MÓBILES EM CHAMAS!

Coloring Fire by Daniel Kongos
1
Benny Franklin · Belém, PA
2/11/2008 · 161 · 20
 

Amostra do texto

Para Ricardo Mansur: um corpo irreal inferido pela realidade objetiva.

I

Oh! Fina flor de sexo amamãezado!
O que sangra dos corpos continentais
covardemente justapostos
— ali onde a fúria da genitália solúvel
se deixa entornar,
ali onde a saliência de Vênus se deixa penetrar —,
remete o meu tênue canto à inexatidão das órbitas.
Teus auto-falantes de carne anêmica
dizem tudo para quem nem mesmo
sabe de quê se valha.

Brumas enlutadas regurgitam,
levedadas em cheiros-verdes de miragens;
me impõe o espanto dos milhares de soldados
loucoassustados dos fronts mui-globalizados
e esconde e esconde da gélida rendição
seus trôpegos velórios de colisão
e rebeldia — ri do clitóris da garganta.

Indo embora
me lamento a hora. Minha seiva expele
fogo e gemidos... Aprende, a cada suspirar,
que barro e sapato em caligrafia esculpida aos pés
da consciência alimentam a parábola da candura
onde levantes procriam
como móbiles em chamas.

II

Para vós,
que sois a gérbera circunspecta,
vos oferto a exuberância dos testículos encabulados.
Faço-vos isso,
porque usais as vestes do instante
que não seduz
e abençoais a crua realidade sadofixada hoje
no bíceps da cidade: porque chocas o meu soluçar,
e desprezas o óvulo da friagem – renegas o poema
à mercê de sua própria loucura
— e amareleces até que ovário da flor seja a um só sopro:
perfume incipiente
e mormaço atroz.


Delirando, aprendo, a cada soslaio,
que o nu da beleza freqüenta a sacristia do verbo,
toma jeito de Deus, incita o orvalho à bebida;
entorna cadinho de gloria,
de modo que o seu orgasmo elimine a gordura
das manhas e manhãs dos tempos
oprimidos... Ao menos excite o eterno
sussurro das mãos.

III

Altares em prantos
descansam em mim e os seus ardumes de vidro
cerceiam o perigo.
(A pureza do corte já não é essencial)
Exceto o que ouço grunhir nas favelas,
minuto a minuto, dou ouvido às esquinas:
Decerto se uma certa cerração
escondesse (do segredo) o cobertor e o frio,
talvez um quase-poema (âmago da partida)
corresse meia volta sobre a esfera.

Então os flancos das bocas ocas
jazeriam na tez da saliva
esteticamente encarcerados
qual uma tortura de prisioneiro:
— Perímetro nenhum receptaria
os beijos que me traem...
— Pluma nenhuma me vestiria de cata-vento
e infinitamente pousaria no óvulo de festim.

Então o barro e o sapato
se transformariam em espadas,
em excrementos de dois velhos verdugos
e poriam fim a tudo:
— Como se o ato da mana morte
purificasse os seus mortos redivivos...
— Como se as tumbas velassem
fomes não identificadas
e de joelhos, silenciosamente,
guerreassem para alimentar, eternamente,
os seu lutos misteriosos.

IV

Oh! Não, não.
É de assustar amar o medo
e as frias eloqüências dos torpes amplexos.
Desfolhar as laudas belemitas
das mangueiras multifacetadas,
é antes (de tudo) masturbação e glamour:
acinte da ventania,
pavor e aderência de quem se gala!

De viés, fotografo musculosos olhares
e encho os ouvidos de lubricidade.
Um poema atira-me à luz!
Vivo o sintoma do meu tempo,
e mais que um extraterreno fora do ar,
envelheço ungido e desvivido!

Ai! Comparo-me a um corcel metafísico,
ejaculação de palavras
mediunicamente embevecida qual um mamar
e babar de seios...
Ai! Renovo-me em candeeiros de coitos sem gritos
— que, de armas em punhos,
sarcasticamente sorriem com desdém da aurora
que me mortifixa.

© Benny Franklin

compartilhe



informações

Autoria
Benny Franklin
Ficha técnica
Poesia Bennyana

Fotografia: Coloring Fire by "Daniel Kongos"/Flickr/Creative Commons.
Downloads
271 downloads

comentários feed

+ comentar
Nivaldo Lemos
 

Benny, meu amigo,
a imagem da chama multicor de certa exprime - jamais explica - a torrente de paixões com que sua poesia luta e labuta, como um corcel chucro que resiste ao chuço de um cavaleiro andante. Sua poesia é selva e gritos, é vento e silvo - e deve ser vista assim, pela fresta do olhar de quem a sente, assente no sem-limite da imaginação, transbordante - e bela. Parabéns.

Um abraço.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 31/10/2008 12:17
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

Ah, poeta. Que dizer? Morte fixa na saliva. Transbordante, se me permite Nivaldo.
Beijo

Compulsão Diária · São Paulo, SP 31/10/2008 12:28
sua opinião: subir
EdimoGinot
 

Para vós,
que sois a gérbera circunspecta,
vos oferto a exuberância dos testículos encabulados.

Vivo o sintoma do meu tempo,
e mais que um extraterreno fora do ar,
envelheço ungido e desvivido!

Benny
O poema transcorre como um vendaval.Milhaes de informações, algumas cifradas. E nessa corrida (sintoma do nosso tempo) ciframos a vida, em palavras cifradas.
Forte!
Um abraço

EdimoGinot · Curitiba, PR 31/10/2008 16:26
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Benny,
Hurra!
Há, ainda, mesmo agora
nessa escassa hora
no espaço entre o sapato,
as botas, a espada e a lama,
não é o dizer do amor
não se diz tanto da dor.
É que partem em nome de nada
É que voltam em mortalha por ninguém.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 31/10/2008 22:23
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Lili_Beth*
 

Querido Benny:
Diante de teu dito atravessado e esculpido por pa_lavras, recém chegadas do lugar que não se inscreve num mapa, silencio ...
O melhor de todos os ditos com os gritos de tempos outrora benditos e arrancados na dor, sem pudor. Arte impecável, a tua, por óbvio!
A imagem incendiou definitivamente.
Beijos_Meus*
*

Lili_Beth* · Rio de Janeiro, RJ 1/11/2008 01:12
sua opinião: subir
José Cycero
 

Caro Benny, és um poeta na mais exata dimensão da palavra. E um poeta diferente... porque ser diferente é o primeiro sinal que se deve verificar para termos a certeza de um bom poeta. Vc está além, muito além dessas minhas considerações subjetivas. Fiquei ao ler teu poema como que extasiado como alguém que se 'cansa' após ser amado. Não poderia haver título melhor e mais ajustado ao teu estro: Móbiles em Chamas!!. Tens o dom da palavra e o domínio pleno e quase natural dos vocábulos e, isso é maravilhoso. É como se pusesse açúcar mascavo na poesia. Poema erótico delirante que consegue provacar quase um frenesi orgasmático nos que decidem beber suas palavras.
"...que o nu da beleza freqüenta a sacristia do verbo" precisa-se dizer mais???? Creio que não. No mais só fazermos a tentativa de corporificar tudo que está descrito gramaticalmente em gestos práticos. Meu voto, parabéns e aplausos.... JC

José Cycero · Aurora, CE 1/11/2008 16:48
sua opinião: subir
Nydia Bonetti
 

Vivo o sintoma do meu tempo,
e mais que um extraterreno fora do ar,
envelheço ungido e desvivido!

Benny
Que bom, saber que ainda há poemas que nos atiram à luz...

Nydia Bonetti · Piracaia, SP 1/11/2008 22:07
sua opinião: subir
Sérgio Franck
 

O Benny, é o Benny... Tem a artimanha... sem mais palavras pra comentar.

Paz!

Sérgio Franck · Belo Horizonte, MG 1/11/2008 23:16
sua opinião: subir
Cristiano Melo
 

Benny,
quanta informação em seus versos, complexo enredo com sua marca registrada em palavras benianas...rs
Uma sensibilidade à flor da pele escrotal, do coração e do cérebro.
Como você gosta de escrever: uma obra-prima.
Parabéns
abraços

Cristiano Melo · Brasília, DF 2/11/2008 09:16
sua opinião: subir
Cristiano Melo
 

"móbiles em chamas" mui pertinente título, meus votos e abraços caro poeta

Cristiano Melo · Brasília, DF 2/11/2008 10:10
sua opinião: subir
Marcos Pontes
 

Mestre Benny, vejo em teus poemas uma defesa constante da boa língua e o bem escrever. Casa palavras que os reles, como eu, não casariam, em bodas perfeitas.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 2/11/2008 10:26
sua opinião: subir
clara arruda
 

Meu poeta del mundo,o que essa amiga poderia comentar?
Sua escrita enobrece meu coração mas não consigo colocar em palavras.Um beijo em seu coração.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 2/11/2008 10:30
sua opinião: subir
EdimoGinot
 

EdimoGinot · Curitiba, PR 2/11/2008 11:25
sua opinião: subir
crispinga
 

Tão arrebatadores seus versos, nos desnudam de qualquer preconceito, desconcertam, falam de sexo, masturbação libido, dores da alma...Aquele sentimento que a gente esconde, que só mostra no escuro...
beijos, querido

crispinga · Nova Friburgo, RJ 2/11/2008 18:46
sua opinião: subir
Ailuj
 

Maravilha de texto
Desculpe a demora,não entrei no Overmundo esse fim de semana
Beijos e parabéns

Ailuj · Niterói, RJ 3/11/2008 18:37
sua opinião: subir
Noelio Mello
 

Benny, grande poesia
Tuas poesias sempre riscando de luz todas noites do universo.
Grande, parceiro
Noélio

Noelio Mello · Belém, PA 4/11/2008 01:44
sua opinião: subir
Pepê Mattos
 

N'aurora insurreta de todos os nossos sonhos chega um som que a nossos ouvidos soa como uma prece lida ao contrário, liquefazendo fonemas gramaticados e os transforma nalgo próximo do som nascido do vário big bang que originou todos os deuses... Estes deuses, estes deuses... Do meio da mata - onde o concreto teima em se fazer crer mais que um invasor, um outro deus tão silente como as fogueiras que queimam nossas florestas - esse som, grafa sua letra na página imaterial do cyber-mundo e nos coloca a par do que o mais cerebral dos poetas pós-românticos traduz-nos em forma de Poesia... Não uma forma de Poesia qualquer... A forma disforme da Poesia bennyana... Ei-lo, Poeta e Poesia, símbolos máximos da melhor literatura que dispensa verbete nos alfarrábios... Tanto melhor assim... Grande Benny!... Com atraso, mas votado com louvor... Abraços...

Pepê Mattos · Macapá, AP 5/11/2008 14:28
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Benny

Versos que enchem gérberas com água e pão. Com seus versos beats, que clamam pelo despertar do homem, este objeto, sim que pensa ser coisa eterna, mas nada é...mas pode ser usando o centro de seu corpo besta e mudar um pouco a maneira de agir e unir, entrelaçar mãos para que o palco, o mundo não caia....
um dos mais bonitos. Você não existe!
Beleza oferecer estes versos , dos mais sentidos a um outro tão sensível como o músco Ricardo Mansur. Parabens

OS HF
Cíntia

Cintia Thome · São Paulo, SP 5/11/2008 23:11
sua opinião: subir
JACINTA MORAIS
 

BERNNY,
Teu poema chega,
Antes de tudo!
É um despir de alma,
Mostrando a nudez
Da nossa indiferença...
BRAVÍSSIMO!!!
Abraços.

PORTO ALEGRE-RS,

JACINTA MORAIS · Cascavel, PR 17/11/2008 18:31
sua opinião: subir
Mansur
 

Deus meu! Deus meu!
Que fiz eu a merecer tão poema
Mas, Deus meu!
Que fiz eu a não merecê-lo
Deus (medidamente) abarrota o poeta
De palavras, frases e generosidades
Dois de novembro de 2008, onde eu estava?
Estava aqui, claro!
Me lembro perfeitamente.

Mansur · Rio de Janeiro, RJ 21/12/2008 20:12
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados