Turismo ecológico na Roselândia

Guilherme Mergen
Cachoeira situa-se no interior de Passo Fundo, a 15 quilômetros do centro
1
Guilherme Mergen · Passo Fundo, RS
25/10/2007 · 93 · 4
 

Dias nublados ou chuvosos, com temperaturas na média de 10º C. No início da manhã, o frio é ainda maior. Difícil é sair da cama – debaixo de um aglomerado de cobertas. O inverno na maioria das cidades do Rio Grande do Sul é assim. São três meses com a ponta do nariz gelada, e o resto do corpo protegido por casados de lã, gorros, luvas, mantas e mais uma série de acessórios usados na tentativa de amenizar o efeito das baixas temperaturas. Nesse período, os programas de final de semana também se modificam.

As imagens de mares, rios e lagos transformam-se em cartões postais, como uma sugestão para quando aquele temido termômetro no centro de Passo Fundo marcar temperaturas mais altas. A alternativa para a imensa seqüência de dias gelados é se esbaldar em programas caseiros, em locais fechados. Infelizmente ou felizmente, a programação gira em torno de comida, bem quente de preferência. É pinhão na chapa do fogão, chocolate quente e massa – muita massa. Para aqueles com um pouco mais de receita – eu digo financeira -, o inverno é o período ideal para subir a serra e passar uns dias em Gramado e Canela.

Por um longo período, acostuma-se a essa realidade. No entanto, quando a população começa a conviver de maneira harmoniosa com o frio, o clima muda radicalmente. As árvores voltam a ganhar folhas e aquele sol que parecia apenas passar por algumas horas – ou às vezes minutos - durante o inverno ocupa novamente o seu lugar o dia inteiro. Os programas de final de semana alteram-se mais uma vez. Aqui em Passo Fundo, a 300 quilômetros de Porto Alegre, a população sai às ruas para caminhadas e principalmente tomar o chimarrão na praça aos domingos – hábito antigo no município.

As temperaturas começam a se elevar e tornam o clima perfeito para a praia, por exemplo. Mas o mar está a mais de 350 quilômetros daqui e a água ainda está muito gelada nessa época do ano. Então, o que fazer além de ir até a praça e as caminhadas? Em meio essa dúvida, numa tarde de domingo, recebo a ligação de um conhecido: “Tem uma cachoeira com área de lazer bem escondida no interior dessa cidade, vamos?”. E para lá fomos, em grupo. O lugar está situado junto ao Parque da Roselândia, a cerca de 15 quilômetros da cidade. O percurso até um trecho é com carro e, mais tarde, somente a pé. Andamos menos de 500 metros por uma estrada, cercada de arbusto verde, composto por centenas de árvores, quando começo a ouvir aquele maravilhoso barulho de queda de água. Estávamos próximos da cachoeira. No caminho, um grupo de estudantes – o único que encontramos durante o passeio – nos antecipou um pouco da paisagem. “O lugar é lindo, maravilhoso. Vale a pena!”. E era mesmo. Aquelas águas em movimento, escondidas na vegetação, são quase uma terapia à mente humana.

Apesar de a cachoeira pertencer à área de um clube aparentemente bem familiar, o local parece abandonado. Aqueles velhos encontros de final de semana não devem ocorrer mais ao som da cachoeira. Mais longe do rio – ainda não descobri o nome – vejo cabanas para acampamento. “De vez em quando tem um pessoal que vem aqui. Mas, no passado, esse local já foi mais habitado”, conta um senhor. Por outro lado, a ausência de visitantes e o desconhecimento do lugar como um ponto de turismo ecológico contribui para um meio-ambiente mais limpo. “Isso aqui já foi bem mais sujo. Mas ainda tem quem jogue lixo nesses locais”, lamenta. Na paisagem proporcionada pela cachoeira, o fluxo de água das quedas ganha intensidade e, mais tarde, é interrompido por enormes pedras. Entre intervalos de admiração e fotos, a vontade era de se atirar naquele córrego. Mas á água estava fria. Quem diria que naquele local, cercado por mato, iria existir um lugar tão generoso com a natureza. Valeu a pena ter faltado a roda de chimarrão na praça.

onde fica
No Parque da Roselândia, a cerca de 15 quilômetros do centro de Passo Fundo. O local pertence a um clube, mas com autorização é possível visitar.
por que ir
Para conhecer um local onde a natureza proporciona cenários perfeitos. Para conhecer o interior de Passo Fundo, pouco explorado pelo turismo ecológico. Para relaxar e curtir a natureza.
quando ir
Em dias de sol, quentes, preferencialmente nos finais de semana.
quem vai
Toda família, amigos, grupos, enfim, quem tiver a fim.
quanto custa
A princípio não custa nada, mas é necessário conversar com o pessoal para a entrada ser liberada.
contato
Fone: (54) 3045 1415 ou 3045 1421
E-mail: funzoctur@pmpf.rs.gov.br ou turismo@pmpf.rs.gov.br

comentários feed

+ comentar
Thiago Camelo
 

Bem legal a dica, Guilherme. Mas me diz uma coisa: alguém se arrisca em mergulhar na cachoeira em alguma época do ano? Abraços!

Thiago Camelo · Rio de Janeiro, RJ 23/10/2007 17:07
sua opinião: subir
Felipe Obrer
 

Muito boa a fotografia que ilustra a colaboração.

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 24/10/2007 09:04
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Também gostei, essa descrição dos programas gaúchos dependendo da época do ano é curiosa... Pra boa parte do Brasil as estações não fazem grandes diferenças...

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 24/10/2007 18:33
sua opinião: subir
Roberta Tum
 

Gostei do texto. Quem sabe um dia... em Passo Fundo!
Abraço!

Roberta Tum · Palmas, TO 25/10/2007 18:27
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados