Dona Franca, a dona da pensão

1
Roberta Tum · Palmas, TO
11/4/2007 · 160 · 15
 

Que ela era uma negra bonita e vaidosa, isto era possível notar no primeiro olhar. Mas que não lhe chamassem de negra, a não ser que quisessem comprar uma briga daquelas. Tinha pai negro, mãe mulata, e uma avó índia que - segundo ela se lembrava e contava aos filhos - tinha sido pega no laço. Mas por um espírito de altivez além da compreensão dos seus iguais, tinha horror à simples idéia de que se casaria com um daqueles primos da família, todos de cor mais carregada que a dela própria. Afinal Franca era fruto de uma mistura que lhe clareara a pele levemente, e nada lhe impedia de sonhar com um marido branco. Sim, pois queria um branco e de preferência com os olhos azuis.

Tanto Franca enjeitou pretendentes da sua cor, e tanto pediu a Deus, que achou o tal branco. Ele era português legítimo, assinava Andrade, tinha pele clara, olhos claros e um jeito sedutor. Estava perfeito para os seus sonhos de moça do interior, criada em fazenda. O detalhe que ninguém sabia, é que ele tinha também um defeito que arruinaria o casamento dos dois anos depois: era viciado no jogo. Mas nesta época ela não tinha olhos pra isto. Queria era casar, bater asas, e voar. De preferência, cuidar de sua vida em outra cidade. Assim fez, contrariando a família. Com o passar dos anos, e os quatro filhos que vieram, Franca se achou sustentando a casa sozinha, na máquina de costura que martelava noite e dia, varando madrugadas para cumprir os prazos e entregar as encomendas. Eram muitas bocas para alimentar, três moças e um rapaz para vestir. O marido português, chegado à bebida, ao jogo e às mulheres pouco aparecia. Quando vinha era para dar trabalho, e sem nenhum dinheiro que a ajudasse a tocar a vida.

Foi por isto que, decidida como no dia que avisou aos pais que ia se casar, Franca deu o ultimato. Chamou o compadre, amigo e padrinho de casamento para uma conversa:
- Seu Olavo, mandei lhe chamar aqui por que preciso de um seu favor.
- O que é Dona Franca? – respondeu o senhor já idoso, e sempre solícito.
- Diga a Manuel que junte suas coisas e se mude desta casa. Não preciso de marido beberrão dando mal exemplo aos meus filhos.
- Mas Dona Franca, pense bem... – suspirou o amigo do marido que ela já não queria mais – mulher sozinha, sem um chapéu dentro de casa, com filhos para criar...
Ela interrompeu a ladainha, já conhecida.
- Sozinha já vivo seu Olavo, e meus filhos sou eu quem crio, sentada dia e noite nesta máquina de costurar. Já me decidi.O senhor é o padrinho. Vai me atender?
- Olhe Dona Franca, eu não tiro sua razão. Se já está de caso pensado, pode ficar tranqüila. Chamo Manuel pra conversar.
E assim se deu a separação. Sem brigas. Silenciosa. O marido que lhe tinha sido tão caro, motivo de brigas homéricas com a família, foi-se embora. Depois dele, outros homens vieram. Mas agora Dona Franca não era mais a menina cheia de sonhos. Era a mulher batalhadora. Dona do seu destino e do seu corpo, os homens entravam e saíam de sua vida quando ela queria. Para constrangimento das filhas que foram crescendo em meio a uma sociedade interiorana, moralista e conservadora, e cedo aprenderam a ver a mãe com os olhos “dos de fora”. Mas isto foi mais tarde. Naquele tempo, logo após a separação, sua vida era trabalhar com força redobrada.

Da necessidade nasceu a invenção, e da máquina de costura Dona Franca passou à dona de pensão. Ali punha as filhas para ajudar na arrumação. Soltos pela vizinhança, filhos de alguma mãe sem marido, devagar iam chegando os mais necessitados que ela própria. E foi assim que ela se viu criando os meninos e meninas que não eram propriamente seus. Valdir, o Vino, Maria, Lenita, Marialva, Kátia e tantas outras que se sucederam. Eram meninos e meninas negros em sua maioria, famintos e maltrapilhos quando chegavam (...)

compartilhe



informações

Autoria
Roberta Tum
Ficha técnica
Mais um capítulo do livro "Rua 4, nº 54" - Histórias de um árabe no coração do Brasil
Downloads
735 downloads

comentários feed

+ comentar
Cida Almeida
 

Roberta, maravilha de capítulo (conto). Saboroso, instigante e sedutor, do começo ao fim. Só que você o postou como música. Veja aí.

Beijo grande!

Cida Almeida · Goiânia, GO 9/4/2007 15:47
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

rs... nem acredito Cida, é a pressa, já vou mexer!

Roberta Tum · Palmas, TO 9/4/2007 16:52
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Celio Soares Jr
 

Roberta... muito bom!
abraços!!!

Celio Soares Jr · Pelotas, RS 10/4/2007 21:19
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Oi Célio, gostei que tenha te agradado!
Abração!

Roberta Tum · Palmas, TO 11/4/2007 14:08
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Fê Pavanello
 

Adorei, Roberta!
:-)

Fê Pavanello · Brasília, DF 19/4/2007 15:10
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Tacilda Aquino
 

Muito bom. Aliás, como todos os seus textos.

Tacilda Aquino · Goiânia, GO 19/4/2007 16:54
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Bruna Célia
 

Gostei!!!!

=)

Bruna Célia · Goiânia, GO 6/5/2007 21:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

, obrigada pela leitura, fico feliz que vc gostou!
Tacilda, esse é o núcleo brasileiro da história, ele vai crescendo aos poucos, vc que está acompanhando a estória toda vai reencontrá-los mais adiante. Beijo. Obrigada pelo carinho!
Bruna, valeu pela passagem e pelo comentário! Obrigada!

Roberta Tum · Palmas, TO 7/5/2007 10:01
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
carlos magno
 

Que bela estó Roberta! adorei este teu conto. Maravilha mesmo,parabéns pelo trabalho.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 7/5/2007 21:17
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Priscila Silva
 

Adorei, parabéns Roberta

Um beijo.

Priscila Silva · Cabo Frio, RJ 20/6/2007 09:06
sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Carlos, Pri
agradecida. O gostar de vcs é importante!
Bj

Roberta Tum · Palmas, TO 20/6/2007 09:17
sua opinião: subir
Hélio Filho
 

Muito bom, legal mesmo. O cotidiano é mesmo sempre a maior riqueza da poesia.

Hélio Filho · São Paulo, SP 15/7/2007 15:21
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Elizete Vasconcelos Arantes Filha
 

Roberta:
Haverá uma segunda parte? fiquei com um gostinho de quero mais.
Elizete

Elizete Vasconcelos Arantes Filha · Natal, RN 16/8/2007 14:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
C.E.P
 

Roberta,
Delícia de prosa. Parabéns, gostei muito.Abs

C.E.P · Rio de Janeiro, RJ 7/9/2007 19:12
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Hélio, te agradeço a gentileza do comentário!
Elizete, "As irmãs e seus destinos" é sequência destes, e outros virão.
C.E.P, obrigada pelo elogio. Venha sempre!

Roberta Tum · Palmas, TO 9/9/2007 20:22
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados