Uma temporada no Mercado Público: tarde

Jorge Adeodato
com esse calor, ninguém pára quieto às 14hs. nem a câmera do fotógrafo
1
Jorge Adeodato · Porto Alegre, RS
2/12/2008 · 97 · 9
 

Eis-me-cá. Não falei que voltava? Então...

Era um pouco menos que duas horas da tarde quando retornei de minha saída para o almoço. Precisava, nesses primeiros minutos, dar um giro bem calmo e devagar, com toda a paciência necessária à digestão. Resolvi dar uma volta no segundo piso (dispensando, agora, a escada rolante: “andar ajuda na digestão”, me dizia a vovó quando menino) pois, pela manhã, havia tomado nota mental de um negocinho a respeito de cafezinhos e doces que não poderia deixar de ir depois do almoço. Ficava no sobrepiso, então para lá eu iria.

Em meu lento passo, notei por dentro de um dos boxes um rosto familiar. Entrando, dei novamente com Paulo Naval, desta feita como peça de exposição no Memorial do Mercado. Dei com ele e tantos outros sujeitos e histórias que ergueram o local não apenas como prédio, mas como instituição popular. A mostra em exibição chamava-se “Na labuta: histórias e memórias dos trabalhadores do Mercado Público de Porto Alegre”. Caixotes empilhados serviam de painéis para quadros com fotos, textos explicativos ou excertos de material colhido na imprensa a respeito de pessoas que, quer vivas, quer mortas, vivem aquele ambiente. Uma justa homenagem, elaborada num bonito esquema de troca: em depoimento concedido para a exposição, Luis Salami (proprietário do Supermercado de Carnes Rodeio) afirma que “O balcão ensina a gente”. Um pouco do que aquelas pessoas aprenderam está, em imagens, textos e fotografias, sendo repassado a nós. Um escambo primário e rudimentar, sem fins lucrativos, onde o balcão não representa uma barreira.

A idéia dos caixotes para acomodar os quadros não poderia ser mais pertinente – caixote é o que mais há, ali, quem sabe mais até do que pessoas. Aqueles quadriláteros de madeira bem que mereciam sua parte na história do mercado, o reconhecimento de sua importância. Logo na entrada após o almoço, notei um carro repleto deles e, recostado tranquilamente ao topo, um jovem de camiseta e boné praticando a sesta que lhe cabe. Em minha timidez de fotógrafo amador, não me atrevi a uma foto. Um pouco por isso, talvez: timidez, um motivo justo. Mas, sobretudo, altruísmo: vai que ele acorda, e aí com que cara eu vou? Não dá. O sono é, de todos os instantes que compõem o dia, aquele que há para ser mais respeitado.

Meu corpo relembrava-me “Tá, e aquele cafezinho?”, forçando-me a entrar na Casa de Pelotas, aquele local do café e do docinho. O trato era o seguinte: um espresso e um doce de Pelotas, três reais. Acatei. Escolhi um tal de “Beijo de Mulata”, a saber: musse de chocolate com cobertura de chocolate, flocado com castanhas do Pará. Sentei-me, comi e fui ficando por ali. O lugar é calmo e bem iluminado. Não sei se o café, o doce, o ambiente ou os três, mas consegui abstrair todo o barulho do mercado – e mais o do Centro, que vinha da janela – e me concentrar numa bela leitura até por volta das quatro, quatro e meia.

Arrisquei uma volta pelo Centro para resolver umas pendências. Resolvidas, voltei correndo ao Mercado pois não agüentava mais esse verão primaveril. Acalorado, fui até a Banca 40 e pedi uma Bomba Royal. A “bomba”, criada na época da Segunda Guerra Mundial pelo comerciante português Manuel Maria Martins, é composta por salada de frutas, três sabores de sorvete e uma camada de nata; um pedido que costumeiramente faço quando vou ao Mercado.

Mais de seis. Satisfeito com meu feriado, decidi que era hora de voltar para casa. Peguei o ônibus e retornei para meu lar, alegre, satisfeito e feliz. Dormi cedo. Naquele dia, eu não jantei.

onde fica
O Mercado Público Central fica no centro de Porto Alegre, entre a Estação Trensurb, Praça Parobé, o Largo Glênio Pires e o Palácio Municipal.

Não me venham perguntar qual é a numeração exata da Banca 40...
A Casa de Pelotas ocupa as lojas 62 e 64.
por que ir
Porque o Memorial do Mercado mostra parte da história daquele local repleto de trajetórias populares e as dicas são dos doces e dos sorvetes mais tradicionais de Porto Alegre
quando ir
De domingo a domingo

comentários feed

+ comentar
Cristiane Neves
 

Puxa! O guia veio antes do que eu esperava.
Assim fica melhor ainda. :-)
Quero votar, mas ainda faltam 31 horas.

Mais, mais, por favor! :-D

Adorei!

Cristiane Neves · Rio Grande, RS 29/11/2008 15:01
sua opinião: subir
Cristiane Neves
 

Vo(l)tei!

Cristiane Neves · Rio Grande, RS 2/12/2008 07:16
sua opinião: subir
Jorge Adeodato
 

grato! quanto ao "mais, mais"... espera um pouco! após duas semanas de publicações incessantes, antes terei de sentar e pensar "quo vadis"?

(mas não por muito tempo, claro. um passo e já nem estamos mais lá)

Jorge Adeodato · Porto Alegre, RS 2/12/2008 08:19
sua opinião: subir
Andre Luiz Mazzaropi
 

Parabens e Sucesso !

André Luiz Mazzaropi
O Filho do Jeca
www.andreluizmazzaropi.com.br

Andre Luiz Mazzaropi · Taubaté, SP 2/12/2008 10:13
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Jorge Adeodato
 

Valeu, André! Brigadão.
Sou fã do teu pai.

Jorge Adeodato · Porto Alegre, RS 2/12/2008 10:37
sua opinião: subir
dMart
 

mas, ah, Jorge!

segue o périplo pelo centro da Capital.

agora, estes doces de Pelotas aqui em Porto Alegre são todos "fake". na boa. trendo embuste!

baita, dMart.

dMart · Porto Alegre, RS 3/12/2008 11:46
sua opinião: subir
dMart
 

digo, tremendo embuste. ehehehehe!

dMart · Porto Alegre, RS 3/12/2008 11:47
sua opinião: subir
Jorge Adeodato
 

putz...
é o preço que se paga por se morar nas capitais, hein?

Jorge Adeodato · Porto Alegre, RS 3/12/2008 16:56
sua opinião: subir
Inaldo Eleutério
 

poutz. lindo. mas é um mercado turístico ou é o mercado "bruto" mesmo?

beijão, jorges.

Inaldo Eleutério · Fortaleza, CE 7/12/2008 21:24
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

imagens clique para ampliar

Caixotes servindo de painel. Objetos comuns servindo como peças de exposição zoom
Caixotes servindo de painel. Objetos comuns servindo como peças de exposição
Laboriosus, a, um. Não, não é nome de um disco do Charles Mingus - é latim zoom
Laboriosus, a, um. Não, não é nome de um disco do Charles Mingus - é latim
Visão panorâmica da exposição zoom
Visão panorâmica da exposição
Sobremesa, bem de pertinho zoom
Sobremesa, bem de pertinho
Jantar zoom
Jantar
Primeiro foi de um italiano, depois de um português, até chegarmos ao brasileiro zoom
Primeiro foi de um italiano, depois de um português, até chegarmos ao brasileiro

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados