Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Dislexia e Poesia

José Carlos Brandão
1
José Carlos Brandão · Bauru, SP
21/8/2008 · 122 · 12
 

DISLEXIA E POESIA

Roman Jakobson, em “Lingüística e Poética”, levanta a hipótese de que a dislexia pode estar na base de toda criação poética. Infelizmente, que eu saiba, não desenvolveu mais profundamente o tema.

Muitos gênios da humanidade são tidos como disléxicos: Agatha Christie, Albert Einstein, Auguste Rodin, Charles Darwin, Hans Christian Anderson, Leonardo da Vinci, Lewis Carroll, Mark Twain, Michelangelo, Picasso, Rafael, Francis Bacon, Thomas A. Edison, Vincent Van Gogh, Walt Disney, William Butler Yeats. Não há provas, ninguém pôde estudá-los cientificamente. Mas é um belo consolo, diria mesmo que é um formidável estímulo.

Quando adolescente, levado por uma – esta sim! – formidável dificuldade de aprender, me auto-diagnostiquei como disléxico e pus-me a fazer uma série pesada de exercícios de dicção. Certo ou errado, o fato é que deixei de ser o estúpido da turma e passei a ser um dos primeiros ou, quando queria, o primeiro. Ao mesmo tempo, tornei-me, ou descobri-me, poeta.

Poderia ser o fato de ter sido alfabetizado em escolinha de sítio que retardou meu desenvolvimento, mas a mudança abrupta que se operou em mim, mal descobri a linguagem, foi surpreendente. Não é feita de palavras vazias, apenas grandiloqüentes, a frase: “Quem descobre a linguagem, descobre o mundo.”

Descobri o mundo e a poesia. O poeta pensa por imagens, como o disléxico. Muitas vezes quero escrever “coisa”, e escrevo “ciosa”, troco “alma” por “lama”, “corpo” por “porco”. Muitas vezes as letras embaralham-se tanto que não consigo decifrar o que digitei. São inescrutáveis os caminhos da criação de uma imagem. Esse poderia ser um. Há muitas imagens que me vêm, claramente, desse embaralhar de letras ou fonemas.

Não é famosa a escrita espelhada de Leonardo da Vinci? O espelhamento é característica da dislexia. Quando Michelangelo – disléxico e poeta como Leonardo da Vinci – ergueu o martelo contra o joelho de Davi, gritando-lhe: “Fala!”, estava dando-nos um índice da perfeição de sua arte, que só faltava falar, mas também outro índice, cifrado, da sua dificuldade de linguagem, de sua dislexia – tão criativa. Rodin era outro escultor obsessivo com a perfeição, como se quisesse fazer suas figuras falarem, como se o seu “Beijo” beijasse ou o seu “Pensador” pensasse. O “Pensador” é um ser que faz um esforço ingente para, justamente, pensar. Rodin estaria se auto-retratando como disléxico.

São famosos os poemas de Lews Carrol, intrincados jogos verbais de alguém que esculpe com a linguagem, à procura da forma – o que a maioria dos poetas faz mais discretamente, como se não quisessem revelar a gênese de sua técnica, seu cérebro que pensa diferente. Van Gogh criou uma nova cor, descobriu tonalidades diferentes, na ânsia de retratar a sua maneira diferente de ver, que poderia ser a de um disléxico. Picasso, quando pintou as “Demoiselles d’Avignon” não estava apenas inaugurando uma nova forma de arte, o Cubismo, mas também a maneira de ler – quem sabe dislexicamente – a realidade.

A dificuldade de Einstein para aprender não era apenas a de um disléxico que ainda não descobrira como usar criativamente o seu cérebro? Lembram-se do “estalo” de Vieira? O “imperador da língua portuguesa”, como o chama Fernando Pessoa, apenas descobriu a linguagem. A “Descoberta do Mundo” de que fala Clarice Lispector – que tinha a língua presa! – não é mais do que a descoberta da linguagem.

Orfeu desceu aos infernos porque a sua arte tinha beleza divina. Dante Alighieri, o criador da língua italiana, clareava as sendas por onde o seu cérebro viajaria quando criou o seu “Inferno”, lembrando-nos de que o artista é um condenado à beleza, por maiores que sejam as suas limitações. Rodin em sua obsessão perfeccionista não terminou o portal do Inferno, que o levaria ao próprio Inferno. Rimbaud, mais um atormentado, também foi a “Uma estação no Inferno” quando arrebentou as válvulas da linguagem, criando a poesia moderna.

Vou mexer com o meu amigo Vitor Martinello, o poeta de Bauru, que inventou uma instigante e crítica e lúdica “Lixeratura” arrombando os diques da linguagem como um menino que desmonta um relógio para ver-lhe as entranhas e descobrir-lhe a mágica. Não é outra a lição de Manoel de Barros, que, com os seus 91 anos de idade, continua arrombando as entranhas das palavras, virando-as do avesso para descortiná-las em sua forma virginal, larvar, paradisíaca, isto é, encantada. (Não estou dizendo que o Vitor seja um gênio, não exagero tanto; talvez, como eu, não apresente sintomas nem de dislexia.)

A dislexia é uma bênção e um tormento. Como a poesia, como a genialidade, não vem no mesmo grau, não atormenta igualmente, mas dá frutos. Não é preciso amaldiçoá-la porque nos atrapalha a vida. Pode estar nos abrindo caminhos maravilhosos para uma vida mais criativa. A intuição do criador pode ser muito bem um estalo de gênio – disléxico.

compartilhe



informações

Autoria
José Carlos Brandão
Downloads
762 downloads

comentários feed

+ comentar
Compulsão Diária
 

Sim, até pq o sintoma é sentido ou múltiplos sentidos, além de representar parte da constituição subjetiva.
Sei que a mente do disléxico e do poeta são semelhantes: pensamento visual, evolutivo e original. E que crianças disléxicas são tratadas com exercícios que envolvem trava-língua e parlenda. Sua abordagem humana e poética do sintoma segue o que há de mais atual do ponto de vista de seu tratamento e compreensão.
bjo
CD

Compulsão Diária · São Paulo, SP 18/8/2008 18:34
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
nina araújo
 

'"A dislexia é uma bênção e um tormento. Como a poesia, como a genialidade, não vem no mesmo grau, não atormenta igualmente, mas dá frutos"

seu texto e também o seu pensamento prenderam a minha atenção de forma completa.Gostei muito das informações e do caminho da poesia...Abraços,Nina.

nina araújo · Rio de Janeiro, RJ 18/8/2008 20:38
sua opinião: subir
graça grauna
 

Meu caro Brandão, poeta, ensaísta, pesquisador: gostei da sua contribuição. A semana passada, lá na Faculdade, levei um texto que fala sobre o educatrador... viva a liberdade de trocal "alma" por "lama", corpo/porco, coisa/ciosa.... Bom seria, que os disléxos fossem respeitados, sobretudo nos momentos de poesia. Aprendi muito com o seu texto. Bjos.

graça grauna · Recife, PE 18/8/2008 20:54
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

Compulsão Diária · São Paulo, SP 20/8/2008 18:18
sua opinião: subir
azuirfilho
 

José Carlos Brandão · Bauru (SP) ·
Dislexia e Poesia

Um Texto muito bem feito.
uma verdadeira aula.Ficou muito bom e gostoso de ler.
Parabéns.
Abração Amnigo

azuirfilho · Campinas, SP 20/8/2008 18:48
sua opinião: subir
clara arruda
 

deixo meu carinho e voto.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 20/8/2008 21:02
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

publicado, parabéns.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 21/8/2008 10:30
sua opinião: subir
walnizia santos
 

Um tratado, José Carlos, muito bem elaborado, sobre a dislexia.
Parabéns, querido poeta.
Um carinhoso abraço.

walnizia santos · Brasília, DF 21/8/2008 10:33
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Brandão, perfeito! Muito bem discorrido o tema e com inteligência.
Interessante post. ab

Cintia Thome · São Paulo, SP 21/8/2008 12:54
sua opinião: subir
Ecila Yleus
 

Um trabalho compete nte, com conteúdos literário muito bom e também a informação útil a respeito da dislexia , como o paralelismo do sintomas terem uma forte ocorrência entre os gênios e isso eu tenho ciência , vários informes apontam parea essa evidência. Parabé ns pelo rico trabalho.

Ecila Yleus · Recife, PE 22/8/2008 23:43
sua opinião: subir
Thiers
 

Gstei mto da sua narração, não sei se é real; pero msm assim está perfeita, vc monta o retrato daquilo que pensa deixando seu ponto de vista claríssimo e coerente. Inclusive divertido. Pero eu penso que um poeta, escritor, ensaísta tanto pode ser ou não ser disléxico.

Thiers · Rio de Janeiro, RJ 25/8/2008 02:40
sua opinião: subir
Coluna do Domingos
 

Votado

Coluna do Domingos · Aurora, CE 16/10/2008 11:56
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 5 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados