As mortes serão breves

1
Romeu Martins · São José, SC
28/10/2009 · 47 · 11
 

Durante 170 anos Gao Jung esteve morto. Para desespero dele, tal período de hibernação involuntária, entre 2070 e 2240, deve ser sua experiência mais próxima daquilo que hoje em dia ainda chamamos de descanso eterno, pois, na nova realidade em que passou a viver, o rapaz está condenado a ser imortal. No máximo, ao ser abatido, Jung vai conseguir breves pausas nas missões que seus novos patrões lhe impuserem para, logo em seguida, ser despertado mais uma vez, com as memórias reimplantadas em um novo corpo, clonado e adaptado para melhor servir a interesses que não são os dele. “Se a morte é temporária, qual é o sentido da vida?” A pergunta é o mote por trás da minissérie Eterno Retorno, a primeira inclusão do universo ficcional do videogame on line Taikodom na área dos quadrinhos. História dividida em cinco capítulos e em dois volumes – o primeiro, lançado este mês nas livrarias, reúne os dois episódios iniciais; para novembro está programado o lançamento dos outros três no segundo e último álbum da série – a aventura assinada pelo roteirista Roctavio de Castro e pelo desenhista Eduardo Ferrara marca o primeiro aniversário da abertura do jogo ao público, fato que se deu no dia 27 de outubro de 2008. Além disso, é mais uma fronteira desbravada pelo projeto que conta com dois livros lançados, um romance e uma coletânea de contos, o primeiro deles já resenhado aqui no Overmundo.

Game, romance, contos e quadrinhos são diversas entradas para o mesmo universo, um futuro altamente tecnológico no qual a humanidade dominou o espaço – significado do termo Taikodom – mas perdeu o contato com o planeta Terra. A base do projeto é a capital catarinense, onde está localizada a Hoplon Infotainment, que desenvolve o jogo com uma equipe de aproximadamente 100 profissionais e logo deve exportá-lo, graças a uma parceria com uma empresa" target="_blank">http://www.gamersfirst.com/corporate/?q=NewsDetail&newsId=49">empresa californiana, para mais de 30 países. Quanto ao universo ficcional expandido para além da tela dos computadores, ele é criado em conjunto com escritores e artistas de diversos estados – Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro – em outra parceria, com a editora Devir, que distribui os livros e revistas para todo o Brasil e logo deve fazer o mesmo em outros territórios. Eterno Retorno é um exemplo dessa interação à distância, uma vez que Roctavio Castro mora há 12 anos em Florianópolis, de onde escreveu o texto da série, e Eduardo Ferrara mantém seu estúdio em São Paulo, e de lá desenhou e arte-finalizou a HQ, repassando as cores para os cuidados de sua equipe do Imaginos.

O roteiro se divide para acompanhar o protagonista em dois momentos, suas memórias de um passado terrestre no século XXI e o impacto da ressurreição dele no espaço em pleno século XXIII. O trabalho se vale da alteração dos focos narrativos e fartas elipses. Nos flashes de 2070, Gao Jung trabalha com uma parceira, bem íntima, para reaver objetos cobiçados por um grupo criminoso. Aos poucos, com vislumbres pingados ao longo das páginas, podemos perceber que as coisas se complicaram para a dupla e que o policial é acusado da morte da companheira, julgado, condenado e posto em hibernação. Depois do salto cronológico, ele é considerado útil para os interesses da casta que manda no Taikodom, os Spacers. Ao ser descongelado, ganha uma companhia indesejada. Sua mente passa a compartilhar pensamentos com uma inteligência artificial geniosa que orienta o terráqueo naquele novo mundo e faz o arquivamento de suas memórias para possibilitar o reimplante, caso o corpo do hospedeiro seja destruído. Vale comentar que essa consciência inorgânica, chamada OTTOBA7, ganha vida no Twitter com um perfil alimentado por seu criador no qual faz postagens sobre temas como o pós-humanismo e a singularidade tecnológica.

Já os dinâmicos desenhos da minissérie seguem uma proposta estética bem diferente dos gráficos do jogo, apesar de a identidade visual das várias naves espaciais estar bem preservada e os cenários hi tech apresentados serem muito convincentes. O visual dos personagens da HQ não foi trabalhado nos formatos tridimensionais de um game, mas como algo bem mais voltado para o estilo cartunesco, quase um meio termo entre o que se poderia esperar de uma obra para leitores adultos, como anunciado na capa, e gibis feitos para crianças. Com isso, mesmo em momentos de dramaticidade, o traço às vezes lembra bastante material mais voltado ao humor. A explicação pode estar nas influências reconhecidas pelo desenhista, que lista como tal os mangás e a produção italiana de quadrinhos Disney. De fato, a arte me lembrou bastante a da revista Donald Super, versão nacional que a editora Abril lançou por aqui em 2003 da PK italiana: uma publicação que mostrava o famoso pato vivendo aventuras de ação e FC. Mesmo bem sucedida no país europeu, a proposta não fez muito sucesso no Brasil.

O resultado desse esforço interestadual dos autores é a resposta para aquela pergunta filosófica que começa a ser esboçada no primeiro álbum. “Se a morte é temporária, qual é o sentido da vida?” Não apenas pelos rumos da história, mas por várias citações, algumas bem explícitas, outras menos, essa ideia e a da reiteração do conceito por trás do título da série estão espalhadas por toda a parte. Seja no trecho de um dos livros mais conhecidos de Friedrich Nietezsche escolhido para abrir o primeiro episódio; seja no título do segundo, “Sísifo”, remetendo ao mortal condenado pelos deuses gregos a repetir uma tarefa sem sentido eternamente; ou ainda no logotipo da revista que entrelaça as últimas letras das palavras eterno retorno para obter o símbolo matemático do infinito. No próximo mês, deveremos ver mais respostas para a pergunta que tanto atormenta Gao Jung.

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Romeu Martins
 

Hmmm, deu erro em um link citado na matéria. O endereço virtual da empresa californiana que fez parceria com a Hoplon é

http://www.gamersfirst.com/corporate/?q=NewsDetail&newsId=49

Romeu Martins · São José, SC 28/10/2009 10:26
sua opinião: subir
Roctavio de Castro
 

Valeu Romeu! A primeira resenha é como a primeira morte: você nunca esquece! ;-) Abraço!

Roctavio de Castro · Florianópolis, SC 28/10/2009 11:09
sua opinião: subir
Romeu Martins
 

Assim como muitas mortes aguardam Gao Jung muitas resenhas ainda virão, Roctavio. Parabéns pelo lançamento!

Romeu Martins · São José, SC 28/10/2009 11:11
sua opinião: subir
Huguinho...
 

Espero que Taikodom seja só o início de muitas séries que poderão vir nos próximos anos. Gostei dos livros e espero saborear cada vez mais esse universo.

Huguinho... · São Bernardo do Campo, SP 28/10/2009 13:13
sua opinião: subir
Hermano Vianna
 

que bacana ver o Taikodom se espalhando por tantas mídias - que bacana ver isso acontecendo com tanta inovação e tanto profissionalismo, abrindo novas boas possibilidades para a indústria cultural brasileira - parabéns para todo mundo envolvido!

Hermano Vianna · Rio de Janeiro, RJ 28/10/2009 14:12
sua opinião: subir
Wilhelm
 

Show de bola!!!! PARABÉNSSSSSS
já lí a HQ e recomendo... Excelente leitura!!!
Espero novos RETORNOS...

Wilhelm · Florianópolis, SC 28/10/2009 16:08
sua opinião: subir
Romeu Martins
 

Brigado pela presença, pessoal.

Romeu Martins · São José, SC 28/10/2009 19:04
sua opinião: subir
Octavio
 

É uma satisfação testemunhar o nascimento das HQs taikodônicas. Foram quase cinco anos de espera e agora o pessoal está mandando brasa com coletâneas, romances e graphic novels. Muito, mas muito bom.

Octavio · Rio de Janeiro, RJ 28/10/2009 22:22
sua opinião: subir
giseliramos
 

A HQ é mesmo muito boa e pretendo acompanhá-la =D

giseliramos · São Paulo, SP 29/10/2009 08:25
sua opinião: subir
clara arruda
 

clara arruda · Rio de Janeiro, RJ 29/10/2009 13:00
sua opinião: subir
Romeu Martins
 

Brigados, novamente.

(Só agora notei que banquei o numerólogo e suprimi o "de" no nome do Roctavio de Castro.)

Romeu Martins · São José, SC 29/10/2009 16:47
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados