DE SUCATAS E SONHOS

Luiz Antonio Cavalheiro
Débora Pessoa dando duro no atelier: sucatas viram arte.
1
Luiz Antonio Cavalheiro · Cordeiro, RJ
1/11/2007 · 124 · 5
 

Aqui cedo o lugar para um Pessoa falar sobre a outra, que também é Pessoa:

Sob o viaduto de Alcântara*, escondidas, duas vendedoras ambulantes, uma de flores e outra de doces, camuflam-se em meio à fuligem, aos jornais velhos e ao lixo...
- Tô com medo – Diz a vendedora de doces.
- Logo os rapa vão embora, fica com medo, não... – Tenta acalmar a vendedora de flores.
- Queria ser rica... – A do doce.
- Eu também, mas primeiro ser uma artista conhecida... – A das flores
‘Os rapa’ foram embora. Nunca mais as duas se encontraram. A de doces, não se sabe nada. A de flores chegou perto do sonho.

II

Débora, mais conhecida como Binha, depois de trinta anos de ‘a das flores’... agora é ‘a da sucata”. Ou como gostam de chamá-la: a mulher que transforma lixo em arte. A que eu gosto de chamar de ‘escultora do futuro’ (poderia ser de futuro, mas...). Nomeio esta artista assim, pois além de transformar sucata em arte tem uma consciência ecológica surpreendente, apesar de nem ter chegado ao final da antiga quarta série do primário. Portanto chego à conclusão que não há necessidade de muito estudo para tentar salvar o planeta, basta ser do signo de sagitário, como ela mesma gosta de dizer a todo mundo. Ama viajar, mas não pode, gostaria de ver uma baleia de verdade, mas nunca aconteceu, vive com duzentos e poucas merrecas por mês e tenta fazer de sua arte um complemento para o sustento de sua família: ela, três filhos, dois cachorros e um gato, todos amigos!
Débora chegou perto de seu sonho não por ‘ficar rica’, nota-se. Mas por se tornar uma artista, mas nem tanto conhecida. Quer dizer, aqui em nossa cidade, Cordeiro, seus trabalhos são conhecidos e elogiados. Inclusive, cheia de boas intenções, montou sozinha, um projeto para ensinar crianças de comunidades carentes a transformar lixo em arte... uma pena... o projeto não conseguiu empreendedores. Mesmo assim ela continua em sua ‘oficina’ criando formas com ferro, vidro, espelhos, garrafas, restos de bicicletas, ou qualquer outro objeto que possa agredir a natureza... se cair em suas mãos vira arte, e não presente ‘de grego’ para futuras gerações.
Débora já participou da Feira da Providência duas vezes e expõe seus trabalhos sempre que encontra uma brecha. Vender? Quase nunca. Viver de sua arte? Nem pensar. Ver com os próprios olhos os benefícios que traz a Natureza... não verá talvez os filhos quando estiverem idosos, talvez os netos... quem sabe?

III

Conversando com Binha a gente chega a milhões de conclusões sobre vida, luta, arte, dor, decepção, sofrimento, angústia, alegria... mas percebemos também que seus sonhos de viver de sua arte, viajar pelo mundo, visitar reservas florestais, ou até mesmo chegar bem perto de uma baleia já não cabem mais em suas esperanças. O que ela não sabe é que o lixo que ela não deixa ir pelo rio e chegar ao mar salvou a baleia que um dia em sonhos ela vai encontrar.

Esse texto é do talentoso escritor e nosso Overmano, Angelo Pessoa. Angelo e Débora Pessoa são primos. Família de talento!

* Alcântara é um grande bairro do município de São Gonçalo / RJ.

Hoje Débora Pessoa mora em Cordeiro/RJ

onde fica
O atelier de Débora Pessoa é um lugar simples e muito charmoso. Pra todo lugar que os seus olhos possam passear, você vai encontrar trabalhos bacanas dela e do irmão, também artista plástico Giovani Pessoa.
Esse lugarzinho muito aconchegante fica no bairro Lavrinhas, mas precisamente ao lado do Colégio Estadual Constança Soares Teixeira.
Fácil de chegar. Tendo como ponto de partida o centro de Cordeiro, basta pegar o acesso para Cantagalo e observar uma grande praça com um São Cristóvão. Você vai passar pelo Horto Oxigênio ( há o guia aqui no site) e depois seguir em direção à escola. Errou o caminho a partir daí? Lembre-se: cidade pequena... todo mundo vai te informar sobre como chegar.

Aí o endereço:

Rua Antonio Ribeiro de Moraes,27
Lavrinhas - Cordeiro/RJ
por que ir
O atelier tem peças bacanas todas em sucata. Além disso, você poderá admirar o trabalho de Débora Pessoa, que se diz iniciante, em telas. Nas telas, Débora Pessoa faz questão de imprimir seu talento com sucatas também. Ainda há belos trabalhos em tela de Giovani Pessoa, irmão da artista.
quando ir
A qualquer época do ano.
Como o atelier é também a residência de Débora, é bacana dar uma ligadinha pra marcar a visita.
quem vai
Pessoas que se interessam por arte em sucata e também por telas abstratas.
quanto custa
Os preços variam entre R$ 150 a R$ 250.
contato
Tel.: 22-25514625

Cel.: 22 - 81291171

comentários feed

+ comentar
marcelo santiago
 

super completa a sua colaboração. parabéns.

a cada dia o nível aumenta aqui no overmundo.

marcelo santiago · Sabará, MG 30/10/2007 22:51
sua opinião: subir
Matheus Muzy
 

Parabéns Luiz!
Sempre nos mostrando coisas belas e interessantes.
Um abraço!!!

Matheus Muzy · Cordeiro, RJ 31/10/2007 16:19
sua opinião: subir
crispinga
 

007 do Overmundo! Parabéns pela matéria!
BJS
Cris

crispinga · Nova Friburgo, RJ 1/11/2007 13:06
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

MUITO legal as obras!

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 2/1/2008 09:27
sua opinião: subir
ayruman
 

Genial colaboração.
Saúde e Paz.

ayruman · Cuiabá, MT 15/5/2009 15:00
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Arraia: madeira de demolição, ferros retorcidos e grelha de churrasqueira. zoom
Arraia: madeira de demolição, ferros retorcidos e grelha de churrasqueira.
Peixe Vermelho: madeira, vergalhões de construção e molas de banco de carro. zoom
Peixe Vermelho: madeira, vergalhões de construção e molas de banco de carro.
Abstrato:  ferros colhidos em entulhos. zoom
Abstrato: ferros colhidos em entulhos.
Barco e peixe: caixote de frutas, arames de cobre, madeiras e ferro. zoom
Barco e peixe: caixote de frutas, arames de cobre, madeiras e ferro.
Veleiro: parabrisa quebrado, madeira e estruturas de sombrinhas. zoom
Veleiro: parabrisa quebrado, madeira e estruturas de sombrinhas.
Esse barco é meu! Presente de meus alunos. zoom
Esse barco é meu! Presente de meus alunos.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados