Conheça a Garapa, uma produtora multimídia

Página interna do www.garapa.org, site da Garapa Multimídia
1
Savazoni · Brasília, DF
5/5/2008 · 155 · 9
 

Se você navega por sites gringos, com o olho condicionado, encontra reportagens de altíssima qualidade. Isso é resultado da explosão do jornalismo digital nos últimos dois anos. Texto, áudio, vídeo, foto, mashups, mapas reunidos por criativos jornalistas resultam em histórias contadas de um jeito que jamais se viu. Alguns chamam de multimídia. Eu gosto da expressão hipermídia.

No Brasil, esse processo é mais lento. Pouca gente, até agora e infelizmente, apostou em boas reportagens digitais. Há apenas um centro de excelência, montado no Jornal do Comércio em Recife. Quando estive na direção da Agência Brasil, tentei construir algo. Às vezes, surge coisa interessante no G1. São exceções. A regra é produzir com pouco orçamento materiais quase amadores.

Daí o pioneirismo da Garapa, produtora de jornalismo multimídia montada por Paulo Fehlauer, Leo Caobelli e Rodrigo Marcondes. São poucos os trabalhos disponíveis no site do coletivo. Mas esse pouco já permite dizer que estamos diante de grandes contadores de histórias. Em especial, destaco o trabalho de Caobelli sobre a cobertura do caso Isabella pela imprensa.

A inspiração da Garapa é o MediaStorm, de Brian Storm, ex-diretor da MSNBC que resolveu apostar seus dotes e dólares na construção de uma produtora digital para a rede. O MediaStorm tem trabalhos publicado por veículos da grande mídia americana, entre os quais a própria MSNBC, o Washington Post e o Los Angeles Times.

É impossível não se emocionar com trabalhos como o Blodlines, finalista do Emmy, ou o sensacional Kingsley Crossing, vencedor do Emmy. Na época do vídeo fácil, do You Tube, o MediaStorm tem apostado em trabalhos de altíssima qualidade, baixo orçamento e muita criatividade. E tem contribuído para ampliar os horizontes de quem trabalha contando histórias no mundo digital.

Fehlauer, Caobelli e Marcondes resolveram entrar nessa briga. Por enquanto, estão fazendo na raça. Logo logo, espero, alguém vai sacar e vai bancar para eles condições de seguirem aperfeiçoando essa linguagem. Leiam, abaixo, uma entrevista que fiz com eles por e-mail. As respostas foram enviadas pelo Fehlauer. Leia mais também no Blog Em Busca da Palavra Justa.


Quando a Garapa foi fundada, por quem e qual a idéia de vocês com isso?


Acho que ainda estamos nesse processo, descobrindo uma linguagem. A Garapa foi meio que gerada, espremida mesmo, quase como uma vontade coletiva dos 3 sócios, que colidiu em um momento muito oportuno. Voltei de Nova York com muita vontade de explorar esses novos caminhos do jornalismo, tendo participado um pouco desse debate por lá. Chego ao Brasil e encontro o Leo, que trouxe o Rodrigo de Londres pensando em fazer algo na mesma linha. Somos 3 "garapeiros": Leo Caobelli, Paulo Fehlauer e Rodrigo Marcondes, três jornalistas-fotógrafos indignados com a mesmice do nosso jornalismo.

Falem um pouco das influências. Dá para perceber que Brian Storm e seu MediaStorm são referências de vocês. Quem mais?


A MediaStorm é definitivamente uma inspiração. Pelo que sabemos, é a única empresa dedicada à produção desse tipo de conteúdo. É incrível que eles consigam fornecer ao mercado editorial peças com mais de 10 minutos de duração, um tempo relativamente longo para a internet. As agências VII Photo e Magnum têm trabalhos belíssimos, mais ligados à tradição fotográfica. Acho que também somos influenciados por uma tradição de documentaristas, fotógrafos e cineastas, e, por que não, romancistas, cronistas. No fim das contas, queremos contar histórias, e estamos explorando os meios que nos parecem mais interessantes.

Vocês partem da fotografia para o exercício da narrativa hipermidiática. Esse tem sido um caminho natural nos Estados Unidos. O último Pulitzer premiou uma fotógrafa que fez um trabalho, fantástico, audiovisual. É esse o caminho para os fotógrafos agora?

Não sei se para os fotógrafos de forma geral, tem muita gente que não quer saber disso, mas achamos que há um espaço a ser ocupado. Nos EUA, há até uma certa pressão sobre os fotojornalistas. Muitos são obrigados pelos jornais a levar câmeras de vídeo e gravadores de áudio para a rua. Por outro lado, ainda tem muita gente que não abre mão do filme. Mas não há dúvida que a internet abriu muitos caminhos, e há uma geração de fotógrafos e jornalistas que quer explorá-los. Há uma linguagem a ser desenvolvida, e um público a ser formado – público esse, é bom lembrar, que se habituou rapidamente aos vídeos curtissimos do YouTube e congêneres.

Com a internet, os formatos se diluíram muito, fica difícil delimitar os conteúdos. E, se os campos se cruzam, é natural que a fotografia se ligue a outros formatos. As ferramentas são cada vez mais acessíveis, e o fluxo de informação cada vez maior. Acho que a idéia é achar formas de expressão que se encaixem nesse fluxo, e acho que essa é a nossa busca.

Qual a sua avaliação do trabalho realizado pelos veículos jornalísticos online? Você acha que os grandes abrirão espaço para esse tipo de trabalho?

O mercado brasileiro é bem diferente do americano, bem menor, bem mais concentrado, tradicional, familiar, é até injusto comparar. Pelos contatos que tivemos recentemente, percebemos que essa abertura deve começar pelos veículos essencialmente online, como os grandes portais. A estrutura dos grandes conglomerados da mídia impressa ainda é arcaica, conservadora, pouco atenta às mudanças. É impensável, por exemplo, uma integração de redações como as que têm passado os grandes jornais dos Estados Unidos. Aqui, impresso é impresso, online é primo pobre, e a lógica nesse caso costuma ser a do máximo lucro com mínimo investimento. Mas em algum momento essa abertura vai acontecer. Grande parte do público desses veículos têm acesso a banda larga, e há um potencial de geração de receita com publicidade ainda pouco explorado. Quando o primeiro grande veiculo investir, a concorrência vai ter que correr atrás. Acreditamos que, em um momento não muito distante, a produção online vai se dissociar bastante do conteúdo impresso.

compartilhe

comentrios feed

+ comentar
DaniCast
 

É bacana, bonito, mas achei pouco informativo (acabei indo no site tradicional para ler a história completa e entender o que estava acontecendo) e pode ter um problema sério de violação de direito autoral, usa a trilha do Steve Reich e não declara se eles obtiveram permissão para isso. Ainda é muito amador, também, apesar de ser esteticamente interessante.
O problema do amadorismo no Brasil é falta de educação e cultura básica, falta de valores importantes que ainda não foram assimiliados em nossa cultura, como por exemplo, que material que possui copyright precisa ser respeitado. Só uma mudança radical de visão e comportamento pode transformar nossos meios de comunicação e aumentar a qualidade e isso inclui, claro, a remuneração de todos que trabalham com isso.

DaniCast · São Paulo, SP 5/5/2008 15:15
sua opinio: subir
Deak
 

DaniCast, acho que a proposta é outra: mais sensação sobre aquele momento da cobertura e menos informação, no sentido tradicional, quem fez o que onde e por quê. Nesse aspecto, é bastante bom.
Também acho que vivemos tempos bastante fluídos, em que várias barreiras começam a ser diluídas, e o copyright é uma delas. A mudança radical de visão deve ser imposta não aos produtores independentes - esses já a têm -, mas às gravadoras, ao ECAD, aos verdadeiros piratas da comunicação. Na cultura hacker, da troca, não dá mais para aplicar os mesmos dogmas do século passado.
Sobre o caso específico: há uma brecha na lei que permite, para uso jornalístico, o uso de trechos de músicas. Há quem use 30 segundos, 1 minuto, 2 minutos. Não precisa da autorização do autor, se o uso for jornalístico.

Deak · Brasília, DF 5/5/2008 16:00
2 pessoas acharam til · sua opinio: subir
Paulo Fehlauer
 

À guisa de uma explicação (como um dos garapeiros):

Dani, primeiro, obrigado pelo comentário, você nos fez pensar um pouco mais sobre as nossas posições. Nós, da Garapa, confessamos que estamos ainda brincando com o formato, explorando as ferramentas disponíveis. Isso pode (ou não) explicar possíveis falhas.

De qualquer forma, felizes são os amadores, que fazem o que fazem por amor, e não se preocupam se ele rende dinheiro ou não. Não deixemos que nós, profissionais, que diariamente trocamos esse amor por um punhado de moedas, abandonemos o amadorismo, ou seremos todos pecinhas de um tabuleiro.

A Garapa é um coletivo independente, e isso implica questionar mais do que aceitar.

Quanto à questão legal, nós a vemos mais como uma questão de posicionamento político. Os direitos autorais são um tópico amplamente discutido, ainda mais com todas as mudanças causadas pela distribuição de conteúdo pela internet. No caso da peça em questão, sim, há uma violação da lei. Mas leis existem também para serem questionadas. Acreditamos seriamente na livre distribuição de conteúdo, em licenças como o Creative Commons, GPL, Copyleft, e pensamos muito sobre o assunto. O Leo, por exemplo, além de garapeiro, é músico, e me pediu para incluir o seguinte:

"Especificamente na música, a falta de debate e o comodismo com as leis existentes propiciam a existência de órgãos como a OMB (Ordem dos Músicos do Brasil), que de forma alguma representam a classe. Infringir normas das quais discordamos é o primeiro passo para modificá-las."

Isso não significa que vamos sair vendendo material alheio a torto e a direito, temos consciência disso. O material que publicamos em nosso site é de total responsabilidade nossa, e assumimos os riscos. Acreditamos também na colaboração propiciada pela rede, e pretendemos aproveitar esse ambiente colaborativo no nosso trabalho, buscando músicas distribuídas em Creative Commons, por exemplo, e disponibilizando nosso trabalho sob a mesma licença.

Obrigado mais uma vez pelo comentário, e que siga o debate.

Deak, é bem por aí. Abraços.

Paulo Fehlauer · São Paulo, SP 5/5/2008 16:54
1 pessoa achou til · sua opinio: subir
leocaobelli
 

citando meu amigo e sócio Paulo Fehlauer: "Nós, da Garapa, confessamos que estamos ainda brincando com o formato, explorando as ferramentas disponíveis."
E confesso que brincar é uma das melhores e mais importantes condições para se trabalhar de maneira honesto, ao menos comigo mesmo.
que siga o debate, sempre!

leocaobelli · São Paulo, SP 5/5/2008 17:24
sua opinio: subir
leocaobelli
 

E já que fiz citação na passagem anterior, faço-o de novo relembrando a estimada Rádio Muda de Campinas, que trazia na capa do folheto distribuído no primeiro FSM: "Piratas são eles que querem o ouro!". E temos dito!

leocaobelli · São Paulo, SP 5/5/2008 17:30
sua opinio: subir
Felipe Obrer
 

Visitei hoje de manhã e agora à tarde de novo a revista multimídia de vocês... Muito inovador o trabalho. Fiquei impressionadíssimo com o clipe do matadouro. Vi outras coisas bem interessantes também. Recomendo a visita a quem passar por aqui.

Abraços e parabéns pelo projeto colocado em prática!

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 6/5/2008 16:55
sua opinio: subir
Felipe Obrer
 

Em relação a essa discussão sobre direitos autorais que se iniciou, recomendo a leitura deste link, que remete a texto no qual Ronaldo Lemos fala sobre o confilto entre a internet e a legislação. Foi publicado originalmente aqui , por último aqui

O primeiro link é para a publicação intermediária, no site do Ministério da Cultura. O texto foi originalmente publicado no site da própria autora, Ana Carmen. Por último, foi parar no site do Projeto Cultura Livre. Só foi possível que pulasse tanto "de galho em galho" porque todos usam licenças Creative Commons. Assim como a Garapa, até onde entendi (e o Overmundo).

"Se todas as violações de direito autoral fossem parar na Justiça, não haveria como dar conta de tantos processos" - Ronaldo Lemos aqui.

Abraços,
Felipe

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 7/5/2008 01:04
sua opinio: subir
Felipe Obrer
 

Pode ser interessante pular os textos e ir diretamente para a entrevista em vídeo do Ronaldo Lemos.

Felipe Obrer · Florianópolis, SC 7/5/2008 21:47
sua opinio: subir
Marcos Paulo Carlito
 

Estamos falando do futuro

Marcos Paulo Carlito · , MS 8/5/2008 13:39
sua opinio: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faa primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Voc conhece a Revista Overmundo? Baixe j no seu iPad ou em formato PDF -- grtis!

+conhea agora

overmixter

feed

No Overmixter voc encontra samples, vocais e remixes em licenas livres. Confira os mais votados, ou envie seu prprio remix!

+conhea o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados