Introdução para o livro Galeras Cariocas

1
Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ
7/2/2007 · 86 · 8
 

Introdução para o livro Galeras Cariocas, coletânea de textos antropológicos sobre a juventude dos anos 90 no Rio de Janeiro, organizada por mim e publicada pela Editora UFRJ em 1997, com artigos de Alba Zaluar, Jane Souto, Fátima Cecchetto, Regina Novaes, Celso Castro, Alzira Abreu, Maria Cláudia Coelho e Patrícia Birman. A idéia e o incentivo para a organização e o lançamento do livro foi de Gilberto Velho.

compartilhe



informações

Autoria
Hermano Vianna
Downloads
4988 downloads

comentários feed

+ comentar
Marcos André Carvalho Lins
 

Muito interessante o texto.penso que a palavra chave é mudança. Ao meu ver não foram os jovens que mudaram, mas a percepção social que se alterou bruscamente. Os jovens passam por uma fase conturbada, onde têm que decidir em seguir o que foi preconizado pelos pais nesse ou naquele sentido e a realidade do mundo a sua volta. E possuem a tarefa de, nisso tudo, ainda combinar o seu próprio temperamento. Com a sociedade evoluindo para a Era da informação e caminhando para sociedades do conhecimento, não faz mais sentido rotular os jovens. Explico melhor: até algum tempo atrás, se fazia necessário e se considerava plausível criar um estereótipo do jovem, o revoltado, rebelde sem causa, o crise ambulante, etc. isso porque era mister imprimir à juventude uma resignação, uma colaboração com as tradições, os vínculos e tudo mais...era importante domar o jovem, segrega-lo, para poder explica-lo! Mais ou menos como acontece em laboratório, tira-se o todo por uma parcela do mesmo. Como explicar os movimentos estudantis, a impetuosidade juvenil, a desobediência e a transgressão própria dessa idade? A verdade é que o jovem só podia ser controlado enquanto houvesse uma explicação para seu comportamento. Assim produziu-se farta literatura sobre o assunto, procurando enquadrar o jovem dentro de uma espécie de redoma, dentro da qual ele ficaria isolado como que infectado com um vírus contagioso. Costumou-se chamar isso de cultura de juventude. Hoje , entretanto, a sociedade mudou consideravelmente: não há mais a tendência de estigmatizar e culpar a juventude por isso ou aquilo. O jovem não é mais perigoso ao sistema mas parte do mesmo. Hoje o jovem é consumidor!! Não só de bens comerciais mas principalmente de informação. O sistema não necessita mais digeri-lo pois ele é parte do ambiente corporativo que se denomina sociedade de consumo. Ele ganhou um espaço, talvez não por mérito, mas necessidade imperiosa. Ele foi reconhecido em sua individualidade!!! Isso mesmo, o jovem não é o transgressor apenas, ele é o conservador, o liberal, o trabalhador , o indolente, etc. aos poucos estão cedendo os estereótipos e o jovem vem sendo reconhecido em sua individualidade. Ele foi resgatado em sua cidadania cultural, o jovem hoje tem escolhas que até pouco tempo dizia-se apenas para “;adultos”;. O principal disso tudo é que a sociedade mudou, não o jovem. A sociedade está mais jovial pois admite mudanças internas numa velocidade surpreendente, e isso era, sempre foi, característica dos jovens, que foram impressas no todo social à medida que se passou à Era da informação. O todo social tornou-se mais elástico, flexível e menos imperativo com os fenômenos da cibernética, digitalização e queda dos grandes latifúndios ( lato sensu). O jovem agora não se enquadra, como nunca se enquadrou, em fachetárias definidas. Jovem é aquele que é capaz de mudanças significativas, em conceitos, em hábitos, em opiniões etc. Temos senhores casados, com filhos, muito mais jovens do que adolescentes de vinte anos, e vice-versa. Antes, a intenção era impor limites ao jovem, associando-os a determinadas condutas, atualmente essas condutas são tidas como aceitáveis. Não que os valores tenham mudado, mudou o modo de impor condições aos jovens: o que era imposto goela abaixo , hoje é absorvido pelo jovem como produto natural do sistema. O jovem é hoje engrenagem importante do sistema. Daí, a maior clareza e ao mesmo tempo dificuldade de se delimitar onde começa e onde termina um suposta cultura de juventude. Os antigos paradigmas estão superados, jovem tornou-se sinônimo de chefe de família, por que é ele que dita as regras dentro de casa. É para ele que é dirigida a maior parte da programação dos veículos de massa, particularmente no segmento publicitário. Não existe uma cultura jovem, mas culturas jovens difusas e algumas mais coesas, mas o jovem dispõe de alternativas. A indústria do entretenimento foi criada e idealizada para os jovens! Acho que já falei demais. É isso.
Abraço,

Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE 5/2/2007 00:25
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Hermano,
tentei baixar o texto, mas não consegui.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 17:43
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

Nivaldo: é um arquivo pdf - tem que ter o Adobe Reader para abrir e ler

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 19:29
sua opinião: subir
Higor Assis
 

O pdf daqui é um lixo, não consegui baixar.

Higor Assis · São Paulo, SP 7/2/2007 11:53
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Meu PDF também, pois não consegui baixar o texto.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 12:27
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Ao tentar baixar o documento, meu PDF dá a seguinmte mensagem de erro: "Houvce um erro ao tentar baixar este arquivo. Arquivo não encontrado."

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 12:31
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

refiz os testes em outros computadores: baixo facilmente... Em toda página do Overmundo há, na linha de baixa, um botão para Reportar bug - por favor: sigam as instruções lá para a gente tentar entender o problema: é preciso dar todos aqueles dados para o problema ser analisado... Desculpa!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 13:36
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Ok, Hermano, consegui. O problema é apenas com a opção "Abrir". Cliquei em "Salvar" e, finalmente, vou poder ler a introdução. Abraço.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 14:19
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 63 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados