Contos de um canto só

1
"NATO" AZEVEDO · Ananindeua, PA
25/5/2007 · 98 · 9
 

Amanhecia. A insônia consumia-lhe as entranhas, devorando células como os vermes aos restos de outros sêres. Desligou a TV, com suas imagens de crimes hediondos, sequestros, estupros, assassinatos bárbaros.
Foi até a janela da sala tragando mortífero cigarro, enquanto o gato da vizinha estraçalhava ratos no seu quintal, com o fiel "pitbull" alerta e pronto para estraçalhá-lo em seguida. Enfim, tudo estava na mais santa paz, o Mundo corria conforme suas próprias leis. Recostou-se lentamente no sofá e... adormeceu !
***** ***** *****
Por vários anos a sabiá passou ali, imóvel, os pés cravados no único poleiro da minúscula gaiola. Era o orgulho maior de seu dono e algoz, passarinheiro renomado na região.
--"Valia mais que um carro"... vociferava, vaidoso. Um dia o pássaro amanheceu com ares de "auve" e sonhando ser macieira, de cujos frutos gostava tanto. Abriu as asas... e os olhos do patrão -- do tipo que engorda o g

compartilhe



informações

Autoria
"NATO" AZEVEDO
Downloads
372 downloads

comentários feed

+ comentar
Marcelo Bretton
 

Nato,
De onde você tirou a (brilhante) idéia de metamorfosear um pássaro em macieira? Confesso que gostaria que o segundo microconto (o que mais gostei) fosse mais longo, surpreendendo-nos mais vezes. Gostaria de ler mais coisas suas. Um abs e parabéns!

Marcelo Bretton · Espanha , WW 25/5/2007 14:52
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Ronye Pires
 

Muito bom, Nato...
Também acho que deveriam ser mais extensos!
Mas esse clima de suspense, de deixar o leitor imaginar finais aos contos, é genial!
Parabéns...
Abraço

Ronye Pires · Campinas, SP 25/5/2007 15:09
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Andre Pessego
 

Nato, achei e gostei. E foi até bom só achar hoje às 7 e pouco:
descansado e sem ressaca que ontem ninguém ousou nos chamar, "vai pagar uma gelada pro Mestre? Li e estou relendo,
um abraço, andre

Andre Pessego · São Paulo, SP 26/5/2007 07:26
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
carlos magno
 

Eu gostei do teu trabalho, parabéns.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 27/5/2007 21:22
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Pepê Mattos
 

Li recentemente 'Retrato do artista quando jovem cão", do Dylan Thomas e um pouco mais além "Pico na veia", do Dalton Trevisan, mergulhos diferentes no mesmo rio da ficção moderna. De Thomas o suave frescor da geografia galesa sai das páginas direto pro cerrado amapaense, pulsando como se vida própria adquirisse. De Trevisan, a inverossímel literatura quer nos fazer crer que o absurdo, na verdade, é transfigurar a realidade em realidade absurda. Mérito da boa literatura. Nato dá sinais de que o absurdo é, muitas vezes, a própria realidade. Mérito do artista quando mergulha no profundo oceano do lirismo. O teatro do absurdo, contudo, soa mais singelo que a própria realidade. Ou quem vê graça ou lirismo nos noticiários do horário nobre?

Pepê Mattos · Macapá, AP 29/5/2007 08:39
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
 

BRETTON, grato pela gentileza da leitura e dos elogios. Seguiu comentário no teu perfil... ainda não domino bem essas "regrinhas" do Overmundo. Coloco ainda hoje, segunda, um dos sonetos que mais aprecio. Conto com vossa crítica. Abraços do "NATO" AZEVEDO

"NATO" AZEVEDO · Ananindeua, PA 29/5/2007 13:49
sua opinião: subir
 

RONYE, meu jovem, quanta honra... o troço tem título, é "CONTOS" DE UM CANTO... SÓ!", mas o computador do Overmundo barrou, não sei porque. Aidéia veio de um comerciante perto de casa, que tinha/tem ainda uma gaiolinha de palmo e meio com uma baita sabiá toda maltratada dentro. Aprendi os minicontos com um ótimo escritor lá de Londrina, o LECO (João dos Santos) e, agora, Vs. querem que eu volte aos meus rabiscos com 4 ou 5 pags? HOMESSA!
Tive que cortar trechos, era mais extenso, mas tenho outras 11 pags com umas 40 dessas "coisinhas" Aguardem! Abraços do "NATO"
PS: entro hoje com um soneto sobre doação de órgãos, não os seus é claro, meu caro fumante inveterado.

"NATO" AZEVEDO · Ananindeua, PA 29/5/2007 13:57
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Salve Nato!
Vc sempre elaborando novas formulas pra contar histórias - achei genial microcontos. Tem que ser bom pra fazer isso.
Parabens garoto!
saudações do mato

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 11/10/2007 19:58
sua opinião: subir
 

OBSERVAÇÃO: desconheço quando esse conto ficou "desmembrado" de suas minipartes, mas REPRISO abaixo a obra completa, na forma original.


CONTOS DE UM CANTO... SÓ !
Amanhecia. A insônia consumia-lhe as entranhas, devorando células como os vermes aos restos de outros sêres. Desligou a TV, com suas imagens de crimes hediondos, sequestros, estupros, assassinatos bárbaros.
Foi até a janela da sala tragando mortífero cigarro, enquanto o gato da vizinha estraçalhava ratos no seu quintal, com o fiel "pitbull" alerta e pronto para estraçalhá-lo em seguida. Enfim, tudo estava na mais santa paz, o Mundo corria conforme suas próprias leis. Recostou-se lentamente no sofá e... adormeceu !
***** ***** *****
Por vários anos a sabiá passou ali, imóvel, os pés cravados no único poleiro da minúscula gaiola. Era o orgulho maior de seu dono e algoz, passarinheiro renomado na região.
--"Valia mais que um carro"... vociferava, vaidoso. Um dia o pássaro amanheceu com ares de "auve" e sonhando ser macieira, de cujos frutos gostava tanto. Abriu as asas... e os olhos do patrão -- do tipo que engorda o gado, segundo o dito popular -- notaram algo estranho. Por entre as penas nasciam folhas e, à tardinha, já se percebiam minúsculos frutos.
-- "Milagre"... gritaram as beatas do lugar, enquanto as fãs de seitas e das demais religiões afirmavam ser coisa do Demônio. De noite surgiram-lhe raízes sob os pés e, na manhã seguinte, de coisa viva na bichinha só restavam os olhos. movendo-se angustiados para todos os lados.
Seu dono agora está triste! "Aquilo", do jeito que ficou, não vale nada para êle. Aos cientistas que o procuram não vende por dinheiro algum, pois acha que êles não sabem apreciar um belo espécime.
**** **** ****
Ricardinho não era um mau menino... apenas, garotos naquela idade tinham por hábito destruir tudo o que encontravam pela frente. Naquele momento dedicava-se a matar interminável fila de formigas, metódicamente, uma por uma.
Arrependeu-se tarde demais! Deveria ter deixado ao menos algumas vivas, pensou com tristeza. Amanhã não terá nada para fazer o dia inteiro.
**** **** ****
À luz de velas, jantavam... os ânimos exaltados substituindo nos corpos a energia elétrica que faltava. A esposa, irada, gritava com o cônjuge, instalado no país vizinho:
-- Luís Felipe, venha já para o Brasil... aí, você não fica nem mais um minuto!
-- "Què pasa, su tonta"! O menino vai ficar comigo... está no contrato "eso"!
-- Ouça bem, Ricardo: isso é lei aí na Argentina. Aqui, os filhos pequenos ficam com a mãe. Vem, Felipinho !
-- "Entonces, la niña" Mercedes volta para mim. "Usted no puede quedar con los dos. Volve para su padre, muchachita" !
-- Mas, "papito", eu... "estoy bien acá"!
Esse "tango à meia luz" continuaria indefinidamente se o pai, irritado, não se retirasse da sala com estrépito, abandonando a mesa de jantar e recolhendo-se ao quarto do casal.
Em um futuro qualquer, havendo nova guerra entre os países, a casa -- situada sobre a imaginária linha de fronteira -- seria dividida em dois, ficando parte da sala e a cozinha com a esposa, brasileira, e o restante com seu ex-marido argentino.
**** **** ****
A "lulu" era "filha única" da madame "Tetê" Strump, milionária do high society. Tinha lugar à mesa, pratinho próprio, guardanapo e empregada para lhe escovar os delicados caninos após as refeições.
Banhavam-se juntas, dormiam na mesma cama, vestiam-se com idêntico "modelito" Saint Laurent -- a cadela de "papatinhos" de crochê -- e eram as duas "paparicadas" pelas amigas (interesseiras) da ricaça.
Acordaram, um belo dia, ambas "meio de lua"... madame ganindo pelos cantos e a "lulu", em pé nas charmosas patinhas, pedindo com os olhos o café da manhã à criadagem.
Durante o chá das cinco -- servido com biscoito para cães -- as amigas estranharam o comportamento da "socialite", encolhida sob a mesinha de centro, mas nada disseram. "Caprichos de gente grã-fina", concluíram.
Ontem foi refeito o testamento: depois que a "totó" morrer, dona "Tetê" herdará dez milhões de dólares !
"NATO" AZEVEDO

"NATO" AZEVEDO · Ananindeua, PA 5/4/2012 20:07
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados