Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

A Cultura Supranacional

Guilherme Kujawski
Cultura armazenada em substratos extraterrenos
1
Kuja · São Paulo, SP
19/2/2007 · 136 · 12
 

Como a cultura popular é apropriada por grupos nacionalistas com o intuito de legitimar regimes autoritários? O entendimento deste mecanismo é o ponto de partida para a defesa da hipótese da cultura "supranacional", uma nuvem de sabedoria universal que pairaria acima do indivíduo e das sociedades nacionais. A cultura ficaria alocada, nesta visão um tanto quanto tresloucada, numa localidade extraterrena neutra, semelhante ao mítico espaço etéreo no qual estariam localizados os Registros de Akasha, o conjunto de todos os conhecimentos humanos e universais. Os indivíduos que conseguissem transcender as noções de "cultura" e de "sociedade" (ou só a de "cultura", já que praticamente esta substituiu a de "sociedade") teriam condições de circunscrever os vértices ideológicos e políticos de uma superestrutura cultural (na acepção marxista) e assim beber elementos da cultura universal direto na fonte.

A politização da cultura

A propaganda política se vale, não raras às vezes, de expedientes que muito poderiam interessar à comunidade psicanalítica, a saber, técnicas de manipulação de símbolos que, ao serem devidamente inculcados na massa, induzem tipos especiais de reações, muitas delas pavlovianas. Comportamentos estes que beiram a histerias coletivas similares às registradas por etnólogos que estudam comunidades tribais. O psicólogo russo Serge Tchakhotine, que analisou a fundo o tema, comparou os métodos de propaganda política nazista a um “envenenamento da alma”, não muito distantes de uma “coerção psíquica” e, no clássico A mistificação das massas pela propaganda política, escreveu outras expressões bem familiares aos profissionais do hipnotismo.

De que forma os nacionalistas se apropriam de símbolos com o intuito de manipular as massas? Numa primeira vista é óbvio os nazistas terem escolhido a suástica como emblema do Partei, um símbolo que é, ao cabo e ao final, ariano. Entretanto, há outras escolhas não tão óbvias que bebem em fontes folclóricas ou da cultura popular, sejam elas reais ou inventadas. O prato ideal para nacionalistas a procura de elementos culturais que sirvam de calço a objetivos políticos nacionalistas são os costumes, tradições e cerimoniais estagnados, em suma, práticas que se estabilizaram e se automatizaram no decorrer do tempo. Quanto mais imóvel e imutável, melhor. Os costumes vivos, mais afeitos a releituras, desconstruções e upgrades, não servem para os propósitos nacionalistas por serem alvos móveis.

As apropriações da cultura popular para fins nacionalistas não é coisa do passado. Foi assim que surgiu, na antiga Iugoslávia, o turbo-folk, um pastiche de gênero musical que virou o verdadeiro hino dos Chetniks, os nacionalistas sérvios. A introdução de elementos da Eurodance, composta por drones eletrônicos, em antigas canções do folclore sérvio provou ser uma combinação ideal para os nacionalistas xenófobos. A união kitsch entre dois gêneros musicais distintos para fins nacionalistas foi replicada no casamento de Ceca, a rainha do turbo-folk, e Arkam, o sanguinário líder de um exército paramilitar sérvio.

No caso brasileiro, qual seria a brecha cultural a ser explorada por nacionalistas? O bumba-meu-boi estaria fora de cogitação devido a sua enorme flexibilidade e dificuldade de se encontrar elementos puros em suas diversas manifestações, sejam elas do Maranhão ou do Piauí (ou outras regiões). O espetáculo Bull Dancing, concebido por Marcelo Evelin, é uma livre interpretação do auto e foi concebido ao arrepio dos nacionalistas. A história da grávida Catirina, que tem desejos de comer a língua de um boi mágico, foi traduzida com toda a força de uma expressão universalista, passível de ser lida por indivíduos pertencentes a outras culturas. Se um grupo de nacionalistas brasileiros desse um golpe de Estado, teria duas opções para "inventar" uma simbologia de identidade nacional: adotar o carnaval de sambódromo, que há muito tempo tornou-se um cerimonial estático e quase vazio de sentido; ou incorporar em sua simbologia tradições armazenadas em perdidas instâncias primitivas, como as indígenas, e assim forjar tradições puras e não corrompidas pelas "culturas hegemônicas".

Ainda não está claro como a cultura é politizada por grupos xenófobos com o intuito de forjar uma “memória nacional” – o que se constata é que costumes estáticos, sem movimento, criam brechas, pontos de irrupção para pontos de inflexão centralizadores. Ademais, o que parece estar claro são os alvos escolhidos para a perpetração das fraudes culturais: tradições que, com o excesso de repetição, tornaram-se cerimoniais vazios. E, se os nacionalistas não encontrarem tal alvo, então eles simplesmente o inventam, segundo a tese do historiador inglês Eric Hobsbawn no livro A invenção das tradições.

Cultura e sociedade

Logo, as manifestações da cultura popular devem adquirir dinâmicas que não as prendam em bunkers culturais ou regionalismos de diversos matizes que as tornem presa fácil para grupos nacionalistas. Para tanto, devem absorver uma mitologia transcultural e uma universalidade não aristotélica, elementos que dificultariam as apropriações políticas e facilitariam seu ingresso na esfera dos “bens universais”. Tal tarefa é complexa, pois implica em remover a cultura (no sentido amplo) da esfera das leis positivas e, assim, torná-las sujeitas às forças das leis naturais. O paradoxo é colocar algo que é comprovadamente fruto das atividades humanas no mesmo quadrante, por exemplo, das leis da física (melhor: da mecânica quântica). Problemas estruturais resolvidos com várias soluções em paralelo: integrais de Alaíde Costa cantando "O Jangadeiro" somando-se aos de Orson Welles filmando It's All True. Buracos de ligação espaço-temporal.

A primeira tarefa é reconstituir o conceito de sociedade à luz de uma inspiração holista e, em seguida, resistir às tentações formalistas de entender a sociedade no sentido de uma comunidade presa a agenciamentos mercadológicos, em uma manobra que associa o sistema cultural à economia capitalista. Uma das prioridades, na execução desta empreitada, é separar a noção de cultura da de sociedade – levando em conta que viver em sociedade significa fazer concessões, e, ao se falar em “concessões”, falamos eminentemente de concessões políticas. Faz-se mister, portanto, resolver a equação implícita na antinomia sociedade e cultura e formular uma crítica às políticas da cultura (e não às políticas culturais, tema alheio ao objeto da presente reflexão).

É importante ressaltar que não cabe à presente reflexão criar uma nova teoria da cultura ou entrar em detalhes discursivos sobre as grandes dicotomias que têm mobilizado o pensamento antropológico. Frisa-se apenas que a proposta de uma teoria supranacional de cultura está mais associada a uma sociedade como organismo espiritual do que a uma sociedade tal como é entendida pelos arautos da antropologia econômica. Desta forma, ensina-nos Eduardo Viveiros de Castro, a teoria proposta tenderia mais para a noção de universitas do que a de societas. Em suma, e ainda citando o antropólogo: “a cultura seria uma realidade extra-somática de tipo ideacional”.

O common cultural

Na Inglaterra e no país de Gales, em tempos de antanho, o common (de common land) era um pedaço de terra sem proprietário reservado à pastagem de animais da comunidade. O surgimento da sociedade industrial e a subseqüente introdução de propriedade privada aceleraram o desaparecimento de qualquer vestígio de "terra sem dono". Mas aqui estamos restritos ao mundo material, do qual é praticamente impossível destacar as noções de objeto e propriedade. Mas e se a noção de common fosse transposta para uma área cinzenta simbólica, para um setor de onde se originou todo o repertório cultural da humanidade? A visualização de tal substrato cultural suprabiológico e supranacional seria impossível sem os recursos da metáfora, portanto é conveniente justapor com noção de common a figura dos Registros de Akasha, uma espécie de banco de dados espiritual onde estaria armazenada, além de todo o conhecimento humano, toda a história da existência universal. E os registros têm imanência, como por exemplo, quando dois indivíduos têm a mesma criatividade em locais, circunstâncias e tempos diferentes.

Qual seria o elemento mais próximo dos Registros de Akasha nos dias de hoje? Talvez os servidores descentralizados da Internet? Ou uma ilha no Second Life? Seja onde for: longe das tradições puristas (tão caras aos Tartufos da política), livre das dicotomias antropológicas do tipo nacional e estrangeiro, tradicional e moderno, central e periférico, popular e erudito – a cultura estaria pronta para experimentar uma nova abordagem, menos racional e mais fenomenológica, menos religiosa e mais mística. O preço desta transposição é que a humanidade teria obrigatoriamente que repensar conceitos agregados à cultura, como os de autoria, estética, governo, privacidade, comércio, amor, parentesco, etc. Teria que repensar todos os sistemas de vida, enfim.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Higor Assis
 

HACKED by @KoubackTr

Higor Assis · São Paulo, SP 15/2/2007 15:55
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Kuja
 

HACKED by @KoubackTr

Kuja · São Paulo, SP 15/2/2007 17:04
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Egeu Laus
 

HACKED by @KoubackTr

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 19/2/2007 03:13
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Kuja
 

HACKED by @KoubackTr

Kuja · São Paulo, SP 19/2/2007 09:31
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Egeu Laus
 

HACKED by @KoubackTr

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 19/2/2007 10:07
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Egeu Laus
 

HACKED by @KoubackTr

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 19/2/2007 11:11
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Kuja
 

HACKED by @KoubackTr

Kuja · São Paulo, SP 19/2/2007 11:25
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Kuja
 

HACKED by @KoubackTr

Kuja · São Paulo, SP 19/2/2007 18:05
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

HACKED by @KoubackTr

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 19/2/2007 22:28
sua opinião: subir
Egeu Laus
 

HACKED by @KoubackTr

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 19/2/2007 22:45
sua opinião: subir
Kuja
 

HACKED by @KoubackTr

Kuja · São Paulo, SP 20/2/2007 10:22
sua opinião: subir
toinho.castro
 

HACKED by @KoubackTr

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 12/3/2007 01:32
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados