Nas horas Vagas

2
Rose Rocha · Jundiaí, SP
9/6/2017 · 2 · 1
 

Ensaiou despedidas, não antes de rasgar o verbo, desfiar as fibras, moer os olhos...

Não vai a lugar algum sem suas dúvidas e certezas...

Nesse tempo de olhar pra si mesmo, há muita sede... a busca não cessa.

Nas horas vagas, algum silêncio acalma as dores... Mas é a musica que quer curar

E a palavra se debulha em sentimentos controversos, às vezes imprecisos, querendo fazer valer cada sentido... ter sentido.

Há vida aqui e ali... é só olhar e ver.

Há misérias maiores... Ainda há fome.

Muito há que se fazer pelo outro e para si

Pobres quereres, sempre maiores que a real necessidade...

Nas horas vagas meço força com meu Eu de dentro

Descubro-me... Olho nesse espelho real... Ficam expostas todas as fragilidades

O Presente é uma urgência diária! Uma corrida sempre pra fora... fora demais

Apesar de sentir que fora demais é o futuro-um horizonte inalcançável - logo ali, tão perto... contraditório... não sei bem.

Sei que sonho ... e a incerteza é um véu que muda a cor do dia e da noite

Carrego na retina...minhas fotografias mais queridas...

São os desenhos que faço da vida que me cercou um dia...

Sei de cor cada traço, se soubesses... mas a mão nunca é livre para os contornos do peito... talvez a mão firma o lápis, que desenhou aqui tanta beleza...que fez a nota musical durar mais tempo na minha trilha...

O que me apavora ainda são as despedidas que a vida me dá...

Sei que há tempo para tudo nesse mundo de viver...

Sei que fazem rondas na dor da gente...

Se... decidir muda tudo, se... muda a gente

Seja a prece, verdadeira!

Sobre a obra

Ensaiou despedidas, não antes de rasgar o verbo, desfiar as fibras, moer os olhos...

compartilhe



informações

Autoria
Rose Rocha
Ficha técnica
Nas horas vagas, algum silêncio acalma as dores... Mas é a musica que quer curar
Downloads
21 downloads

comentários feed

+ comentar
A Marques
 

Excelente! Texto bem reflexivo acerca dos momentos da vida! É sempre boa essa parada que damos para ver as coisas, estar atento(a) às variáveis... sentir o que cada momento traz, mas também, aprender com eles, uma vez que nada é estático nessa vida e tudo tem a sua hora, o seu prazo. O despedir é sempre um poema que, por mais bonito, não consegue esconder de todo o seu tom melancólico, mas, ... que dizer? Também isto (essa flor) se faz necessário que aprendamos a colher em algum momento. E, certamente, ela não deixa de ter sua riqueza, sua importância, sua necessidade.... Enfim, parabéns pelo seu escrito! Grato pelas tuas postagens e também por tuas visitas,... sempre com um olhar atento!!! Um abraço! Boa tarde! ////////

A Marques

A Marques · Caieiras, SP 22/11/2017 15:34
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 3 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados