De Porteiros e De Fofocas -- (Chéri à Paris)

Daniel Cariello
1
Daniel Cariello · Brasília, DF
6/12/2007 · 85 · 5
 

Em Paris não tem porteiro! Essa instituição brasileira não existe aqui. Os prédios têm eficientes e frios sistemas de senhas e de chaves codificadas. Funcionam muito bem, mas nos privam de outra instituição, dessa vez mundial: a fofoca.

Sem porteiros pra nos contar que o gato da senhora do 5º andar pulou da sacada, ou que a festa do carinha do 301 atraiu a polícia, ficamos sem esse canal eficaz para saber da vida alheia. E, ora, como podemos ficar sem saber da vida alheia? Contigo e Paris Match vendem milhões de exemplares, mas têm o grave defeito de falar apenas de celebridades, nunca de quem pega o elevador comigo.

Se tivéssemos porteiro no prédio, o vizinho do 7º daria assunto pra bem mais de um mês.

Soube da sua existência no dia em que cheguei em Paris. Exatamente às 5 da manhã, quando seu despertador tocou. Nada daqueles prosaicos relógios com um sininho em cima, que as vovós usavam para acordar. O cara colocou uma salsa em um volume imbecil, de sacudir as gárgulas da Catedral de Notre-Dame.

E eu no apartamento debaixo.

Acordei assustado, jurando que um bando de cubanos invadia o edifício. Dois casais dançando enquanto uma orquestra mandava brasa.

Passei vários dias despertando junto com o sujeito. Eu, o prédio todo e a torcida do Paris Saint-Germain. Sempre às 5 da manhã. Sempre a mesma música. Até que teve um fim de semana em que ele deve ter viajado e a maldita canção ficou repetindo 24 horas.

- O cara morreu, pensei.

Alguém tinha que abrir aquele apartamento. Nem pensava no cadáver jogado na sala, mas sim em um meio de desligar o tormento latino que saía das caixas de som.

Saí de casa. Voltei horas depois. E a música continuava. Até que parou.

- Tá vivo... Mas juro que não sabia se isso me deixava mais feliz.

Nada adiantava. Já tinham falado com ele, com a síndica, com os outros moradores do prédio. Um dia um dos vizinhos não se agüentou e colocou um bilhete na porta do elevador. Esse que tá aí em cima.

“Mensagem ao barulhento locatário do 7º.

O senhor pode, por favor, abaixar o som do seu despertador matinal – chega! O senhor não está sozinho no prédio. Já lhe pedimos isso várias vezes.

Vizinho do 6º”


Achei que agora isso ia acabar. Mas nada. Na hora marcada, os cubanos voltaram a sacudir minha cama, munidos de atabaques, baixo, trompetes e guitarras.

Até que, numa madrugada, outro susto. Acordei às 5, como já havia me habituado. Mas estava o maior silêncio. Deu 5h10, nenhum barulho. Voltei a dormir. Nos dias seguintes, a mesma paz, que dura até hoje. Nunca mais escutei um ruído vindo do apartamento de cima.

É claro que fiquei feliz. Todo o prédio deve ter ficado. Mas tem algo que me incomoda. Fico pensando no que pode ter acontecido com ele. Eu não sei. Tampouco os vizinhos. Não sabemos se ele se mudou. Se morreu. Ou se simplesmente decidiu atender aos inúmeros apelos. Nenhuma fonte de fofoca foi informada sobre o paradeiro do rapaz.

Que falta faz um porteiro nessas horas...

compartilhe



informaes

Autoria
Daniel Cariello
Ficha tcnica
Esta crônica foi retirada do blog Chéri à Paris (www.cheriaparis.blogspot.com), onde conto as "desventuras de um brasileiro da terra do fromage"
Downloads
376 downloads

comentrios feed

+ comentar
para_raros
 

Hilariante sua crônica, Daniel!!! rs
Talvez seu vizinho tenha se mudado para o Brasil, quem sabe não é um dos meus? rs

Abraços, muito prazer e votos!!!

para_raros · Belém, PA 6/12/2007 10:42
sua opinio: subir
Claudia Puget
 

Adorei!
MAnde sempre notícias delá !
abraço
puget

Claudia Puget · Muqui, ES 6/12/2007 10:59
sua opinio: subir
Daniel Cariello
 

Obrigado!
Abraços para vocês também.

Daniel Cariello · Brasília, DF 6/12/2007 11:35
sua opinio: subir
silviaraujomotta
 

Seu texto está bem escrito e cheio de curiosidades!
Fiz uma TROVA para VC:

Muitos gostam dos porteiros
e deles, a mordomia...
Chegam a ser companheiros
da solitária alegria.

silviaraujomotta · Belo Horizonte, MG 11/2/2008 20:45
sua opinio: subir
Adriana C. De Oliveira
 

Adorei!! Ri um bocado.
Parabéns pelo texto!
ps. Virei fã dos seus textos.
Grande Beijo!

Adriana C. De Oliveira · Vitória, ES 25/9/2008 14:09
sua opinio: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faa primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Voc conhece a Revista Overmundo? Baixe j no seu iPad ou em formato PDF -- grtis!

+conhea agora

overmixter

feed

No Overmixter voc encontra samples, vocais e remixes em licenas livres. Confira os mais votados, ou envie seu prprio remix!

+conhea o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados