Os corvos crocitam na noite - conto

a.fernandez - bryce 5.5 - corel
1
arlindo fernandez · Campo Grande, MS
13/1/2007 · 124 · 17
 

Os corvos crocitam na noite

Em meio ao brilho do cetim, da seda e dos vapores de arroz surge um rosto, exuberante, cuja cor carmim e lápis preto acentuam a simetria da face e os olhos, já rasgados de si, como dois peixinhos que se estendem até a fronte. Com gestos, olhares e movimentos sinuosos ela cambaleia e canta - o último ato da ópera chinesa. Os tambores fazem dueto com seu coração, que cede à ponta de uma flecha... O vermelho quase bordô do sangue tinge o cetim cor de pérola. As notas dos violinos e do Huquin soam como um lamento, como folhas mortas que caem ou vidas que se findam.
O tempo suspende seu vôo, a cortina desce e o público se levanta enquanto aplaude por alguns segundos. Na platéia, com olhar e coração em êxtase, ele aplaudia pela décima vez aquele espetáculo de extravagância, paixão e dor. Ninguém compreenderia a alegria que transbordava daqueles olhos - talvez ela tivesse cantado somente para ele naquela noite.
Há um céu e uma outra terra na mente de cada homem, como também na mente de Cortazar havia um céu onde corriam nuvens baixas de chumbo e uma terra que deixara na infância.
Ele saiu do teatro com a mesma serenidade nos olhos, apaixonado pela atriz da ópera chinesa e, vestido com um terno preto de linho, prostrou-se em frente a uma pastelaria numa esquina da Avenida da Liberdade. Por horas a fio esperou aquela moça de olhos amendoados, pele clara como porcelana, gestos sutis de infinita beleza - ela tinha estatura de boneca e coração em desatino.
Peônia tinha nascido na China, província de Henan. Seu nome de batismo era Bian Wu, homenagem ao pai, que também tinha esse nome. O senhor Wu se estabeleceu com um pequeno comércio de pastel na Rua Barão de Itapetininga e, por razões desconhecidas, deixara de falar com sua filha Peônia.
O vento encanado da noite na avenida trouxe um perfume de peônias, atemporal, que fez o coração de Cortazar bater mais forte - eis um instante de simetria neste fotograma cósmico.
A menina sem a máscara e vestes do espetáculo chegou com uma rosa na mão. Naquele encontro, um espinho feriu o dedo de Peônia. Seu sangue correu na rosa branca, que se tornou vermelha. Havia barulhos de alguns carros e do coração de Cortazar, que tentava saltar do peito como um galope enlouquecido. Os seus olhares se tocaram profundamente, então, não se ouvia mais nem um ruído - o sangue parou, havia nuvens calmas sobre São Paulo na madrugada. Peônia tropeçou com as palavras, mas cantou com a alma e sua doce voz era levada por entre os edifícios que dormiam. Cortazar respondeu com versos, que se perdiam nas avenidas. E, assim, eles dançaram “tangos de los exilados”, que estava na cabeça de Cortazar até o limite do amanhecer.
Passaram-se quatro outonos e o amor entre Cortazar e Peônia tinha chegado ao céu, e podia ser colado num paredão de estrelas pela eternidade. Eles eram felizes como deviam ser. Cortazar nunca se abalou pelo fato de Peônia ser Bian Wu, um homem de rara beleza, alma feminina e seu único amor neste mundo.
Cortazar era um grande cozinheiro, um chef com raras qualidades, que colocava especiarias em todos os sentidos. Sua amada deixou os palcos e criou um palco em seu quarto, onde fazia trechos de óperas da sua terra natal para o amado.
Da janela do apartamento no segundo andar, onde viviam, na Rua Barão de Limeira, podia-se avistar pessegueiros e isso recordava o coração de Peônia, que lembrava a infância que teve em Henan, na China. No velho edifício em frente havia uma família de corvos que, de tempos em tempos, aportava sobre os pessegueiros.
(abrir arquivo completo)...

compartilhe



informações

Autoria
a.fernandez - contos
Ficha técnica
Afernandez. - contos - Conto inspirado num poema chines do século 19 atribuido a Li Po.
Huquim - violino chines
Henan - Provincia da antiga China
Tango de los exilados - Astor Piazzola
Peônias - flor originária da Asia.
Para a cidade de São Paulo que faz aniversário - minha cidade.
Downloads
641 downloads

comentários feed

+ comentar
Rangel Castilho
 

Uma ópera, a tragédia de um grande amor, um poema chinês...e Arlindo das Belas Imagens.
Nada além de maravilhoso!
Parabéns, meu amigo.
Magnífico!!

Rangel Castilho · Anastácio, MS 10/1/2007 16:23
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Salve Castilho!
Estive lá pra bandas do Rio Formoso - Bonito.
Estou retornando.
Sobre "os corvos crocitam na noite" ... este conto foi inspirado num poemas chinês. (Li Po). Mas a história é livre, não tem nada sobre o poema, exceto os corvos e o motivo.
A história foi escrita apartir do "Tango de los exilados" (Vanessa Mae e Orquestra Sinfonica de Londres).
Tenho mania de ouvir canções e escrever algo sobre...
que 2007 seja magnífico para todos nos.
abraços

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 10/1/2007 16:37
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

São Paulo
Minha cidade faz aniversário.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 10/1/2007 21:07
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Rangel Castilho
 

Salve, Arlindo de Belas Imagens!!!
Nascí em Bonito, voce esteve caminhando em terras de minha infância.
Parabéns pelo aniversário de tua cidade.
2007 será o que merecemos!!!

Rangel Castilho · Anastácio, MS 12/1/2007 11:38
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Bonitense.
Naquelas águas brotam de tudo,inclusive gente e poesia...
Meu pai tb. nasceu em Bonito - anos 20. (naquele tempo tinha até sinhozinho) colhi uma história sobre um tal sinhozinho que viveu por lá. (estou escrevendo um conto além da imaginação).
Merecemos tudo de bom.
saudações.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 12/1/2007 12:00
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Carlos ETC
 

Muito bacana!

Carlos ETC · Salvador, BA 13/1/2007 11:51
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Sebastião Firmiano
 

O teatro é uma alcova coletiva.
A alcova é palco para dois.
O resto é espetáculo
assim como seu conto.
( pena não consegui abrir o arquivo).

Sebastião Firmiano · São Paulo, SP 13/1/2007 22:29
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Salve Sebastião!
Vc como ninguem deve reconhecer o cenário...
Sobre o arquivo, tente "salva-lo" primeiro.() Se não conseguir posso envia-lo pelo email. Pode ser? Vc acha que vou deixa-lo sem saber o final???(risos).
Saudações Pantaneiras

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 14/1/2007 11:01
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Sebastião,
Alcova coletiva é muito bom...
Vc pegou! "O resto é espetáculo".
Grande Firmiano.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 14/1/2007 11:05
sua opinião: subir
Sebastião Firmiano
 

Consegui baixar.
O tema é maravilhos! E juntou sua maestria em desenvolve-lo!!
Ficou de um lirismo tão doce, que chega a contrastar com a rudeza de São Paulo.
Fica claro também, o contraste entre a vida de artista e a construção ou manutenção de uma familia.
Valeu a pena.
Abraços.

Sebastião Firmiano · São Paulo, SP 14/1/2007 17:36
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

juventude
na minha mocidade vivi acontecimentos,principalmente nesta região.
saudações.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 14/1/2007 19:46
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Arlindo, meu amigo.
Um dos melhores contos seus que li. Tem algo de Borges, Juan Rulfo, Cortázar, uma latinidade trágica, fantástica, maravilhosa, expressa em imagens belas e impossíveis. Pessegueiros e corvos em Sampa... A lua refletida nas asas das baratas, a máscara teatral de Peônia, seu quimono de flores de cerejas, sua melancolia, seu destino dúbio: gueixa ou andrógino? Um conto que engrandece a literatura e dá a medida exata do seu talento. Não sei mais o que dizer, se não obrigado. E aguardar o seu livro. Um forte abraço.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 12/2/2007 12:10
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

meu talentoso e amigo Nivaldo!
Que maravilhoso vc ter encontrado e lido "Os corvos crocitam na noite".Seus comentários,aqui,valem mil contos.Voce tem um senso critico apurado e também muita cultura - isso lhe da o direito de ser critico.
Profundamente agradecido, resta-me lançar o livrinho de contos.
Gracias amigo!

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 12/2/2007 15:30
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Gosto muito de Julio Cortázar.
Fiz uma homenagem para o escritor Argentino e também para cidade de São Paulo que faz aniversário em janeiro. Me inspirei na canção de Astor Piazzola e num antigo poema chinês... por aí!!
o resto eu vivi.
abraços Nivaldo!

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 12/2/2007 15:46
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

NIvaldo!
vou abusar um pouquinho e pedir que vc leia este conto.
http://www.overmundo.com.br/banco/a-extraordinaria-vida-de-clorofila-conto

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 12/2/2007 16:05
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Arlindo,
ainda a propósito de Corvos... não poderia haver melhor fermento para uma obra de arte: Cortázar/Piazzola/Sampa e poesia chinesa, tão rica em analogias gráficas. Só podia dar nisso mesmo, que bela mistura! Quanto à estraordinária vida de clorofila, lerei também com prazer. Um abraço

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 12/2/2007 16:11
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Lindíssima figura criada esta em que o coração cede à flecha.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 27/3/2007 12:34
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados