Lançado O Império Bandido

Rosane Scherer/Jornal Fala Brasil
1
Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS
17/6/2010 · 4 · 3
 

As sombras e uma luz tênue deram abertura à sessão de lançamento e autógrafos do meu novo livro livro O Império Bandido.
Jairo Klein, no estilo do corvo de Edgar Alan Poe dramatizou uns trechos escolhidos da novela policial. Prendeu a atenção de uma seleta platéia.
Falei em seguida sobre o livro, agradeci a presença de todos, iniciando a sessão de autógrafos, que se estendeu das 19 às 21h30min.
Estiveram comigo Leila Leite, amiga muito amada. Barreto Poeta e Cristina Macedo. Ana Boll e nossos filhos, Alexandre e Helena Júlia, que levou duas amigas.
A Glória Athanázio, amiga, revisora do texto e que fez gentil apresentação do livro meu.
Kais Ismail, presença amável que muito me honrou. Malu Bittencourt, amiga de muito e sempre, que levou Wanderley Falkenberg e lembranças de muito carinho.
Luís Heron, da Palavraria, Liane Schüler, uma especial amiga. A colega jornalista Santa Irene Lopes, o poeta Renato de Mattos Motta, também parceiro de saraus. Minha querida comandante e dirigente Michele Sandri. Maria Rosa Gusmão, colega, e amiga, que levou o esposo.
Zé Augustho Marques, poeta do Movimento Fala Brasil comigo.
Idália Martins, companheira de jornadas políticas
várias.
Jorge Branco e Cristian Silva, companheiros das lutas necessárias.
Wolnei e esposa, considerado colega e amizades despreendidas... das boas.
Katharine Nunes, jovem escritora, e Margarida Nunes, empreendedora cultural e amiga.
Rosane Scherer, fotógrafa, editora do Jornal e da Revista Fala Brasil; Jairo Klein, ator, amizades perenes.
Silvio Luís Gonçalves, bom amigo, crítico fraterno e advogado, Elinka Matusiak, maestrina, cantora e amiga, Pedro Mazzan, músico e compositor, Silvia Abreu, divulgadora e Produtora.
Feliz, agradeço a estas e tantas outras queridas pessoas presentes ou atentas à programação que enviaram mensagens
que muito me alegraram a alma.

compartilhe



informações

Autoria
Adroaldo Bauer
Downloads
259 downloads

comentários feed

+ comentar
Adroaldo Bauer
 

18 Junho, 2010
Im memorian de José Saramago

Terminei de escrever O Império Bandido em janeiro de 2010. Retomara o fio da meada em outubro de 2009, de uma história iniciada ainda em 2007. Decidira há muito o pacto que exponho nessa carta que é minha introdução à novela recém publicada em 15 de junho, que autografarei em 26 desse mês, na Rua da República 351, Caffè Benne Dicto.
É também simples homenagem a um mestre, de um discípulo não muito novo, mas escritor de apenas duas novelas e alguns cadernos de poemas, admirador dos que bem resolvem as histórias em português.
Viva sempre seja a arte de José Saramago!

Carta à pessoa que lê
Logo ao iniciar a leitura saberás da trama e adivinharás muito do conteúdo destas páginas. Meu objetivo inicial era o registro de um fato verídico: a chacina de três pessoas em uma favela. Publicados oito capítulos na Internet, uma leitora perguntou-me, duvidando, se alguma das personagens iam de fato morrer. Lamentava, ainda em 2007, cativada pelos primeiros movimentos das criaturas. Eu mesmo quase morri de infarto no intervalo entre essa pergunta e o fim da história, que pretendera concluir em 2008. Só a retomei em 2009. Tratei de dar fim ao drama e resposta às interrogações também de uma filha minha, que tolerava paciente em nossos almoços comentários sobre o avanço gradativo da trama, a saga das personagens, de uma em particular. Não vais matar essa também, né? O protesto exigiu-me criatividade, a mulher já voava pra morte.
Descrevo essas duas interações pra dizer que o drama não é uma história fechada no início, planejada. Adotei sugestões preciosas da amiga Glória Athanázio. Recolhi relatos da guerra de gangues em conversas no ônibus pra casa ao fim das jornadas de trabalho, apanhei um diálogo ao pé da janela de minha casa de dois meninos, quase crianças ainda, sobre traficantes de drogas, assalto à mão armada, um deles exasperado com ter de trabalhar 30 dias pra ganhar um parco salário, o outro alertando que o pai lhe falara sobre receber arma de terceiro pra assaltar: vais trabalhar até morrer pro cara que te arranjar o tresoitão...
A história mudou. De querela entre bandidos pobres, passou a examinar relações de poder, o tráfico de drogas como indústria, as decorrentes relações sociais dessa ordem bandida, pilar da ordem dominante, pois se realimentam uma da outra, espraiam-se como império, pois substrato fértil pra tanto havia.
Concluída a história, chega-me a fotografia de um soldado da ocupação estadunidense no Afeganistão armado até os dentes passeando vigilante em campos floridos de papoulas daquele país destroçado pela guerra. Dúvidas restantes sobre a abordagem se esfumaram. O texto reportava: seis anos após a ocupação militar, aquele país passara a líder mundial da exportação de heroína, responsável hoje por 97% da circulação dessa droga no planeta. Posso supor que algo similar ocorra em países onde esses técnicos assessoram a disputa de poder em nome da democracia e de alguma divindade.
Por fim, confesso pacto secreto com José Saramago: escrevi sem usar a grafia para pra essa preposição. Protesto como o mestre pelo desaparecimento com a reforma do acento da forma pára, do verbo parar.
Não escreveria para para descansar, mas pra descansar. Saramago não sabe dessa minha disposição. Basta que eu e tu saibamos.
Adroaldo Bauer

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 18/6/2010 16:34
sua opinião: subir
Cláudia Campello
 

puts! seu livro ainda vira best seller!
pelo descrito acima nao tenho duvidas disso.
EU O QUERO URGENTE!!!

bjssssssss;

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 25/6/2010 03:39
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Envie endereço pra adroaldo@portoweb.com.br. Combinamos os termos. Agradecido fico. Beijo. Adroaldo bauer

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 25/6/2010 17:31
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados