Transgressão. - conto

remix por Daniel Duende da foto `BLOW´, por =hellfirediva, do deviantArt.
1
Daniel Duende · Brasília, DF
6/2/2007 · 104 · 42
 

"...Como eu disse, ele havia se tornado um homem difícil. Antes ele era disciplinado e correto, sempre vestido impecávelmente com seu terno preto e bengala com pomo de bronze. Mas com a doença, havia mudado muito. Não vestia mais seus ternos, e andava em casa com seus pijamas, ou usando alguma roupa velha qualquer. Era um homem culto, e nunca perdeu este hábito, mas sua biblioteca não tinha mais a velha organização de antes. Seus livros se espalhavam abertos sobre a mesa de leitura, suas páginas manchadas aqui e ali por respingos de diversas bebidas ou cinzas de cigarros. Já andava com alguma dificuldade, mas mesmo assim insistia em fazer seus passeios sozinho pelo parque próximo à sua casa. Certa vez caiu enquanto andava no parque e, para agravar sua situação, quebrou a perna. Aqueles foram dias difíceis, mas confesso que viajar para Santa Bárbara para cuidar de meu pai me distraía um pouco das coisas de São Paulo e de minha própria casa. Não acho que sua avó sentia minha falta nas minhas longas ausências motivadas pelos cuidados com meu pai. Seu bisavô, por outro lado, parecia feliz em me ver. Conversávamos um bocado, mas raramente sobre coisas pessoais. Não me sentia muito à vontade com ele, mesmo agora que ele deixara de ser o homem ríspido que havia me educado. Sentia-me responsável por ele e tentava zelar por sua saúde e bem estar, e os seus crescentes excessos me preocupavam. Mesmo doente, ele bebia um bocado – sempre bebidas caras, importadas, sofisticadas – e fumava sem parar. Quando os médicos o admoestaram que isso apenas piorava seu estado de saúde e abreviava ainda mais sua vida, era frequentemente grosseiro com eles."


Este é um trecho de meu novo conto, chamado Transgressão.
Depois de muito tempo sem escrever um conto novo que se prezasse, este me surgiu durante um almoço de família, enquanto conversava com minhas tias avós. Alguns de seus temas já me assombravam, querendo sair e virar narrativa, há algum tempo -- certo e errado, egoísmo e liberdade, a loucura e as mágoas familiares e, sobretudo, a imperfeição e as contradições do ser humano real. Saiu tudo em um jorro enquanto eu o escrevia, e me sinto leve e limpo agora.

Há mais um conto no forno, mas não há mais tanta pressa e angústia em terminá-lo. Agora que comecei, as histórias começam novamente a fluir.

É com esta alegria que partilho com vocês este conto, que não é perfeito nem correto, mas é muito humano.


Para ler o conto na íntegra, clique no botão de DOWNLOAD para baixar o arquivo .DOC de Transgressão.


* a foto utilizada para ilustrar o conto foi remixada a partir da foto BLOW, publicada por =hellfirediva no DeviantART.

compartilhe



informações

Autoria
Daniel Duende, fevereiro de 2007

Ficha técnica
Escrito e revisado em uma tarde.
Um exemplo querido do que chamo de "minha nova fase" literária.

Downloads
742 downloads

comentários feed

+ comentar
Daniel Duende
 

Ainda estou escolhendo uma imagem para colocar ali em cima. Não tenho nada que se preste à função nos meus arquivos, então me resta procurar em flickrs e deviantarts da vida... e tentar achar alguma coisa que não seja (C).
Ainda bem que o Creative Commons existe para nos socorrer nestas horas... :D

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 3/2/2007 02:55
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Marcos André Carvalho Lins
 

legal o texto, duende. li muito rapidamente, hoje de madrugada, mas gostei.
abs.

Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE 3/2/2007 14:11
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Que bom que gostou, Marcos. :D

Abração do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 3/2/2007 14:22
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Marcela Fells
 

Eu li ontem você sabe, e no começo achei que sria diferente, mas no fim eu acabei gostando assim mesmo.. lindo

Marcela Fells · Belo Horizonte, MG 3/2/2007 14:43
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Hey dona Manga... valeu pelo comentário, e pelos elogios. :D
'Cê sabe que curto um tantão os negocim que você escreve também, né fia? :D

Abração do Verde estrangeiro :D

Daniel Duende · Brasília, DF 3/2/2007 14:45
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Francinne Amarante
 

Caramba! 'calma e elegância...' de cara, a foto: putz...muito boa!!!
agora o conto: tu escreves bem pra caramba, heim? é um conto que 'prega' o leitor. me enrolei um pouco no parentesco.. e recomecei; daí, atenção total. quero baixar todo o conto pra ler as entrelinhas.

Francinne Amarante · Brasília, DF 3/2/2007 20:38
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Hey Francinne.... muito obrigado pelos elogios. :D
Que bom que gostou. Este conto é importante para mim, pois trata-se de algo que ao menos parece ser o início de uma nova fase produtiva. O estilo e a temática são diferentes dos meus escritor anteriores, e embora sinta-me completamente seguro com este, sempre dá um frio na barriga quando a gente começa uma coisa nova, né?

Baixe o conto sim. Ele tem muitas entrelinhas, e ontem mesmo, relendo-o pela 4a vez, encontrei mais algumas que nem mesmo eu sabia. Os personagens me contam segredos de vez em quando.

Para certos olhares, há entrelinhas perturbadoras no final...


Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 3/2/2007 20:45
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

E eu sei que os parentescos são bem complicados no conto. Não é completamente despropositado. A idéia de fazer com quem pai-filho-neto virem um continuum, como um fluxo humano único, estava em minha cabeça enquanto escrevia...

Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 3/2/2007 20:49
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Uma amiga havia me apontado alguns erros ortográficos e de digitação no texto. Já estão corrigidos agora.

Desculpem os tropeços. Foi, como eu disse, um conto que foi escrito, revisado e publicado em um espaço de menos de 4 horas. :D


Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 4/2/2007 16:10
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Ooops... o "impecavelmente" ficou acentuado no post, mas no texto está corrigido.

abraços do verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 4/2/2007 21:22
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
cris gonzalez
 

Vim ler tua "Trangressão" e concluo: estou apaixonada pelo avô da Letícia! em tempo: não me enrolei na "sarabanda parental", ao contrário, adorei ficar linkando pensamento e palavra prá pescar quem era quem, quase chorei quando ele comprou o casaco de couro e chorei quando avô e bisavô choraram abraçados. Não foi leitura. Era alguém falando comigo e contando as coisas com uma fluidez delicada e ao mesmo tempo real. Tua verve é saborosa. quero mais! Salve Duende !

cris gonzalez · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 14:57
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Puxa Cris.... que bom que gostou!
Fico emocionado quando as pessoas se emocionam com meus escritos. Ainda mais com este, que além de ter vindo bem de dentro é também a inauguração de uma nova fase de escritos para mim. Seus elogios vão não apenas para meu conto, e para a história que tentei contar, mas para meu novo momento. Isso me emociona um bocado, cara!

Um GRANDE abraço!
E se quiserdes ler mais, há alguns contos mais antigos também publicados no Overmundo.

* Reflexões sobre o fio de uma faca (um conto sobre amor, amor próprio, solidão e busca).

* A moça acenando à janela (um conto surgido de uma imagem, que serviu de catalizador para uma narrativa esperançosa sobre queda e reerguimento)

* Na Saída (um conto sobre ir embora)

* Melhores Venenos (um conto bem antigo sobre vícios e hábitos, e necessidades humanas...)

Leia-os se tiver curiosidade.
E mais uma vez, MUITO OBRIGADO pelos elogios. :D


Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 5/2/2007 15:09
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Camafunga
 

Muito bom, acho que antes da fumaça ja estava viajando com eles...

Camafunga · Pelotas, RS 5/2/2007 15:30
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Sim... é uma viagem por uma história evolutiva pessoal... :)

Abraços do Verde, e obrigado pelos elogios.

Daniel Duende · Brasília, DF 5/2/2007 15:35
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
cris gonzalez
 

Linkarei célere não só curiosa, mas encantada!
Abraço igualmente apertados.

cris gonzalez · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 15:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Boa viagem, companheira. :D

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 5/2/2007 16:05
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
toinho.castro
 

gostei muito do seu conto... o tom é muito bom, muito honesto. dava para sentí-la escrita de próprio. de grande leveza para falar de tantas dificuldades inerentes ao convívio humano. mas gostei sobretudo porque me pareceu desde o começo ser uma carta, e eu adoro cartas. não por um romantismo, mas pela eficiência que elas podem ter em transmitir o que somos.... um texto meu que não chegou a ser publicado começa justamente com uma carta... na verdade todos os seus fragmentos são uma grande carta.

e sim... a "coisa do parentesco" é ótima, mostra como estamos todos, na verdade, t˜åo misturados uns com os outros nos nossos sentimentos e como podemos estar em posições diferentes tantas vezes. ótimo.
apenas o parágrafo final é que eu achei que poderia ser suprimido, talvez porque ali descobri que não era uma carta... senti como algo a mais num texto que já estava completo e bom. no mais, cativante.

grande abraço, meu amigo.

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 5/2/2007 23:02
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Olá meu colega Toinho. Recebo com muita alegria seus elogios e de coração aberto sua crítica. E agradeço por ambos.

Mas um conto é como um filho e, seja ele como for, a gente gosta dele com um amor de pai. E como o pai que aprecia seu filho como é, aprecio este conto com seu final, que faz parte dele, que é parte do que ele era ao nascer de mim. Entendo contudo que uma vez escrito -- assim como o filho criado -- o conto pertence ao mundo, e irá tocar outros corações que não o de seu pai. E é assim, nas relações, tudo se muda. Entendo contudo que gostes dele sem seu final, e aceito que o leias assim, sem o final. Deixe para lá meu final, se assim preferes. Hey de entender com a sabedoria difícil de pai que esta é a tua relação com ele. Mas entendas e permita, por favor, que eu goste do final do conto também. É o que peço, encarecido. :)


Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 6/2/2007 15:23
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
toinho.castro
 

meu querido... gostei muito da sua resposta!! e fico feliz com ela, porque acredito muito nisso também. acho que obras de artes são mesmo como filhos ou amigos ou amores. fiquei feliz por você defender seu final com alegria e força.

seu conto me cativou e talvez um dia eu chegue até aquele parágrafo e me encontre nele também, porque o mundo está aberto, não é mesmo?!

gostaria muito que você pudesse ler outros textos meus e desse sua sincera opinião... precisamos muito ouvir o outro.

forte abraço,
toinho

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 6/2/2007 15:56
3 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Higor Assis
 

Caro Duende.

Gostei do conto muito legal de uma leveza pura. Uma passagem do texto que me deixou meio há ver navios foi quando deixou de fazer a narrativa e passou a escrever em 1º pessoa você já participando da história, foi meio bruto. Logo, voltou a leveza.

Higor Assis · São Paulo, SP 7/2/2007 08:30
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Toinho, meu caro, fico feliz que tenhas gostado da resposta. :)

Tenho mesmo um carinho paternal com minha obra, mesmo que tente como posso não ser por isso cego a suas falhas. Fico portanto muito tocado que meu conto tenha te cativado.

Prometo ler seus textos em breve. Só tenho que, antes disso, dar uma vista de olhos em todos os outros textos que comentei (minha caixa de entrada do Gmail está com uma lista enorme de coisas que não olhei anteontem e ontem) e publicar algumas coisas que tinha programadas.

E você, meu caro Higor, fico também feliz que você tenha gostado. Achei interessante que tenhas achado o conto dotado de "leveza pura", embora ache que entenda seu ponto. Não estou certo de que tenha entendido a que trecho exatamente você se refere. Poderia citá-lo para mim?

Um grande abraço do verde a todos :D

Daniel Duende · Brasília, DF 7/2/2007 12:02
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
cris gonzalez
 

licença, minutinho só:
menino verde: vá já ler seus e mails! que coisa, sô...

cris gonzalez · Rio de Janeiro, RJ 7/2/2007 12:32
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Visto e respondido, caríssima Cris. :D

Até o final do dia, haverá mais coisa publicada.
Muito obrigado pela atenção, pelo prestígio e pelo carinho.

Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 7/2/2007 13:38
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Pedro Vianna
 

Excelente o conto Daniel! Fui totalmente emaranhado na teia dos personagens, na confusão de pai, avô, bisavô. Muito bom o recurso de ruptura das vozes narrativas, o efeito é devastador. Parabéns...

Pedro Vianna · Belém, PA 19/2/2007 19:31
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Sinto-me muito honrado com seus elogios e consideração, bem como comos elogios e consideração de tantos outros colegas que se manifestaram tão positivamente sobre meu conto por aqui. É com este estímulo, e com todo o alimento literário que consumo, adicionados da gasolina da vida, que alimento a fornalha onde forjo novos escritos. Tais combustíveis se fazem particularmente preciosos nestes dias em que volto a escrever. Brindarei a todos, humildemente e em breve, com mais alguns novos escritos (como antecipei em meu blog).

Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 19/2/2007 19:50
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Daniel Duende
 

uma pequena correção. na segunda linha, quis dizer "...como os elogios...", mas uma inexplicável fome de letras após o jantar me fez comer um pequeno pedaço da frase. :D

Daniel Duende · Brasília, DF 19/2/2007 19:52
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Daniel,
Dos personagens ficou uma suave familiaridade.
E as surpresas íam-se desencandeando narração a dentro como um mergulho no imprevisível de todos ali, e de mim mesma.
Mesclando a narrativa com a minha própria história.
De inicio pensei que que´eram apenas pai e filho, e de repente tudo já estava mergulhado num mar de emoções de outras presenças, mesmo aos ausentes foi dada a oportunidade de emergir e ficar lá, fazendo parte do mesmo mar de lembranças
No último paragráfo, todos os personagens estavam mergulhados em novas transgressões.
Não tenho nenhuma palavra a mais para acrescentar, as da narrativa ainda estão imersas no meu mar de sentimentos.
Para ti, um (a)braço de mar.

Dora Nascimento · Olinda, PE 30/5/2007 17:06
sua opinião: subir
Andressa.Frós
 

nossa, adorei, muito bom mesmo!

;*

Andressa.Frós · São José, SC 1/6/2007 17:10
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Dora... minha doce e fiel leitora Dora...
Nem tenho palavras para agradecer o carinho que tens aos meus escritos. Nem tenho palavras também, para me desculpar por tanta demora para responder. Meus últimos dias foram o caos de trabalhos e coisas a fazer...

Fico feliz que tenhas se identificado tanto pelas personagens, com a história, com os sentimentos que bóiam no doce mar de liberdade que vira transgressão aos olhos daqueles que pensam que não se pode fazer o que se tem que fazer.

A vida é feita de se tomar liberdades. Quem não se liberta, é prisioneiro e só.

Beijo do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 1/6/2007 23:51
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Que bom que gostou, Andressa. Fico feliz com seu elogio.

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 1/6/2007 23:52
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Voce deveria ler Mia Couto.
Abraços

Dora Nascimento · Olinda, PE 2/6/2007 10:58
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

A sugestão está anotada, Dora.

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 2/6/2007 21:17
sua opinião: subir
ThiagoIsaac
 

Teu conto foi uma das mais poderosas experiências literárias que tive nos ultimos tempos. Talvez por me identificar MUITO como o avo/pai/filho ou ainda por estar vendo pessoas ao meu redor terem a mesma atitude do cara. De qualquer forma, você derramaos sentimentos e mistura as noções de tempo, espaço e relacionamentos com maestria. Meus parabés, e estou indo agora mesmo ler seus outros contos

ThiagoIsaac · João Pessoa, PB 21/6/2007 09:02
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Puxa, Thiago... muito obrigado pelos seus elogios! Fico muito feliz -- mesmo! -- cada vez que alguém diz que gosta do que eu escrevo. Ao ler elogios rasgados e emocionados como estes, então, eu fico até sem saber o que dizer.

Espero que goste de meus outros escritos, e se quiser acompanhar o que ando fazendo ultimamente, dá uma chegada em meu blogue O Caderno do Cluracão.

Em breve, quando tiver uma folga das correrias de trabalho, devo publicar algumas coisas novas por aqui.

Abraços apertados do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 21/6/2007 09:15
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Viu, que não sou só eu a rasgar-te elogios emocionados?
Tem hora que é foda amigo,
não dá nem pra dizer de verdade o que se passa...
As palavras, e tão permeadas de emoção...
Até hoje ainda choro e no final, sorrio nestas Transgressão

Dora Nascimento · Olinda, PE 21/6/2007 12:01
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Obrigado, Dora! Eu fico muito emocionado quando me elogiam os escritos.

Mal vejo a hora em que terei novamente tempo e paz para escrever...

Beijo do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 21/6/2007 13:40
sua opinião: subir
Dora Nascimento
 

Nem nós!

Dora Nascimento · Olinda, PE 21/6/2007 13:53
sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Duende,
só hj achei sua transgressão nete overmundo.
E confesso que viajei nas suas histórias e narração cheia
de segredos sobre quem era quem.
Gostei demais. Principalmente dos rencontros. Do avô com o Bisavô, do Avô consigo mesmo.
parabéns!
Será que quando buscamos nossa felicidade somos sempre egoístas?
não sei, mas vou levar esta pergunta comigo.
Abraços!

Roberta Tum · Palmas, TO 21/9/2007 14:44
sua opinião: subir
Remisson Aniceto
 

Alô, Daniel!
Trate de tirar o outro conto do forno e nos servir.
Se for tão saboroso quanto este, terá minha aprovação.
Um abraço.

Remisson Aniceto · São Paulo, SP 11/10/2007 12:48
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Olá pessoal.

Estou voltando ao Overmundo na medida do que meu tempo me permite. Em breve publicarei mais contos. Por hora estou me concentrando em enriquecer o Guia Overmundo com algumas dicas legais de Brasília.

Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 11/10/2007 14:11
sua opinião: subir
Georges Kirsteller
 

Excelente, Daniel! Seria ótimo se textos assim fossem lidos com mais frequencia. Bom trabalho!

Georges Kirsteller · São Paulo, SP 26/1/2008 11:55
sua opinião: subir
Daniel Duende
 

Muito obrigado pelos elogios, Georges. :)
Estou sempre pensando em voltar a publicar no Overmundo, mas ultimamente mal tenho tempo para escrever, quiçá para publicar =/

Mas vamos ver onde a vida me leva.

Obrigado novamente.
Abraços do Verde.

Daniel Duende · Brasília, DF 26/1/2008 14:21
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 41 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados