A infância da consciência em prosa deliciosa (2)

Adroaldo Bauer
Fina tecitura literária
1
Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS
28/10/2008 · 119 · 10
 

Li com gosto ímpar a deliciosa narrativa de Maria Luiza Castilhos: Elvis, Che, Meu Pai e o golpe de 64.
O tema é duríssimo.
O período dramático, trágico, horrendo.
As memórias de uma criança que fará dez anos, espera um baile, talvez com a presença física mesma do Che e animado de alguma forma pelo rock brejeiro de Elvis, dão a ternura que as pessoas que amam pessoas não perdem nas relações que travam, mesmo as mais duras, mesmo as mais miseráveis.
Maria Luiza tem o pai por ídolo, como uma criança tem um pai amoroso por herói.
Um resistente ao golpe, acusado injustamente de comunista pelos golpistas (e pelos dedos-duros oportunistas adversários políticos regionais), ainda que ter opinião diversa sobre realidades e modelos sociais e modos de produção não seja crime, Artigas Castilho Puignau não era, nunca foi e não é comunista.
Eu, um jornalista no rumo da aposentadoria, acredito, mas pra milico golpista e dedo-duro você só é inocente se provar que não é culpado, nos vai revelar a trama bem tecida da linda colcha de retalhos de memória.
Quem viveu o período, em qualquer circunstância não pode deixar de ler.

Ela faria 10 anos de idade e o sonho acalentado do baile da sua fantasia é atropelado pela vista dos gorilas enfardadosm fuzis apresentados de modo ostensivo, geralemnte a baioneta calada batendo à porta da casa da família.

A narrativa da primeira grande parte da obra é da criança, em finíssima arte, inédita talvez, como especulou na apresentação que fiz da sessão de autógrafos o overmano Nivaldo Lemos.

É um olhar de como vimos, crianças, o golpe que se dava às instituições democráticas, as partes em combate puramente ideológico, retórico, prisioneiros de um lado só, as armas públicas assanhadas sobre o povo pelo trio maravilhoso regina, os governadores de Minas, Rio e São Paulo, por meia-dúzia de oficiais auto-intitulados patriotas que logo sofreram eles mesmo o golpe dentro do golpe, com o AI-5 e arrancaram de vez a máscara, entregando o patrimônio e a própria força de trabalho do povo à hegemonia da exploração estadunidense e multinacionais das quais seriam seempre consultores ou dirigentes ao custo da miséria de milhões de brasileiros que pagavam os soldos polpudos deles, que não queriam os civis em paridade ganhando feitos nababos as vantagens tantas que davam a si próprios.

Diz a narradora, a certa altura da história, que perdia o pavor de criança da circunstância inexplicável do pai encarcerado pensando que todos aqueles empolados, empinados, armados, em botas lustrosas, sob quepes e fardas, também sentavam no vaso sanitário para satisfazer necessidades fisiológicas como qualquer mortal.

É a candura ingênua e realista da menina que narra a história, diz Pedrinho Guareschi, professor, filósofo e teólogo, na apresentação desta obra que merece, eu penso, a tua atenção de leitor.

O lançamento do caprichado livro de Maria Luiza Castilhos ocorreu a 15 outubro em Porto Alegre, no Memorial do Rio Grande do Sul.

A colega Bebê Baungarten disse a respeito:
"A exemplo de outras obras surgidas recentemente e que abordam de forma delicada, porém contundente, os anos de chumbo vividos no Brasil durante a ditadura, o livro de Maria Luiza Castilhos traz um emocionante relato desse período sob o olhar de uma criança".

Elvis, Che, meu pai e o golpe de 64 está na praça pela Editora Libretos, conta uma mesma história sob óticas diferentes: com a candura ingênua e realista de uma menina e, depois, com a visão crítica de alguém que descobre suas memórias soterradas, esquecidas no tempo.

Como disse no postado sobre o lançamento, a autora é minha camarada de longa data, amiga de emoções e medos, parceira de jornadas e conquistas várias, todas lindas e preciosas lembranças nossas.
No autógrafo que me deu, posso justamente orgulhar-me do que escreveu: Querido Adroaldo, companheiro de lutas, com muito afeto e paixão! Maria Luiza.

Ela nunca cogitara de se tornar escritora até que, daquele jeito nosso, não sabendo que era impossível, foi lá e fez. E, como simples leitor, sou sincero: fez muito bem feito!

Mais de 40 anos depois, Maria Luiza volta ao tempo de menina e traz com ela todos os seus heróis: Elvis, Che e Artigas Castilhos, seu pai.

Maria Luiza Castilhos é psicóloga clínica com formação em Psicologia Social e Saúde Mental Coletiva. Foi professora da PUCRS e da ULBRA e atualmente é funcionária pública da rede municipal de saúde de Porto Alegre.



Elvis, Che, meu pai e o golpe de 64
Maria Luiza Castilhos
136 páginas
ISBN – 978-85-88412-19-4
Edição e design – Clô Barcellos/ Libretos
Fotos - arquivo pessoal da autora

Preço: R$ 25,00
Pontos de venda: Livraria Cultura, Palavraria, Palmarinca e Saraiva Mega Store

compartilhe

comentários feed

+ comentar
crispinga
 

Querido Adro,
Não sei o que aconteceu mas os comentários sumiram, por isso transcrevo-os aqui para você:
Adroaldo, meu amigo,
mais uma vez parabéns pela resenha de Elvis, Che, meu pai e o golpe de 64. Pelo que aqui li, ilustrado com palavras de quem também viu com os próprios olhos, o livro de Maria Luíza, sua amiga, revela a face mais cruel e trágica do golpe militar de 64 - a perda da inocência de muitas crianças e adolescentes brasileiros, instados ao amadurecimento temporão pela necessidade de compreender o que acontecia e até de resistir à violência incompreensível que se lhes abateu de súbito na família naquele 31 de março. Portanto, se aqui não tivemos o drama das Madres de Plaza de Mayo, como nuestros hermanos argentinos, tampouco atravessamos incólumes a tormenta como alguns ainda pensam: muitas de nossas crianças não foram literalmente 'desaparecidas' da família e adotadas pelo carrascos de seus próprios pais, como lá, mas tiveram a própria infância roubada pela tragédia que se abateu no país e no seios de suas famílias. Com a palavra Elvis, Che, Meu Pai e o golpe de 64.

A propósito, ainda não o encontrei aqui na Saraiva Mega Store do Rio Sul, no Rio, nem no site da Saraiva. Continuarei procurando.

Um forte abraço.
Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro (RJ) · 23/10/2008 11:59 alerta
Dê sua opinião! Você achou esse comentário útil?

Sua opinião:

--------------------------------------------------------------------------------
Agradecido, camarada Nivaldo, és muito bondoso com essa minha breve impressão de leitura, que se a faço mais extensa antecipo a leitura pelo leitor e arrisco reduzir a cumplicidade da pessoa que vá ler a obra com a autora.
Também sou apenas um leitor de Maria Luiza.
Ajudado pela Cintia Thomé, no comentário de apresentação do lançamento, Nivaldo, trago para cá o linque de aquisição:
Siga por esse caminho azul.
Adroaldo Bauer · Porto Alegre (RS) · 23/10/2008 14:28 alerta
Dê sua opinião! Você achou esse comentário útil?

Sua opinião:

--------------------------------------------------------------------------------
Gracias, Adroaldo.
Abraço

Nivaldo Lemos · Rio de Janeiro (RJ) · 24/10/2008 20:32 alerta
Dê sua opinião! Você achou esse comentário útil?

Sua opinião:

--------------------------------------------------------------------------------
Querido Adro,

Lembrei-me do belo filme que assistí ano passado com a Gabi, "O ano que meus pais saíram de férias", do diretor do "Castelo Ratim Bum", programa infantil que passava na TV Educativa, excelente, por sinal. A ótica dos anos de chumbo narrada por uma criança dá mais leveza sem tirar a seriedade do assunto. O mesmo acontece com "A culpa é do Fidel", a garotinha protagonista rouba a cena.
O livro de sua amiga tem tudo para virar um ótimo roteiro de cinema. Sem perder a ternura jamais...
beijos
crispinga · Rio de Janeiro (RJ) · 25/10/2008 21:51 alerta
Dê sua opinião! Você achou esse comentário útil?

crispinga · Nova Friburgo, RJ 26/10/2008 14:25
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Cris,
Explico: não obteve o primeiro postado votos suficientes. Republiquei.
Não fui a muitos perfis avisar da postagem, por absoluta falta de condições.
Grato pela recuperação dos comentários à primeira tentativa.
O sítio lincado da Saraiva está anunciando a venda.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 26/10/2008 17:04
sua opinião: subir
Compulsão Diária
 

Adro, esta resenha ´rimorosa faz querer o livro. Sou uma das crianças de 64. Perdi meu pai no dia 31 de março. Um anurisma cerebral. Décadas depois convivi com quem perdeu o pai - homem adorável que sumiu, desapareceu, nunca mais foi encontrado. Infeliz ano...sempre novo a cada texto que não deixa esquecer nosso susto. Obrigada e meus votos de desta vez a resenha seja publicada. Este Overmundo anda tão cheio de gente nova, talentosa...as filas de edição são enormes. Desculpe o atraso. Beijos

Compulsão Diária · São Paulo, SP 28/10/2008 03:56
sua opinião: subir
Circus do Suannes
 

Caro Bauer. Quando vejo um bom filme ou leio um bom texto, penso logo em certos amigos e corro a comunicar-lhes. Ainda agora vi uma belíssima peça chamada "O Eclipse", texto que certamente seria elevado às alturas se a autora não fosse brasileira. Agradeço a indicação do livro, que encomendarei à Livraria Sobrado, um dos melhores espaços literários de São Paulo.

Circus do Suannes · São Paulo, SP 28/10/2008 07:47
sua opinião: subir
Coluna do Domingos
 

Votado

Coluna do Domingos · Aurora, CE 28/10/2008 12:05
sua opinião: subir
Claudia Almeida
 

Maria Luiza Castilhos é psicóloga clínica com formação em Psicologia Social e Saúde Mental Coletiva. Foi professora da PUCRS e da ULBRA e atualmente é funcionária pública da rede municipal de saúde de Porto Alegre.

Não poderia ter outra formação um dano e tanto na criança,
minha mãe tratou de casar por amor graças a Deus mas tirou rapinho o sobrenome,um verdadeiro inferno...parabéns
beijsss
Claudinha

Claudia Almeida · Niterói, RJ 28/10/2008 13:08
sua opinião: subir
Saramar
 

Adroaldo, excelente apresentação (como sempre).

Fiquei pensando nas memórias e nos duas qualidades principais e conflitantes deste livro que você nos apresenta: a delicadeza e o tempo sombrio.
A percepção das crianças se expressa assim, de forma delicada, mesmo que aquilo que seus olhos assistem e sua alma sente seja o mais cruel dos castigos: a opressão.
Poucos adultos conseguem resgatar esta expressão, principalmente em se tratando de tema tão terrível.
Vou, certamente adquirir o livro para reencontrar esta criança nas palavras da mulher adulta.
Muito obrigada

beijos

Saramar · Goiânia, GO 28/10/2008 13:59
sua opinião: subir
Turbilhão Psicodélico
 

Olá, compareço aqui ao seu convite.
Me interessa muito a história de Che Guevara e a revolução cubana. O livro citado deve ser realmente muito bom, ainda mais sendo retratado pela filha de um cubano que resiste à prepotência de Fulgêncio. Parabéns pela descrição.

Turbilhão Psicodélico · Cuiabá, MT 29/10/2008 08:59
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Adelio deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Elvis, Che, meu pai e o golpe de 64":

Fantástico!
Na sua narrativa, a autora não nos poupa. Nos deixa presos desde a primeira página, naquele "levanta que vieram buscar o teu pai".
É impossível ler esse livro uma vez só. É impossível tentar ler com calma, demorando pra não terminar. Não tem como deixar para depois.
Obrigado, Maria Luiza, por este presente ao mundo.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 2/11/2008 23:51
sua opinião: subir
Adroaldo Bauer
 

Em algum lugar ao te convidar à leitura, turbilhão, devo ter-me equivocado, porque não se trata de uma filha do Che que ecreve, mas uma brasileira, de rosário do sul, cujo pai foi aprisionado pelos golpistas de '64 no Brasil. Pedão se te fiz incorrer em erro.
---
Saramar,
Te asseguro que é uma leitura que nos enche de ternura, ainda que de difíceis momentos nossos.

---

Agrasdedico, Claudia.

---
Honra-me teu interesse por tão singelo relato, Suanes. Grato.

---

Agradecido Cedê. Teu estímulo revigora.

Adroaldo Bauer · Porto Alegre, RS 2/11/2008 23:57
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados