PLASTICIDADE!

1
Benny Franklin · Belém, PA
9/1/2008 · 133 · 5
 

Foto: une nuit en mer NãoSouEuéaOutra By Pérola

I

Aceito.
Aceito o destino contraproducente
Do lamber da aurora...
Perpassando o pedregulho como carne virgem e frouxa,
Aqui, o poema se humilha.
Prostra-se tal a plasticidade do lustre augorar
Implorando ao poeta a tênue timidez,
Porque inutilmente se excede como flâmula,
Faz o coração escoar seu precipício,
Foge pelo oráculo teso de Cristo:
- Dispersando apostolados.
- Escanchando rios de lagrimas, tantas...
A palavra recusa terra desnuda,
Assim como
A gana da glande abraça a morte do orgasmo,
A saliência gramatical transcende,
Poeira de longa estrada, o é.
Ai! Pudesse eu ser o carrasco
E fazer o umbigo rejeitar a palavra,
Obrigar o poeta a se acasalar com o vago-mundo,
Para não desletrar-se tal o molho de locução embalsamada;
Tal o betume das favas
Que insepulto mofa as nódoas recolhidas, se dá.
.......................

II

Pudesse o papel fugir do nada,
Vazio nenhum se daria ao toco do olhar,
Não se daria aos laranjais puídos, às cerejeiras narcisadas.
Não se daria ao lume do sal, à deformidade
Da língua, às madrepérolas de nádegas entreabertas mofentas.
Ai! Pudesse eu ser a vagem
E abastecer o abatimento do medo.
Pois flor nenhuma se daria ao insosso do ébano,
E nem se daria
Sôfrega de êxtase à constipação do viço,
Tampouco observaria a leguminosa da tarde
Escaldar os vômitos do burburinho da fuga.
.......................

III

Houvesse que remoer o medo,
É fato que eu me daria à alça de mira;
Dar-me-ia aos vermes-olhos neuróticos,
Às piedades acovardadas.
Não fosse a ponta do espinho assexuado,
Não me daria ao cimo do iceberg;
Dar-me-ia ao gozo das virgens.
Ai! Pudesse eu ser a garganta,
E engolir o passamento da mama-alma,
O asfalto que codifica da voz.
A devoção da gala remove a pusilanimidade da cor,
O vespeiro das luas;
O papel higiênico da idade.
.......................

IV

Aceito.
Aceito o chicote coercivo do mormaço.
Sacrifício frio e ovular,
Que lambe a palavra... Inutilmente se dá ao beijo compartido
- Arqueando-se em flor,
À medida que Cristo goza;
Entorna segredos escaldando tardes
De endemias repartidas.
Acato. E me daria ao floco de neve
Como a dúvida que se dá ao instante,
Exceto o beneplácito da espera,
A mudez da fala,
Álamo das mediocridades demolidas.
Ai! Pudesse eu ser a longevidade das coisas,
O sexo metamorfoseado do Colosso de Rodes.
Ai! Pudesse eu me dar trôpego de espera,
E ser a ejaculação da lubricidade da rosa,
Ser o confessionário dos mortos;
O duo lagrimar da eloqüência.

Benny Franklin

compartilhe



informações

Autoria
Benny Franklin
Ficha técnica
Mais uma fantástica fotografia de Pérola (fotógrafa portuguesa das boas), que honra a postagem deste poema.
Downloads
438 downloads

comentários feed

+ comentar
Cintia Thome
 

Pudesse o papel fugir do nada,
Vazio nenhum se daria ao toco do olhar,
Não se daria aos laranjais puídos, às cerejeiras narcisadas.
Não se daria ao lume do sal, à deformidade
Da língua, às madrepérolas de nádegas entreabertas mofentas.
Ai! Pudesse eu ser a vagem
E abastecer o abatimento do medo.
Pois flor nenhuma se daria ao insosso do ébano,
E nem se daria
Sôfrega de êxtase à constipação do viço,



Poema que perfura como agulha os dedos sem dedal, assim
és caro Benny...Bárbaro!
Quanto a Pérola, tem sempre o olho sensível e fico
feliz da exímia fotógrafa e artista estar emoldurando teu poema
Dois sensíveis, poderemos querer mais?

bjus
OS HF

Cintia Thome · São Paulo, SP 7/1/2008 18:47
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Abri ...
Perfurado, rs
OS HF

Cintia Thome · São Paulo, SP 9/1/2008 13:32
sua opinião: subir
Anilson
 

Ótimo!!

Anilson · São Luís, MA 9/1/2008 20:30
sua opinião: subir
Sérgio Franck
 

Que refino, Benny.

Massa!

Sérgio Franck · Belo Horizonte, MG 10/1/2008 15:01
sua opinião: subir
Frazao my brother
 

Aceito adentrar essa pérola paraoara que não se desletra
ante o "o molho de locução embalsamada" do arrazoado mundo poético.
Meu olhar "puído" vê e ouve o "duo lagrimar da eloqüência".
Poema que transporta para fora e para dentro do ser poeta.

Frazao my brother · Anastácio, MS 11/1/2008 18:42
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 56 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados