ROLO COMPRESSOR

1
Benny Franklin · Belém, PA
14/10/2007 · 114 · 8
 

Foto: Papermon/Flickr/Creative Commons

Tão afiada feito um rolo compressor é a minha palavra
Que sob o sorriso do lagarto não se deixa amarelar.
Tão mais enigmático do que o ar é o veneno do grito inexorável
Que devora sistematicamente as espumas de mim,
E não se deixa falsear pelo perfume dos bêbados.

Fôsse como maresia do espaço particular,
Fôsse de sábio juízo eleger-me
Como sendo a própria poesia que se pari
Num furtar das mesmas palavras bolorentas - Atos de indignação
Que ora se deixam (in love) descair sobre mim
- Teria eu a cínica certeza de que inumanamente
Doar-me-ia a verve sensabor
Para não enxaguar-me nas chamas vaginadas
De tristes ermos.

Pelo vento nutro-me da flor de mim.
Perfumo os mourões das paragens mofadas de sempre...
Decerto... O tempo há de reconhecer-me como sendo aquele
Que do machado ativo se foge para a carne metamorfoseada,
Para que o grito de mim não se arda sobre o orgasmo vencido
E nem o grelo orvalhado de si se broche de véspera,
Ou tampouco se fuja do cio: de modo que não ocorra
De me esconder por debaixo do mormaço;
Porquanto sabe o vento que o amor é o amor
Que provém da algema!

Sim. Da algema, fujo endemicamente.
Não que eu queira malbaratar-me, sabeis: já sou fuga.
Sim. Sob esse circulo recorrente sigo ao espaço
Desmontando segredos.
Burilando momentos,
Saqueando marasmos... Pois que á até pensei
Ser poeta de tessitura orgasmoangular -
Quem sabe até -, um lascivo asceta
Enervando-se sobre o órgão poético do instante!

Não... Não me cobrem volúpias amenas!
O que vos prometo é a inalação da porção...
A promessa que vos serei um hábil fazedor de verdades
- Atos de expiação -
Loção de golpes desenfreados que o machado fedido
Perfuma-me: - Sim! Prometo-vos a intermitência dos ângulos penetrados Que vivem que nem candura virginal;
Que não se cansam de gozar e não cansam de ser desvirginados
Nas vezes em que estão predispostos
A interronper o medo de romper
O desprezo da ausência.

Sou... Sou o que sou!
E a minha poesia grunhe por isso.
Sou... Sou o que sou: genitália adotiva de um poema ejaculado.
Sou... Sou o que sou: gomo de enxada penitente.
Sou... Sou o que sou: lavra e lume do invisível.
Sou... Sou o que sou: vagem insossa que salga sopa de gente.
Sou.... Sou o que sou: “um dia” como tantos que ousa fugir
De o estigma de ontem....
E a minha fala arde por isso!

Benny Franklin

compartilhe



informações

Autoria
Benny Franklin
Downloads
375 downloads

comentários feed

+ comentar
anamineira
 

Caro Benny "pelo vento nutro-me da flor de mim", acho que ser poeta é buscar na alma a essência de viver. Voçê está sempre indo ao encontro dessa essência. Obrigada por me ensinar sempre. Um abraço forte.

anamineira · Alvinópolis, MG 12/10/2007 11:05
sua opinião: subir
Nydia Bonetti
 

"Rolo compressor. Sou... Sou o que sou!
E a minha poesia grunhe por isso.
E a minha fala arde por isso!"
O poeta se auto define. Perfeito, Benny.
Abraços.

Nydia Bonetti · Piracaia, SP 13/10/2007 17:55
sua opinião: subir
azuirfilho
 


Salve Benny Franklin e seu trabalho
Uma expressáo de muita energia
Uma forca avassaladora.
Uma Poesia Vigorosa
É o que é.
Parabéns pelo trabalho.

azuirfilho · Campinas, SP 13/10/2007 20:16
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Nossa Benny...esse nem vi...mas cheguei em tempo para votar....
Beijos...
Lá estava chovendo hoje ...

Cintia Thome · São Paulo, SP 14/10/2007 12:51
sua opinião: subir
Rubenio Marcelo
 

Benny, amigo,
Teus poemas têm sempre esta característica forte: trazem uma pancada de poesia! Devem (e precisam) ser relidos.
Estilo admirável o teu.
Parabéns!
Votado.

Rubenio Marcelo · Campo Grande, MS 14/10/2007 13:38
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Salve Benny Frabklin.
Com seu trabalho de todo louvor.
Parabéns e votado.

azuirfilho · Campinas, SP 14/10/2007 14:10
sua opinião: subir
victorvapf
 

Vai com tudo isto enfeitar o Banco! Victorvapf

victorvapf · Belo Horizonte, MG 14/10/2007 17:11
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Tão afiada feito um rolo compressor é a minha palavra
Que sob o sorriso do lagarto não se deixa amarelar.
Tão mais enigmático do que o ar é o veneno do grito inexorável
Que devora sistematicamente as espumas de mim,
E não se deixa falsear pelo perfume dos bêbados.



Voltei para copiar, mas sabe, você poderia fazer de cada estrofe um poema....
Arrbata meu amigo!
bj

Cintia Thome · São Paulo, SP 16/10/2007 22:40
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 26 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados