VERSOS BALDIOS

Galeria de Mobius_Klein
1
Benny Franklin · Belém, PA
29/8/2007 · 222 · 30
 

Foto: Mobius_Klein/Flickr/Creative Commons

Se pensas como (eu) acredito
(E colhes do que semeias) naquilo que te alimenta
Através de todas as paredes inumanizadas,
Bem hás de recusar o que se vaza do suor frio das calçadas;
Do luminar dos passos em desequilíbrio de olhares,
Por vezes outras, a encharcar de ossos recozidos:
Os que arquitetam as palavras baldias.
.................

Ah! Segundo o que se ouve nas esquinas,
O barro da palavra não engravida a carne
Sem antes ponderar em despachá-la como genuflexão,
Ao purgatório das expiações maldizentes;
Ou quem sabe até espargi-la, a longes dores de si...
.................

Sei (muito bem) que o que se gala sob o papel,
É o que (se) sobra da fomedez dos passos recolhidos;
É o que (se) gema da fêmea mandíbula
Dos abomináveis aspectos das neves;
É o que (se) resta do tênue instante amortecido;
É o que (se) cospe do ventre desgalhado da partida;
É o que (se) ressurge no peito repartido –
A fúria do grito irremovível, nunca.
.................

Se pensasse como (tu) acreditas
E recolhesse do que me apraz confiscar,
Por meio de todos os estômagos desprezados.
Bem poderia (eu) içar o que jaza sob as virgens palavras
E seus corpos mui-anecrosados...
Mais do que repartir o que me abunda é o que bamboleio ao cerne:
Hímen que se origina da cambraia desnuda,
Qual amor finado em javanês
Desventurando-se infeliz à luz da imprecisão
De todos os nossos quânticos desejos.
.................

Ah! Tal a condolência tecnocrata ofertada aos mortos,
O que se vê sob os escombros das águas selvagens,
É o mesmo lodaçal que, inútil e lerdo se move
Às lágrimas recorrentes;
É o que antes de nascer
Não merece nem emprenhar-se de carne,
Tampouco julgar-se capaz de amordaçar o poeta;
Ou, de pô-lo ao reboque do purgatório
Dos sexagenários carrascos do estirão sem fim.
Ai! Não fosse a palavra gordurosa como os lábios perdidos
Da última mulher,
Oh! Meu Amor, o gozar
Calar-se-ia em prantos...
.................

Sei (de antemão) que o que se mata sob o papel,
É o que (se) exala da fragrância das orelhas entupidas;
É o que (se) vomita da noite copulada
Dos Ufos analfabetos;
É o que (se) defrauda da vagina e do instante enfraquecido;
É o que (se) governa no imo desflorado da ausência;
É o que (se) assassina no coração rejeitado –
A degola do beijo inesquecível, jamais.

Benny Franklin

compartilhe



informações

Autoria
Benny Franklin
Downloads
383 downloads

comentários feed

+ comentar
Saramar
 

De versos e homens e gritos, de beleza, dor e do que se pretende emudecedor, de tudo encontrei nestes versos.
Preciso reler, reler bem alto para perceber tudo o que "jaz sob as virgens palavras".

beijos

Saramar · Goiânia, GO 27/8/2007 16:49
sua opinião: subir
Marcos André Carvalho Lins
 

esse verso são brilhantes!!!!ofuscam qualquer um, com uma riqueza de inefáveis palavras e um dizer que , por pouco, não desacelera a alma, tornando-a carne, sobejo de si mesma.
excelente!!!!
abraços,

Marcos André Carvalho Lins · Recife, PE 28/8/2007 20:44
sua opinião: subir
André Teixeira
 

Hombre!!!

Mais uma pérola para os que buscam pérolas,
mais uma flor para os que querem jardim,
junto à concha e aos espinhos
que ferem desavisados ou salvam-lhes o prumo.

Sois um garimpador de jardins caro Benny,

GRANDE abraço!!!

André Teixeira · Aracaju, SE 28/8/2007 21:44
sua opinião: subir
Lígia Saavedra
 

Benny só vc e a poesia deixam-me assim, embevecida e apaixonada, teus versos fazem-me esquecer o mundo.
Bjs

Lígia Saavedra · Ananindeua, PA 28/8/2007 21:49
sua opinião: subir
baduh
 

Benny! São versos excelentes! Maravilhosos!
(Confissão, bem baixinho, no ouvido: tem tantos "batatinha quando nasce..." aqui no Over que eu até passo batido de muita coisa boa que está soterrada por tanta "tentativa poética"!!!)
Tremendo poema! Hoje foi o dia em que eu li, aqui no Over, três grandes, três imensos poemas, num só dia! O teu, o de Adroaldo e o de Nivaldo! Estou feliz e encantado! Meus parabéns efusivos! Lindo, lindíssimo, um canto raro.
Abração do,
Baduh

baduh · Rio de Janeiro, RJ 28/8/2007 22:10
sua opinião: subir
Nydia Bonetti
 

Mais um míssil, rompendo auroras... Abçs...

Nydia Bonetti · Piracaia, SP 28/8/2007 22:57
sua opinião: subir
Ize
 

Que maravilha Benny. Estava com saudades dos seus versos.
Como estou chegando de viagem, volto depois pra ler com mais calma e pra comentar com mais vagar o que senti lendo esses versos baldios.
Bj

Ize · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 00:00
sua opinião: subir
Gabriel Faulhaber
 

Brilhante o uso dos parênteses!
(...)É o que (se) vomita da noite copulada
Dos Ufos analfabetos
.Perfeito,mantendo seu excelente léxico.muito bm!

Gabriel Faulhaber · Juiz de Fora, MG 29/8/2007 01:25
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

barro da palavra não engravida a carne

Tudo imprimo e encho-me de saber...
Teu brilho me faz bem Benny.
Parabens, mais um paraler e reler...
Poeta das Orquideas Selvagens um abraço
forte.O.S. Henry Ford rs.

Cintia Thome · São Paulo, SP 29/8/2007 05:34
sua opinião: subir
Tati MOTTA
 

Grande poeta! Parabéns!

Tati MOTTA · Belo Horizonte, MG 29/8/2007 06:40
sua opinião: subir
Mansur
 

Você é monstro Benny! Ter um poeta como você como possibilidade de leitura cotidiana enriquece o sujeito...
Vou ler...reler...e reler...só pra esticar o prazer...
Grande abraço

Mansur · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 09:37
sua opinião: subir
Adriana Costa
 

Inquietos, perturbadores, selvagens, baldios, verdadeiros, definitivos versos... Agradeço humildemente o incomparável prazer da leitura de tua poesia.
Reverências e flores diante de tua poética@>--
Beijos pra você!

Adriana Costa · Brasília, DF 29/8/2007 11:26
sua opinião: subir
crispinga
 

Augusto dos Anjos anos 2000...Pungente, como sempre, indignado, abandonado como o "lobo na estepe"...Soltando uivos...
BJK
Cris

crispinga · Nova Friburgo, RJ 29/8/2007 12:39
sua opinião: subir
W@nder
 

Grande Benny!
Uma poesia requintada... e baldia.

Abraços.

W@nder · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 13:06
sua opinião: subir
Saramar
 

Voltei para votar. Reler, reler, reler...
beijos

Saramar · Goiânia, GO 29/8/2007 14:33
sua opinião: subir
W@nder
 

Votado!

Abraços.

W@nder · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 14:36
sua opinião: subir
Humberto Firmo
 

Teus versoss são uma luz de poste acesa em terreno baldio.
Iluminando a chegada de UFOs. Uma sentinela.

Humberto Firmo · Brasília, DF 29/8/2007 14:37
sua opinião: subir
Nivaldo Lemos
 

Benny, meu amigo,

a urdidura dos sentidos que compõem tua poesia é, como bem percebeu a Adriana, perturbadora - e, digo eu, enriquece por não ser óbvia. "O barro da palavra não engravida a carne", mas quando a poesia namora Augusto dos Anjos, Maiakóvski e Rilke, dentre outros - como a tua o faz -, o verbo torna-se a própria carne, o barro genésico das origens, o grito, no parto dolorido dos sentidos. Uma apoteose de imagens caleidoscópicas, mutatis mutandis, para serem simplesmente vividas, como a própria vida. Portanto, mais uma vez, salve, poeta! É o que posso dizer.

Um abraço.

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 15:10
sua opinião: subir
Noelio Mello
 

Amigo Benny.
A vida me ensinou que existem muitos poetas que fabricam poesias e poucos que realmente fazem poesias.
Certa vez, Castro Alves, embora exagerado na sua exclamação, ao passar pela sua amada, mirou nos seus olhos e disse-lhe: Amar-te é melhor que ser Deus, e logo seguiu seu caminho. Um segundo de inspiração revelou a intensidade do seu amor, da sua poesia.
Você, Benny, é um desses poetas que fazem poesias. Pela inspiração. Pelo talento
Abraços
Noélio

Noelio Mello · Belém, PA 29/8/2007 16:33
sua opinião: subir
BETHA
 

BENNY,
sempre surpreendente e, por mais que diga em seus versos, sempre há mais o que dizer!
"o barro da palavra não engravida a carne"
Abçs de Betha.

BETHA · Carnaíba, PE 29/8/2007 17:07
sua opinião: subir
Caio Mário
 

Talvez, Benny,
Quando já forem 2100 primaveras vividas, repletas de engenhocas nunca vistas pelos homens medianos, os nossos entes, dirão de Ti:
"Este foi Poeta. Um Grande!... Viveu a Poesia como poucos a viveram".
Abraços, Caio.

Caio Mário · Castanhal, PA 29/8/2007 17:18
sua opinião: subir
carlos magno
 

Um verdadeiro banho de poesia, amigo Benny. Maravilha, meus sinceros aplausos e abraços.
Carlos Magno.

carlos magno · Rio de Janeiro, RJ 29/8/2007 18:02
sua opinião: subir
Agenor
 

Sempre surprendente! Palavras sempre ousadas na ousadia de romper com o concreto e estabelecido.
Parabéns Poeta,
Abcs

Agenor · Aquidauana, MS 29/8/2007 18:48
sua opinião: subir
Cintia Thome
 

Benny

Votado, como diz Carlos magno banho de poesia...
Parabens sempre.

Cintia Thome · São Paulo, SP 29/8/2007 18:57
sua opinião: subir
janyarah
 

Poesia de primeira qualidade. Parabéns! inspira e motiva.
abraços.

janyarah · Santa Cruz Cabrália, BA 29/8/2007 19:03
sua opinião: subir
Sérgio Franck
 

Bem lido e votado, meu irmão.

Sérgio Franck · Belo Horizonte, MG 29/8/2007 19:36
sua opinião: subir
Renato Torres
 

mano benny,

é de fulgurações tais que se fazem em importância de além-tempo o que nos cabe como poetas: guardar as potências íntimas da palavra, insuflando-as de sopros contínuos e plurais, na intenção da poesia, ou seja, comunicar sentidos sempre em mutação - como bem apontou o nivaldo. já te falei diversas vezes do que me causa a leitura dos teus textos; sempre fico numa sensação de estar aquém de compreendê-los... mas aí lembro de clarice, e apenas os vivo, circunstanciais, ultrapassando qualquer entendimento.

abraços!

r

Renato Torres · Belém, PA 29/8/2007 21:18
sua opinião: subir
Pepê Mattos
 

Remoendo a acidez das querências encarquilhadas nas águas furtadas de quais velhos casarões, caro Benny Beat Franck? Allen palmilhando alguma lata de lixo capitalista não poderia encontrar material mais humano do que esta tua poesia urgente/insurgente. Cada vez mais sentimos-nos mais próximos do nirvana lendo tuas palavras que ferem fundo como se ponta de punhal atravessando o olho dalgum desavisado cão andaluz...

Pepê Mattos · Macapá, AP 29/8/2007 22:44
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Levi Orlando
 

Caro Benny:
Já passei várias vêzes pelo teu poema, li, reli, votei, reli de novo ... A opulência de sentidos, signos e significados que brota da tua verve poética torna sempre esse espaço exíguo para um comentário que faça jus a ela.
Grande parte dos comentários aqui já feitos são também a expressão do que eu poderia ter dito antes. Mas se eu pudesse resumir em poucas palavras, eu diria: teu poema é uma das mais belas defesas da poesia que eu possa ter lido.
Um abraço.

Levi Orlando · Porto Alegre, RS 30/8/2007 00:51
sua opinião: subir
Letícia L. Möller
 

Faço tambem minhas as palavras do Levi.
Benny, que grandeza e força tem a tua poesia.
Parabens. A ser relida, sempre.
Um abraço,

Letícia L. Möller · Porto Alegre, RS 30/8/2007 03:03
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

baixar
doc, 26 Kb

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados