Casa da Mãe Africa Night Club

1
blequimobiu · Salvador, BA
26/5/2008 · 104 · 9
 

O movimento na Carlos Gomes estava frio, a noite quente, mas o movimento estava devagar, estranho tratando-se de uma sexta-feira. Não lembro bem a data, mas era época de pagamento e todo mundo estava bem, mas aonde?

Eu mesmo nem queria saber, tava de guarita esperando uma carona, na minha, de olho em tudo e em todos.

Em um flash, ao observar o fim da rua e o relógio, copiei o movimento do coroa do outro lado da pista. Com ele saiu umas três colaboradoras e na calçada ele apontou o serviço. Deu um beijo na cabeça da mais nova e passou outras coordenadas aos seguranças.

As meninas resmungaram, mas em seguida se posicionaram no posto de serviços, alisaram o cabelo, comportaram os seios no sutiã e suspenderam a bunda ao mesmo tempo que ajeitavam a mini-saia.

Encostaram por lá uma viatura da PM, um táxi, um carro importado, mas não entrou ninguém. Não saberia dizer se foi o calor ou a qualidade da meninas. Imagino que quem vai na busca da noite na Carlos Gomes já imagine o nível do bagulho.

Passou novamente outro buzão e já me preocupava onde estaria a porra da carona. Na verdade seria um rolé básico, eu tinha vazado da faculdade e iria pra uma festa que não lembro onde seria.

Parei pra pensar sobre o que sabia daquela rua. Ali já foi uma rua freqüentada pelos barões de várias mercadorias, hoje o melhorzinho é um jokey que vendeu bem e tá com duzentos conto de boa e mais cinco gramas da boa, só pra brincar com a vida.

Mas aí, algo brilhava no início da rua, bem na curva do Sulacape, bem ali onde os trios elétricos fazem a curva no carnaval e os Filhos de Gandhy mostram quem é que comanda. Quatro faróis brilhavam e os olhos brilhavam, os cordões brilhavam e o neon piscava fosco. O coroa que tinha entrado voltou no mesmo momento, ele se agitou todo, chamou as meninas pra pista, a narina coçava, e elas gritavam:

- E aí rapaziada...

Eles vibram e um grita alto:

- É nós gaaaaatas! Cadê as outras? Tamu em alta, cinco mil graaaaaaau.

Eu reconheçi a voz, mas sem lembrar de quem, e torci pra que falassem de novo. Encostaram o carro e prestei atenção no som, e é claro, estavam escutando rap, reconheci o beat e me assustei, era meu som que estava tocando.

Outra vez escuto um grito, só que junto a buzina do carro que me aguardava. Minha atenção estava presa ao objetivo de saber que barreira era aquela, e nesta vibe me vi sair do carro. Não conseguia entender, pensei ser um sonho, mas não era, eu me vi vestido com uma bela roupa, tipo Rocawear, tipo todo fino, primeira linha mesmo. Saí desengonçado do carro, era meu andar, eu com mais três parceiros, todos rindo, batendo palmas e gingando no andar.

O coroa me olhava rindo, mas não era de felicidade pela minha grana, era pela minha presença, a expressão de minhas vitórias em bens materiais era motivo de seu orgulho no olhar e ele sabia como eu venci, ele não me julgava por nada, só estava feliz.

Os parceiros, todos que nem eu, uma espécie evoluída do que provavelmente foram seus passados, meu pai os olhou com o mesmo afeto, éramos na verdade irmãos. A gente se chegou, nos abraçamos com as irmãs e entramos.

A confusão me atormentava, porque o que agora te conto, eu vi como um sonho, do outro lado da rua. A buzina tocou mais forte, o parceiro me gritava do carro. Olho pra ele e volto a vista pra o estabelecimento, reparo no neon, ele oscila e acende com toda força e lá leio:

Casa da Mãe Africa Nigth Club.

Sobre a obra

Se a Africa é a mãe do mundo, quem são os pais? Me sinto um bastardo, acho que minha mãe é uma puta...

Primeiro capítulo da série Mãe Africa - Night Club, com o tempo os leitores descobriram e entenderam o conceito e analogia.

compartilhe



informações

Autoria
Rangell 'blequimobiu' Santana
Ficha técnica
Nem sei como fazer isto com literatura, alguém pode me ajudar?
Downloads
453 downloads

comentários feed

+ comentar
Adroaldo Bauer
 

Caraca, Blequimobiu!
Sacada essa das mais das boas, o narrador se vendo do outro lado e de cantinho na própria vida, acordado como em sonho sendo e as lutas de umas vidas aparecendo como as lutas das vidas de tantas outras, de parecidas de batalha, dando a pensar que fossem mais que espera de dancing e talvez ainda vindo a ser adiante, já que em clube noturno ou se dança, ou se dança, sem saída, sendo mais ainda se é em beco, embora não saiba eu exatamente onde fica e pra onde dá a Carlos Gomes, se é que alguém ali dá.
Perdoa, mas ando meio assim, dizendo mais do que devia quando gosto do que leio e de quem cria.
Amplias com qualidade o tamanho da existência... fico feliz.
Grato pelo convite.
Sempre convide esse teu fã para as tuas festas de muito ritmo e poesia.
Abraço forte.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 25/5/2008 18:15
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
carlos magno
 

Olá amigo Blequimobil,
gostei do teu texto , é bem descontraido e objetivo. Meus sinceros aplausos e abraços.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 25/5/2008 21:49
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
ministereo publico
 

muito massa o texto, ainda mais com vc narrador-personagem, prende a atenção até o final e cria um clima de suspense... fayaka!!!

ministereo publico · Salvador, BA 26/5/2008 02:27
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
joao xavi
 

tô baixando, curioso pra ler isso ai!
pode usar o NOSSO espaço sempre que for necessário

joao xavi · São João de Meriti, RJ 26/5/2008 16:09
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
carlos magno
 

Olha o voto aí amigo.
Abraços.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 26/5/2008 16:51
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Cristiano Melo
 

Tô ligado, mas já havia votado, só naõ havia comentado...abração e parabéns.

Cristiano Melo · Brasília, DF 26/5/2008 18:21
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
blequimobiu
 

Adroaldo sempre me desconcerta em seus comentários, como pode um cara ser fã de um fã?

Carlos Magno e seus pedaços de madeiras.

Ministério Público, uma das manifestações populares mais importantes da atual música baiana.

Xavi, atualmente o maior jornalista da cena alternativa carioca.

E Cristiano Melo e sua água sem gáz, na moral, só feras do overmundo, valeu mesmo cada palavra ai.

Axé pra todos, e que venham outros!

blequimobiu · Salvador, BA 27/5/2008 09:06
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

E não é que pode isso de acontecer, Blequimobiu, e ser e continuar sendo e se renovando e se ampliando como o tempo passa e nele se acrescenta o que se cria.
Isso pode e não engorda sequer o ego, embora se pdirem confirmação eu não tenha como comprovar!
E se já tem mais, meu guri, manda bala que é quente essa onda (vibe?)

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 27/5/2008 13:05
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
blequimobiu
 

Vibe?

Aqui na Bahia temos uma cultura de universalizar as palavras e somos muito influenciados pelo reggae e raizes jamaicanas, assim como as Africanas.

E o termo vibe ficou famoso por aqui devido a tanto se ouvir nas músicas expressões como "positive vibration" ou "goods vibe"

Dai ficou meio que popular para se usar como "onda", "pegada", "ritmo", "vibração", "momento" e assim vai...

Abração meu nobre!

blequimobiu · Salvador, BA 27/5/2008 13:12
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados