Memorial dos desaparecidos - Brasil, 1970

Desenho de Andocides Lemos
1
Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ
25/6/2007 · 88 · 12
 

Estes são versos de um tempo triste. Quando mesmo a alegria era pungente. Todavia, um tempo também em que acreditávamos na transformação. Na possibilidade de um novo homem. Hoje, porém, pergunto: onde o poeta que fui? Em que verso se perdeu? Em que rima se escondeu? E me calo mais triste ainda.


Em algum lugar desse país,
nas sepulturas clandestinas,
nos cemitérios afogados,
nos porões e nas baixadas,
reúnem-se em assembléia-geral,
na consciência do povo,
os desaparecidos,
os suicidas,
os atropelados,
os mortos em tiroteios.

Em algum lugar desse país,
num ossuário clandestino,
omoplatas, fêmures,
rótulas, clavículas operárias
ameaçam a segurança nacional
e, numa atmosfera póstuma de luta,
assinam com sangue um manifesto:
o óbito dos carrascos!

Em algum lugar desse país,
nas catacumbas anônimas,
nas repartições oficiais,
misturam-se nomes, números, datas, notas
de uma sinfonia de órfãos e viúvas,
como a dança maluca dos relâmpagos:
são carlos, clarisses, carolinas,
eduardos, felipes, celestinos,
abrindo no limbo a trilha das saudades.

Em algum lugar desse país,
do chão verde-amarelo, afloram braços, vaginas,
sangue, socos, órgãos estraçalhados,
cicatrizes, gritos, confissões e raízes louras,
como cabeleiras vegetais ao vento azul da pátria,
apesar dos choques, dos tiros, das ameaças e latidos,
apesar das geladeiras e dos paus-de-arara.

Em algum lugar desse país,
a dor nasce da saudade,
como um bolero ausente na vitrola,
como uma notícia que nos é negada:
onde está jorge? sônia? arlindo?
fernando não está preso!?
e ana rosa, honestino, eduardo,
marcos, capistrano, edgar?
e tantos, tantos, tantos...
onde estão todos!?

Em algum lugar desse país,
nos porões subterrâneos dos quartéis,
já não existem soldados, como legumes de farda,
vigiando os corpos ou o que restou dos corpos.
Os ossos, como confissões inúteis,
foram abandonados aos bichos da terra,
que, como pequeninas pátrias civis,
guardam carinhosamente os mortos,
com seus olhares úmidos de algas,
solidariamente presentes.

Em algum lugar desse país,
existe um outro país, obtuso e de capuz,
onde o poema não brota ou flui naturalmente:
é extraído a bala, a socos e pancadas.
Ainda assim, em algum lugar de minha pátria,
existe uma outra pátria teimosa, obstinada,
onde os padres, as viúvas, os órfãos, os poetas
e todos que sobreviveram hão de permanecer em guarda,
com as mãos em facho levantadas,
com as idéias em vôo preservadas,
e, ainda que lhes cortem os pulsos
e lhes arranquem as asas,
hão de fazer do sangue a direção
e alçar vôo na impossibilidade das asas.

compartilhe



informações

Autoria
Nivaldo Lemos
Downloads
263 downloads

comentários feed

+ comentar
Lioviola
 

nivaldo, genial!!! amigo.

abraços.

Lioviola · Carnaíba, PE 21/6/2007 18:36
sua opinião: subir
linney
 

Gostei

linney · Canoas, RS 21/6/2007 19:41
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Obrigado, Lioviola e Linney.
Abraços.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 22/6/2007 10:01
sua opinião: subir
carlos magno
 

Lindo meu poeta Nivaldo. Além do mais é um recado muito importante. Meus sinceros aplausos e abraços.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 23/6/2007 19:02
sua opinião: subir
Ilhandarilha
 

Belo poema, Nivaldo. Mas não entendi a introdução (vc se perguntando onde está o poeta que foi). Tenho visto belas coisas suas por aqui. Vc não foi: é.
Tenho um pouco de medo dessa idéia de que a ditadura e os anos de chumbo favoreciam a criação artística. Tenho ouvido e lido sobre isso ultimamente. Sei que não foi isso que vc disse, mas de alguma maneira, fazer-se uma pergunta assim quando vc mostra um poema antigo, escrito nessa época, com esse tema, faz a gente ligar uma coisa com outra. Estou delirando?

Ilhandarilha · Vitória, ES 24/6/2007 23:13
sua opinião: subir
CCorrales
 

"Em algum lugar desse país,
num ossuário clandestino,
omoplatas, fêmures,
rótulas, clavículas operárias
ameaçam a segurança nacional"

Esse trecho em si, já é um poema tocante.
Um dos momentos mais marcantes da minha adolescência foi a tomada de consciência de que vivíamos sob uma ditadura.
Abraços

CCorrales · São Paulo, SP 25/6/2007 14:05
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Carlos Magno, obrigado pelas palavras.
Ilhandarilha, não penso mesmo que a ditadura favoreça a criação atística. Muito pelo contrário. Na verdade, a constatação de que já fui poeta deve-se ao fato de naquele tempo, não sei por que, eu me sentia mais sensível pras dores do mundo, inclusive as dores e as doçuras do amor. Hoje, a idade e a experiência parece que roubaram um pouco do menino que fabricava sonhos no meu peito e imaginava um mundo melhor. Parece cruel, mas a realidade é que a poesia parace que me abandonou. Só espero que ela volte logo. Obrigado, também, por suas palavras de incentivo.
CCorales, o mesmo aconteceu comigo na adolescência e da raiva, do medo e da paixão fiz poesia. Poesia que hoje me pune, tirando-me a inspiração, tentando calar meu peito entorpecido pelo tempo. Mas eu resisto, insisto e talvez a qualquer hora volte a domar palavras selvagens e a sonhar o mundo, quem sabe?

Um grande abraço em todos.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 25/6/2007 14:26
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Nivaldo,
Poeta és.
Eles se foram,
alguns só trocaram de lado e rumo.
poeta és.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 25/6/2007 15:17
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Obrigado, Adroaldo, meu amigo. Se você insiste, vou acreditar. Um forte abraço.
E.T.: e o livro, como vão as vendas?

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 25/6/2007 15:21
sua opinião: subir
Davidson
 

Poxxa...Valeu pela inspiração

Davidson · Juiz de Fora, MG 25/6/2007 15:36
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Então, querido leitor -rsrsrs,

As vendas vão pingando.
Pouca coisa em banca, mais pela internet pelo banner do blog
Retorno Imperfeito e mais ainda avulsa, por minhas própria iniciativa.
Ainda não decidi ter um distribuidor, nem sei se será necessário, que restam 450 de 1000 9cem destinei á distribuição para divulgação, cortesias e bibliotecas).
Amanhã inicio um ciclo de conversas para pequenos públicos que pode dar um impulso de tipo diferente.
Já iniciastes a leitura. Não esquece de comentar lá no blog quando tiveres uma impressão sobre o escrito.

Agradecido.

E não é que insista, considerado, é que tem muito remo nessa barca e não se pode puxar galé sozinho, se me entendes.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 25/6/2007 17:00
sua opinião: subir
Cláudia Campello
 

sem delongas.....É O MAXIMO TE LER!!!
suprasumo da genialidade dos melhores poetas...
voce é o meu melhor "achado".

bjssssssss;

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 13/5/2010 23:09
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 23 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados