Na barca, de uma margem à outra do rio...

Luís Osete
Fotografia tirada do banheiro de uma das barcas
1
Luís Osete · Juazeiro, BA
7/3/2008 · 128 · 5
 

Elas levam aproximadamente 60 dias para serem produzidas, numa colcha de retalhos de solda com 20 metros de comprimento por 4,2 metros de largura e um metro de profundidade. Terminado o empreendimento, são batizadas por seu proprietário e entregues ao sabor das marés.

Até hoje não se sabe se as cidades acordam com o ronco do motor das barcas ou se as barcas acordam com os passos apressados de seus primeiros passageiros.

O que se sabe é que às seis horas da manhã a primeira embarcação parte da margem direita do rio São Francisco, na cidade de Juazeiro (BA), em direção à cidade vizinha, Petrolina (PE), inaugurando o dia entre os primeiros raios de sol. E, até as 11 horas da noite, tudo é poesia no balanço gostoso sobre as águas do Velho Chico.

Entre 1958 e 1972, as barcas eram o principal meio de circulação da riqueza ribeirinha. A construção da barragem de Sobradinho, em 1973, esvaziou-as de gêneros de primeira necessidade e deslocou os barqueiros para o transporte diário de pessoas. Ainda na década de 70, com os constantes engarrafamentos na ponte Presidente Dutra, as barcas se apresentaram como um transporte alternativo e barato.

Um dos barqueiros que tiveram de se adaptar à nova travessia foi seu José dos Santos, marinheiro mais experiente destas bandas do São Francisco. Ele mostra orgulhoso o registro da data em que fez a Carteira de Marinheiro Fluvial de Máquinas: “30/11/1953”. “Este não é o regulamento não. É só a carteira. O regulamento é mais de 20 páginas sobre os direitos e deveres do patrão e do marinheiro”, explica seu José.

Conversa vai, conversa vem e ele sai de sua posição de timoneiro na embarcação para me apontar sua pupila: uma barca de 13 metros de comprimento por três de largura. O nome da barca não poderia ser mais emblemático: “Almirante Tamandaré”, homenagem ao patrono da Marinha do Brasil. E com a pose de um almirante, seu José sai definhando os nomes das vilas que margeiam o São Francisco.

O certo é que histórias (e estórias) de travessias não faltam, no vai-e-vem sincronizado que une as cidades em torno de uma magia colorida pela paisagem multicor do Rio São Francisco. “Olha, meu nome é José dos Santos, mas também me chamam de radiola, porque dizem que eu falo como uma radiola. E eu falo mesmo”, afirma sorrindo.

onde fica
As barcas se revezam entre as margens das cidades de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), levando e trazendo passageiros.
por que ir
Para apreciar uma das vistas mais privilegiadas sobre o rio São Francisco. Os cerca de dez minutos da travessia no balanço prazeroso das águas são suficientes para revitalizar as energias de um dia inteiro de labuta. Experiência de quem atravessa o rio praticamente todos os dias.
quando ir
Horário de funcionamento das barquinhas: seg. a sab.: das 6h às 23h e dom. e feriados: das 6h às 22h.
quem vai
A comunidade local, especialmente aqueles que moram em Juzeiro e trabalham/estudam em Petrolina e vice versa. Cerca de 4.000 pessoas fazem a travessia diariamente, numa das 10 embarcações disponíveis.
quanto custa
Valor atual da passagem: R$ 0,80.

comentários feed

+ comentar
heraldo hb /.
 

lembrei da música:
"Petrolina, Juazeiro, Juazeiro, Petrolina
Todas as duas eu acho uma coisa linda
Eu gosto de Juazeiro, e adoro Petrolina"

tá um passeio que inda num fiz, mas farei!
valeu pelo registro.

heraldo hb /. · Duque de Caxias, RJ 6/3/2008 14:13
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

lindo guia! ótimo relato!!! dps dá uma olhada ali nos links que tem um texto meu tb sobre barcas!

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 8/3/2008 11:06
sua opinião: subir
ca_co
 

Nossa,além de informativo tem uma poesia impar!valeu

ca_co · Juazeiro, BA 6/6/2008 15:03
sua opinião: subir
Luís Osete
 

valeu ca_co...

me lembro de você: antes de iniciar minha escrita no overmundo já tinha lido um texto seu no banco de cultura. muito bem articulado (e cômico), diga-se de passagem...

abraços,

Luís Osete · Juazeiro, BA 7/6/2008 13:10
sua opinião: subir
rozangela ribeiro
 

Osete,
De uma coisa é certa: quem viaja nas barquinhas... não esquece jamais e... volta!!!!
Bom! Muito bom! Bom demais!
Abraços,

rozangela ribeiro · Entre Rios, BA 3/5/2010 15:55
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Pôr do sol fotografado numa travessia zoom
Pôr do sol fotografado numa travessia
Interior de uma barca zoom
Interior de uma barca
Desembarque de passageiros em Juazeiro zoom
Desembarque de passageiros em Juazeiro
Ancoradouro em Juazeiro zoom
Ancoradouro em Juazeiro
zoom
zoom

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados