado, no tempo em que éramos pequenos camaleões, treinando mudar de pele e cor... Deixemos nossas couraças para trás, em busca de novos sabores e sentidos à vida. Deixemos com que as palavras guiem nossas almas, rumo aos sonhos, nossas únicas e verdadeiras asas...

Parabéns pela bela obra em parceria ! Muito boa a participação de Lobão e Baleiro...

Bjs e abraços poéticos.

Gustavo Adonias · Salvador, BA 31/5/2009 19:04
sua opinião: subir
marilia carboni
 

Mil beijos !!!!

marilia carboni · Londrina, PR 31/5/2009 19:08
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

ótimo trabalho, parabéns.votado.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 31/5/2009 19:37
sua opinião: subir
Marcelo ShytaraLira
 

Excelente trabalho...
bjs

Marcelo ShytaraLira · São Paulo, SP 31/5/2009 19:42
sua opinião: subir
kfarias
 

Parabéns!

kfarias · Águas de Lindóia, SP 31/5/2009 19:50
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Gostei!

Metamorfose de eus entre sonhos e delirios.
bjs

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 31/5/2009 20:25
sua opinião: subir
sheila duarte
 

Que dizer de um poema que começa com estes versos:
" Bebi a chuva que invadia repentinamente o meu deserto, a fim de que o comprimido do tédio descesse mais rápido goela adentro." e mais adiante..." desconstruindo e reconstruindo as dunas dos pensamentos onde eu estava "
Belo poema que trata do conflito entre a estabilidade, o tédio e a criação. Bem, foi assim que eu percebi este poema, foi por estes ares que voei com o vento e levei minhas areias.
Parabéns pela parceria!!! Votadíssimo!

sheila duarte · São Paulo, SP 31/5/2009 21:04
sua opinião: subir
Agenor
 

Catava sonho nos ventos, que viravam cata-ventos de palavras,
que se tornavam o grande sol do meu deserto...

Teu texto acima de tudo é também muito poético.

Prazerosamente votado
Beijos azuis...

Agenor · Aquidauana, MS 31/5/2009 21:32
sua opinião: subir
Sônia Brandão
 

Muitas vezes é preciso passar pelas agruras do deserto para despertar, renascer. O silêncio, a solidão, nos purificam.
Parabéns pela bela parceria.
Beijos.

Sônia Brandão · Bauru, SP 31/5/2009 21:58
sua opinião: subir
Mena
 

Texto poético muito lindo! Mergulhou profundamente nesse universo conflitante da criação. Super votado. Um abraço grande!

Mena · Brumado, BA 31/5/2009 22:04
sua opinião: subir
Daniele Boechat
 

Seu transe poético me deixa em alfa...parabéns! Bjs.

Daniele Boechat · Rio de Janeiro, RJ 1/6/2009 00:07
sua opinião: subir
Cezar Ubaldo
 

Olá,Rai...mesmo o que chamas de sinistro,em ti,torna-se azul,de tão belo,de um transe tal que chega à alma...Beijos.

Cezar Ubaldo · Feira de Santana, BA 1/6/2009 00:14
sua opinião: subir
Greta Marcon
 

Belíssimo trabalho à dois... Não se pode confiar nas dunas, ora aqui,
ora ali... O casulo é sempre mais garantido... mas eu teria virado uma
borboleta blue e sairia voando daquele deserto, em busca de novos sonhos, novos sabores, novas aventuras...
Votado
Beijos para a dupla

Greta Marcon · Ponte Nova, MG 1/6/2009 03:21
sua opinião: subir
Cariri em Movimento
 

Rai minha linda, a sua paixão pelo mundo poetico faz com que todos os seus Over manos e manas se sintam felizes com as suas mensagens, parabéns, votado.

Cariri em Movimento · Aurora, CE 1/6/2009 07:38
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Raiblue! A sua alma sensível viaja pelo Cosmo! IMpossível acompanhar a sua jornada! Sou passageiro das suas emoções!

raphaelreys · Montes Claros, MG 1/6/2009 09:23
sua opinião: subir
RUI LÔBO
 

Magic Blue: Sinto-me incompetente para comentar sua magnífica obra; limito porém, extasiado, a babar e nada mais...Que os camaleões que habitam o nosso ser encontrem o seu oasis paradisiaco. Axé!

RUI LÔBO · Brumado, BA 1/6/2009 12:09
sua opinião: subir
menina_flor
 

Queridos Raibleu e Jéfte: que parceria! Linda poesia. Uma verdadeira caminhada pelos caminhos dos sentimentos. Nessa turbulencia que vivemos. Nas tempestades, calmarias, buscas...
E que viagem eu embarquei: BlueSinistra!
Amei a parceria. Parabéns para vocês.
Bjos para ambos
Patty

menina_flor · Rio de Janeiro, RJ 1/6/2009 13:11
sua opinião: subir
Cláudia Campello
 

se continuasse.......daria um belo romance!

adorei.

bjssssssss;)

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 1/6/2009 13:17
sua opinião: subir
Ivan Cezar
 

Desculpe-me pela absoluta falta de tempo...
Mas deixo aqui o voto
E espero tua visita em meu blog e aqui no over
Beijo

Ivan Cezar · São Sepé, RS 1/6/2009 15:20
sua opinião: subir
joe_brazuca
 

um beijo, Blue
um queijo, Sinistro !

joe_brazuca · São Paulo, SP 1/6/2009 16:32
sua opinião: subir
Ailuj
 

Essa parceria esta demais e creio que aindaestá no início
Parabéns aos dois
Bjos

Ailuj · Niterói, RJ 1/6/2009 23:03
sua opinião: subir
Juscelino Mendes
 

Belo poema sinistro e azul... bj

Juscelino Mendes · Campinas, SP 2/6/2009 00:50
sua opinião: subir
Rodolfo Mendonça
 

Nunca ví o CÉU tão sinistramente azul...
Me deliciando na mistura homogênea desse escrito das vidas que se entrelaçam num só pensamento...
...Percebo apenas que essas vidas possuem uma só alma!!!
Uma observação de duas almas singulares.
Rodolfo e o habilidoso com as palavras e com a vida: Pessoa!!!

Rodolfo Mendonça · Areia Branca, SE 2/6/2009 12:02
sua opinião: subir
W@nder
 

Raiblue,
essa parceria com o Jéfte está nos brindando com belos delírios poéticos. Desse casulo delirante e mágico vi vindo a vida nascendo e ressurgindo... o tédio desfeito em inebriantes palavras.
Abraços.

W@nder · Rio de Janeiro, RJ 2/6/2009 15:01
sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Belo, desafiador. Fiquei pensando na referência que faz sobre o camaleão. Deva ser mesmo o fim da capacidade de sobrevivÊNCIA
abraço
andre

Andre Pessego · São Paulo, SP 2/6/2009 20:40
sua opinião: subir
Jéfte Sinistro
 

Blue, minha querida, o prazer é meu de estar junto de ti, assim, na alma das palavras... É, da fato, um milagre rubrazul BlueSinistrar a vida contigo ao pé das letras! rs.

A vida é sempre essa brisa no deserto... Ora sequidão, ora miragem, ora oásis a saciar a sede e trazer vida... nova vida!

Obrigado por mais este partilhar de retalhos da alma, minha querida Blue! Milhões de beijos a ti!

Jéfte Sinistro · Cabo de Santo Agostinho, PE 2/6/2009 22:28
sua opinião: subir
Patipetista
 

A M E I

Patipetista · Taboão da Serra, SP 2/6/2009 22:37
sua opinião: subir
Zeca Avelar
 

Booommm Diaaa menin_Azul (e bom dia menino Sinistro)...

Prendi o folego, mergulhando nessa aventura - 'Overtura' onde o surrealismo carregado de realismo, fizeram das realidades sonhos, e destes realidades, onde podemos ingerir comprimidos de tédio, beber tempestades...

Nesse mundo monocor dos tédios, onde especialmente faltam os verdes, os que qual nós somos camaleões, ficam estáticos travestidos das mesmices enquanto o fim dos fins vem qual locomotiva dos sombrios túneis vem céleres em nossas direções...

Assim, senti o sentir sentido desses sonhos (ou realidades?) das almas dessa menin_Azul, de mãos dadas simplesmente com 'ele' - o Sinistro!!!

Mas... do mesmo modo como podem ingerir pilulas de tédio, estão aprendendo (e ensinando para quantos Overs dos Mundos) que também podem ingerir capsulas da felicidade, que lhes permitirá re_ingressar no casulo de suas vidas, que filtrará todas as couraças das tristezas e coisas afins, deixando as almas remoçadas para novos reinicions no continuum de suas vidas coloridas...

Afinal - na incasualidade do casual ou 'casulal', não é atoa que essa menina é Blue e nem menos atoa o menino é cada vez mais 'Sinistro'!

Karinhos Kentinhos (e aguardando a receita de como descobrirnos os Casulos nossos de cada dia...)

ZecaFeliz - gaDs!

Zeca Avelar · Florianópolis, SC 3/6/2009 12:05
sua opinião: subir
Zeca Avelar
 

uiii - desculpe os 'n' errikos de meus dedos digitantes semi-analfabétikos...
ZF

Zeca Avelar · Florianópolis, SC 3/6/2009 12:08
sua opinião: subir
Rogério Silvério de Farias
 

mirífico!

Rogério Silvério de Farias · Tubarão, SC 3/6/2009 16:05
sua opinião: subir
Raiblue
 

Boa tarde, meus queridos overamigos!

Muito feliz com a _provação da nossa parceria BlueSinistra!!!
BlueSinistrar tem sido uma aventura e tanto!
Aprendemos muito com o outro...essa troca é mágica!
Guardado com carinho cada comentário!

Beijos sinistramente Blue!!!!rs
BLueSinistro

Raiblue · Salvador, BA 4/6/2009 18:11
sua opinião: subir
Samuel Luciano Assunção
 

ei dupla...
muito bom...

ray...minha rainha.

um beijo

Samuel Luciano Assunção · Angra dos Reis, RJ 4/6/2009 20:29
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Camaleoa...metamorfose...
Ei Blue!

Bjinhos e sensacional. Poetando bem...com os 6 sentidos

Cintia Thome · São Paulo, SP 5/6/2009 06:27
sua opinião: subir
Falcão S.R
 

Raí,

Ler o que vc. escreve é um maravilhoso exercício intelectual.

Beijos

Falcão S.R · Rio de Janeiro, RJ 5/6/2009 07:30
sua opinião: subir
camuccelli
 

Hoje quando olhei para o céu,ví ali refletida a minha imagem.Ao ler os seus escritos,senti-me meio camaleônico também.

camuccelli · Rio de Janeiro, RJ 5/6/2009 11:41
sua opinião: subir
Vasqs
 

"os andarilhos eram ‘eus’ que se procuravam." Que mais eu digo, o poema todo está aí, acho.De encher os olhos, de novo, menina.
Abraço, Vasqs

Vasqs · São Paulo, SP 6/6/2009 13:45
sua opinião: subir
Pessoa de Melo
 

Sabe o que é mais impressionante?

É saber que tudo o que anseiamos é isso...
É nascer de novo em forma pré-definida...
É poder voltar, não para mudar, mas sim, para aproveitar os momentos que de tão simples, mas tão importantes, perderam-se em algum lugar da nossa mente megalomaniaca...

Como pode algo tão desigual como dois ser um?
Como pode o céu Bluesinistrar cinza a chuva?
Como pode o Azul teimar em ser sinistramente invasivo...
Invadindo todos os reconditos das nossas mentes?

Que bom que temos muitas respostas nesse achado que guardavam e com maestria dividiram conosco...

O que eu sinto?
Sinto-me um tanto quanto apreensivo sobre as mudanças camaleônicas, mas seguro no meu casulo, reservo-me ao direito de pedir-lhes que não mais escrevam sobre mim... E meu carma de filho único... Perdoem-me a ousadia...

Retrata tanto de mim...
Arff...
Bluesinistro!

"Sentia a menta de alguns beijos deliciosamente roubados e aquele aroma de uma infância emprestada, não vivida, mas que cheirava à canela do mingau da casa vizinha, nas tardes em que eu, já camaleãozinho, me escondia entre as folhas e inventava vidas coloridas, para sobreviver à cinza selva urbana.

O que eu imaginava era mais real do que o asfalto bruto. Era a minha morfina, era a alma escapando do tédio daquele corpo rígido e insensível. A minha mente, um ciberespaço, onde eu navegava um mundo só meu. Minha tribo era eu."

Obrigado por estarem em tão densa sintonia...
Pessoa de Melo.

Pessoa de Melo · Olinda, PE 6/6/2009 22:04
sua opinião: subir
EdimoGinot
 

Eu me lembro de voce descontrolada tentando se explicar....

Os desertos são assim: longos períodos de calmaria e, de repente, as tempestades de areias lançadas pelos fortes ventos.

Seria uma revelação?

Ah doce blue...
A vida é movidiça. Mesmo seca....
Voltanto pra te ler e te dar os parabéns.

Um abraço

EdimoGinot · Curitiba, PR 8/6/2009 12:55
sua opinião: subir
Raiblue
 

Ed,querido,que bom te rever!!!!

Sim,movediça e seca....a vida é o maior mistério!
obrigada pela presença e comentário preciso!

Bluebijokas


Pessoa,meu querido!
Saudades de ti,...

Que lindo tudo que disse...atingiu a essência...
Desperdiçamos tanto, fechados em nossos casulos...quanta vida perdemos,pensando estar preservando a nossa...
De repente, um acontecimento dispara o alarme,resta-nos torcer para ainda dar tempo de recuperarmos algo...
Por que o que parecia tão sólido,agora se mostra tão inconsistente,tão pantanoso? Bloqueio/Medos/Vazio...

Moinhos da mente que distorce os sentimentos...
Quem vencerá essa roda-gigante?

Fiquei muito feliz com teu comentário tão profundo...tão 'eu' e meus 'eus'...

Muito obrigada,meu lindo!
Saudades de tua poesia...

Bluebeijokas in your heart...
Blue

Raiblue · Salvador, BA 9/6/2009 10:07
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 7 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados