A Casa de Alice - de volta aos anos 90

Divulgação
A Casa de Alice
1
Blude · Vitória, ES
2/12/2007 · 127 · 6
 

O sonho de uma família feliz sempre existiu no imaginário da classe média brasileira da década de 90: estabilidade econômica, filhos educados, lazer e saúde garantida. É neste contexto que A Casa de Alice – filme de Chico Teixeira, premiado em 3 festivais internacionais de cinema – retrata de forma detalhada e sincera a vida de uma família de São Paulo, na qual descobrimos diversos mundos paralelos, cheios de segredos e crises, guiados pelo egoísmo de cada personagem e que nos levam a refletir sobre nossas vidas e famílias enquanto resquícios de uma época turbulenta da qual fazemos parte.

Com um orçamento modesto, a produção do filme conseguiu caracterizar de forma bela e sincera o apartamento em que a família vive, expondo com clareza as características de uma realidade que é pouco tratada pelo cinema nacional e que se bem trabalhada pode resultar em ótimas produções independentes.

O nível de identificação com os personagens é tão grande que a impressão que fica é que a história poderia ter acontecido com qualquer um de nós, ao nos depararmos com elementos e situações que fizeram parte da vida da maioria das pessoas: traições, quotidiano pacato, questões econômicas, desejo de ascensão social, crenças populares, entre outros conflitos familiares.

A naturalidade das atuações não só convence como nos coloca como personagem indireto da história. A brilhante atuação da protagonista Carla Ribas nos mostra uma mãe de família cansada e entediada, que procura por algo que a faça se sentir viva novamente, como reviver uma paixão da juventude, mas que além disso deve cuidar da casa, dos filhos e do marido – um homem frio e distante dentro de casa, mas que mostra seu outro lado fora dela. Os filhos, ociosos e problemáticos, vivem à margem, inertes e impotentes em relação à situação dos pais, como quando éramos crianças e apenas podíamos ver a vida passar diante de nossos olhos.

O egoísmo do ser humano é o principal tema do filme, o qual o diretor constrói mostrando a visão de cada um dos membros da casa em relação ao que acontece ao redor de si, suas preocupações, desejos e medos. Somos apresentados também aos amigos e vizinhos da família – que é composta por pai, mãe, três filhos e avó – e é aí que percebemos o quanto a família parece estar afastada da realidade, trancafiada entre as paredes do moralismo, da vergonha e da inveja, entre outros preceitos negativos da sociedade.

A cada cena, descobrimos mais segredos dos personagens, nos deixando cada vez mais ansiosos pela conclusão da história. A fragilidade do ser humano é colocada em evidência com as brigas e discussões entre irmãos e vizinhos. Até a matriarca da família, que é a única que se esforça para manter o lar que está à beira de um colapso, de pé, é fragilizada pela doença e pelo desprezo.

De forma gradual e progressiva, somos levados à epifania do filme – a grande sacada – que nos choca e nos arrebata, ao vermos tudo que já estava condenado a desmoronar, cair de vez, quando seu único pilar que ainda o sustentava é retirado. Os resquícios de esperança que poderiam haver desaparecem e então podemos finalmente voltar a realidade, por mais parecida que esta seja à do filme.

Resta apenas a nós reconhecermos nossos defeitos e dar lugar a um pouco mais de sinceridade e respeito ao próximo.


* Site oficial: www.acasadealice.com.br

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Ilhandarilha
 

Olá Blude. Colaboração boa, com texto legal! Não vi o filme, então não dá pra concordar ou não sobre o que vc fala sobre ele, mas no geral seu texto está fluindo bem e desperta a curiosidade de vê-lo. Tenho apenas algumas sugestões de edição (não se inquiete, fila de edição é pra isso mesmo!): você pode lincar algumas palavras e transformar seu texto em algo mais informativo. Por exemplo, Chico Teixeira (eu não conheço o diretor). Quando vc fala que a Casa de Alice é um filme premiado, poderia falar quais são esses prêmios (é uma informação bem importante pra quem acompanha os festivais e a cinematografia nacional), lincando sempre os festivais. Fiquei na dúvida se A Casa de Alice é um curta ou um longa, pelo menos até achar esse link que coloquei aqui no comentário. Isso poderia estar no texto.
Bem, são apenas sugestões. Abraços e parabéns pelo texto.

Ilhandarilha · Vitória, ES 28/11/2007 22:49
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Blude
 

Obrigado! Fiz algumas alterações, espero que tenha ficado melhor.
Abraços.

Blude · Vitória, ES 30/11/2007 23:52
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
victorvapf
 

Parabens pelo texto!

victorvapf · Belo Horizonte, MG 2/12/2007 19:24
sua opinião: subir
Guilherme Mattoso
 

mto bom texto. fiquei com vontade de assistir!

Guilherme Mattoso · Niterói, RJ 3/12/2007 09:45
sua opinião: subir
Fanny
 

Concordo com as anotações de Ilhandarilha. Realmente, não conheço Chico Teixeira e me parece que é uma falha grave para quem ama o cinema nacional, como eu. O texto está bem legal.

Fanny · Rio de Janeiro, RJ 3/12/2007 10:20
sua opinião: subir
Blude
 

Nada que uma consulta ao são Google não resolva. ;)

Blude · Vitória, ES 3/12/2007 12:16
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados