Litoral e Capital- Pedro Faria

1
giselle sato · Rio de Janeiro, RJ
9/12/2008 · 45 · 3
 

Litoral e Capital

“Todos os homens são filhos da puta”.
Somos filhos da puta mesmo. Alguns de nós mais do que o aceitável, outros menos do que deveríamos.


Mas você tem que nos perdoar. Somos todos crianças. Mesmo o mais cínico, o mais orgulhoso e vaidoso de nós é uma criança. Sei que isso não é desculpa para nossa ignorância, mas é no mínimo um atenuante.


Às vezes, somos animais. Animais cujo maior pecado é a imaginação.


Mostre-nos uma loira, que fantasiaremos com rainhas nórdicas sob peles, num deserto gelado. Mostre-nos uma morena, que imaginaremos seu sangue latino fazendo pulsar seu corpo colado no nosso.


Uma mulher magra, para nós é flexível e móvel. Uma mais cheia, é quente e amorosa.


Hoje vi uma mulher na rua, na calçada oposta. Ela andava na direção oposta à minha. Quando meus olhos encontraram os dela, seu pescoço se deslocou para o lado, assim como o meu, e nosso olhar demorou mais do que os olhares que normalmente compartilhamos com estranhos na rua. Ela era alta, mesmo de longe, e usava um vestido roxo justo, que ressaltava bem seus seios. Tinha cabelos pretos, e sua pele era morena. Ela sorriu quando nos olhamos e eu sorri também.
E foi só.


Para ela, não deve ter sido nada. Apenas mais um homem lhe olhando na rua, nada fora do normal. Mas em mim, como seria em todos os homens, esse breve encontro gerou inúmeros pensamentos.

Nessa hora, eu estava com um amigo, e após ver a mulher, não ouvi mais nenhuma palavra dita por ele durante alguns minutos.
O modo como ela me olhara...


Nenhuma mulher sabe realmente o efeito de seu olhar sobre um homem. Muitas acham que sabem, mas se enganam.


A morena me afetara de tal maneira que eu não pude deixar de imaginar aquele vestido roxo jogado no chão, e seu corpo deitado sobre o meu, comigo lhe explorando com meus dedos e minha boca, como se eu pudesse penetrar no mais profundo de seus segredos, e como todos os seus desejos se abrissem para mim, apenas com meus toques.


O que me despertou para a vida foi o tropeço que dei num buraco na rua. Quase caí de cara no chão.


Não sei o que a mulher sentiu depois de nosso pequeno momento urbano. Provavelmente bem menos do que eu. Mas, com minha imaginação de homem, eu posso me dar o prazer de imaginar que ela também teve alguma ligeira visão, ou pelo menos uma sensação diferente, algo que não sinta normalmente no dia a dia.
Porque, no fim das contas, o mínimo que nós homens desejamos é sermos lembrados como algo fora do comum, como alguma perturbação da rotina da mulher.


Não queremos simplesmente dominar as mulheres. Queremos dominá-las, e ser dominados também.

Queremos a ligação quase religiosa que apenas o amor físico pode proporcionar, mas que só existe com a presença de mesmo a mínima afinidade intelectual. É contra intuitivo um homem falar isso. Ora, seria contra intuitivo mesmo se eu fosse uma mulher, do jeito que as coisas andam hoje em dia.
Mas é a verdade.


Claro que o oposto também é verdade: É difícil existir o amor romântico sem a atração física.


Toda a mecânica do amor então se torna algo muito complicado, quase como aquele desenho de Escher, com as mãos desenhando umas as outras. A grande pergunta não deveria ser “quem nasceu primeiro? O ovo ou a galinha”, e sim “O que nasce primeiro? A luxúria ou a poesia?”.


De cara, parece fácil responder “luxúria”, mas não acho que seja assim tão simples.


Para falar a verdade, essa questão é a única que realmente não é simples nessa roda de relações.
Conheci uma garota, quando ainda era bem novo. Raquel era seu nome, e me apaixonei por ela, numa época em que meu corpo ainda nem sabia o que era excitação. Chame de amor infantil, ou do que quiser. A verdade é que eu a amava, e com ela descobri como era bom beijar uma garota, e me apertar em direção a ela, sem saber direito o que estava fazendo, apenas seguindo algum código secreto escrito em meu DNA. Tínhamos seis anos nessa época, e não a vejo desde então.


Quer dizer, nesse caso veio o amor antes da luxúria. Porém, se o contrário fosse impossível, não existiriam prostíbulos, pois os homens não conseguiriam apenas “foder” uma puta, eles teriam que “fazer amor” com elas, e teoricamente falhariam.


No fim do dia, tanto nós homens, quanto vocês mulheres, desejamos apenas alguém para nos agarrarmos quando estivermos com medo, e com quem comemorarmos quando estivermos felizes. Alguém que satisfaça nossas vontades, e que tenha as suas satisfeitas por nós.


Nem todo mundo encontra essa pessoa. Alguns acham que encontram, mas quando se viram para o lado e encontram apenas a carne fria, ou quando tremem e não há abraços que lhe aqueçam, percebem seu erro.
Outros...

Bem, outros têm certeza que encontraram, mas não são encontrados.

“O que nasce primeiro, a luxúria ou a poesia?”.

Para mim?

Só o fato da pergunta existir, já é um sinal que não existe uma resposta única.

E eu não sei. Às vezes é por isso que nos lançamos cada vez mais forte na vida, procurando a carne quente e os abraços acolhedores em estranhos certos e conhecidos errados. Tão forte que não paramos quando encontramos o certo.
E muitas vezes, quando passamos batidos, não temos mais como voltar.


Sobre a obra

“Todos os homens são filhos da puta”.
Somos filhos da puta mesmo. Alguns de nós mais do que o aceitável, outros menos do que deveríamos.


''Nenhuma mulher sabe realmente o efeito de seu olhar sobre um homem. Muitas acham que sabem, mas se enganam.''



''Às vezes, somos animais. Animais cujo maior pecado é a imaginação.''

Pedro Faria

compartilhe



informações

Autoria
Pedro Faria
Ficha técnica
Estuda Matemática na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, músico amador e escritor quando dá na telha. Nascido e criado no Rio.
Downloads
273 downloads

comentários feed

+ comentar
Marcos Pontes
 

Muito bem dirto e explorado. Nada é tão simples e não tem receita. Amor, paixão, luxúria... Se confundem e só nos damos a questioná-los, tentando defini-los em nossas crises existenciais humanas. Isso também é divertido.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 9/12/2008 17:55
sua opinião: subir
alcanu
 

Giselle, bela tese de doutorado você foi encontrar, meter o pau em nós , pobre coitados dos homens, que 'sofremos' desde o nascimento com os apelos eróticos femininos, sejam nas propagandas, nos filmes e principalmente na quantidade de revistas eróticas oferecidas em qualquer banca de jornais...
como você queria que fosse diferente, se a nossa sexualidade é assim, como direi ?, pra fora, táctil, encoxativa !
a mulher fica na dela, as ofertas pintam de monte, o homem é o caçador, cabe a ele encontrar e convencer a mulher a lhe dar tudo aquilo que ele está perdidamente à procura, à caça, pois eus ( nossos ) hormôniops estão desesperados, a sua libido é selvagem...
eu não culparia, assim, os homens, pelo contrário, acho que deveria se iniciar uma campanha para se compreendê-los, facilitarem as suas conquistas...
Mulheres nos instigam com suas saias curtas e decotes, homem se veste sobriamente, mas oculta um vulcão prestes a entrar em erupção quando vê uma desnuida mulher, cena que se repete cotidianamente milhares de vezes ao dia se o homem a isso se permitir !
Pobres homens, esses sim o sexo frágil, dominados por mulheres que vivem os dominando, subestimando, humilhando...
Homens não costumam se exibir com calças justas ostentando o seu membro viril, ou salientando seu tórax avantajado, mulher apela, de saltos altíssimos, revelando aqueles pezinhos maravilhosos a penteados que as classificam como verdadeiras deusas eróticas...
unhas esmaltadas, maquiagens perfeitas, marcas de biquíni, rebolados e requebrados insinuantes, mulher sabe deixar um homem num legítimo e verdadeiro filho da puta !
Porisso !
revogam-se as disposições em contrário !
adesões aqui ! e tenho dito !
Alcanu Falou, um beijo !

alcanu · São Paulo, SP 9/12/2008 19:50
sua opinião: subir
claudia gomes
 

Há as mulheres Diana que gostam de caçar homens mas acho que por questões culturais os homens não gostam dessas mulheres mais dominadoras...
Muito bom o texto principalmente por mostrar que muitas mulheres não sabem que podem conquistar!

claudia gomes · Salvador, BA 10/12/2008 11:59
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 6 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados