MÃE

1
Brida · Salvador, BA
12/5/2009 · 6 · 11
 

Os lençóis não cobrem todo o corpo:
há buracos cerzidos, invisíveis,
pelos quais entra um vento de alfinetes.

Inútil superpor camadas de tecido
para atenuar o efeito perfurante:
nem mesmo cobertores vedariam
pontos invisíveis, como ducha
a percutir no frio da pele tensa.
Também inútil tentar ver tais furos
mesmo com requintes da ciência.

Ela sabe mais.

Não sabemos donde vem tanto saber.
Atordoa-nos, retira-nos do sono:
procuramos, em vão, em livros vários
entender o segredo do seu verbo.

Ela fala mais.

Quem fala, quem sabe a essa hora
em que toda ciência desmorona ?

Não carecemos de sabedoria:
precisamos de tintas, muitas cores
a escorregar no branco das paredes,
a salpicar de tons lençóis inúteis,
a tingir objetos incolores.

Precisamos de luzes, muitas luzes,
a iluminar essa sombra persistente
no palco em que atores estão postos
(esse zumbir perpetuado em nossas mentes).

Ela pode se calar.

Então, crescem segredos do seu ventre:
retira do seu corpo seus pertences
e os entrega a cada um,
cantando uma canção dolente.

Lá-lá-lá-lá, quem vem lá?
É ela. Sonhamos com seu rosto
sorridente.

Ela sorri nos sonhos, nos acena,
nos toma no seu colo,
inventa histórias, rimas,
cantigas estranhas, persistentes.

Seus olhos quais colméias —
inquietude e faina;
seus braços se distendem,
e o balbucio amaina.

Lá-lá-lá-lá, quem vem lá?
É ela. Sonhamos com sua face
incandescente.

Como é seu nome ?
Como chamá-la, esfinge,
ou responder, se o desvairio
nos atinge ?

Ensina-nos a precariedade das respostas,
a matéria volátil de que são feitas rosas.

Lá-lá-lá-lá, quem vem lá?
E ela. Cada vez mais
evanascente.

Mas se não fosse ela,
há muito tempo,
restaríamos sem teto,
soltos, ao relento.

Ela arredonda os braços
e acolhe essa louca prole.
Se é impossível dormir a seu lado,
mais impossível abandonar o fado:
essa rota de abismos
que nos recolhe

e nos reverte
ao momento da semente.

Sobre a obra

Ela arredonda os braços
e acolhe essa louca prole.
Se é impossível dormir a seu lado,
mais impossível abandonar o fado:
essa rota de abismos
que nos recolhe

e nos reverte
ao momento da semente.

compartilhe



informações

Downloads
295 downloads

comentários feed

+ comentar
Claudia Almeida
 

Brida,

Poema bom de se ler querida, sem sombra,bjs.

Claudia Almeida · Niterói, RJ 10/5/2009 19:11
sua opinião: subir
Dayvson Fabiano
 

Brida, que poema fantástico. Amei...Muita emoção! Parabéns...Abreijos!!!

Dayvson Fabiano "Imorrível" · Recife, PE 10/5/2009 19:44
sua opinião: subir
patriciaborato
 

Semente, é isso! Lá ,lá lá...semente dessa terra fértil de mãe amada! Bjs.

patriciaborato · Rio de Janeiro, RJ 10/5/2009 20:21
sua opinião: subir
Claudia Almeida
 

Brida,

Nossa Senhora

Voltei, quando criança cerzia, bordava, foi passado de geração,um poema sonoro,guardei nos meus arquivos,bjs.
Paz a todos os seres!

Claudia Almeida · Niterói, RJ 11/5/2009 11:27
sua opinião: subir
Branca Pires
 

Brida, lindamente cosntruído.
Verso a averso, estrofe a estrofe,
costurado com o olhar materno e
que envolve atodos nós, ness imensa
colcha de aconchego!
muito bom!
(...) e nos reverte
ao momento da semente.

beijos

Branca Pires · Aracaju, SE 11/5/2009 12:47
sua opinião: subir
graça grauna
 

Esse teu poema é um grande afago. Bjos de luz, parabens.

graça grauna · Recife, PE 12/5/2009 08:21
sua opinião: subir
Claudia Almeida
 

"Lá-lá-lá-lá, quem vem lá?
É ela. Sonhamos com seu rosto
sorridente"

Essa sonoridade na mente, votado,bjs.

Claudia Almeida · Niterói, RJ 12/5/2009 11:24
sua opinião: subir
clara arruda
 

Muita coisa mudada no over e eu me perdi procurando a fila de votação.recebo teu poema com afago no meu coração.
Um grande e fraterno abraço.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 12/5/2009 13:07
sua opinião: subir
Ronaldo C. Fernandes
 

Belo Texto. Suavidade e força, realidade e fantasia, morte e vida se misturaram em um ton de musicalidade a minha frente. Parabéns!

Ronaldo C. Fernandes · Brumado, BA 12/5/2009 13:33
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Brida · Salvador (BA) ·
MÃE
Merecem toda a louvação.
Mãe é um bom retorno sempre
Muito apaixonante.
Parabéns.
Abração Amigo.

azuirfilho · Campinas, SP 13/5/2009 21:55
sua opinião: subir
Cláudia Campello
 

Por que esse poema lindo soluçou minha alma????
...me deu uma saLdade...e nem sei de que, ó?!

Brida, poetisa, vc é incrivel!

bjssssss;)

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 5/6/2009 20:16
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 3 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados