Da aurora ao crepúsculo – relatos de uma viagem...

1
Luís Osete · Juazeiro, BA
31/12/2009 · 28 · 1
 

Ao meio-dia deste ano, pela Editora Casa das Musas, foi publicado o livro-reportagem “Viagem ao crepúsculo”, do jornalista Samarone Lima. Um relato forte, verossímil e assustador, especialmente para aqueles que prezam a única experiência socialista da América Latina: a revolução cubana. Num piscar de olhos, viajei de volta à “aurora da minha vida, à minha infância/adolescência querida, que os anos não trazem mais”, como diria o romântico Casimiro de Abreu.

Naqueles idos, impulsionado pela leitura de “Che: uma biografia”, do jornalista norte-americano Jon Lee Anderson, vivia fazendo planos de viajar pela América Latina. A ideia, acordada entre eu e Maurício, um colega de classe, era de chegar à havana a tempo de comemorar os 50 anos da revolução. Tínhamos um roteiro predefinido. Restava-nos acertar como iríamos, mas isto era apenas um detalhe, diante do sonho de conhecer Fidel Castro.

O nosso pacto de irmandade, à la Alberto Granado e Che, incluía uma participação mais ativa em eventos que pudessem contribuir para um maior amadurecimento militante. Assim, mergulhamos em leituras de periódicos antigos (das décadas de 50 e 60, com ênfase nas notícias sobre o caminhar dos guerrilheiros), participamos ativamente da famigerada Revolta do Busu e até mesmo fomos parar em reuniões da UJS (União da Juventude Socialista), da qual felizmente soubemos sair de fininho.

Entre um encontro e outro, fortalecemos o ideal de ir à ilha de Camilo Cienfuegos. A XII Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba, realizada em junho de 2004, em Salvador, foi a glória revolucionária. Diante de Aleyda Guevara (filha de Che), e aos gritos de Cuba si, Yankee no, Viva Fidel e la revolucion, confirmamos nossa disposição de fazer qualquer coisa para defender a revolução cubana.

Como muitos, vivíamos presos a uma lenda dourada. Ou seria um conto de fadas? Afinal, como um desastroso desembarque do iate Granma, do qual, segundo a versão mais porpagandeada, apenas 12 pessoas sobreviveram, pode dar corpo a uma transformação radical na correlação de forças de uma América dominada pela hegemonia imperialista norte-americana?

Além do livro de Samarone Lima, publicado este ano, faltava-nos a leitura crítica de uma obra basilar: “Revolução na Revolução”, de Régis Debray, filósofo e jornalista francês que acompanhou Che na guerrilha boliviana. Depois de analisar o famoso chavão: “A revolução cubana não se repetirá jamais na América Latina”, Debray nos convoca a libertar o presente do passado, afirmando que “nunca somos completamente contemporâneos do presente”. “A culpa”, afirma ele, “não é da história, mas sim da nossa perspectiva carregada de recordações e imagens apreendidas. Vemos o passado sobreposto ao presente, ainda que esse presente seja uma revolução”.

Parafraseando Debray, ainda que o presente de Cuba seja uma decepção, fomos acostumados, à revelia da grande mídia (esta sempre aliada aos interesses capitalistas), a olhar para a ilha de Fidel e ver a imagem de um país que dá certo sem depender das migalhas capitalistas. Na concepção do espetacular concentrado (vide “A sociedade do espetáculo”, de Guy Debord), é como se as conquistas revolucionárias no esporte, saúde e educação justificassem a permanente violência da ditadura da economia totalitária, concentrada numa única figura, Fidel. Em suma, continuamos vendo o passado (revolucionário) sobreposto ao presente (de carestia, desigualdade social e repressão). Olhar de outra maneira não significa renegar o processo revolucionário cubano, mas antes, libertar o presente do passado.

Samarone Lima, em sua “tristeza imensa por ser tão informado, ter lindo tanto, e não saber como era a vida real na ilha”, deu um passo à frente, convidando-nos a sair da velha Caverna de Platão. Atendendo a um “pedido secreto, do fundo da alma de uma funcionária pobre de um hospital de Havana”, Samarone nos leva ao apagar das luzes da ditadura de Fidel, no ano em foi celebrado (por quem mesmo?) o cinquentenario da revolução. Ano em que viajaríamos para conhecer os heróis da resistência.

Por sinal, quando me despedi de Maurício, lembro-me que o presenteei com um livro: “O processo”, de Franz Kafka. O mais curioso é que a sensação de “viajar ao crepúsculo” no ano 50 da deposição de Fulgêncio Batista é bem parecida ao itinerário de surpresas surreais que Kafka nos apresenta por meio do personagem Josef K. Há sempre uma lei maior e inacessível, como um fato consumado, guiando pessoas a situações absurdas.

A inversão de valores é surpreendente. É uma “gafe monumental” elogiar a revolução cubana diante de um povo que não suporta mais ter de carregar o estandarte do mito revolucionário. Todos lutam pela sobrevivência, seja vendendo alimentos no tal “mercado negro”, seja extorquindo turistas desatentos à lógica das duas moedas: a dos pesos cubanos (moeda nacional) e a dos pesos convertibles (CUC, que equivale a 24 pesos cubanos).

É triste perceber que o embargo econômico não serviu para construir uma sociadade anticonsumista. Pelo contrário, criou-se uma necessidade intrínseca de consumir, impulsionada por um desejo reprimido há mais de 50 anos. Quando Samarone mostra à Celeste, a tal funcionária pobre de um hospital de Havana, uma revista brasileira anunciando DVD’s, roupas, sapatos, celulares etc., ela sussurra: “Ai, Samá, quer me matar, quer me matar com isso”.

Em determinado momento da narrativa, Samarone lança uma provocação ao leitor: “Dá pra imaginar um país em que todo mundo, com raríssimas excessões, quer ir embora?”. Realmente, não dá. Como não dá pra imaginar que revolução seja sinônimo de estagnação.

Uma revolução que para no tempo está, definitivamente, condenada a morrer. A máquina burocrática construída em cinco décadas de hegemonia partidária não pode reproduzir ao povo simples (e sem filiação ao “partido”) a estupidez de uma política econômica protagonizada pelos Estados Unidos.

Granma, hoje, é apenas uma lembrança fugidia, travestida no nome do jornal oficial do Partido Comunista Cubano. Um jornal que também parou no tempo, como parou no tempo muita gente que é tão informado, que lê tanto, e continua vivendo na caverna de Platão (ou seria de Fidel?).

Após desembarcar do crepúsculo, torço muito para ver concretizado o desejo mais ardente que pulsa na alma do povo cubano, desvendado no mergulho sem reservas (e sem fontes oficiais) do jornalista brasileiro Samarone Lima e anunciado numa antiga (e profética) assertiva do jornalista francês Régis Debray: “Libertar o passado do presente”. E, complemento, construir a tão sonhada Revolução...

compartilhe

comentários feed

+ comentar
Helena Aragão
 

Luiz, consegui sentir sua decepção e reflexão sobre a ilha, que sem dúvida não pode ser vista por meio de simplificações, seja para um lado ou para o outro. Sigo no Twitter a Yoani Sanchez, a blogueira cubana que lançou livro recentemente, e ao lê-la fico com a mesma sensação de angústia em relação àquela gente. O importante é não deixar a decepção com uma imagem muito idealizada transformar a Cuba de suas percepções em algo exclusivamente negativo. Nunca estive lá, mas vê-se que é um lugar de nuances. Fiquei curiosa para conhecer o livro do Samarone. Abraço e ótimo ano novo pra você.

Helena Aragão · Rio de Janeiro, RJ 2/1/2010 16:39
sua opinião: subir

Para comentar é preciso estar logado no site. Faça primeiro seu login ou registre-se no Overmundo, e adicione seus comentários em seguida.

veja também

filtro por estado

busca por tag

revista overmundo

Você conhece a Revista Overmundo? Baixe já no seu iPad ou em formato PDF -- é grátis!

+conheça agora

overmixter

feed

No Overmixter você encontra samples, vocais e remixes em licenças livres. Confira os mais votados, ou envie seu próprio remix!

+conheça o overmixter

 

Creative Commons

alguns direitos reservados