Nem obrigado a ser serei

Adroaldo Bauer
1
Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS
11/7/2008 · 113 · 12
 

Guardo a fantasia
Que fiz,
De mim
Pra mim.

Com a própria cara
Vou à festa.
Mesmo assim

É o que se passa
Não desmaio, eu vejo,
Alguém me abraça.

Então saio à rua
Não me desmancho,
Com muita raça.

...

Ando meio solto
No espaço
Não sei o que faço
Mas acerto o passo
E a cada cacetada
Recupero-me
Não me desfaço

...

De graça
Ninguém
Faz graça
Basta a desgraça
Que um dia passa
03/12/1981


Ora, direis,
Quebra palitos
E os joga ao leo.

Não fiz
Não farei
Nem obrigado a ser serei
Que forçado é pau de arrasto
E sou meu próprio rei
14/04/1984



Paixão


Dias/anos
Cinzas

Veloz
Fugaz
Raio de sol
Raio anil

Uma lembrança
Ouro azul

Máquinas
Sons

Silêncio/encanto
Azul-luz
Luzazul
Linhas/formas
Natureza
Minutos/dias
Luzazuis
11/04/1985

Contra-senso

Madura
Deveria ser
Minha paixão

Não se pode apaixonar
De modo assim
Paixão
Queira você ou não
É mais que a razão
Não vai amadurecer
15/04/1985


A lua
O mar
São duas
Maravilhas
Que
À semelhança tua
Não canso de olhar
16/04/1985

Ventos, fúrias
Levantam poeira das ruas
Arrancam pétalas às rosas
Sangra meu coração

Noite inteira te sonhava
Buscava-te o dia inteiro
Esperando noite e dia
Teu olhar cruzar o meu

Vendaval, em fim de tarde.
É tarde:
Lágrimas, aflição,
De buscar o infinito
Em tão pouca duração

No entanto, ainda venta.
E a poeira não sentou
E a razão (que era pouca)
Esta paixão levou
23/04/1985


Azuis-dourados

Canto de sala
Olhar em volta
Procurá-la
Cabelo revolto
Feito canto
Solto
Provocá-la
Impulsos contidos
Risos
Soluços
Tocá-la
Chegando,
Partindo
Azuluzindo
Dourando
(a) manhã
Recomeçando.
10/05/1985







Sobre a obra

A anistia fora conquistada, atrocidades se transformaram em "crimes conexos", a censura seria levantada em 1980... Começávamos os milhões de brasileiros as batalhas finais pelas liberdades democráticas, por Diretas Já e, em seguida, pela Constituinte... que deram fim ao estado criminoso mantido pela ditadura militar. Respirava-se já, mas ainda à sombra do assalto súbito e da ocupação militar...

Os olhos de quem lê o poema são a alma da poesia.
O gesto todo é percebido na mais amorosa fantasia.
Um anjo desce às madrugadas
E mesmo que não o percebas
É quem te inspira, te põe em fogo
e te ilumina os cantos do poema
o fraseado da poesia, sim, sem alegria
a tua doce angústia, tua terna agonia
É, no entanto, ainda parece,
Um anjo bom, que não adormeces
e lembra, embora com pesar
de que seria e é bom amar. (2008)

compartilhe



informações

Autoria
Adroaldo Bauer
Ficha técnica
Versos inéditos de 1981 a 1985.
Downloads
368 downloads

comentários feed

+ comentar
Benny Franklin
 

Soco no passado: cruel e covarde.
Tiro no escuro.

Continuas tão (atual) e sempre provocativo...
proeza de quem (como você) têm a foice da vergonha.

Boa, Mestre!

Benny Franklin · Belém, PA 8/7/2008 22:25
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Benny, querido amigo e poeta de prima, eu entendo que cruel e covarde tenha sido aquele criminoso aparelho de estado, que saoqueamos juntos, milhões de patriotas pela paz, não é fato?
Pelo festival midiático em torno de La Betancourt, nos parece que as penas sempre serão mais fortes que as foices, ainda que os vendedores e consumidores de cocaína, heróina e das sintéticas continuem governando o planeta, por óbvio não são as Forças Armadas Reolucionárias da Colômbia (FARC) que governam sequer metade do território colombiano, assim mesmo, mais de 90 por cento dele pura selva, onde também há cocaleiros, como no restante daquele país, de quem os consumidores estadunidenses são tão fregueses quanto, e ainda os maiores comerciantes, conforme a própria DEA.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 9/7/2008 16:28
sua opinião: subir
Saramar
 

Esses "ventos que arrancam pétalas", enfrentados sem fantasia, e que deitaram tantos corpos dolorosos, para sempre mancharam de sangue, a alma, a terra.

Esses outros ventos azuis do amor e a amada bela como o mar e a lua deitaram na mesma alma, a doçura necessária à própria vida.

Merecem, todos os seus poemas, um livro.

beijos

Saramar · Goiânia, GO 10/7/2008 19:58
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Eu já penso nisso há algum tempo. Pouco, mas penso, Saramar.
Que seja um e-book, até, que já converso com um colega sobre isso. Também devo começar a pensar em como ilustrar. E creio que será possível, sim, até o final do ano em curso.
Dou notícias. Grato por teu incentivo e presença sempre meiga.



Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 10/7/2008 21:22
sua opinião: subir
Nic NIlson
 

Que pena! Quebraram-se os grilhoes da ditadura, mas continuaram a soldar ferrolhos nesta famigerada ganancia do poder presidenciavel! Até quando seremos torturados a ferro e fogo da corrupção, da víbora do poder! Até qdo o palácio Brasília servirá de morada de abutres e rapinas?
Valew

Nic NIlson · Campinas, SP 10/7/2008 22:43
sua opinião: subir
Pedro Monteiro
 


Amigo Adroaldo.
Foi cruel nosso tempo de ditadura. E por certo, haveremos de sofrer também pelo atraso causado, pois ainda podemos presenciar resquícios dela nas relações econômicas e culturais.
Acho que estamos precisando de uma revolução na educação, quem sabe possamos assim, nos libertar das ignorâncias políticas e religiosas.
Abraços

Pedro Monteiro · São Paulo, SP 10/7/2008 22:49
sua opinião: subir
celina vasques
 

Meus votos com louvor!

Beijo com carinho

celina vasques · Manaus, AM 10/7/2008 23:19
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Excelente...Uma briga doida e doída.
abs.

Cintia Thome · São Paulo, SP 11/7/2008 08:18
sua opinião: subir
EdimoGinot
 

Bons (maus)tempos esses!!!

meu voto
um abraço

EdimoGinot · Curitiba, PR 11/7/2008 10:00
sua opinião: subir
Sérgio Franck
 

Eita, maravilha de poemetos... me empolguei!

Sérgio Franck · Belo Horizonte, MG 11/7/2008 10:12
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Adroaldo,
A ditadura será para sempre uma mancha negra em nosso passado, muito embora o presente também seja assuatador e sem muitas perspectivas de um futuro luminoso.

Belo texto,
bjsssssssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 11/7/2008 13:58
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Voltando e votando.

bjsssssssss

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 12/7/2008 18:47
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Os olhos de quem lê o poema são a alma da poesia zoom
Os olhos de quem lê o poema são a alma da poesia
zoom
"A justiça farda mas não talha" nos ensinou Millôr Fernandes
baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados