Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

Um inseto chamado esperança

1
jair · Manaus, AM
26/3/2008 · 45 · 4
 

Uma, duas, três gotas de adoçante são diluídas no líquido quente, de onde escapa uma tênue fumaça que dispersa no ar, também quente, da manhã da segunda-feira. O sorver é comedido, as mãos trêmulas e de tez desgastada tenta repousar a xícara de metal polido e de alça grosseiramente soldada, o olhar horizontal cata as folhas semi-secas das mangueiras enfileiradas ao longo da praça, encharcada pela chuva da madrugada.

O velho parece inebriar a alma com o hálito adocicado do solo molhado ao tempo em que observa uma pequena esperança debatendo-se entre formigas sôfregas e famintas, que a cada segundo arrancam um naco da sua incipiente vida: as patas, as asas, as antenas, os olhos. O inseto esvai-se lentamente, ora paira altivo, ora debate-se desesperadamente, ora resigna-se ante à força do destino.

Mergulhado no seu pequeníssimo mundo, o velho senhor, impávido, apenas contempla a cena presente. Alguém lhe disse certa vez que tudo é assim mesmo, ele não lembra direito quem foi, mas pronuncia a frase, mentalmente, diversas vezes: Tudo é assim mesmo, tudo é assim mesmo, tudo é assim mesmo...
Prosternado na sua velha cadeira de balanço, ele adormece com a frágil brisa do litoral da pequena baía que, soprando quente e úmida, acarinha seu rosto e dissipa a fumaça da xícara de café que ele ainda não sorveu.
Talvez ele acorde da sua pequena epopéia, talvez não, talvez sonhe com o inseto e a sua trajetória final debaixo de uma copa de árvore frutífera, talvez sonhe apenas com a transitoriedade da vida, ou quiçá não sonhe com nada, somente durma e pronto até o escurecer, quando acordará na penumbra, testemunhando as estrelas grandes e pequenas que simplesmente pairam no céu.

Sobre a obra

A trajetória vital da frágil esperança.

compartilhe



informações

Autoria
Jair Chagas
Downloads
526 downloads

comentários feed

+ comentar
michelly
 

Pelo que entendi, o texto mostra que no final das contas estamos sempre sós.
Será verdade?

michelly · Carauari, AM 26/3/2008 23:39
sua opinião: subir
tatto
 

OLÁ, GOSTEI MUITO!!!AGORA CONTO COM VC PARA O RAPP DO INDIVIDADO!!!E POS FAVOR ENTRE NA www.YOUTUBE.COM.BR PARA ASSISTIR MEU VIDEO:*HUMURISTA*-BRIAÇO DO ZÉ DO CORGO!!

VC JÁ TEM MEUS VOTOS!!!

tatto · Valinhos, SP 27/3/2008 21:51
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Alice Poltronieri
 

Talvez, na velhice apenas nos demos conta do enexorável... Nascemos sós... iremos embora sós...!
Gostei muito texto, uma boa reflexão.
beijuusss...votado

Alice Poltronieri · Porto Velho, RO 28/3/2008 10:25
sua opinião: subir
clara arruda
 

Comentar?
Adorei.Meu voto.

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 28/3/2008 12:18
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
pdf, 2 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados