A Evolução da Música Eletrônica

1
Laine M. Souza · Uberlândia, MG
11/3/2007 · 190 · 15
 

A história da música eletrônica tem seu marco inicial em 1948, com a difusão do Concert de Bruits pela Radiodiffusion-Télévision Française, influência do francês Pierre Schaeffer que criou o musique concrète, onde a composição era feita a partir de ruídos gerados por toca-discos, além de incluir a manipulação sonora por meio da variação da velocidade ou do sentido de leitura das gravações.

Na mesma época o alemão Werner Meyer-Eppler realizava experiências com síntese sonora, ao mesmo tempo em que especulava sobre sua possível aplicação em música. Em 1951, Meyer-Eppler e o compositor Herbert Eimert juntaram-se a Robert Beyer, e criaram o primeiro estúdio de elektronische musik (música eletrônica). Embora usassem técnicas de gravação e montagem semelhantes às realizadas nos estúdios da RTF em Paris, essas técnicas eram aplicadas apenas a sons de origem eletrônica, gerados por osciladores elétricos.

Em 1953, Karlheinz Stockhausen passa a ser membro do estúdio e um de seus principais colaboradores, vindo a desempenhar um papel definitivo na produção da música eletroacústica e, em 1956, torna-se o primeiro a juntar vozes humanas com sons eletrônicos.
Com o surgimento dos sintetizadores, criado pelo norte-americano Robert Moog, que passaram a ser amplamente utilizados na música eletrônica, vários estúdios especializados foram abertos pela Europa, pós Segunda Guerra Mundial.

No Brasil, as experiências eletroacústicas demoram a se estabelecer. O compositor Reginaldo de Carvalho, em 1956, compôs em Paris as primeiras obras eletroacústicas brasileiras. De volta ao Brasil, Carvalho dirigiu o Instituto Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, que se tornou um centro para pesquisa e divulgação da música experimental. Foi aí que Jorge Antunes, encontra espaço para desenvolver suas pesquisas em música eletrônica, compondo no início da década de 60 as primeiras peças brasileiras realizadas com sons eletrônicos (Pequena Peça para Mi Bequadro e Harmônicos, 1961; e Valsa Sideral, 1962).

A música eletrônica começou a se popularizar com o surgimento dos sintetizadores digitais, posteriormente com os samplers, porém o “boom” ocorreu com os computadores pessoais que possuem recursos de áudio e a facilidade para se montar um home-studio, sendo possível emular as funcionalidades de instrumentos musicais ou de sintetizadores através da criação, manipulação e apresentação virtual de som.

A popularização destes instrumentos fez surgir, no mundo, diversos artistas que passaram a se dedicar exclusivamente a música eletrônica, aparecendo diversos estilos, tais como a música industrial, a música eletrônica dançante (que é a música do filme Saturday Night Fever), que se ramificou em House, Trance, Acid House, Techno, Hardcore Techno, Breakbeat, Drum ´n´ Bass, Ambient, Tribal, entre vários outros.

O Brasil possui, atualmente, alguns dos melhores profissionais da música eletrônica do mundo, transformando-se em palco para criação e desenvolvimento deste estilo musical.

Pode-se resumir a música eletrônica como “a música produzida a partir de não-instrumentos, ou de instrumentos adaptados para produzir som modificado pela eletricidade”.

Entretanto, no Brasil surgiu, recentemente, um novo estilo de música eletrônica denominada Electronic Live Music, que é a inserção e modificação do som pela eletricidade no exato momento em que a música está sendo propagada, ou seja, a música vai sendo modificada ao mesmo tempo em que está sendo executada ao vivo.

Sabe-se que a música eletrônica, até então, era a utilização de um som previamente gravado e sobre ele era utilizado o artifício da aparelhagem da música eletrônica, como, por exemplo o samplers.

Na Electronic Live Music não existe este som previamente gravado e sim, um som que está sendo criado naquele exato momento, com os instrumentos musicais de um banda, incluindo vocal e, enquanto este som está sendo produzido o DJ, simultaneamente, faz a modificação por meio de aparelhagem própria.

O grupo NoiseReaction é pioneiro neste estilo e já está revolucionando o mercado da música eletrônica. O grupo toca a musica eletrônica ao vivo, com DJ, Guitarra e vocais feminino e masculino.

Não há dúvida que a evolução da música eletrônica é a harmonia da música ao vivo simultânea ao trabalho do DJ, enriquecendo assim a produção musical.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
ronaldo lemos
 

Aí Laine, gostei de ver!

ronaldo lemos · Rio de Janeiro, RJ 9/3/2007 00:18
sua opinião: subir
toinho.castro
 

olha... acabei de chegar de três bares diferentes, mas esse assunto me interessa muito. amanhã eu voltarei aqui para ler melhor e comentar e discutir. li aqui no overmundo um texto sobre música eletrônica extremamente depreciativo, e não achei justo.
acho a música eletrônica uma das belas manifestações da cultura contemporânea. vamos conversar.

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 9/3/2007 01:29
sua opinião: subir
Laine M. Souza
 

Ronaldo, fico feliz que tenha gostado :)
Toinho... é verdade, geralmente as materias sobre a música eletrônica são depreciativa, as pessoas não sabem como surgiu e nem conhecem a importância cultural e tecnológica atras dela. Esperoq ue tenha gostado.
Aceitamos sugestões :)

Laine M. Souza · Uberlândia, MG 9/3/2007 13:35
sua opinião: subir
toinho.castro
 

sim, gostei. é uma história fascinante. gostaria de encontrar mais registros de música eletrônica erudita...

tinha um compositor americano que não trabalhava exatamente com música eletrônica mas com "música indeterminada", baseada em jogos do acaso. seu nome é john cage e ele também fez experiências com material eletrônico, eletro-acústico. você conhece? tenho muita música dele.

e é claro que eu também tento brincar, humildemente, com sons eletrônicos. ouve aqui no overmundo...

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 10/3/2007 02:34
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Grace Kelly
 

A matéria ficou ótima Laine!!!
Parabéns!!
:)

Grace Kelly · Uberlândia, MG 11/3/2007 10:29
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Pedro Vianna
 

Boa matéria. Precisamos de mais abordagens como essa para que sejam derrubados os preconceitos relativos à música eletrônica. Para mim pouco importa se a música é feita com tambores ou computadores, desde que tenha qualidade.

Pedro Vianna · Belém, PA 11/3/2007 14:27
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Moysés Lopes
 

Laine:

Parabéns pelo texto, ficou muito bom. Uma boa fonte para consulta sobre a música eletroacústica no Brasil é o artigo "The Brazilian Group for Computer Music Research", publicado por Carlos Palombini.

Um abraço,

Moysés Lopes · Porto Alegre, RS 11/3/2007 17:39
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir
Thiago Perpétuo
 

Cara Laine, boníssima a iniciativa de comentar as transformações da música eletrônica - que ainda convive com incompreensíveis doses de preconceito – o que é inconcebível num tempo em que podemos ver até grandes músicos do metal dialogando com as pick-ups. Quanto ao texto, creio que seria melhor ter se aprofundado mais na Noise Reaction, e na Electronic Live Music de uma maneira geral. Ainda assim, um bom texto.

Thiago Perpétuo · Brasília, DF 11/3/2007 17:48
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
markinho
 

valeu laine!e viva a musica eletronica

markinho · São Luís, MA 12/3/2007 04:58
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
toinho.castro
 

dá uma lida nesse texto que está na fila de edição. você vai gostar.
abraço

toinho.castro · Rio de Janeiro, RJ 12/3/2007 09:32
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
senzuralivre
 

Laine

ficou exelente
gostei

senzuralivre · Uberlândia, MG 12/3/2007 10:47
sua opinião: subir
Laine M. Souza
 

Pessoal, muito obrigada pelo apoio com a matéria. Também acho que a música eletrônica deve ser melhor estudada. Podemos gostar ou não, mas ao menos devemos saber o porquê de sua existência e o movimento cultural por trás dela.
Toinho, obrigada por mostrar a matéria do Luciano Carôso. Com certeza ficou muito mais completa.
Este é o objetivo, discutir sobre o assunto.
Tiago e Moyses, agradeço as contribuições e vi os links sugeridos. São muito bons. valeu. :)

Laine M. Souza · Uberlândia, MG 12/3/2007 11:50
sua opinião: subir
telharmonium
 

Poderia desenvolver mais o contexto histórico em que foi gerada a música eletroacústica. Tá tudo muito generalizado e sem muito fundamento. Você tem certeza que Schaeffer usou ruídos de toca-discos? Acho que seria interessante pesquisar mais quais sons ele utilizou e o porquê. Também seria legal referenciar os textos de onde vc tirou tais informações, pois há citações de outros autores.

telharmonium · Porto Alegre, RS 5/7/2007 15:58
sua opinião: subir
edy33
 

Eu li sua matéria e achei muito legal! mas eu to procurando na web sobre umas musicas eletrônicas que rolaram nos ano 90 acho que passado 2000 também não sei ao certo. mas elas eram totalmente feitas a partir de equipamentos eletrônicos e sem usar loop de de batidas existentes era totalmente eletrônico e sem fala! se puder me ajudar agradeço meu e-mail é edyneipagliari@gmail.com obg

edy33 · Dois Vizinhos, PR 12/3/2012 02:13
1 pessoa achou útil · sua opinião: subir
Sérgio Francisco
 

Achei legal o texto, mas vou comentar algumas coisas para complementar. Quando se fala em música eletrônica, a partir dos anos70, temos o movimento Kautrock na Alemanha, que deu origem ao Kraftwerk, a banda que popularizou o estilo. No início dos 80, ocorre o movimento New Romantic, e surgem bandas como Depeche Mode, Human League, Yazoo. Mas o passo mais importante na minha opinião foi quando o New Order viu que era possível juntar rock+música eletrônica, a partir daí não tinha mais limite.

Sérgio Francisco · Belo Horizonte, MG 4/7/2013 09:48
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados