CHUVAS DENTRO DA NOITE

1
Francisca Miriam · Teresina, PI
5/10/2013 · 4 · 0
 

Dormindo, sentia que gotas serenas saltitavam no teto que me abrigava. Gosto de chuva que cai. Cheiro de terra molhada.
Acordei. Constatei que a chuva era real. Nada além das gotas inúmeras fazia barulho. Silêncio... Silêncio...
Meu coração, dentro da noite, entre as gotas e o silêncio, pulsava tão alto que se assemelhava ao ampliado tique-taque de um relógio. Mas relógio que sente! Relógio que ama! Relógio carente da presença de quem não sei o que faz nem como se encontra:

CHUVAS DENTRO DA NOITE


É imprescindível o cair da chuva
abaixo das palhas. Nas telhas. Na terra.
Vê-la descer, olhando-a atenta.
Contar-lhe as gotas. Ouvir-lhe a música.
Sentir cheiro de terra molhada.
Vontade de unir corpos, almas, espíritos.
Banhar-se total o corpo, cabeça e membros.
Sentir-se lavada. Puramente lavada.
Hoje, na noite, sai este poema.
É chuva que cai. É saudade doída.
Ânsia de te ter nos braços, perenemente.
Afagar-te os cabelos, o corpo inteiro.
Percorrer todos os teus caminhos e ganhar
o direito único de te ter sempre.
Mas quem posso ter com segurança,
que não seja exclusivamente o Filho do Homem?


* * *

............................................

Do livro “Caminhos Mais”, Edição da autora, Teresina, 1995, página 50.

............................................

© Direitos reservados.

Sobre a obra

Dormindo, sentia que gotas serenas saltitavam no teto que me abrigava. Gosto de chuva que cai. Cheiro de terra molhada.
Acordei. Constatei que a chuva era real. Nada além das gotas inúmeras fazia barulho. Silêncio... Silêncio...
Meu coração, dentro da noite, entre as gotas e o silêncio, pulsava tão alto que se assemelhava ao ampliado tique-taque de um relógio. Mas relógio que sente! Relógio que ama! Relógio carente da presença de quem não sei o que faz nem como se encontra:

CHUVAS DENTRO DA NOITE


É imprescindível o cair da chuva
abaixo das palhas. Nas telhas. Na terra.
Vê-la descer, olhando-a atenta.
Contar-lhe as gotas. Ouvir-lhe a música.
Sentir cheiro de terra molhada.
Vontade de unir corpos, almas, espíritos.
Banhar-se total o corpo, cabeça e membros.
Sentir-se lavada. Puramente lavada.
Hoje, na noite, sai este poema.
É chuva que cai. É saudade doída.
Ânsia de te ter nos braços, perenemente.
Afagar-te os cabelos, o corpo i

compartilhe



informações

Autoria
Francisca Miriam Aires Fernandes
Downloads
159 downloads

comentários feed

+ comentar

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 2 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados