Arte que brilha: Majê Molê e Mestre Librina

1
André Dib · Recife, PE
6/11/2008 · 108 · 3
 

Dois talentos representam a cultura de Pernambuco no Tangolomango 2008: o balé afro Majê Molê, e a banda de pífanos Mestre Librina. Ambos têm histórias diferentes para contar. No entanto, com uma característica em comum – a ressocialização de jovens em situações de risco.

No Tangolomango do ano passado, o Majê Molê fez uma apresentação de dar água na boca no palco do Teatro do Parque (Recife). Este ano, o grupo está de volta para mostrar aos cariocas a beleza de sua performance. Formado por 65 meninas do bairro de Peixinhos (Olinda), o balé Majê Molê oferece uma performance nada clássica, baseada em estudos das religiões de matriz africana. Sua sede fica no Centro Cultural Nascedouro, antigo matadouro de Peixinhos, espaço que, não fosse por este e outros movimentos culturais, até hoje seria reduto de tráfico e desmanche de carros.

O Majê Molê nasceu de uma brincadeira que a educadora Glória Maria Gomes promovia todo ano, no dia das crianças. Em 1997, a pedido das próprias crianças, o grupo passou a existir também para o mundo, graças ao apoio inicial dos percussionistas Toca Ogan e Gilmar Bolla Oito, do grupo Nação Zumbi, e depois com os integrantes do Rappa e intercâmbios com o Afroreggae. De forma que, se apresentando Brasil afora, o grupo realiza o sentido do nome original Majesi Mimolê, no dialeto iorubá: “crianças que brilham”.

Movimento semelhante está em curso no Alto do Cruzeiro, bairro periférico do município de Gravatá, no agreste pernambucano. Lá, o grupo Mestre Librina está renovando a tradição das bandas de pífano, uma das referências culturais do interior nordestino. O projeto retoma e atualiza a obra de Sebastião Librina, mestre do pífano de que morreu no anonimato, e sem deixar herdeiros. Ao inserir rabeca, caixa, zabumba, pandeiro, ganzá, alfaia, triângulo, agogô e contra-baixo, os meninos deram nova roupagem ao som do pífano, que ainda encontra nas vozes a cantoria sobre a perspicácia e sagacidade do povo nordestino. Mestre Librina encanta e envolve em festas profanas e religiosas, através de performances próprias, desenvolvidas para os ritmos da mazurca, xaxado, coco, afoxé, caboclinho e frevo. Sua apresentação termina bem no espírito do Tangolomango, com a ciranda reunindo a platéia numa grande roda, símbolo da união das classes, raças e credos em torno da cultura popular.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Rose Canazzaro
 

Votado!Sucesso!

Rose Canazzaro · Andradina, SP 5/11/2008 14:18
sua opinião: subir
Ivette G.M.
 

André, não são só as crianças que brilham. Brilham os educadores, os artístas que se dedicam a essas crianças, que de outra forma estariam na rua, envolvendo-se em problemas.
Ótima notícia. Votado, com um abração.
Ivette G M

Ivette G.M. · Cotia, SP 6/11/2008 15:47
sua opinião: subir
Helena Aragão
 

Ontem vi o ensaio do Majê Molê, é bárbaro ver aquelas meninas dançando com tanto vigor. Vida longa ao projeto!

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 8/11/2008 12:10
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados