O VETERINÁRIO DISSE NÃO!

Salvador Dali
1
Rosane Martins · Florianópolis, SC
22/10/2008 · 97 · 6
 

O VETERINÁRIO DISSE NÃO!

Rosane Martins


Fazia frio e fazia tempo que não conversavam. Cada um, há seu tempo e modo, perfazia horas e horas internas elucubrando o que seria possível um com o outro.

Eram tempos próximos, possíveis e intensos. As horas eram maiores do que se supunha, mas o tempo era consumido em demasia. Ia para frente, sempre, e nunca chegava a lugar algum.

De quando em quando fazia frio e edredons eram necessários para que dormisse bem, tranqüila e solitária. E vinha um cheiro do ralo, quando a porta da suíte ficava entreaberta. Meio doce, meio ocre, misturado com um pouco do cheiro de verde escuro.

Agora tinha acabado de secar-se e o chuveiro novamente não aqueceu a água que quase limpou seu corpo. Ainda há pouco escutava uma canção que era cantada somente numa ilha distante e falavam histórias estranhas, muito estranhas, sobre si e sobre os outros.

Enfim sentaram-se um em frente do outro, calados, trêmulos e aflitos. Ele estava cansado de inseminar vacas frígidas que não sentiam o prazer de sua mãe entrando em suas grutas infindáveis, para parir, depois, dele, filhos que sequer desejaram um dia. Ela, cansada de ser ordenhada, manipulada e sugada todas as manhãs de sábado onde sequer sabia o significado daquilo tudo que lera e lhe contaram ser bom, ser belo e ser prazeroso.

Antes que tocassem no assunto lembrou daquele dia em que ela falava incansavelmente sobre si e seus projetos e seus desejos e suas vivências que sequer um dia tinha assistido num filme nacional de terceira categoria. Tresh era aquela cena bizarra daquela mulher, desejosa, contando-lhe coisas jamais perguntadas. E ele, à sua maneira, fingia ser o homem que jamais poderia vir a ser um dia, um espectro de seu pai machista, uma cópia rasurada de seu avô e um risco apenas de sua ancestralidade esquecida.

Que pena.

O silêncio calou a todos num sopro de vento fresco que entrou pela sacada dos fundos da casa que ficava abrigada sobre outra, ao lado de outra e na frente de quase nada, mas que algumas vezes incomodava pelas buzinas e músicas fora de moda madrugada afora.

O silêncio machucava a pele e parte dela. Folheou seu livro de capa azul e não disse nada. Aquelas letras escritas antes de ontem estavam confusas, embaralhavam sua visa sobe ele, sobre si e de tudo o que não mais lhe interessava. Ela não era confiável.

Confiável ela nunca foi mas também nunca enganou ninguém. Andava sobre o fio da navalha, sempre, mas dentro de seus próprios princípios vazios. Ele, pobrezinho, estava ainda na quarta, estudando as iniciais de seu nome cujo apelido o pai proibira de repetir.

E agora era a hora.
Ele tinha que provar quem nunca foi para aquela que não era nada.
E ela, que se considerava tudo e um pouco mais, jazia inerte, com a boca e pernas abertas. E ele entrou fundo, sem muita vontade e viu sua umidade aumentar além do que lhe era relativamente permitido. E ela não parava de arfar, de criar sons estranhos, que lhe davam saudades das vacas que recebiam seus punhos e braços sem qualquer reação prazerosa.

Acabou rápido.
Conveniente.
Dirigiu-se até a pia ao lado, escovou os dentes e passou a mão na própria bunda, no pênis e de novo no seu traseiro. Esqueceu dela jogada sobre os lençóis com seu orgasmo barato. Lembrou do pai e se masturbou.

Ela foi embora cedo.
Ele dormiu logo depois.
Ela ligou.
Ele desapareceu.

compartilhe



informações

Downloads
242 downloads

comentários feed

+ comentar
EdimoGinot
 

Um texto sobre a condição humana
que muitas vezes deprime.
Bem escrito. Bom de ler.
Um abraço
Edimo Ginot

EdimoGinot · Curitiba, PR 7/10/2008 09:41
sua opinião: subir
Giovanni Guidi
 

Gostei bastante desse texto denso.
Sucesso.
Votado.

Giovanni Guidi · Piracicaba, SP 9/10/2008 11:44
sua opinião: subir
O NOVO POETA.(W.Marques).
 

excelente texto.votado.

O NOVO POETA.(W.Marques). · Franca, SP 9/10/2008 19:13
sua opinião: subir
Frederico Rego
 

Bom texto.

Frederico Rego · Rio de Janeiro, RJ 9/10/2008 22:55
sua opinião: subir
Falcão S.R
 

Muito bem escrito e que prende a atenção do leitor.

Com prazer envio para o banco.


Bjs

Falcão S.R · Rio de Janeiro, RJ 10/10/2008 01:12
sua opinião: subir
alcanu
 

Seu jeito simplista de ver o sexo, me agrada, pra que tanta cerimônia, não é mesmo ?
é uma leitura excitante e ao mesmo tempo séria e realista, jamais pornográfica !
quase científica !
Deu pra entender ?
sexo não se define, se faz, né ?
Um beijo !

alcanu · São Paulo, SP 10/10/2008 12:56
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 4 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados