SILÊNCIO DE CARNE E OSSO

1
Raiblue · Salvador, BA
14/6/2009 · 43 · 44
 

“Perfeição demais me agita os instintos...”
(Zélia Duncan)



O inverno se aproximando e quarenta graus no coração. Tempestades no deserto da aorta, entupida pela ferrugem do tempo.Casaco de flocos de neve, para congelar o impulso, coagular o vulcão subcutâneo.Terremotos de sentimentos,
abalos sísmicos nos icebergs espalhados entre os pelos.
Aquele que habita o mais profundo de mim não é o que os outros vêem. Daí a contração muscular, a tensão dos fios que tentam conectar’ eus’ tão distintos. Me perdi entre um e outro. Caramujo de mim,vou me enrolando como se quisesse estrangular a vida, no fundo das areias pantanosas. Sou um labirinto de máscaras. Em qual delas baterá o meu coração?

Estou no meio da zona do indefinível. Seguro no trapézio, mas não consigo saltar, porque não sei para que lado quero ir, pois sei que escolhas implicam em renúncias. Não sei qual ‘eu’ me trará alivio nem aquele que não quero mais ser. Há um equilíbrio nesse caos de minha cosmologia, uma rebeldia para disfarçar o medo daquele que nem conheço, mas que já está aqui, latente, como uma sombra que ninguém vê, mas que se projeta sob os meus passos.

Sou mais o que penso ou o que escapa das grades do pensamento? Os gestos planejados ou os impulsos acrobáticos atravessando as artérias em saltos bárbaros?

Penso que o meu ‘ser pensante’ às vezes não me deixa ‘ser’, de tanto que me julga, modela, padroniza e questiona meus instintos, como senhor absoluto. Enlata-me para ser devorado, sem efeitos colaterais, para aumentar meu prazo de validade.
Mas tem algo em mim que quer inflamar e não apenas durar.

Pensar, às vezes, me deixa exausta, como se eu estivesse nadando contra minhas próprias correntezas. Pensar, às vezes, é cortante, aborta os sonhos, faz sangrar a alma.

Num silêncio de carne e osso, meu coração granada implode, mas ninguém ouve. Os tímpanos das cidades desalmadas estouraram. As máquinas substituíram o humano, a voz agora é uma gravação programada. Os ouvidos foram arrancados. Quase não há diálogo entre os olhos, senão quando a palavra digitada armazena a alma. Existem e-mails que beijam a pele e acalma ou ardem!

O tumulto é de pedra rolando goela adentro. A pedra agora está dentro de nós, sem nenhum caminho. Há várias pedras, uma muralha cercando o coração. Proteção ou prisão? Quanto valerá, afinal, um pensamento, sem pitadas coronárias vermelhas? Ao pensar isto, senti, imediatamente, um cáustico enjôo.

No meio da náusea, brota uma flor que insiste em perfumar o hálito, como quem aguarda um beijo, quando o trem atravessar a cidade de aço e alcançar a estação de calor.

Contudo, por enquanto, hibernada nesse silêncio corrosivo, a esfinge da fé tenta decifrar meus enigmas. A febre não passa. A dúvida galopa em meus campos, que pensei ser tão maduros, indomável fera a rondar meus poros, como quem fareja uma saída.

As portas do inverno abertas, o mar congelado, o mergulho adiado para um verão que nem sei se verei. Convulsão, choque térmico. Os círculos fechados dentro dos olhos abertos, e uma dantesca fome que nada sacia. A vida vazia, eu vazante, vazada, e a tinta vermelha escorrendo.

A veia aberta tentando expulsar coágulos de pensamentos que impedem o trânsito da emoção. Pressão ocular elevada, quase levando à cegueira. Ensaios? Desespero.

Preciso ver para crer ou crer para ver?

De novo, ninguém me responde. Sou mais um enlatado, na prateleira dessa sociedade de consumo, que já perdeu o paladar para as coisas naturais, há muito tempo.

Macrobiótica esperança mastigada até o ultimo grão.

A inteligência artificial e a geração digital comandando o destino, como deuses da astronave Terra.
Todos nós astronautas de um universo cada vez mais perdido nos cyberespaços, e a odisséia dentro de nós.

A identidade se desintegrando nas clonagens, nas montagens digitalizadas.' Admirável chip novo! 'Fios substituindo veias. O ponto de mutação
perdido na nova era, sem nenhum Zaratustra nem Gentileza.

E os livros nas estantes, as histórias amarelando, os heróis esquecidos em suas epopéias. O amor, pura representação.
Sentimentos pensados e não vividos. Uma ficção real.

Tudo agora imediato: o contato e a desilusão; a felicidade e a dor.
Tudo breve, só não a neve que encobre as cidades, congelando o coração.

Porém, ainda ouço uma melodia que me faz respirar na brecha de um sopro de sax, um pressentimento guardado em segredo na caixa de Pandora, no fundo do meu secreto abismo.

Alguma coisa ainda vibra sobre o gelo e entre os meus pelos...
Uma música derrete até mesmo o aço...pode reinstalar o sistema...quiçá...

Afinal, somos feitos de silêncios e sons...

(Raiblue)



Em 13 de junho de 2009


Sobre a obra

"Mas vou fazer você chorar
Não vai mais ter que me perguntar
Se a vida é para dar prazer
E o velho existe para te ajudar"

(Tempo de carne e osso-Mombojó)

compartilhe



informações

Autoria
Raiblue
Ficha técnica
Prosa poética: Silêncio de carne e osso.
Imagem:Flickr.
Downloads
296 downloads

comentários feed

+ comentar
Cláudia Campello
 

Sáo todos os sintomas da paixao. penso!
Eita sentimento que nos tira o chão e nos
faz descobrir tantas outras... em nós! não?!
e vamos nos aprendendo....nos sentindo..... aff ! esse seu poema, Raiblue (tirando a neve) me lembra um sentimento virtual.....que
de tao real, plasmou aqui!

bjsssssss e meu ♥;

Cláudia Campello · Várzea Grande, MT 14/6/2009 15:44
sua opinião: subir
Ivan Cezar
 

A paixão ...
portal
para o amor
para o caso
para o ódio
para poema
bj

Ivan Cezar · São Sepé, RS 14/6/2009 15:49
sua opinião: subir
raphaelreys
 

Meu voto e meu beijo pelo postado divino

raphaelreys · Montes Claros, MG 14/6/2009 15:57
sua opinião: subir
Zeca Avelar
 

UAU UAU UAU !!! - menin_Azul!

Como o seu silencio é falante!
Como pode ser tão dual...
Tão distante e tão amante!
Como pode aumentar
o meu 'prazo de validade'
se o mesmo vale u'a eternidade?
E em ostracismos de ostras
de imundos mundos e mudos
de Zaratustras e Zoroastros
Nesse falante silencio, meu ser,
também se silencia falante:
Ver para crer ou crer para ver???
...
Magistral seu silencio de carne e osso, tão falante...
tão sentinte... tão... tão... tão !!! !!! !


karinhos kentinhos,
ZecaFeliz - gaDs!

Zeca Avelar · Florianópolis, SC 14/6/2009 16:00
sua opinião: subir
menina_flor
 

Querida Blue...e nesse seu mergulho nos seus 'eus' nesse grito do silencio que briga dentro de você, nesse puxa para cá e pra lá o corpo sente o que a mente quer negar. Vejo como a Claudia: amor, paixão...
Lendo e sentindo o seu poema parece que olho para um espelho. Vejo não somente meu rosto mas minha alma que está em guerra com os meus 'eus' de um lado me chama a loucura que me alucina, tira o chão, enlouquece a quem quero me entregar. Do outro lado me chama a segurança, a razão, o não arriscar. E dentro de mim outros 'eus' me cutucando...eita silencia que grita esse!
Amei minha querida amiga. Me identifico com seus mergulhos..
Lindo!
Beijos
Patty

menina_flor · Rio de Janeiro, RJ 14/6/2009 16:14
sua opinião: subir
Mena
 

Blue, querida, um texto poético encantador! Aqui o silêncio fala mais alto que o próprio grito. Adorei! Abraço e boa semana.

Mena · Brumado, BA 14/6/2009 17:33
sua opinião: subir
Cezar Ubaldo
 

O que dizer sobre esse trabalho,caríssima Raiblue?Apenas, que é simplismente fantástico.A viagem que voce faz,lembra-me "O eu profundo e os outros eus" de Fernando Pessoa.
Tudo em voce é belo,é lírico,é forte,é definitivo.Voce é o seu holístico por excelência.
Beijos e mais para voce.

Cezar Ubaldo · Feira de Santana, BA 14/6/2009 19:14
sua opinião: subir
Gustavo Adonias
 

Babyblue,

Mais um texto de tirar o fôlego, como são os seus mergulhos pela alma humana... Estamos afogados em um silêncio de carne e osso, de tímpanos estourados pela voz muda do sistema-solidão. Tudo arde em gelo e neve, nossas almas 'on the rocks', esperando hibernadas pelo futuro descongelamento dos nossos pólos... Tudo empedrado, emparedado, estranhamente estrangulado. A máquina fria já não diz mais bom-dia, não faz mais parte do script... E a mente se aproxima mais e mais de uma máquina, programada para asfixiar os sonhos, admirável chip implantado sob o peito, refratário para todos os efeitos... A emoção é pouco a pouco deletada (delatada), como um código marginal, como se sentir fosse um crime capital... Porém, abaixo das inúmeras camadas de gelo, ainda floresce o desejo, a semente do degelo, que ainda fará o coração ressuscitar...

Parabéns, mais que parabéns pelo texto profundo e de uma beleza ímpar... Perfeito !

Grande beijo poético anti-invernal n´alma blue...

Gustavo Adonias · Salvador, BA 14/6/2009 20:32
sua opinião: subir
graça grauna
 

...é mesmo um grito de tirar o fôlego, querida RaiBlue. Só um grito assim pra derreter o gelo que petrifica os sentimentos. Parabens, bjos, Grauninha.

graça grauna · Recife, PE 14/6/2009 21:05
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 14/6/2009 21:05
sua opinião: subir
Doroni Hilgenberg
 

escapou...
Raiblue,

Acho que cada pessoa, numa determinada época da vida,
convive com esse silencio que grita dentro de si e machuca,
pior é que quermos gritar e ninguém nos ouve,
estão todos petrificados, não sente mais o amor...
bjs

Doroni Hilgenberg · Manaus, AM 14/6/2009 21:09
sua opinião: subir
marilia carboni
 

Perfeito !!!!!

marilia carboni · Londrina, PR 14/6/2009 22:11
sua opinião: subir
Rodolfo Mendonça
 

Acabo de silenciar...
Deparei-me com o que há tanto procuro...
Eis a perfeição!!!

Rodolfo Mendonça · Areia Branca, SE 14/6/2009 22:58
sua opinião: subir
azuirfilho
 

Raiblue · Salvador (BA) ·

SILÊNCIO DE CARNE E OSSO

Verdadeira imensidão, e diante da complexidade de tudo, de tanta inteligência artificiar, de tanta apresentação virtual e, do saber atingindo as raias do sideral, sera necessário a simplicidade,
e viver a felicidade em igualdade de direitos, do silêncio de carne e osso.
parabéns.
Abração Amigo.

azuirfilho · Campinas, SP 14/6/2009 23:07
sua opinião: subir
Daniele Boechat
 

Maravilhoso e significativo. Parabéns! Bjs.

Daniele Boechat · Rio de Janeiro, RJ 14/6/2009 23:30
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

silencio em granada...nenhum silencio é tao ouvido como por nós blue,,,infelizmente

Cintia Thome · São Paulo, SP 14/6/2009 23:57
sua opinião: subir
Greta Marcon
 

É um pesadelo, quando se quer gritar e a voz não sai... quantos
sentimentos ibernados... O coração quase implodindo com o estrondoso ruido do silêncio... Um emaranhado de sentimentos...
Mas , de repente, abre-se a caixa de Pandora... Depois o som de
sax, tocando um blue... um Rai_blue...
Votado
Beijos

Greta Marcon · Ponte Nova, MG 15/6/2009 01:27
sua opinião: subir
Pessoa de Melo
 

Somos uma massa de "seres pensantes"...
Seria isso possível? Não senhores, isso não é possível!

Somos alvo de uma sociedade surda...
Que atira e depois pergunta...
Somos petrificados por corações congelados...
Somos vítimas de nossos cérebros tão bem formados.

Aqui ou ali há resistência...
Como nesse texto...
Nessa idéia Blue reside a resistência...
Sentes?

Somos um eterno minguar e encher...
O sol derreterá essa neve do teu coração Blue...
Mas ainda virão muitos invernos...

Estou assim agora também...
Não se sabe quem pensa quem...
Quando articulamos alguma idéia
pensamos estar sendo originais
basta uma rápida pesquisa (hoje mais rápida que nunca / google) para percebermos que outros são nossos espelhos
pensam como nós e até melhor que nós...

Algo que a tecnologia também vem nos tirando pouco-a-pouco...
Nossa ilusão de sermos únicos...
Somos frutos de uma revolução indústrial divina...
E como máquinas pensantes...
Maquinamos até formas de dizer:
"Eu te amo!"

Milhões de afagos em tua alma ruidosamente Blue!
Pessoa de Melo.

Pessoa de Melo · Olinda, PE 15/6/2009 02:53
sua opinião: subir
erhi Araújo
 


Rai

Sou mais o que penso ou o que escapa das grades do pensamento?..
maravilhoso grito!
Parabéns

Beijos

erhi Araújo · Feira de Santana, BA 15/6/2009 10:06
sua opinião: subir
joe_brazuca
 

Bárbaro...
Só Ele pode dar jeito nisso tudo...

beijo, Rai !...Grandes elocubrações....

joe_brazuca · São Paulo, SP 15/6/2009 13:58
sua opinião: subir
W@nder
 

Querida Raiblue.
Perfeito o seu texto e as passagens por todos os outros... impactante!
bjs.

W@nder · Rio de Janeiro, RJ 15/6/2009 15:40
sua opinião: subir
Mirtes Carvalho
 

Bluzinha querida, este grito escutei daqui.
Acho que muitas vezes imaginamos algumas coisas, sonhamos com elas, sofremos por elas mas porque direcionamos toda nossa potencialidade para um objetivo. E se este não mais existir?
Nos fomos criados tendo medo de tudo. Do pecado, de sentirmos culpados por algo que fizemos ou que NÃO fizemos.
Os consultórios estão cheios de pessoas culpadas por mil e uma coisa.
Eu sempre agi assim: Se vou ter culpa de algo... que seja pelo que fiz. Não adianta chorar encima do leite derramado. Se não tenho um SAX ouço um violão, um cavaco, ... já namorei ouvindo um trombone de vara pelo telefone...
Hoje vejo um DVD namorando...
A vida se renova a cada segundo e tem que ser vivida na mesma velocidade. Se entrar no ritmo nem vai sentir passar o tempo, e vivendo terás muitas coisas gostosas para recordar.
Hoje estava caminhando no Calçadão de Copa e ouvindo o rádio quando alguém falou: Tem que haver uma ferida na ostra, para que apareça a pérola.
Amiga querida dói, sei disso mas a pérola está sendo germinada e ela sairá lindíssima, tenho certeza disso!
Beijos neste coração e se for preciso levo um aquecedor fortíssimo para ajudar no descongelamento e este grito sair das entranhas cantando vitórias.
Bjs, Mirtes Carvalho

Mirtes Carvalho · Rio de Janeiro, RJ 15/6/2009 16:10
sua opinião: subir
RUI LÔBO
 

Magic Blue: Você tem a capacidade impar de se superar sempre. Mais um ensaio glorioso parido pelo teu infinito ventre poético. Silêncio de carne e osso. Sinal dos tempos... E que tempos... Eu quero apostar todas as minhas fichas na beleza, e você! Parabéns e Axé!

RUI LÔBO · Brumado, BA 15/6/2009 17:30
sua opinião: subir
Raiblue
 

Boa noite, meus queridos!!!

Estou,aqui, encantada com cada comentário...a intensidade...o mergulho de cada um...foi fundo...perceberam uma Blue nada blue...rs...e que bom que não se asssutaram,antes se viram ,também, inseridos no mesmo contexto...

Escrever para mim é uma forma de me aquecer....nesses tempos de tamanho congelamento.

Muito grata pelo carinho de todos...é esse estímulo que me faz querer aprender um pouquinho mais a cada dia...


Mil beijokas meio azuizinhas...rs( agora um pouco de azul voltou a pairar por aqui...)

Raiblue · Salvador, BA 15/6/2009 19:48
sua opinião: subir
camuccelli
 

Genial!!!

camuccelli · Rio de Janeiro, RJ 15/6/2009 20:43
sua opinião: subir
kfarias
 

Só faltou um som de blue, via saxofone, tocado em teto de zinco, para o silencio mudo, de carne e osso, pudesse ser de sangue e luz.
"A vida vazia, eu vazante, vazada, e a tinta vermelha escorrendo."
Ai está o atual, o presente, no futuro as estrelas do sucesso literário e poéticas estrelas azuis a brilhar nos seus olhos.
Que silencio???????


kfarias · Águas de Lindóia, SP 15/6/2009 22:11
sua opinião: subir
Rose Rocha
 

solos do silencio

A partir de um silêncio de línguas, as palavras tateiam o peito, e aflora aromas de dor, de saudade, de desejos, que trans/piram na mente em ecos dum querer que ás vezes sabota os sentidos e nos pendem no ar... e a vida respira gotas a procura do amor.

Rose Rocha · Jundiaí, SP 16/6/2009 11:35
sua opinião: subir
delen
 

E quem nunca amou calado, quando faltam palavras o coração diz tudo...Lindo trabalho...Beijokas!

delen · Cotia, SP 16/6/2009 11:40
sua opinião: subir
Ivette G.M.
 

Os enlatados da sociedade de consumo se amontoam nas prateleiras de uma sociedade cujo único objetivo é consumir, devorar. É por isso que não podemos nos deixar enlatar.
Parabéns, Ivette G M

Ivette G.M. · Cotia, SP 16/6/2009 16:00
sua opinião: subir
MaluFreitas
 

Hummm! E de repente tudo fica tão Azul...
Lindo demais. Apaixonante. Lindo texto!

MaluFreitas · Salvador, BA 16/6/2009 20:58
sua opinião: subir
ayruman
 

Hei menina. Feliz de chegar até aqui e apreciar seu inquestionável talento!
Abraços Ayrumânicos. jbconrado.

ayruman · Cuiabá, MT 16/6/2009 22:05
sua opinião: subir
Bruno Resende Ramos
 

Como sempre a Rai traz uma excepcional Obra de arte.
Grande talento.
Bração querida

Bruno Resende Ramos · Viçosa, MG 17/6/2009 09:03
sua opinião: subir
Jéfte Sinistro
 

Hoje, após uma reunião para revisão de um material e um "religioso" almoço com dois amigos, vinha eu fazer meu percurso de volta para casa em meu corriqueiro ônibus lotado.
Os fones no ouvido. Na lista de reprodução, "Opeth". Repetindo exaustivamente as mesmas músicas: "Death Whispered A Lullaby", "Demon Of The Fall", "Hours Of Wealth" e "Remember Tomorrow (Iron Maiden Cover)" como que para mergulhar profundamente na atmosfera desse mar espelhado de sons e silêncio.
De repente, passando pela catraca do ônibus, um garota. Talvez fosse "mais uma garota", não fosse pela relação do que havia escrito nas costas de sua blusa com os meus pensamentos desvairados. Em caixa alta, estava estampado: "Isoladas Reunidas" (farda de algum cursinho pré-vestibular que oferece matérias isoladas). Tais palavras tocaram profundamente a minha alma. Não pelo teor denotativo da informação, mas pela conotação que servia de suporte perfeito para os instantes de introspecção que se estendia desde a minha saída de minha casa. refletia sobre a sociedade de massa, sobre razão, emoção, escolhas, convicções e precedência de vida. "Isoladas Reunidas" descreve perfeitamente o estudo atual das pessoas. No almoço de pouco antes, entre as conversas, observava isto em especial. Sempre reunidos, quase nunca unidos...

Mas, bem, deixando de lado este meu devaneio que veio à tona devido à maestria com a qual cuidas das palavras, minha querida, incrível composição! Incrível como só tu sabes ser, meu bem. teus mergulhos são sempre precisos e nos conduzem a pensar, e sobretudo sentir, mais profundamente as nossas almas... Nossa vida é essa metamorfose ambulante perambulante entre a surdez da cidade cinza (cidade esta que às vezes sou eu, também). Vivemos a inconstância do crescer e minguar, somos primavera e outono, ora floris, ora maduros (mas com a consequência da queda...)
Magnífico, minha cara! Todos os beijos a ti, como lareira entre o frio...

Jéfte Sinistro · Cabo de Santo Agostinho, PE 17/6/2009 19:59
sua opinião: subir
Jéfte Sinistro
 

Ah, magnífica a participação do Mombojó... "Tempo de Carne e Osso" é uma de minhas músicas favoritas deles.

Jéfte Sinistro · Cabo de Santo Agostinho, PE 17/6/2009 20:00
sua opinião: subir
Jéfte Sinistro
 

Correção: " "Isoladas Reunidas" descreve perfeitamente o estado atual das pessoas.

Jéfte Sinistro · Cabo de Santo Agostinho, PE 17/6/2009 22:16
sua opinião: subir
Raiblue
 

Meu querido, Jéfte!!
Sua presença sempre muito especial,pois sei o quanto és antenado às coisas do mundo!!!

Você tem os mesmos insights que eu. De repente,uma palavra...uma imagem...uma música... qualquer coisa , dispara
altas viagens...rs...'Isoladas reunidas' reflete bem mesmo essa sociedade em que vivemos. Um aglomerado de multidão.Estamos sempre rodeados de gente,de conhecidos, mas a quem poderemos chamar mesmo de amigo? Poucos,muito poucos.
Bacana a sintonia entre o fato acontecido hoje e a sua leitura desse texto, que reflete sobre essa mesma questão(entre outras),exatamente no mesmo dia .
Isto afirma que nós não estamos apenas 'isolados reunidos', mas bem unidos, e que longe é um lugar que não existe, quando as almas se abraçam.
Estar junto não é uma questão de física ou química...rs...estar junto é uma conexão de pensamentos que estabelece uma rede de sentimentos na memória do coração...(onde vc está....)
'Mombojó' sempre me acompanhará...(graças a ti,meu querido!)
E essa canção foi que disparou esse gatilho de silêncio de carne e osso...
Muito feliz por teres vindo e sentido tão lindamente o texto!
obrigada,meu querido!Beijos blueinfinitos...


E Pessoa,temos que desautomatizar os sentimentos,antes que
que seja tarde, e tudo que reste seja um coração digitalizado, que nenhum transplante poderá restaurar...Perfeito seu comentário,meu lindo!!!! Que venham as mudanças de estação inevitáveis( e até precisas), para que 'as naturezas' possam
se reciclar e trazer de volta a vida...a humanidade quase ex_tinta...nos sombrios caminhos internos e externos...
Obrigada,querido. Beijos azuis....

Muito contente com cada expressão de sentimentos tão profundos, que tanto me emocionaram.

Que repensemos nossos mundos,e façamos grandes revoluções,começando por nós mesmos.

Obrigada a cada um, de todo coração...
beijos bluecarinhosos
Blue

Raiblue · Salvador, BA 18/6/2009 15:18
sua opinião: subir
Rudny M. C. dos Anjos
 

Nossa... soou tão triste! Essas figuras de inverno, de frio, de gelo... isso sim é cortante. Histórias deste tipo me atraem. Seu silêncio diz muito, e diz bem. É impressão minha ou este texto é um poema em forma de prosa? A lírica está bem forte, dá pra desenhar um perfil triste com essas palavras.

Rudny M. C. dos Anjos · Cuiabá, MT 18/6/2009 17:47
sua opinião: subir
Raiblue
 

Ops!Quis dizer,Jéfte,meu lindo,"um aglomerado de solidão"!
mais besitos...todos...

Oi,Rudny,prazer!Você foi bem sensível...mesmo na prosa,a poesia
transborda pelo caminho... Se sou assim? Bem, será mesmo o poeta
um fingi_dor?Eis o nosso segredo...rs
Sim,poetas sempre são seres angustiados,senão não são poetas...
como sentir sem transbordar?

Muito obrigada pelo comentário e emoção tão verdadeiros!!
volte sempre,tá?
beijos azuis...
Blue

Raiblue · Salvador, BA 19/6/2009 01:03
sua opinião: subir
marilia carboni
 

Tem poema lindo teu...la no meu blog...
http://faboni.spaces.live.com
Mil beijos!!!!

marilia carboni · Londrina, PR 20/6/2009 17:53
sua opinião: subir
Raiblue
 

Ficou muito lindo,Mari!!!!

Muito grata,minha linda!!!!

A imagem e a música ficaram bárbaros!!!

mil beijokas azuis
Blue

Raiblue · Salvador, BA 20/6/2009 19:57
sua opinião: subir
Lili_Beth*
 

Querida Rai ... Linda Blue ... Poetisa encarnada ...
Lindo postado com belas palavras (des)en_cantadas ... Vindas do divino do seu Ser.
Amei!
Beijos_Meus*
*

Lili_Beth* · Rio de Janeiro, RJ 22/6/2009 14:58
sua opinião: subir
Marcelo ShytaraLira
 

Raiblue Poeta Salteropolitana...
Muito bom, mesmo!
bjs

Marcelo ShytaraLira · São Paulo, SP 22/6/2009 20:22
sua opinião: subir
Pedro Rivero
 

Nao adianta o prazo
De que vale a idade
A fera tem seu la;o
No cora;'ao da cidade

Validade....


beijos blue...

Pedro Rivero · Bélgica , WW 27/6/2009 15:42
sua opinião: subir
Aube
 

Que saudade, Raibleuezita, que saudade!
É a sua poesia que me agita os instintos, simbolo verbal da perfeição.
Eu viajo nas tuas palavras, conheço outros mundos, puro encantamento.
Parabéns atrasado e votos carinhosos,
Aube.

Aube · Salvador, BA 28/6/2009 11:57
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados