Formato de Bloco Musical Aperipê FM 2007

1
patricktor4 · Recife, PE
12/6/2009 · 5 · 4
 

Amostra do texto

Formato de bloco musical Aperipê FM 2007

Discussão sobre a concepção de “bloco musical Aperipê FM 2007

Este formato de seleção foi desenvolvido em Aracaju, em fevereiro de 2007, de acordo com diversos fatores existentes no momento histórico referentes ao veículo como rádio e como emissora pública, referentes ao público, suas carências e anseios, e na cena cultural de Sergipe, do Brasil e do mundo.

Concepção teórica

Para a formatação de um bloco musical é necessário o desenvolvimento de algum vínculo entre as músicas que o compõem. As determinações com referência a questões estéticas, regionais e/ou de geração são os fatores mais comuns, porém, não são os únicos. Detalhes ainda mais intrínsecos podem determinar este vínculo, como arranjo, andamento (BPM) e até mesmo um instrumento que caracterize as canções e que seja comum entre elas.

De maneira geral as músicas que juntas compõem um bloco devem, com obstinação, formar um coeso desenho geométrico quase perfeito e na maioria das vezes indissociável. Como o próprio nome diz, um conjunto único e quase indestrutível. Em boa parte das vezes esta relação entra as canções é tão forte que uma chega quase a convidar que a outra ou as outras venham com ela formar um bloco musical.

No entanto, é importante ressaltar que a linha de trabalho determinada pela faixa de horário, programa ou até mesmo da emissora, pode transformar um bloco viável em um completamente equivocado para outra faixa de horário, programa ou emissora. Portanto, é necessário responder a três perguntas básicas antes de partir para a construção dos blocos musicais de uma rádio. Estas respostas vão orientar os trabalhos de seleção da emissora, programa ou faixa de horário.

1 - Quem é meu público?

2 - O que o público conhece e o que ele precisa conhecer?

3 - Que rádio (ou programação) eu quero ser (ou fazer)?


Os seus elementos principais

O “Bloco Musical Aperipê FM 2007” é dividido em 2 formatos: o bloco 1 encabeçado por um artista sergipano e o bloco 2. Estes blocos são compostos de elementos posicionados seguindo uma orientação teórica com o objetivo de promover da forma mais eficiente possível os 10 tipos diferentes de artistas.
Estes são:

- artista local com > 15 anos de carreira*
- artista local com < 15 anos de carreira*
- artista nacional conhecido > 15 anos de carreira*
- artista nacional desconhecido > 15 anos de carreira*
- artista nacional conhecido com < 15 anos de carreira*
- artista nacional desconhecido com < 15 anos de carreira*
- artista internacional conhecido > 15 anos de carreira*
- artista internacional desconhecido > 15 anos de carreira*
- artista internacional desconhecido com < 15 anos de carreira *
- artista internacional conhecido com < 15 anos de carreira*

* Esta noção de “< ou > 15 anos de carreira” não é absoluta, deve seguir consensos da equipe de programação.

“A música sergipana sempre está em destaque dentro da programação da Aperipê FM”. Desde o ano de 2007 esta é uma frase recorrente a cada meia hora na voz de nossos locutores.
O bloco 1 sempre é iniciado com um artista sergipano. Esta foi a maneira mais eficiente encontrada para apresentar a produção cultural local. O artista é sempre apresentado pelo locutor, esta condição propicia que o locutor descreva mais informações sobre o artista deixando o ouvinte mais próximo dele.
O fato de ser o primeiro do bloco também garante ao artista local ter seu nome mencionado por duas vezes. Uma primeira vez na hora da apresentação do bloco (só é apresentado o primeiro artista do bloco antes que o bloco comece) e outra na desapresentação, momento do retorno do locutor quando ele se refere ao que foi ouvido no bloco anterior.
Esta é sem dúvida a melhor maneira de promover o artista local, colocando-o para o ouvinte entre os artistas consagrados, nomes nacionais e internacionais importantes e interessantes que perceptivelmente são referência para este artista. No caso de Sergipe partimos do pressuposto de que todos os artistas locais são desconhecidos, não por desmerecimento da trajetória de ninguém, pelo contrário, para que possamos apresentar todos da mesma forma, com informações acerca de suas referências e detalhes sobre sua obra (veremos mais sobre estes detalhes no item “informações adicionais”).
O segundo artista que entra na seqüência é um nome mais conhecido, sendo novo ou com mais de vinte anos de carreira, sendo ainda nacional ou até mesmo estrangeiro.
A este segundo artista reconhecidamente “famoso” damos o nome de “Legitimador” de bloco. O Legitimador garante que a programação da rádio não se disperse do universo de artistas conhecidos pelo ouvinte. Não é este artista, porém, que orienta a escolha das outras músicas que serão suas companheiras de bloco, tanto para o bloco 1 como para o bloco 2.
No caso do bloco 1, o que determina é o artista sergipano. Sendo assim, todas as outras músicas do bloco têm de seguir suas referências, e o legitimador deste bloco por sua vez é seguido de uma ou duas canções que podem ser de artistas nacionais, se o legitimador for internacional, e para o caso de um legitimador nacional pode ser utilizada uma música internacional ou nacional. Existe esta liberdade de escolha, mas estas nacionalidades devem ser aprofundadas no item “questão das nacionalidades”.
As músicas complementares são determinadas pela resposta da pergunta número 2 do item “Concepção teórica”. No caso da Aperipê FM, o que determina é “o que o público precisa conhecer”, abrindo espaço então pra tocar artistas desconhecidos novos e antigos, nacionais ou internacionais, que obviamente tenham relação com as outras duas canções já existentes no bloco.
Para o caso do bloco 2, a única diferença é não existir o artista sergipano, puxando para a primeira posição um artista nacional ou internacional desconhecido que precisa ser apresentado ao público. Esta noção de 'precisar ser apresentado' não é absoluta, deve seguir consensos da equipe de programação.
Sendo assim o segundo é o nosso legitimador de bloco, que atende a ordem alternada de artista estrangeiro e artista nacional. O terceiro e o quarto (quando possível) também obedecem a esta alternância e aqui, diferentemente do bloco 1, é possível a entrada de um segundo legitimador (nacional ou internacional) ou ainda um desconhecido (nacional e internacional). A liberdade existente nesta terceira posição de ambos os blocos normalmente alterna com a geração do artista que encabeça o bloco. Se o artista que abre o bloco é recente, tem menos de 10 anos de carreira, o terceiro preferencialmente pode ser mais antigo com média de 20 anos de carreira. Essa determinação de artista novo e velho não é absoluta, deve seguir consensos da equipe de programação.

O entrelaçamento

A maneira como somos apresentados a qualquer novidade é o fator determinante para que o primeiro contato seja positivo. Partindo desta lógica o bloco musical da Aperipê FM é formado por elementos que possuem diversas características e não por músicas simplesmente. Estes elementos são representativos dos universos léxicos, rítmicos, melódicos, históricos, geográficos e estéticos.
O entrelaçamento destas características e nacionalidades na composição de um bloco musical é muito importante para mostrar diversidade, versatilidade e as possibilidades múltiplas que um bloco musical pode ter.
Particularmente em uma emissora pública esta variedade rítmica e melódica é um excelente instrumento de inclusão, mostrando ao seu público as mais diversas formas de expressão musical existentes no mundo.
Na programação da Aperipê FM este entrelaçamento é utilizado ao extremo com o intuito de mostrar ao ouvinte as relações existentes entre as canções que eles conhecem, e até mesmo desconhecem, trazendo para o rádio estilos musicais diversos, como rock, bolero, samba, forró, guitarrada, fado, entre tantos outros, colocando as músicas que têm referências parecidas juntas em um mesmo bloco musical. Sendo assim, explorar também momentos históricos colocando juntos artistas de um mesmo estilo, porém de gerações diferentes, ou de uma mesma geração e de estilos diferentes, identificar os detalhes e relacioná-los no bloco é o que importa.



A apresentação sistemática do artista local.

Este item é especificamente voltado para emissoras públicas. É ainda particularmente interessante para emissoras localizadas em estados periféricos com produção local desconhecida do grande público. Entretanto, este conceito também pode ser utilizado em localidades que fujam destas características.
Não faz muito sentido conceber a programação de uma emissora pública sem promover a produção cultural local. No caso de uma rádio pública apresentar cantores, bandas e artistas de sua região ou estado.
Existe uma certa resistência e outras vezes até falta de condição de fazer esta ação promocional, que muitas vezes é resolvida com um programa semanal exclusivo de artistas locais, o que funciona muito mais como uma solução paliativa do que uma ação cabível à promoção dos artistas locais.
Dentro da programação da Aperipê FM o artista local é colocado como o primeiro do bloco da hora inteira e o primeiro da hora meia, sempre acompanhado de seus respectivos influenciadores, normalmente artistas famosos que como padrinhos legitimam aquele artista “desconhecido”.
Esta forma de apresentação de nossos artistas cria um clima de fortalecimento de nossa identidade cultural, de nosso sotaque e de nossas histórias. Estes exemplos foram dados por ouvintes em telefonemas para a rádio.
A apresentação sistemática destes artistas, a promoção das canções, dos nomes e das histórias que são contadas mexem diretamente com o público ouvinte, principalmente nas localidades com pouco conhecimento de suas manifestações artísticas.

Informações adicionais.

Além dos clássicos – cantor, música e compositor –, a programação da Aperipê FM proporciona ao público ouvinte comentários referentes ao nome e ano do disco, produtor ou diretor artístico, nacionalidade e estado de origem, estilo musical e eventualmente comparações a nomes já conhecidos que podem servir de referência para que o ouvinte conheça melhor este artista. Estas e outras informações são apresentadas em toda a programação pelos locutores e convidados que comentam os blocos.


A questão da popularidade de artistas conhecidos e desconhecidos como fator decisivo na seleção.

Para este tópico é muito importante a resposta da terceira questão do item “concepção teórica”. No caso da Aperipê FM, queremos ser uma rádio que apresenta ao público em sua programação artistas nacionais do maior número de Estados brasileiros possível e de vários outras países, com um destaque especial aos artistas Sergipanos, independente de estilos musicas, geração ou tendência estética, adequando cada um dentro de uma faixa de horário devida.
Porém, para a apresentação de artistas desconhecidos nacionais e internacionais é preciso utilizar da popularidade dos grandes nomes da música brasileira e mundial que se identificam de alguma maneira com estes artistas desconhecidos. Na programação da Aperipê FM é preferível tocar um artista desconhecido do que um conhecido. Para tanto, é necessário colocá-lo dentro de uma situação de apresentação cabível, cercado de legitimadores, ou apresentando (se for o caso) uma regravação de uma canção conhecida. Estas ações estão dentro de uma estrutura estratégica que visa à transformação deste artista desconhecido ou alguma de suas músicas em um curto espaço de tempo (em média 3 ou 4 meses) num legitimador .
Em um ano de programação a rádio conseguiu transformar cerca de 12 artistas desconhecidos em artistas solicitados pelo público, através de ligações telefônicas. Entre eles estão Chicorrêa e Eletronic band, da Paraíba; Vander Lee de Minas gerais, e Ode ao Canalha, de Sergipe.

Questão das nacionalidades.

A questão da nacionalidade e dos idiomas das músicas que compõe a programação de uma emissora pública é um tema muito importante no que diz respeito a identidade cultural brasileira e de uma reação ao estrangeirismo preponderante na programação das emissoras comerciais.
No “bloco musical Aperipê FM 2007”, o artista estrangeiro é muito bem-vindo, porém a origem destes artistas e o tipo de música que ele faz é o fator que mais no interessa. Salsas, cumbias e boleros provenientes de Cuba, Colômbia, e Venezuela, por exemplo, são de suma importância em uma programação plural.
Da mesma forma que os artistas consagrados brasileiros são utilizados como legitimador de Bloco, artistas internacionais também. Grandes e importantes bandas de rock, jazz ou até mesmo musica eletrônica aparecem ao lado de nossos artistas sergipanos e brasileiros, dando ao ouvinte a possibilidade de conhecer idiomas diferentes (francês, italiano, alemão, romeno, espanhol e outros dialetos) em nossa programação ao lado de musicas que eles conhecem ou não.
A lusofonía esta presente em nossa programação, artistas Angolanos, Portugueses, cabo-verdeanos entre outros compões a grade geral de programação da rádio.
É importante ressaltar que além de programas específicos que se dedicam a produções de um estilo exclusivo, estes mesmos artistas circulam em toda a programação da rádio, deixando a nossa seleção musical plural, variada e interessante ao nosso ouvinte, fugindo das obviedades e oferecendo um conteúdo que é ao mesmo tempo tradicional e inovador.

Sobre a obra

Este formato de seleção foi desenvolvido em Aracaju, em fevereiro de 2007, de acordo com diversos fatores existentes no momento histórico referentes ao veículo como rádio e como emissora pública, referentes ao público, suas carências e anseios, e na cena cultural de Sergipe, do Brasil e do mundo.

compartilhe



informações

Autoria
Patrick Torquato
Downloads
284 downloads

comentários feed

+ comentar
Kadydja Albuquerque
 

Gostei muito da sua palestra, Patrick. Que evento ótimo aquele.. Beijos!

Kadydja Albuquerque · Aracaju, SE 27/6/2009 12:29
sua opinião: subir
Makely Ka
 

Ótimas dicas Patrick!

Makely Ka · Belo Horizonte, MG 8/7/2009 22:31
sua opinião: subir
timotio
 

Gostaria que fosse feito um comentário sobre essa marchinha de carnaval. Será que vale a pena divulgá-la?

timotio · São Gonçalo, RJ 28/8/2011 23:03
sua opinião: subir
timotio
 

http://youtu.be/fLJtv1xfoK0 Gostaria que fosse feito um comentário sobre essa marchinha de carnaval. Será que vale a pena divulgá-la? timóteo compositor.

timotio · São Gonçalo, RJ 28/8/2011 23:07
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 44 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados