Teorema da incompletude de Deus - conto

afernandez - ilustrações
1
arlindo fernandez · Campo Grande, MS
31/1/2007 · 101 · 16
 

Teorema da incompletude de Deus

Retrato de um gorila macho ele era. Sendo um gênio da música, desde a vila onde nasceu até o mundo, Deusdemiro ficou conhecido por Deus. Usava roupas largas, que davam a impressão de serem muito maior ainda. O virtuosismo com o violino lhe deu a oportunidade de conhecer o mundo. Concertos, sinfonias, solos, luzes, mulheres - e a glória. Depois disso, Deus ganhara a chance de ser um homem comum e viver o resto de sua vida da maneira que desejasse, inclusive longe da música, que tanto lhe fez bem.
De orelhas pequenas, olhos escondidos em supercílios grossos, o rosto era um mapa de alegria e até uma certa beleza bruta. Sorriso estampado no corpo e nas vestes, que passaram dos elegantes trajes eruditos para o popular. Camisa florida de linho, bermuda, chinelo de couro e um chapéu de palha.
Quase todas as tardes, ele bebia vinho na varanda da confortável casa que construiu perto do lago, enquanto ouvia Sergel Rachmaninov. Foi convidado a fazer parte dos arrebóis, desde a cidade até o alto da colina onde ficava o convento. Tardes e vinhos ao som do concerto número três, opus 44, ele podia alcançar o cheiro das árvores enquanto saltava feito um grilo pesado pela vasta varanda da casa. E assim foi por algum tempo.
Allegro ma non tanto, Deus passou a cultivar o hábito de ficar em casa. Deixou de ver os amigos e nunca mais ouviu Rachmaninov, só ouvia rock em inglês e ficou viciado em cigarros feitos com formigas, que viviam nos troncos das árvores de figueira-do-inferno. A planta produzia uma química cujo poder alucinógeno era consumido pelas formigas pretas, que comiam as flores, e produziam feromônios fortíssimos.
Introspectivo, agora ele ouvia a música muito alta, fumava formigas e bebia vinho enquanto caminhava pela varanda da casa. E, chapado com os acordes da guitarra de JJCale, esqueceu que era Deusdemiro, o gênio da música e o virtuose do violino. Comia enlatados e ficava seminu pela casa.
Nuage, Sallete e outras seis irmãs viviam no alto da colina. Eram freiras da ordem francesa das filhas da caridade de São Vicente de Paula. Elas vieram de Porto Príncipe, particularmente de uma favela violenta e miserável chamada Cité Soleil. Neste lugar aprenderam a lidar com as degradações humanas. Agora, como redenção, as duas francesas cuidavam de órfãos e faziam geléias de pêras e figos, que vendiam pela cidade. Sallete cuidava das embalagens e das vendas, e Nuage fazia as entregas de casa em casa.
Os pais de Nuage eram franceses, mas ela nasceu na Ilha da Martinica, em Fort-de-France. Seguiu o caminho da religião por vontade do pai, mas queria ser atriz ou cantora de óperas. Tomou gosto por fazer caridade e, aos vinte e nove anos, era um símbolo de bondade e perseverança por todos os lugares que passava. O hábito escondia sua sexualidade, deixando apenas os olhos, azuis, em realce e um rosto como uma porcelana protegida da luz. Tinha estatura pequena e era apenas isso que todos naquele lugar sabiam.
No silêncio desfolhado do arvoredo, incha o barulho dos pneus da bicicleta que vem chegando. Nuage faz entregas todas as semanas para Deus, agora confinado na grande casa perto do lago. Num misto de perversão e inocência, aqueles olhos azuis faziam os fluidos de Deus se alterarem. E, sempre sorrindo, ele comprava geléias enquanto caminhavam e conversavam ao redor da casa pela varanda. Repetidas tardes eles se encontravam. Ele agia com honestidade, eficiência e estilo, era o caçador e a presa. A fascinação exercida pelo sagrado fez com que Deus se apaixonasse profundamente pela freira. Logo, imagens codificadas surgiram ante sua visão. Seria um sonho ou um gigante sonho coletivo do qual fossemos apenas hologramas, pensava Deus, enquanto caminhava com Nuage...(abrir arquivo).

compartilhe



informações

Autoria
afernandez.
Ficha técnica
Sergei Vasilievich Rachmaninoff - compositor,pianista e maestro russo (1873-1943).
JJ Calle - Guitarrista americano.
Graveto do cão, figueira do diabo (Família dos Euphorbiácea)

O conto foi inspirado no Teorema da incompletude de Godel.

Em 1931, o matemático Kurt Godel provou seu famoso teorema da incompletude sobre a natureza da matemática. O teorema afirma que, dentro de qualquer eixo formal de axiomas, como a matemática atual, sempre persistem questões que não podem ser provadas e nem refutadas...A partir daí, segue a minha história.
afernandez


Downloads
758 downloads

comentários feed

+ comentar
Nivaldo Lemos
 

Muito bom, Arlindo. Deusdemiro fumando formigas ao som de violinos e acordes da guitarra de JJCale. Fantástico! O final talvez eu esperasse diferente... Enfim, é uma questão de estilo, mas gostei muito mesmo. Um abraço.
PS.: se quiser, dê uma espiada no meu "Boas Festas, Feliz Natal", que está na fila de votação.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 29/1/2007 11:50
sua opinião: subir
Vitória Maria
 

Brilhante...

Vitória Maria · Suíça , WW 30/1/2007 10:13
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Nivaldo!
Pensei num outro final - depois te conto.
Cara a cara com a alma de justiça, eu perguntei. Porque ela insistia em apenas existir? Ela nem respondeu, só sorriu.
Enquanto eu viver, tenho que provar que a justiça existe.
Por isso despejo senso de justiça até no ravioli a bolhonesa - com vinho.
abraços

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 30/1/2007 10:40
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Vitória!
O teu brilhante me encheu de inspiração.
Obrigado!
abraços.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 30/1/2007 10:52
sua opinião: subir
Sebastião Firmiano
 



A distancia entre pensamento e gesto é o percurso modelar
Que lapida o objeto. Deus interfere na estrutura e nos arremates.
Ainda assim não existe (eu pelo menos não acredito) obra acabada.
A música do subconsciente dita arranjos involuntários. E o super Homem
Tem que ter cuidado. Deus e o Diabo são feitos do mesmo barro.

Agora, que você escreve bem pra caralho, é fato.
Invejo.
Abraços fortes.







Sebastião Firmiano · São Paulo, SP 30/1/2007 12:46
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Firmiano!
Deus e o Diabo são feitos do mesmo barro.Essa é a ideia!
Como voce, também tenho a minha própria religião.Tenho fé na ciência.
Quero cultuar leitores como voce,Firmiano!
Não tenho palavras para agradecer o elogio.
Grande abraço.



arlindo fernandez · Campo Grande, MS 30/1/2007 19:29
sua opinião: subir
Valério Fiel da Costa
 

Oi Sebastião.

li o seu excelente texto em voz branda e com a velocidade e drama que ele exige. Uma delícia. Fui surpreendido, porém, pela famigerada "moral da estória" de suas três últimas linhas e o senti cambalear. Elimine-as por favor!!! "... Rachmaninov." Assim acaba. O resto é excesso!

Valério Fiel da Costa · São Paulo, SP 31/1/2007 14:37
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Salve Valerio!
Particularmente, acho que vc tem razão.Eu tambem não gosto de "moral da história".Neste caso deixei (aquelas 3 linhas) para explicar o "teorema de Godel". Tambem acho que devia acabar sem moral da história... (empobreceu muito o final).
Agradecido pela sugestão.
Saudações pantaneiras.

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 31/1/2007 15:24
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Valério Fiel da Costa
 

Só agora me dei conta que seu nome é Arlindo e não Sebastião. Mil perdões (confundi observando as últimas mensagens).

Valério Fiel da Costa · São Paulo, SP 31/1/2007 15:30
sua opinião: subir
jjLeandro
 


Grande Arlindo!
Perdoe-me ter votado antes, bem antes em seu conto, e só agora comentar. É que a princípio, quando votei, vi que era texto complexo e precisava de tempo para sorvê-lo, como Deus que bebia vinho, mas sem exageros para não embotar o paladar ou perder os sentidos.
Não desmerecer sua obra apenas com um comentário supérfluo. Seria uma indignidade de minha parte. Por isso, só por isso, o comentário tardio.

Magnífico poema. Muitos poderão pensar: tá louco o JJ, isso é um conto. Li-o como uma prosa poética, o que para mim realmente pareceu ser. Acredito que você ficou sem fôlego ao fazê-lo porque foi a sensação que tive o tempo todo enquanto o lia. E enquanto o lia também entrei no mundo mágico das imagens, e são muitas, que povoavam a vida e os sonhos de Deus. Aliás, tenho certeza que esse nome foi proposital: reduzir o divino à condição humana. Sabe, quando você apresentou a freira imaginei logo que ela faria o contraponto com Deus. E não seria fugir ao ideal: se ele é Deus(ser supremo – ou carrega dentro de si essa confusão – quando nos destacamos em algo (acima da média) nos aproximamos da divindidade, a justa companheira só podia ser a freira.
Mas ao final de tudo, para mim, ficou a lição de os dois: homem e mulher, Deus e Nuage, por mais que se escondessem em carapaças (ele: “Depois disso, Deus ganhara a chance de ser um homem comum”; ela: “O hábito escondia sua sexualidade, deixando apenas os olhos, azuis...”) não podiam refutar sua condição humana e suas incompletudes, suas imperfeição, das quais fugiam para tentar se aproximar – consciente ou inconscientemente – da perfeição divina.
Uma frase achei perfeita e fulcral no conto/poesia, a chave com a qual tudo se explica: ”Alguns homens perdem a memória, mas Deus perdeu o esquecimento.” Quando Deusdemiro perdeu o esquecimento, caiu na realidade humana; era realmente um homem, sujeito aos seus vícios e perversões. Resolveu seviciar Nuage.
Esse texto, sob a ótica de outros observadores, pode tomar suscitar mil outras interpretações pois é rico em imagens, idéias e nos leva a pensar, pensar e pensar. Foi pensando que o homem fez o mundo(olha o antropocentrismo!), pensou e agiu!
Enquanto lia lembrei muito de Alejo Carpentier, em especial o seu livro Reino deste Mundo, no qual num clima mágico narra as aventuras tropicais do primeiro mandatário do Haiti. Belíssimo.
Espero ler outros textos sublimes seus, pois sei que os têm. E nunca me cansarei de dizer que “a incompletude é a nossa perfeição”.

abcs

jjLeandro · Araguaína, TO 1/2/2007 10:08
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
jjLeandro
 

Tb concordo com o Valério Fiel, seu texto ficaria ainda melhor sem as três últimas linhas, finalizando em Sergel "Rachmaninov".
Sei que aqui será impossível fazer isso, pois ele já está publicado; mas o fará com certeza em seu livro.
abraços

jjLeandro · Araguaína, TO 1/2/2007 10:10
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

Salve Poeta!

”Alguns homens perdem a memória, mas Deus perdeu o esquecimento.” Quando Deusdemiro perdeu o esquecimento, caiu na realidade humana; era realmente um homem, sujeito aos seus vícios e perversões.
Perfeito.Vc foi no coração do conto. Os teus comentários são surpreendentes - são outras obras criadas no calor do momento.
Qualquer coisa que eu disser seria superfluidade de palavras.
Me resta agradecer.
abraços

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 1/2/2007 14:08
sua opinião: subir
arlindo fernandez
 

O livro
Para o livro o final foi modificado - preciso desse retorno,sempre.
Eu havia pensado em cortar e não fiz. Recebi o comentário do Valério e achei que era isso mesmo. Voce confirmou. O final da web será diferente.
saudações

arlindo fernandez · Campo Grande, MS 1/2/2007 14:15
sua opinião: subir
jjLeandro
 

Beleza, Arlindo! São escritores como você que firmam a realidade a necessidade do Overmundo. Estaremos aqui, eu quantos admiram a boa literatura, sempre a colaborar com os overamigos!
Abraços

Me realizo como se escreve um conto ou uma crônica, ou uma poesia, como vc bem disse, quando leio uma excelente obra e posso comentá-la a contento.

jjLeandro · Araguaína, TO 1/2/2007 16:49
sua opinião: subir
Rangel Castilho
 

Tanta coisa prá dizer e um nó, aqui, na garganta, um travo nas palavras.
( Aplausos )

Rangel Castilho · Anastácio, MS 2/2/2007 16:00
sua opinião: subir
Luca Maribondo
 

Ausente
Javé, nosso deus judeu-cristão, está ausente.

Luca Maribondo · Campo Grande, MS 7/2/2007 18:04
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter