A violência no Carnaval e outras ondas

PETER BRUEGEL/O Carnaval e a Quaresma
Não é a Praça Castro Alves. Garanto.
1
SILVASSA · Salvador, BA
20/2/2007 · 265 · 25
 

N√£o vou dizer que foi de todo ruim. Tenho 33 anos. Ou seja, j√° t√ī cansado e crescidinho para encarar de peito aberto a avenida. N√£o tenho mais saco nem esp√≠rito para ag√ľentar sopapos indiscriminados ‚Äď pesco√ß√Ķes vindos de sei l√° onde ‚Äď e baculejos de PM. Eles cheiravam minha m√£o, pediam meus documentos e me encaravam meio desconfiados. Tamb√©m pudera: eu tinha cabelos longos, geralmente tava meio chumbado e sempre animadinho e insistia em usar umas camisas invocadas.

Claro que tive meus grandes momentos. Onde damas e mo√ßoilas protagonizavam comigo cenas que mereciam o registro p√≥stumo para os amigos na quarta de cinzas. Naquela √©poca, a gente curava ressaca com umas cervejas no Miloca‚Äôs Bar ‚Äď qualquer hora coloco no guia. E a resenha era uma ocasi√£o m√°gica.

Os acontecimentos especiais foram infinitamente superiores aos ruins. Aos tais baculejos e tap√Ķes no p√© do ouvido. Que, afinal de contas, fazem parte da folia, a gente queira ou n√£o - e acreditem: eu gostaria muito de n√£o ter levado alguns sopapos. S√≥ acho que quem quer conforto total pode ir prum retiro, onde o caf√© da manh√£ √© bacana, segundo dizem.

Mas eis que eu, j√° meio cansado de aventuras, resolvi curtir o carnaval num dos camarotes daqui. O mais acess√≠vel financeiramente, mais pr√≥ximo do fim do percurso Barra - Ondina - uma grande vantagem em si, os daqui sabem o que eu falo ‚Äď e o que parcelava em 10 x no cart√£o de cr√©dito.

Era um presente pra minha esposa; ela gosta da folia.

N√£o tinha como eu me sentir entrosado. Um bando de mauricinhos, patricinhas, playboys, gringos gente boa e outros ‚Äúpero no mucho‚ÄĚ, povoavam o espa√ßoso local. Era realmente grande, com uma puta estrutura bem montada. Minha sorte √© que meu irm√£o mais novo aderiu √† cerveja e ao cigarro - duas modalidades ol√≠mpicas que eu larguei faz tempo ‚Äď e que meu cunhado tamb√©m resolveu praticar viradas de copos. Havia um restaurante japon√™s ‚Äď o Tak√™, muito elogiado por todos ‚Äď gar√ßons atenciosos, internet, massagistas, lanchonetes, cinema, um animador despreparado, boate, uns caras e mo√ßas fantasiados de anjo, entre outras coisas.

Quase um shopping.

E foi assim que me senti. Dentro de um vasto shopping. Ass√©ptico demais; com a frieza e a impessoalidade caracter√≠sticas das pra√ßas de alimenta√ß√£o, com aqueles garot√Ķes passeando entre vitrines, enquanto mastigam seus hamburgueres.

Não fossem os trios elétricos que paravam bem frente ao camarote, e o burburinho das pessoas, eu juro que iria procurar um bom capuccino ou as lojas Americanas.

De onde estava, dava pra ver a rua por completo. Milhares de pessoas dançavam, curtindo a festa; espremidas e felizes naquele alvoroço. Dentro das cordas, uma multidão com seus abadás coloridos; as garotas com seus shorts e os bacanas com seus bíceps. Ao redor do bloco outra multidão. Não menos feliz e animada. Acompanhava tudo, dançando e curtindo da mesma forma.

Eu li Bakunin, Proudhon, esses caras. Teria motivos suficientes para entrar numas de desbancar a festa. Poderia ficar aqui dissertando sobre ‚Äúaliena√ß√£o das massas‚ÄĚ, de como uma revolu√ß√£o socialista resolveria todos os nossos problemas. Quem sabe at√© fazer um paralelo ‚Äď numa total e descabida vontade de usar um clich√™ ‚Äď com o Panis et Circenses.

Mas n√£o d√°. Eu tenho o rabo preso. J√° pulei e curti bastante a tal folia momesca. Isso quer dizer que no caso da revolu√ß√£o triunfar um dia, eu seria justamente fuzilado ao lado dos mauricinhos de b√≠ceps avantajados e dos pagodeiros com seus penteados esquisitos. A diferen√ßa entre n√≥s seria somente notada no momento exato do fuzilamento: enquanto eles cantariam alguma m√ļsica do Chiclete com Banana, eu, certamente, entoaria Bravo Mundo Novo da Plebe Rude.

Só por uma questão de estilo.

A coisa funcionava assim: depois de passar pelo percurso, os trios e blocos paravam um pouco em frente ao camarote. Diziam frases bacanas, animavam o povo ‚Äď incluindo a√≠ meu irm√£o e meu cunhado, meio alegrinhos. Chiclete com Banana leva at√© hoje o povo ao del√≠rio coletivo, literalmente. Seguindo esse rastro vinham outras bandas menos ‚Äútradicionais‚ÄĚ: A Zorra (sim, √© um nome de banda), Psirico (idem), Rapazolla (idem ibidem), Babado Novo, entre outras. L√° embaixo, a quantidade de pessoas aumentava progressivamente, de forma assustadora.

Na maior parte do tempo todo mundo estava bem feliz. Confraternizando-se de forma até bonita. Menos eu, que ainda acho axé-music uma grande porcaria. Por isso, não era o cara mais eufórico ali. Volta e meia rolava uma briga e confusão. E a polícia surgia para resolver, lá do seu modo extremamente gentil, o problema.

A gente procura um motivo muito simplista para entender e justificar a viol√™ncia da festa. Grande parte dos argumentos que ouvi at√© hoje se resume √†s quest√Ķes sociais e comportamentais. √Č como raspar a superf√≠cie, na minha opini√£o. Toda e qualquer teoria se baseia em fatos relativamente recentes, como se o desvario e a j√° citada viol√™ncia fossem caracter√≠sticas sem nenhuma rela√ß√£o com a hist√≥ria do Carnaval. O buraco parece que √© mais embaixo, meu n√™go.

A festa surgiu antes da Era Crist√£. Segundo Jos√© Carlos Sebe *, ‚Äúnas margens do rio Dan√ļbio os romanos celebravam o culto aos gr√£os escolhendo um belo jovem que deveria viver como rei fazendo o que quisesse‚ÄĚ. Contudo, ‚ÄúDepois, o rei imagin√°rio era imolado e voltava-se a vida normal.‚ÄĚ

Ou seja, j√° era uma senhora farra.

A origem do pr√≥prio nome suscita uma confus√£o dos diabos. Ainda segundo Sebe, algumas fontes defendem que ele est√° ligado ao triunfo do Cristianismo ‚Äď que veio depois da festa -, sendo mais aceito o termo Carnevale. Algo parecido com ‚Äúadeus √† carne‚ÄĚ. Outra tese explica que a palavra "Carnaval" veio da combina√ß√£o de duas outras: carrus e navalis, que ‚Äú...sugere a festa Dionis√≠aca, onde um carro, carregando um imenso tonel, servia vinho ao povo, na Roma antiga.‚ÄĚ

Dá pra imaginar um imenso tonel de vinho circulando pelas ruas de Roma, numa época em que era divertido assistir dois sujeitos duelando até a morte ? **

No Brasil, a festa teve seu inicio com os Entrudos. O que, por si s√≥, j√° dava uma boa dor de cabe√ßa ao Estado. Ainda conforme o livro do Jo√£o ‚Äú...come√ßava a surgir o entrudo...‚ÄĚ que era um ‚Äú...jogo do come√ßo do s√©culo, aonde as pessoas iam para rua e jogavam v√°rios produtos, umas nas outras. Dentre os l√≠quidos tinha urina, perfumes, ‚Äėcaldos coloridos‚Äô conhecidos como ‚Äėsangue de diabo‚Äô. Os l√≠quidos eram acondicionados nas chamadas ‚Äėfrutas do entrudo‚Äô, ou simplesmente ‚Äėlim√Ķes‚Äô‚ÄĚ.

Em 1850, uma portaria do governo proibia o tal Entrudo. Já tinha baderneiro nessa época. Dizia a lei: “Fica proibido o jogo do entrudo. Qualquer pessoa que jogar incorrerá na pena de 4 a 12 mil-réis e, não tendo o que satisfazer, sofrerá de 2 a 8 dias de prisão. Sendo escravo, sofrerá 8 dias de cadeia, caso o seu senhor não o mandar no calabouço com 100 açoites."

Uma simpatia.

O Carnaval √© uma dessas manifesta√ß√Ķes que est√£o arraigadas na nossa cultura. Tornou-se algo inevit√°vel. Diante de sua for√ßa e beleza ‚Äď mesmo que muitas vezes distorcida ‚Äď a festa se eternizou. Ela se modifica, se transforma; mas em ess√™ncia permanece a mesma coisa: um hiato, um momento em que as pessoas se desprendem das conven√ß√Ķes sociais e dos medos. A etiqueta e as regras de conduta perdem parte de sua for√ßa. Dando lugar ao desvario que se mostra de forma violenta, enlouquecida e, por que n√£o dizer, terna.

Mesmo que sujeitos como eu iniciem uma cruzada contra a festa supostamente violenta e alienante, qualquer argumento seria vazio. O Carnaval é algo mais forte e presente do que imaginamos, enquanto olhamos displicentes à multidão segurando nossa latinha de coca-cola.

E era assim que eu me sentia. Distribuindo alguns sorrisos simp√°ticos para b√™bados desconhecidos. Enquanto l√° embaixo a coisa pegava fogo. Tentava, num relativo esfor√ßo, me imaginar l√° no meio da confus√£o, da verdadeira festa. Descobri que n√£o tenho mais saco pra tal empreendimento. J√° faz algum tempo que prefiro um canto sossegado com um livro. Ou uma farra numa mesa de bar ‚Äď uma bebedeira Dionis√≠aca ou Hom√©rica; contanto que algu√©m pague a conta. Quem sabe uns dias numa trilha, perdido no mato?

Sou um desses caras que sa√≠a com os amigos do bairro para encarar a festa de frente, mesmo achando as m√ļsicas umas merdas e presenciando cenas de pancadaria gratuita ou n√£o. O importante era cair na farra. Tirar uma onda de bacana, jogar tudo pro alto. O legal era poder ver um velho e ensimesmado professor de qu√≠mica travestido de Mulher Maravilha, tentando me agarrar em pleno Campo Grande.

O problema √© que me tornei um dos ‚Äúconvertidos‚ÄĚ. Minha profiss√£o de cozinheiro, minha barriga proeminente e o fato de n√£o ter mais f√īlego para andar uns quil√īmetros dando ‚Äúpulinhos‚ÄĚ desajeitados me transformaram num cara de h√°bitos mais singelos.

Quem sabe ano que vem eu perco a barriga e volto ao camarote. Mais disposto e empolgado. E menos intelectualóide.


NOTAS:

* Sebe, Jos√© Carlos, Carnaval, carnavais, S√£o Paulo, Editora √Ātica, S√©rie Princ√≠pios


** Admito que tal parágrafo parte de um assumido estereótipo. Nem sei se a época em que o vinho era distribuido para todos era a mesma das famosas lutas no Coliseu. Aliás, torço pra que não tenha sido.



Outras fontes:

1- Nossa História edição 16


2 - Góes, Fred de, O país do carnaval elétrico São Paulo editora Corrupio 1982.


O texto que você acabou de ler faz parte de uma série sugerida e organizada pela comunidade do Overmundo. A proposta é construir um panorama do Carnaval do Brasil, sob a ótica de colaboradores espalhados por todo o país. Para ler mais relatos sobre o assunto busque pela tag carnaval-2007, no sistema de busca do Overmundo.

compartilhe

comentŠrios feed

+ comentar
F√°bio Fernandes
 

Caro Gustavo:
nada a acrescentar. Texto sensacional, bem-humorado e informativo. Parabéns - e não deixe de pular canraval. Quem sabe eu, também de esquerda, já entrado em anos e com uma pancinha proeminente, não me junto a ti e não formamos o Bloco dos Marxistas da Madrugada? ;-D
Bom carnaval pra ti!

F√°bio Fernandes · S√£o Paulo, SP 17/2/2007 19:46
5 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Egeu Laus
 

ótimo texto, Gustavo. E me fêz lembrar que não coloquei a referências lá no Gigantes. Vou colocar já!
Grande abraço!

Egeu Laus · Rio de Janeiro, RJ 17/2/2007 22:09
4 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
SILVASSA
 

F√°bio, que tal Gr√™mio Recreativo Marxistas do √Ēba √Ēba?

forte abraço e obrigado

Egeu, outro abraço

SILVASSA · Salvador, BA 17/2/2007 22:16
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
F√°bio Fernandes
 

Sugest√£o aceita, Egeu!
Mas já lhe aviso: eu e minha mulher criamos outro "bloco conceitual" aqui em casa anteontem: é o Grêmio Semiótico Império da Subjetividade! Vai ser uma parada dura no ano que vem!
:-D

F√°bio Fernandes · S√£o Paulo, SP 19/2/2007 18:17
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Felipe Obrer
 

Fábio... quem fez a sugestão foi o Gustavo, autor da colaboração... deves ter passado meio rápido por aqui...
Fora isso... gostei (palpitando "de fora") desse Grêmio Semiótico Império da Subjetividade...

E viva a lupa!

Abraços.

Felipe Obrer · Florian√≥polis, SC 19/2/2007 23:07
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Pedro Vianna
 

Grande texto....

Pedro Vianna · Bel√©m, PA 20/2/2007 11:32
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Monica Santos
 

Valeu a descrição, Gustavo. E se serve de alento (já que você falou em idade), o decurso do tempo não implica só em saturação disso tudo, mas, acima de tudo, de uma maior compreensão e opção pela chamada qualidade (nas escolhas).
Um outro ponto do teu texto merce destaque, √© quanto √† famosa "revista pessoal" (no meu idioma, invas√£o, mesmo), que inverte as posi√ß√Ķes e nos coloca na condi√ß√£o de suspeitos, pra dizer o m√≠nimo, pr√°tica que lamentavelmente n√£o √© exclusiva da √©poca momesca.
N√£o sou contra os m√©todos de seguran√ßa e suas precau√ß√Ķes. Mas at√© os mais desavisados conhecem os recursos tecnol√≥gicos menos invasivos/agressivos j√° √† disposi√ß√£o (detectores), mas pouco usados pelo investimento que imp√Ķem.
Então, nos resta sublimar (é pouco)? Tanto mais quando os anos e o estilo apontam pra uma outra folia, né?
Abraço.

Monica Santos · Jo√£o Pessoa, PB 20/2/2007 18:14
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Débora Medeiros
 

Gostei muito da maneira como você organizou o texto. Inteligente misturar contexto histórico, remanescências, presente e crítica.

N√£o sou muito f√£ do Carnaval. Pra mim, √© s√≥ mais um feriad√£o pra relaxar em casa. Agora, com as f√©rias malucas da universidade, nem mais isso, j√° que o m√™s de fevereiro inteiro virou um feriad√£o pra relaxar em casa, hehe! Mas achei interessante sua vis√£o de camarote da festa. Ainda mais que sempre fui curiosa pra saber como √© dentro desses camarotes, mesmo n√£o tendo a m√≠nima vontade de freq√ľentar um.

D√©bora Medeiros · Fortaleza, CE 20/2/2007 18:31
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
SILVASSA
 

Felipe e pedro valeu pela vinda e pelos elogios.

M√īnica, de fato, o que chamo de "baculejo" (eu somente n√£o, todos que conhe√ßo) n√£o deixa de ser uma forma pra l√° de escrota de se descobrir quem √© mocinho e quem √© bandido.

também não sou contra os métodos de precaução. contanto que eles não considerem todo cabeludo um criminoso em potencial. e era isso que rolava mesmo. abraços


Débora, carnaval é algo bacana sim. tente algum dia. como aqui é quase uma semana de festa, você pode curtir uns dois ou três e descansar merecidamente o resto. abraços.



SILVASSA · Salvador, BA 20/2/2007 19:53
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Carlos ETC
 

√ďtimo texto, Gustavo!
Penso em escrever algo assim, também sobre o Carnaval (só que do Pelourinho).

Carlos ETC · Salvador, BA 20/2/2007 20:13
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Pepê Mattos
 

N√£o d√° para ser contra o Carnaval, em qualquer dire√ß√£o que se leve a cr√≠tica. Ou d√°? N√£o importa. A favor ou contra nossas posi√ß√Ķes em nada v√£o mudar o que o Carnaval hoje √©. Carnaval e Futebol, dois s√≠mbolos da brasilidade, j√° foram mais que dissecados por especialistas. Tudo o que j√° escreveram sobre esses assuntos n√£o esgota, obviamente, qualquer cr√≠tica ou posicionamento que surja. Tamb√©m me coloco entre os que leram Proudhon, Bakunin, Malatesta, os Beatniks, e portanto se n√£o sou de esquerda (sic) sou um estranho no ninho quando o assunto √© festas populares com forte apelo pov√£o - express√£o em desuso. N√£o dan√ßo, n√£o bebo mais, leio em demasia, ou√ßo rock e jazz idem. Estou mais pra ET convertido. Mas o Carnaval s√≥ me lembra que √© um daqueles emblemas do Brasil que √© dif√≠cil de entender. De imediato s√≥ d√° pra dizer que √© um feriado, dentre os tantos que paralizam o pa√≠s. Depois nos irritamos quando os gringos nos chamam de lenientes. A√≠ surge um brasilianista da hora e sintetiza que esse √© um tra√ßo de nossa personalidade, advinda de nossa coloniza√ß√£o. Teorias √° parte, nenhuma delas invalida meu pensamento anteriormente citado. De pa√≠s do Carnaval √† p√°tria de chuteiras: dormimos sambando, acordamos dentro do Maraca vazio, ap√≥s os petardos do Gigghia.

Pep√™ Mattos · Macap√°, AP 20/2/2007 21:02
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Hermano Vianna
 

excelente texto - boa a supresa de v√™-lo merecidamente no topo da nossa home, sem que eu o tenha lido nem na fila de edi√ß√£o nem na de vota√ß√£o, coisa rara de acontecer comigo aqui no Overmundo - os melhores carnavais da minha vida eu passei ou na Varginha, povoado do munic√≠pio de Santo Ant√īnio do Leverger, perto de Cuiab√°, ouvindo cururu e siriri e seguindo a prociss√£o de Santa Gertrudes (!), ou na pra√ßa Castro Alves, em 1986 e 87 (os carnavais coordenados por Waly Salom√£o, quando apareceram o fricote de Lu√≠s Caldas e o Fara√≥ do Olodum, para a fascina√ß√£o de toda a cidade. N√£o havia camarotes: eu brincava que a sala vip era a escada que dava na est√°tua do Castro Alves, onde toda noite a gente podia encontrar Gil e Caetano. Mas n√£o tenho nostalgia: o tempo n√£o p√°ra...

Quanto √† rela√ß√£o entre festa e viol√™ncia: o buraco √© mais embaixo mesmo: posso recomendar a leitura do cap√≠tulo 1 do meu O Baile Funk Carioca? N√£o √© nem um bom texto: mas apresenta um resumo f√°cil de ler (apesar de cita√ß√Ķes em ingl√™s e franc√™s) daquilo que a antropologia j√° se aventurou a falar sobre o assunto...

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 20/2/2007 21:34
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
SILVASSA
 

Carlos, v√° fundo. O pelourinho d√° um bom caldo. Ou um bom texto, tanto faz.

Pepê, tentar entender o Carnaval realmente é complicado. Por mais que surjam teorias, estudos e similares.

A minha aceita√ß√£o do Carnaval n√£o √© por ser ela inevit√°vel.Apesar de tamb√©m me sentir um ET como voc√™ em grande parte dessas festas, t√ī numas de enxergar a ess√™ncia. Acima dos trios, da m√ļsica (a tal ax√©-music), da viol√™ncia e coisa e tal, fico com imagens parecidas com a de meu querido Edmar.

Quem é Edmar? O meu já citado professor de química da época do segundo grau. Ele tava uma graça de Mulher Maravilha.


Hermano, muitíssimo obrigado mesmo pelos elogios. Não posso deixar de citar uma ponta de inveja de sua figura, quando você fala de carnavais coordenados por Waly Salomão. Não pela nostalgia (em meu caso sem pé nem cabeça, já que não tava lá na mesma época que você) mas por não ter podido ver e presenciar um carnaval desse tipo.

Alguns queridos amigos de vez em quando falam de como era bacana ver Moraes, Pepeu e Baby no trio elétrico. De novo, a tal inveja...


Vou dar uma lida sim no O Baile Funk Carioca

abçs a todos

SILVASSA · Salvador, BA 21/2/2007 09:18
4 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Manoel Moreno
 

Olá Gustavo. Gostei do seu texto. Esse desconforto com o carnaval não é só seu - a folia exagerada do pessoal chega mesmo a irritar. No entanto, tem uma beleza que se prende aos ritmos que é inegável. E cada localidade deste nosso país tem características ritmicas que são especiais. Viva o ritmo e vamos em frente que o pessoal está com as baterias soltando faíscas. Abrçs Manoel

Manoel Moreno · Rio de Janeiro, RJ 21/2/2007 13:31
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Nando Neris
 

Com certeza com muita energia e alegria, e sem a barriguinha saliente, que meus 20 anos ainda n√£o deixaram mostrar, confesso que n√£o entendo o relato tantas vezes descrito sobre a festa. Afinal, pra quem realmente n√£o gosta, ou deixou de gostar, ocasi√Ķes como essa simplesmente passam em branco.
Mas o artigo foi bom, meu pai gostou também e pediu pra eu votar, e como gosto do meu pai, um pontinho.
Abraços

Nando Neris · S√£o Paulo, SP 21/2/2007 13:38
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
monica grisi
 

Gustavo, troquei o Carnaval de Salvador por uma trilha no Vale do Cap√£o, por motivos semelhantes aos seus.
Agora que estou lendo o seu texto sei bem por que fui capaz disso, mesmo que muitos tenham me considerado uma louca traidora.

monica grisi · Salvador, BA 21/2/2007 16:46
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Gabriela de Andrade
 

Oi Gustavo, como novata do overmundo posso dizer que esse lugar só tem me trazido surpresas boas. Seu carnaval é uma delas.
Estive em Salvador há uns 5 anos para um encontro de estudantes de Produção Cultural na UFBA (na época eu era estudante da UFF, aqui no Rio), não era tempo de carnaval e tão pouco eu procurava por ele, já que aos 13 anos havia tido uma experiência com o mesmo em Porto Seguro que me fez voltar pro Rio pulando que nem pipoca (e já estava de bom tamanho porque me foram muitos quilos nessa brincadeira). Gostei do texto, só não cheguei à conclusão se o melhor lugar do carnaval em Salvador é no camarote ou na pista.... no shopping ou no saara?

Gabriela de Andrade · Rio de Janeiro, RJ 21/2/2007 17:17
3 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
SILVASSA
 

Manoel. Concordo contigo. Ainda mais aqui em Salvador onde a festa se prolonga pelo ano todo (e não se trata de piada! já tão anunciando as famosas "ressacas" depois vêm as "saideiras" e logo após vem o São João; lá para julho começam os "ensaios"). No mais tem a tal beleza que você fala. E é isso que tá importando pra mim na abordagem do texto.

Nando, seu pai é gente boa. Manda um abraço pra ele.

E a barriguinha nem se preocupe: ela vem com o tempo, l√° pelos vinte e oito, mais ou menos.

Monica, eu te invejo. Já passei um carnaval ao pé do Morro do Camelo, numa noite e na outra acampado no Morrão. Fabuloso, fantástico. Me senti o próprio Ermitão.

Capão é outro lugar fantástico. E não tem essa de louca traidora não. Mil vezes um esquema desses que Durval Lélis fantasiado de Caramuru (juro que isso foi real!).


Gabriela, muito obrigado. E a resposta é: no Saara!


Abraços e vida longa a todos!


SILVASSA · Salvador, BA 21/2/2007 18:14
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Nelson Maca
 

AI AI AI... FALTA APENAS DESLOCAR O OLHAR!
A LEVEZA COMO DIRIA CALVINO!!!

Nelson Maca · Salvador, BA 21/2/2007 20:01
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Carlos ETC
 

Pois √©, Gustavo! Carnaval do Pel√ī d√° mesmo um bom caldo... uma tranquilidade, um certo ar de ingenuidade. Eu, sendo de Salvador, me senti turista, me senti fascinado. Tive que poemar sou teu carnaval.

Carlos ETC · Salvador, BA 22/2/2007 11:02
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
Spírito Santo
 

Mandou muito bem, Gustavo!

Sp√≠rito Santo · Rio de Janeiro, RJ 22/2/2007 17:49
1 pessoa achou ķtil · sua opini„o: subir
andre stangl
 

Uma jóia! estive em recife recentemente e tive um papo sobre carnaval c/ taxista. Ele me disse q a a axé music é proibida por lá (por uma questão de protecionismo cultural) e q curiosamente qdo trocaram o axé pela marchinhas e frevos a violência diminuiu drasticamente. Recentemente, Ivete tentou tocar por lá, não sei se foi o tempo de jejum, mas o pau comeu... será q o ritmo do axé é mais punk q o punk?
abçs, meu velho.

andre stangl · Salvador, BA 22/2/2007 19:05
2 pessoas acharam ķtil · sua opini„o: subir
SILVASSA
 

Carl√£o, vou l√° dar uma saque no teu texto.

Spirito Santo, obrigado, Am√©n! (por via das d√ļvidas)


Stangl, te invejo. Queria muito conhecer o carnaval de lá. E você tem idéia do quanto gosto do manguebeat e outras ondas. Além de ter uma forte e antiga ligação com pessoas do eixo Juazeiro-Petrolina. Tenho parentes por lá.

Aliás, foi lá que vi, há muitos anos, Ivete fazendo um show no Centro Cultural João Gilberto. Na época, ela cantava Luís Melodia, Zé Ramalho entre outros.

Eu li a matéria da Ivete. Já tinha ouvido falar mas achava que era mentira da galera.

O pau comeu mesmo!

E em relação à pergunta: o ritmo do axé pode ser até mais leve que o do punk verdadeiro: mas a atitude de um Psirico me parece, muitas vezes, underground pacas!. Abração meu velho

Vida longa a todos!

SILVASSA · Salvador, BA 22/2/2007 21:11
1 pessoa achou ķtil · sua opini„o: subir
Hermano Vianna
 

√© preciso escutar direitinho o Psirico... ali tem alguns dos melhores percussionistas do mundo... e algumas vezes umas eletr√īnicas bem prafrentex... mas sou suspeito...

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 22/2/2007 22:06
1 pessoa achou ķtil · sua opini„o: subir
daimao
 

Gostei! Parabéns!

daimao · Rio de Janeiro, RJ 16/2/2008 23:58
sua opini„o: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. FaÁa primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

VocÍ conhece a Revista Overmundo? Baixe jŠ no seu iPad ou em formato PDF -- ť grŠtis!

+conheÁa agora

overmixter

feed

No Overmixter vocÍ encontra samples, vocais e remixes em licenÁas livres. Confira os mais votados, ou envie seu průprio remix!

+conheÁa o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados