Nagasaki, canto à dor

Adroaldo Bauer
1
Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS
10/8/2008 · 126 · 11
 

Eu canto a dor

Santa paciência, arreda!
A memória não medra
A rede espalha olores
Fedem pacóvios e parvos
Indagam sobre holocaustos
Como se falassem de duendes
Os doentes céticos ignaros.

Gemidos, alaridos, fornos.
Gritos, sussurros, demências.
Urros. Desfragmentação dos
Corpos, carnes incendiadas.
As almas explodidas dos ossos
As mentes e os corações inflamados
O átomo uma fissão cinza das dores
As cores das flores eternizam o nada

O sangue coalhado evaporado resta
desaparecido das paredes destroçadas
A cidade é já uma planície sumida
Coisas, animais, plantas, pessoas
São cinzas multicores, ferrosas
contorcidas no teatro dos horrores.

Há já conformados com a putrefação
Da humanidade, no púlpito a pregar
Que virá em breve o fogo do inferno
o nefasto acontecido a ocultar
ficando poucos, roucos a lembrar
quiçá loucos, uns ainda pios e crentes,
cessada a matança, matadores incensam

Eu canto o amor

Tango remanesce
rememora bolero
sincopada polca
vanera maneirada
sobra passo-doble
Gitano e Carmem
que se amem
que ferve do frevo
à memória da febre.

=-=-=

Toda porta que se abre assim ao mar
dá vertigem aos que vão-se amar
em razão do belo horizonte distante
que despertar costuma o instinto
primário de quem escapou já do aquário

-=-=-

Trançaste fogo e luz
da tecitura que seduz
fizeste o refúgio à fuga
desassossego aquietado
quedou-se alumiada aura

----

Meia-semana após as nove e meia,
o tempo já não se conta.
As horas anoiteceram
é a encarnada fenda
mais que rubra,
nem enrubescemos
amantes se nos damos,
como antes se deram
e se amarão amanhã
porque somos sóis,
estrelas a cometer cometas,
candentes, cadentes,
cadenciantes em ascenção,
entanto em crescente,
enluaradamente cheias
as auras iridescentes,
iluminadas iluminuras ardentes.

Sobre a obra

Não foram máquinas que apertaram os botões e pilotaram os aviões, ou ligaram o gás dos fornos e pressionaram gatilhos. Foram pessoas deste planeta que ainda vão destruir.

compartilhe



informações

Autoria
Adroaldo Bauer
Ficha técnica
sem qualquer que acaba uma sendo
Downloads
342 downloads

comentários feed

+ comentar
Marcos Pontes
 

Belíssima poesia sobre tema tão mórbido. Ritmo de fúria e descontentamento.

Marcos Pontes · Eunápolis, BA 7/8/2008 20:14
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Adroaldo.

Com com esse seu cantar de Dor e e Amor, você nos leva primeiro ao inferno e depois nos transporta aos céus.
Triste e lindo!
bjsssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 7/8/2008 23:59
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

the horror... appocalipse now

Compulsão Diária · São Paulo, SP 8/8/2008 00:16
sua opinião: subir
Thiers
 

Amei seu poema, sem dúvida ele fala do horror, do naufrágio humano. Li muito sobre nagasaki.. vi filmes.. etc.. Fundamental trazer a tona esta memória cometida pela falha humana ou...proporcionada por ela.
Adroaldo, mesmo com a dor no peito vc conseguiu contruir um belíssimo poema.

>>

Toda porta que se abre assim ao mar
dá vertigem aos que vão-se amar
em razão do belo horizonte distante
que despertar costuma o instinto
primário de quem escapou já do aquário

>>

continuaremos escapando?

Thiers · Rio de Janeiro, RJ 8/8/2008 00:27
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Adroaldo,
voltando e votando
bjsssssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 9/8/2008 21:19
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

belíssimo poema.votado.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 9/8/2008 22:31
sua opinião: subir
clara arruda
 

Votando meu querido.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 10/8/2008 07:29
sua opinião: subir
celina vasques
 

Meus votos com carinho!

beijo no coração

celina vasques · Manaus, AM 10/8/2008 08:19
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

Adro, querido, meu beijo e todo o amor que houver . lindo!

Compulsão Diária · São Paulo, SP 10/8/2008 10:47
sua opinião: subir
Ecila Yleus
 

Poesia pura, límpida e pura de realidades oloreslMuito aprecie e apreciarei os seus trabalhos que são realmente de peso.

Ecila Yleus · Recife, PE 10/8/2008 16:14
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Até quando escaparemos?
Não devemos mesmo esquecer...
Muita dor, muita tristeza colocada
com mestria de quem sente e "grita" dor
Bravo!

Cintia Thome · São Paulo, SP 11/8/2008 08:28
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 3 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados