Brasil.gov.br Petrobras Ministério da Cultura
 
 

CULTURA E SOCIEDADE

1
Alecsander Tatagiba · Itaperuna, RJ
7/8/2009 · 2 · 2
 

Produzir coisas relacionadas à cultura contribui de que forma para a sociedade? Talvez no sentido de permitir algo diferenciado ao que se convenciona denominar projetos sociais, que podem por vezes não ultrapassar uma atividade mais próxima do bom-mocismo ou do politicamente correto.
Como então sair desse embaraço? O que deve ser prioridade? Soluções sociais relacionadas à questões mais à vista no que se refere a uma mais fácil identificação e constatação como por exemplo combate à violência, erradicação da fome e erradicação de doenças ou possibilidade de saída para um universo onde tais questões são colocadas e compreendidas por outra perspectiva?
A questão surgida disto relaciona-se em procurar descobrir qual o real papel da cultura em meio ao redor dela própria. Parece uma redundância devido aos termos utilizados parecerem possuir o mesmo sentido e significado. Deve mesmo a cultura retratar o universo mais próximo e mais imediato ou deve ela superar seus próprios horizontes buscando em outros meios fazer se valer enquanto perspectiva e possibilidade de inserção em qualquer ambiente por mais estranho que lhe possa ser? A pergunta que se segue disto nada mais é do que a seguinte: pra que Cultura? Qual seu propósito, qual sua finalidade? Cultura não é entendida aqui enquanto apenas consumo de cultura, mas sim como elaboração de uma cultura evitando a demasiada reprodução de cultura e uma maçante (no sentido de quantidade) e “massante” (no sentido de manipulação para se atingir o maior número de pessoas) produção de cultura.
A saída para tal talvez possa passar pelo vivenciamento da e na cultura. Como é isto possível? A partir de uma inauguração de um modo de se proceder perante a cultura fundamentado no relato oral e não apenas em documentações. Em outras palavras, a cultura livresca estaria dentro desta perspectiva em segundo plano, mas nem por isso desvalorizada.
Voltamos ao questionamento inicial. O que se segue disto que foi mencionado anteriormente parece uma contestação do modo como o mundo acadêmico lida com questões a princípio desligadas e destoadas dele devido ao seu fechamento em si mesmo, transparecendo o fosso existente entre o mundo acadêmico e o mundo real e dos “meros mortais”. Talvez isto possa ser considerado uma crítica, porém uma crítica fundamentada primeiramente em uma análise e não em uma noção de ataque.
Deve mesmo a cultura estar amarrada e presa a uma instituição com visibilidade maior do que ela mesma? Deve mesmo a cultura estar submissa a uma instituição detentora de uma possibilidade maior e mais rápida para divulgar os resultados do desmembramento de suas atividades. Em outras palavras, será mesmo correta uma espécie de “Fábrica de Cultura”?


Alecsander Tatagiba

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Alecsander Tatagiba
 

Texto Publicado Na Revista "De Bem com a Vida", edição Julho 2009.

Alecsander Tatagiba · Itaperuna, RJ 7/8/2009 11:36
sua opinião: subir
Giuliano Cézar
 

muito bom o texto que me fez refletir sobre A Fantastica Fábrica de Cultura, com seus agentes, promotores, marketeiros, onde a estética se ocupa com cabelos, maquiagem e lipoaspiração... nesse abismo fashion entre intelectuais e meros mortais a sociedade adentra no século XXI

Giuliano Cézar · Juiz de Fora, MG 10/8/2009 12:31
2 pessoas acharam útil · sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

observatório

feed
Nova jornada para o Overmundo

O poema de Murilo Mendes que inspirou o batismo do Overmundo ecoa o "grito eletrônico" de um “cavaleiro do mundo”, que “anda, voa, está em... +leia

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados