Encaixe a frase

Felipe Obrer
1
Felipe Obrer · Florianópolis, SC
20/5/2008 · 179 · 5
 


A vida é cheia de situações inenarráveis. O que acontece dentro da pele, por exemplo. Seja um furúnculo que ainda não assomou a cabeça ou o sangue quente correndo acelerado pela pulsação que reage a estímulos externos. O mundo está repleto de problemas cabeludos e de coisas sublimes. Existir é sempre caminhar numa corda instável, já puída pelo tempo. Em busca de algum equilíbrio, ainda que precário, as pessoas recorrem a templos.

Dizem que andam roubando horas, aceleraram os relógios sem avisar ninguém. Roubaram minutos das horas, horas dos dias, dias das semanas, semanas dos anos, anos dos séculos, séculos dos milênios, milênios das eras, ad infinitum. O paraíso é prometido num futuro post mortem. Quem é vivo desaparece. Se omite por acreditar que esta passagem é só ensaio, e dias melhores virão nas alturas, quanto menos bruscos forem os movimentos aqui e agora. Em cima da corda frouxa e traiçoeira. A fantasia catastrófica é essa: caminhar pela vida é um perigo. Tudo é arriscado demais, e a especulação do risco motiva a imobilidade assustada. Voar, então, é tão temerário que se proíbe até falar na idéia. E escrever é vôo. Perdido nesses devaneios, o escritor digeria a imensidão de vetores possíveis na tentativa de explicação.

Fazia tempo (mesmo tendo sido surrupiada parte dele) que dedicava a vida à função de escriba. Tentava narrar o que está ao alcance dos sentidos. Inventava mundos, colocava os dramas humanos sobre a mesa profana que serve de apoio aos pratos literários oferecidos aos degustadores interessados.

Pensava nos medos da humanidade, nos problemas insolúveis fora do alcance das palavras que, embora sejam instrumentos interessantes de levitação, não dão conta de condensar, nas abstrações que permitem, o mundo como ele é. Ao olhar para a tela em branco, o escritor se deu conta de que não tinha mais nada a dizer.

Lembrava daquela pedrada filosófica que trata de como são inatingíveis as coisas em si. O cerne do mistério permanece impenetrável, mesmo que se tente descrever os contornos da concha que o guarda. Tomado por todos esses dramas e divagações, sentiu que trabalhar a terra poderia ser mais interessante do que lidar com o verbo aéreo. Quando deu por si, estava já imaginando as plantas florescendo no campo vasto, num fim de tarde. E ele ali, mascando um mato no canto da boca, fumando um palheiro e vendo o crepúsculo. Sonhou acordado com essa vida ligada à germinação e à música dos processos da natureza, em outro ritmo. Silencioso de letras.


Sobre a obra

Motivado pela ficha técnica não digo nada.
Motivado pelo concurso no qual a frase a encaixar era esta: "Ao olhar para a tela em branco, o escritor se deu conta de que não tinha mais nada a dizer."

compartilhe



informações

Autoria
Felipe Obrer
Downloads
390 downloads

comentários feed

+ comentar
Saramar
 

Ah! e eu que ia participar...
Mas este belíssimo texto é invencível.

beijos

Saramar · Goiânia, GO 18/5/2008 00:57
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Ilhandarilha
 

Lendo aqui, sem alterações de sentidos, encontrei outros sentidos. Vastos, profundos e instigantes. E eu que sempre achei que ver o crepúsculo mascando um matinho qualquer fosse a única saída possível... Tem razão: escrever é vôo. E o seu nos leva junto.
Beijos

Ilhandarilha · Vitória, ES 18/5/2008 12:01
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Tita Coelho
 

Uau Felipe, que texto!
Gostei do termo o que acontece "dentro da pele"... é mais que profundo de uma intensidade incrível.
Quando falas sobre o tempo, fostes realmente como disse Saramar invencível, descreveu a ausência dele... Bom te ler!

Tita Coelho · Porto Alegre, RS 20/5/2008 01:08
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Cintia Thome
 

A Pedra Filosofal responde...Não sendo de maneira corriqueira teu texto nos leva a perceber as não respostas em tempo, se é que este é limitado ou ilimitado.

Cintia Thome · São Paulo, SP 20/5/2008 04:47
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Felipe Obrer
 


Relido quase dois anos depois, vejo que posso ter feito uma homenagem inconsciente ao Raduan Nassar.

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 18/3/2010 22:10
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados