Enquanto meu pai não vem...

1
Fátima Venutti · Blumenau, SC
11/12/2008 · 320 · 35
 

Enquanto meu pai não vem...

Fátima Venutti


Mais uma vez ele conferiu as horas em seu relógio: eram nove e meia da noite. Olhou para a fila e recontou, pela quarta vez, quantas crianças estavam à sua frente: sete. Mais uma vez ele prometeu a si mesmo: este será o último Natal que peço este presente.

Enquanto esperava, sua mente recapitulava a primeira vez, há cinco anos, quando resolvera entrar numa fila para ver o bom velhinho de perto e descobriu que tinha direito a fazer um pedido (caso tivesse sido um “bom menino”). E como aquele momento era tão especial e, anual, sabia que não poderia desperdiçar com qualquer coisa ou bobagem. Foi então que resolvera pedir algo especial e que pudesse realmente transformar sua vida.

Em cinco anos seguidos este sempre fora o momento mais aguardado do ano. Já no final de novembro, começava a sua excitação. Percorria todos os shoppings e lojas do bairro a fim de conferir se o bom velhinho colocaria sua enorme cadeira e tapetes vermelhos para receber incansavelmente as crianças, ouvir e registrar seus pedidos de Natal. E qual Papai Noel não conhecia, ao longo destes cinco anos, aquele menino que quase diariamente passava longas horas da tarde a enfrentar filas para ver e conversar com o “barbudo”?

A persistência para com o seu desejo o mantinha ali, atento, como um cobrador de seus direitos, afinal, se havia sido um bom menino, estudioso e educado (como lhe fora imposto em sua primeira vez), nada mais justo que ter seu pedido atendido. E há muito tempo ele cobrava. Alguns, conseqüentemente, o reconheciam a esperar na fila. Já sabiam o que aquele menino minguado, de canelas finas e olhar curioso iria pedir. Outros, ao vê-lo, torciam para que o pedido fosse outro, quem sabe já havia sido atendido no ano anterior... E outros mais “bons velhinhos” de primeira viagem, surpreendiam-se com seus motivos para estar ali.

Eram 9h 40min e ainda estavam três crianças à sua frente. Ele mantinha sua esperança acesa. Para o dia seguinte, depois da aula, já tinha seu roteiro traçado em sua mente. Quais lojas iria percorrer e, quem sabe, aquela enorme recém inaugurada de departamentos... Quem sabe, se não for esse bom velhinho, a poucos passos de si, talvez possa ser o que vai encontrar amanhã, ou depois de amanhã. Não importava mais, pois já havia decidido que aquele era o último Natal em que iria fazer essa peregrinação..

Agora, poucos metros o separavam daquele Papai Noel. Sabia, que por ser a última criança a ser atendida, como brinde poderia conversar um pouco mais e quem sabe, convencê-lo então... Aquele “friozinho” na barriga o acompanhava desde sua primeira fila. Sempre ao se aproximar, a esperança de ser atendido vinha em forma de rodopios e calafrios pelo corpo. E agora, era a sua vez.

Como de costume, aquele velhinho deu seu mais cansado “Ho Ho Ho Ho” e fez sua pergunta fatídica: - E então, o meu garoto foi bonzinho este ano?. Pausa para um balançar positivamente a cabeça. E em seguida, veio a grande pergunta: - O que você gostaria de ganhar de Papai Noel então?
Ah! Quantas vezes ele respondera essa pergunta só neste ano? E quantas no ano passado, no anterior e no anterior, e desde o primeiro? Mas sua resposta, sempre, também causava espanto ao olhar amiúde de todos os “bons velhinhos”, não diferente deste, em cujo colo ele sentou e respondeu firmemente: - Quero conhecer o meu pai!

Algumas luzes, de algumas lojas do shopping foram se apagando e Paulo se manteve sem resposta, sem ação diante daquele pedido. Ele olhou para o grande relógio central da Praça e os ponteiros informavam: 9h e 50min. Ele poderia ficar um pouco mais com aquele menino, afinal, era seu primeiro ano como Papai Noel e desde o primeiro dia, só o que ouvia eram pedidos de bicicletas, videogames, bonecas maiores que suas futuras donas, carrinhos de controle-remoto, mas o paradeiro de um pai, isso ele ainda não tinha ouvido.

Então, ele se recostou confortavelmente naquela enorme poltrona vermelha, acomodou em suas pernas aquele menino, acarinhou sua face e perguntou: - Como é seu nome?. E o garoto respondeu: Gabriel. -E quantos anos você tem?. – Vou fazer doze o mês que vem.

- Então, Gabriel, me diga o porquê de você querer conhecer o seu pai.

Mais uma vez, calmamente Gabriel relatou: minha mãe morava com meus avós num sítio, numa cidade do interior de São Paulo. Meus avós não eram os proprietários, só cuidavam. Uma vez, os filhos dos donos vieram passar um final de semana e minha mãe organizava a casa pra eles. Havia um moço muito bonito, jovem, de cabelos grossos e escuros. Minha mãe se apaixonou por ele, namoraram escondidoS naqueles dias e tempos depois eu nasci. Minha mãe sempre me disse que decidiu não contar a meu pai que estava grávida para não prejudicar meus avós. Eles tinham muito receio de serem mandados embora do sítio. Depois de algum tempo, minha mãe resolveu vir trabalhar em São Paulo. Dizia que queria ter uma vida melhor que a que tínhamos no sítio. Mas o que eu mais desejo, e isso Papai Noel deve saber bem, afinal quantas e quantas vezes já ouviu este meu pedido, não? Meu único desejo é conhecer meu pai.

Paulo não conseguiu conter sua emoção. As lágrimas começaram a driblar sua face e como esconder seus sentimentos por baixo daquela maquiagem, daquela barba branca e postiça...
Enquanto ouvia Gabriel, sua mente viajou com ele para aquele sítio. Lembrou de sua adolescência e dos amigos da vizinhança com quem costumava farrear. Percorria a face daquele menino a procura de um sinal, pois já havia vivido uma história parecida.
Olhou novamente o grande relógio da praça: 22 horas. Era hora de desarmar o circo. De voltar à sua realidade, de vestir a sua fantasia de homem cansado, com fome, carente...
Foi então que Gabriel o trouxe à realidade: - E então Papai Noel, vai realizar o meu pedido?
Paulo olhou novamente para aquele cenário, fitou os olhos de Gabriel e perguntou: - Está com fome?. E o menino respondeu: -Claro, hoje estive em três lojas e nem tive tempo de comer. Paulo respirou fundo, levantou Gabriel de seu colo e o colocou no chão. Levantou-se, estendeu sua mão enorme e quente pelas luvas brancas e disse: - então vamos comer, vamos conversar e você me conta melhor a sua história. Depois, você poderá ir para sua casa, descansar. O menino viu uma luz que jamais havia visto nos olhos daquele homem. Novamente o burburinho da emoção rodopiou seu corpo e repetiu na mente a sua promessa: este vai ser o último ano que faço este pedido...”

Sobre a obra

"Enquanto Meu Pai Não Vem..." faz parte da obra Histórias de Natal- contos e Crônicas, lançado pela Sociedade Escritores de Blumenau- SEB em 2007. Obra belíssima que resgata histórias reais e de ficção de escritores da entidade.



compartilhe



informações

Downloads
389 downloads

comentários feed

+ comentar
Ivan Cezar
 

Uma overdose de emoção !
Lindo e na época certa.
abrindo a votação

Ivan Cezar · São Sepé, RS 10/12/2008 15:10
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
alcanu
 

Certos pedidos são atendidos ou não:
depende do Papai Noel !
Um beijo !

alcanu · São Paulo, SP 10/12/2008 15:56
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
nina araújo
 

Fátima, que riqueza de sensibilidade e emoção neste texto doce que prende o leitor numa viagem linda! Comovente o pedido dessa criança e me lembrou de imediato uma reportagem da tv globo (nesses dias em que muitas histórias belas são contadas) em que um menino pedia ao Papai Noel que sua família pudesse ter uma cesta de natal para comer!!
Sublime! Adorei1 Parabéns!
Beijos,

nina araújo · Rio de Janeiro, RJ 11/12/2008 11:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Langinha
 

Muito lindo e emotivo,Fátima...Quantas pessoas, crianças, adultos ficam na vida buscando a realização de um sonho....E é importante o sonho, ele acalenta a vida, às vezes tão dura e difícil que a pessoa tem. Parabéns pelo texto.gostei muito Bjs Ah visite m/ texto "O Meu Natal",penso que vai gostar.....Já que estamos no "Clima", né...Até mais...Langinha...

Langinha · São Paulo, SP 11/12/2008 19:45
sua opinião: subir
Langinha
 

Ah Voto em você...Bjs Langinha...

Langinha · São Paulo, SP 11/12/2008 19:45
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

poema sensível e prazeroso de ler, ótimo trabalho.
votado.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 11/12/2008 19:47
sua opinião: subir
ayruman
 

Fantástico conto amiga. Comovente ao expor os sentimentos tão carentes da pequena criança. E que belo desfecho!!!

Luz e Paz. Sempre. jbconrado.

ayruman · Cuiabá, MT 11/12/2008 19:55
sua opinião: subir
ayruman
 

Opa! Votei e mandei pró banco do Over.

ayruman · Cuiabá, MT 11/12/2008 19:56
sua opinião: subir
Samuel Luciano Assunção
 

lindo fátima...
beijos

Samuel Luciano Assunção · Angra dos Reis, RJ 11/12/2008 20:24
sua opinião: subir
José Silveira
 

conto comovente, narrativa com grau potenciadp pela proximidade do dia magno do Natal. Finda a leitura, ficou o órfão no meu pensamento, outros por motivos diferentes, as crianças da catástrofes de S.C. cujas cidades como de Blumenau. Brusque, Pomerode, Gaspar, Ijajai e Navegantes, lugares onde tenho muitos amigos, e alguns estão sofrendo com as perdas. Desculpe-me poetisa ocupar o teu espaço, mas fui levado pela emoção.
meu voto - um beijo e fraterno abraço de Boas Festas.

http://www.overmundo.com.br/banco/menino-rei-uma-poesia-de-natal

José Silveira · Niterói, RJ 11/12/2008 21:00
sua opinião: subir
José Carlos Brandão
 

Eu lhe desejo um feliz Natal de Jesus Cristo. Enquanto meu pai não vem, esse pai que é Jesus, que já está presente para nos levar ao seu Pai, e nosso.

José Carlos Brandão · Bauru, SP 11/12/2008 21:42
sua opinião: subir
Juscelino Mendes
 

Enquanto não vem, lemos um lindo texto...

Juscelino Mendes · Campinas, SP 11/12/2008 22:39
sua opinião: subir
herculano alencar
 

Muito emocionante!
Bjs,
herculano

herculano alencar · São Paulo, SP 11/12/2008 23:37
sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Bom texto, daqueles que nos levam até o final na esperança do milagre natalino.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 12/12/2008 00:12
sua opinião: subir
Falcão S.R
 

Fátima,

Belo e comovente conto de natal.

Beijos

Falcão S.R · Rio de Janeiro, RJ 12/12/2008 03:25
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Beleza de resgate Fátima! Ví uma história dessa recentemente. Real! Doeu o meu coração emocional! São as facetas da vida! Bela narrativa! Um FELIZ NATAL!!!

raphaelreys · Montes Claros, MG 12/12/2008 06:25
sua opinião: subir
Aldy Carvalho
 

É a vida tem dessas coisas, por incrível que pareça até corriqueiras.
Realidades doídas, sofridas. Realidades enfim

Do mei para o fim, no conto, ficamos torcendo para o menininho achar o pai, e se o papai noel fosse o jovem que teve uma aventura em um sítio no interior...

Bjinho

Aldy Carvalho · São Paulo, SP 12/12/2008 08:34
sua opinião: subir
Aldy Carvalho
 


Corrigindo:
Do meio para o fim...

Aldy Carvalho · São Paulo, SP 12/12/2008 08:34
sua opinião: subir
Mão Branca
 

oi.

vc conhece o bar do escritor em www.bardoescritor.net ?

Mão Branca · Brasília, DF 12/12/2008 10:20
sua opinião: subir
Paulo Esdras
 

Perfeito!

Paulo Esdras · Brumado, BA 12/12/2008 11:41
sua opinião: subir
joe_brazuca
 

Muito Bom !
abraço !

joe_brazuca · São Paulo, SP 12/12/2008 11:54
sua opinião: subir
Carlos Mota
 

Fátima Venutti,
vou te dizer uma coisa em minha fé pagã,
me emocionei com teu texto
obrigado por tê-lo escrito,
beijo,

Carlos Mota · Goiânia, GO 12/12/2008 12:10
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Fatima,
lindo texto
a esperança nunca morre
bjs

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 12/12/2008 12:22
sua opinião: subir
ARLETE TRENTINI DOS SANTOS
 

OI FATIMA.
COMO SEMPRE SEUS CONTOS CONTAGIAM.
E NESTA ÉPOCA NATALINA QUE JÁ ESTAMOS MAIS SENSIVEIS ESTE CONTO CALOU FUNDO.
UM ABRAÇÃO E UM FELÍZ NATAL.
E QUE OS GABRIÉIS DA VIDA ENCONTREM O PAPAI NOEL CERTO.

ARLETE TRENTINI DOS SANTOS · Gaspar, SC 12/12/2008 13:51
sua opinião: subir
Omar Costa de Umbro
 

lindo.. lindo.. como sempre..

Omar Costa de Umbro · São Paulo, SP 12/12/2008 15:13
sua opinião: subir
Jota Lago
 

Eae Fátima, na pazzz??
Muito bom texto! Sensível e apropriado para a época! Parabéns!!
Volto na próxima fila!
Abração e ótimo final de semana!

Jota Lago · São Paulo, SP 12/12/2008 15:23
sua opinião: subir
celina vasques
 

celina vasques · Manaus, AM 12/12/2008 21:15
sua opinião: subir
Raiblue
 

Fátima,minha querida!!!
Um belo conto de Natal, muito delicado
e narrativa envolvente!!
Parabéns!

um beijo azul
Blue

Raiblue · Salvador, BA 12/12/2008 23:01
sua opinião: subir
Noelio Mello
 

Noelio Mello · Belém, PA 13/12/2008 01:20
sua opinião: subir
carlos magno
 

Beleza as estórias sobre papai Noel sempre nos traz muitas lembraças gostosas do tempo de criança. Meus sinceros aplausos e beijos.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 13/12/2008 18:30
sua opinião: subir
walnizia santos
 

Muita beleza e sensibilidade no
seu poema.Gostei muito!
Parabéns. Votando.
Beijos

walnizia santos · Brasília, DF 13/12/2008 18:41
sua opinião: subir
Lena Girard
 

Tão lindo!! Tão comovente!!Mas tão real!
Beijos

Lena Girard · Belém, PA 14/12/2008 00:14
sua opinião: subir
Langinha
 

fátima: gostaria que visitasse m/ novo texto em votação."Dentro de mim mora um anjo"...Acredito que irá gostar. Bjs langinha.

Langinha · São Paulo, SP 17/12/2008 20:19
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Emocionante!

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 18/12/2008 16:17
sua opinião: subir
azuirfilho
 


Fátima Venutti · Blumenau (SC)
Enquanto meu pai não vem...
Ficou muito bom. Vocé caprichou no uso do poder da esxpressáo.
Inspiracáo divina.
Parabéns pelo contyo agradável e espirituoso.
Abracáo Amigo

azuirfilho · Campinas, SP 25/12/2008 10:21
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 6 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados